Tecnologias e borboletas | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/1/2020
Tecnologias e borboletas
Ana Elisa Ribeiro

+ de 500 Acessos


LeP

Investi alguns anos, muitos finais de semana e alguns litros de lágrimas para escrever uma tese acadêmica ultrapassada. Vejam só onde vamos dar: com os burros n'água da obsolescência - programada. É que escrevi, por alguns anos, e defendi, em um ensolarado março de 2008, uma tese de doutorado sobre "tecnologias da informação e da comunicação", um rol de coisas que, então, com menos pudor, atendiam também pela sigla TIC. Com o passar dos anos - e das próprias tecnologias e das aventuras teóricas d'aqui e d'acolá - essa sigla foi virando NTIC, TDIC e hoje sabe-se lá quantas letras carrega. É certo, só, que o peso da desatualização recai sobre os objetos de estudos e as siglas vão tentando, meio em vão, acompanhar os golpes de inovação.

As TIC ganharam um N prefixado quando os/as pesquisadores/as deram pela coisa de que tecnologias da comunicação e da informação sempre existiram, de uma forma ou de outra, com cabos e fios ou sem eles; com telas ou não; com e sem eletricidade; e assim vai. Daí resolveram todos que era mais pertinente chamar de 'novas', em especial para apontar essas que surgiram depois da Segunda Grande Guerra e que estão muito ligadas a algo muito amplo que chamamos de 'computador' ou, mais genericamente, de 'informática'.

Só que as tecnologias novas foram ficando velhas e passou a ser constrangedor chamá-las 'novas'. Em alguns casos, ficou até desrespeitoso ou esquisito. Depois de mais de duas décadas de intensa participação social, de interveniências e mudanças inegáveis, depois de aliviar & atazanar a vida de meio mundo ou mais, ficou complicado chamar de 'novas' essas TIC e então resolveram especificar mais, chamando-as de 'digitais', porque se novas não eram, ao menos que fossem mais precisamente definidas. Bom, daí que continuamos a tratar de uma miríade bem diversa de coisas.

Mode on

E as teses continuam sendo escritas e defendidas, algumas para propor teorias, reflexões e modelos, outras para analisar mais prontamente objetos, ambientes e práticas ligadas a ambos, com e sem pessoas, embora o sem pessoas envolvidas seja um bocadinho impossível.

Minha tese foi uma dessas. Investi anos, de 1998 em diante, estudando impiedosamente a leitura em telas, em ambientes digitais, com o que existia na época. Um dos possíveis objetos de observação e análise naqueles idos eram os jornais. E lá fui eu pesquisar, com direito a testes e usuários, a leitura de jornais em telas, que, na época, limitavam-se quase às dos computadores de mesa (!). O que os/as leitores/as faziam aqui e ali para ler e abrir e clicar e navegar e compreender, etc. Numa primeira etapa, sustentei tudo, o quanto pude, com um construto chamado Teoria da Relevância, que me custou bons meses de aulas e estudos apaixonados. Mais adiante, enveredei pelos estudos de História da leitura, do livro, da cultura, das mídias e ainda me meti na Linguística Aplicada e mesmo nas Ciências da Computação, com o objetivo de analisar as práticas de leitores/as, contumazes ou não, de periódicos que ainda patinavam muito para fazer o que chamavam de 'jornais digitais' ou 'ciberjornais' ou 'net' ou qualquer coisa dessas.

Quando acordei, já em 2020, observando um cenário em que muitos jornais já extinguiram suas versões impressas (às vezes com estardalhaço, às vezes como uma saída à francesa), depois de custosas e ruidosas reformulações gráficas de salvamento; em que leitores/as não pagam e nem pretendem pagar para ler jornais (e nem sequer se vierem para prover contas de e-mails e 'conteúdos exclusivos'); em que esses/as leitores/as vivem de celular na mão, lendo muita notícia, inclusive falsa; em que o jornalismo continua bastante preocupado com seu modelo de negócio no meio desta mudança toda... enfim... quando dei por mim, havia escrito uma tese que serve, hoje, como um belo relance de museu, ainda que seja possível lê-la, ainda atual, para pensar e repensar as práticas de leitura.

Em minha tese, as pessoas participantes liam em telas com dificuldade, mas em telas grandes, presas a mesas, geralmente em ambientes fechados (isso se parece a história do livro... em alguns aspectos...), quando os celulares ainda quase só serviam para telefonar e enviar torpedos e os tablets não tinham nascido (e morrido em seguida). Os jornais eram páginas com links e algumas tentativas de pirotecnias multimodais, aprendendo ainda o que fazer com áudio, vídeo e, aliás, com o/a próprio/a leitor, que chegava perto demais da coisa toda.

Tablets

Uns anos atrás, uma experiência dessas de obsolescência e de mudança de cenário ocorreu a uma aluna de mestrado que orientei. Jornalista, ela resolveu pesquisar jornais em tablets, objeto que, segundo o discurso de vendas daquele momento (coisa de 8, 7 anos), era não apenas a bola da vez, mas também o futuro das comunicações. Bom, eu desconfiava que não, mas quem era eu para dizer, não é mesmo?, diante da propaganda da Apple? Bem, o fato é que os tablets que vejo hoje têm a função principal de babás de bebês e crianças, e não aquela que prometiam as empresas e a propaganda. Pois então: a estudante estudou, estudou e foi analisando um grande jornal para tablet, versão isto, versão aquilo, e pum! De vez em quando, uma versão era 'descontinuada' e a outra era 'substituída' e a moça ia ficando tensa. Sim, pesquisou, defendeu, tornou-se mestre, inclusive relatando essa dificuldade toda de pegar um assunto que escoa feito água, que escapole entre nossos dedos, feito areia. E num momento de desabafo, um dia, na coxia, ela me disse, meio triste: "ah, se eu tivesse estudado os jornais para celular...".

Minha linda, eu disse, seria outra pesquisa, não seria uma solução. Talvez aquela dissertação tivesse um pouco mais de fôlego, já que os celulares e suas telinhas espertas passaram rapidamente à prevalência entre as possibilidades e preferências de Deus e Todo Mundo, mas certamente muita coisa teria mudado, nesse bololô frenético.

Ela não ficou completamente triste. Seu trabalho rendeu boas reflexões. Agora imaginem quem dedicou anos a estudar... sei lá... interações no Orkut! É até difícil ler sobre isso hoje em dia. Ninguém sabe mais o que era aquilo, como funcionava, qual era o regime de interações que o ambiente propunha ao/à usuário/a, que nomes as funcionalidades tinham e tal. Uns tempos atrás, a Cabify fez uma promoção para dar descontos nas viagens e a gente tinha de resolver umas charadas. As respostas eram nomes de elementos de interação do Orkut. Eu não me lembrava de quase nada! Não fosse eu consultar os/as amigos/as pelo WhatsApp, eu teria ficado sem os descontões.

Outros lances obsolescentes

Até que para a escala temporal da web, o Facebook e outras redes estão durando muito, mas é certo que o regime de interação, as funcionalidades e muitos outros elementos já sofreram alterações importantes, coisas que deixaram muitas teses com falhas de visualização ou Erros 404. É nisso que dá estudar tecnologia.

Escrevi uma tese sobre leitura em telas quando as pessoas não liam clicando diretamente nelas. Imaginem! A gente ficava a meio metro ou mais da tela e não adiantava nada tocá-la. O máximo que acontecia era ter de limpar logo a mancha gordurosa da impressão digital. Quando fiz doutorado, as pessoas liam jornais digitais que imitavam páginas impressas, fazendo cantinhos de folha e barulhinhos emulados. Isso ainda fazem, admitamos, mas já estamos noutra era da leitura em multitelas e multifunções.

E nem deve ser só isso. Minha tese lidou com uma configuração social em relação às tecnologias que mudou muito. A sorte é que eu sabia disso enquanto escrevia. Sabia que era areia e sabia que ia escapar e sabia que isso também era lindo. Podia ser quando um estudo passa de novidade a retrato de um momento, sendo agora otimista, claro.

Borboletas

Reli uns trechos da minha querida tese, um dia desses, e fiquei pensando em quanta mudança vi acontecer. Pensei que aquelas pessoas que participaram dos testes que propus (eu e minha amada orientadora) devem hoje navegar em smartphones e repassar fakenews, conforme nossas práticas de hoje, esquecidas, talvez, de suas práticas mais 'antigas' e passadas. Talvez continuem, afinal, tendo dificuldades de compreender o que leem, embora se desloquem espertamente pelos links, questão que se torna cada vez mais desafiadora, tanto para o jornalismo sério quanto para a educação.

Continuo pesquisando a leitura e suas tecnologias. Continuo interessada nisso e em como mesclamos modos de fazer, em como nos apropriamos dos regimes de interação propostos, em como aprendemos, ensinamos e interferimos em nossos modos de comunicação, para o bem e para o mal. Estou sempre recolhendo flagras de aprendizagem, de letramento (digital, como também chamávamos, ali por 2000-2010), de criação popular, de trocas entre pessoas das mais diversas idades e classes sociais. Escrevi uma tese corajosa e meio encantada, em 2008, sobre tecnologias que irrompiam e rompiam, naquela década e na anterior. Ainda hoje, vejo muitas pessoas interessadas em pesquisar sobre isso e sobre o que é isso hoje. E nunca posso deixar de pensar: taí, mais um/a caçador/a de borboletas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 24/1/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
02. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
03. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
04. A medida do sucesso de Fabio Gomes
05. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
04. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIBERDADE PARA APRENDER
CARL R. BORGES
INTERLIVROS
(1978)
R$ 55,00



OS CEM MELHORES CONTOS BRASILEIROS DO SÉCULO
ITALO MORICONI; DIVERSOS AUTORES
OBJETIVA
(2001)
R$ 10,00



O NOVO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
ATLAS
(2016)
R$ 110,00



LUTAS SOCIAIS NA ROMA ANTIGA
LEON BLCH
EUROPA AMÉRICA
(1991)
R$ 10,00



CINEMA NO DIVÃ - GRANDES FILMES EM ANÁLISE
DANIT FALBEL PONDÉ
LEYA
(2015)
R$ 24,00



A TURMA QUE NÃO ESCREVIA DIREITO
MARC WEINGARTEN
RECORD
(2010)
R$ 20,00



SUPER INTERESSANTE Nº 2 ESTE ROBÔ QUER A MAMÃE
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(1995)
R$ 9,90



AL PIE DE LA LETRA GEOGRAFÍA FANTÁSTICA DEL ALFABETO ESPAÑOL ...
VARIOS
CAJA DUERO
(2001)
R$ 80,00



NUVEM DE PÓ
PRISCILA FERRAZ
MARCO ZERO
(2008)
R$ 8,90



REGULAÇÃO PÚBLICA DA ECONOMIA NO BRASIL
ROGÉRIO EMILIO DE ANDRADE
EDICAMP
(2003)
R$ 30,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês