O papel ainda importa | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Sexta-feira, 1/6/2007
O papel ainda importa
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 4100 Acessos

Uma crítica bastante comum aos jornalistas e ao seu ofício se justifica graças ao resultado do seu trabalho. Numa linguagem menos sinuosa e mais direta: o fato de os jornalistas escreverem em papel e, mais do que isso, o fato desse papel servir para toda a sorte de coisas - de limpar vidro de carro a ser receptáculo das fezes e urinas dos cães - torna bastante discutível a relevância do trabalho jornalístico, uma vez que este, como se nota, se pauta pelo efêmero, por aquilo que não resiste, mesmo quando lida com histórias, narrativas e fatos que são absolutamente capitais do ponto de vista histórico, como é o que acontece quando há um grande acontecimento, como a recente vinda do papa Bento XVI ao Brasil. O que houve, do ponto de vista jornalístico? De um lado, jornais e revistas gastaram tintas e mais tintas para registrar as declarações, a repercussão, as imagens do ilustre visitante. De outro lado, poucas pessoas, com efeito, leram, sobretudo porque estamos no Brasil, o que esta imprensa publicou. Resultado: este trabalho será importante, no futuro, se - e somente se - os historiadores desejarem resgatar os acontecimentos destas primeiras semanas de maio. Do contrário, como gostam de enfatizar alguns colunistas de esquerda, os jornais e sua visão de mundo estarão relegados à lata de lixo da história, como se fossem os apontamentos de um diário que sequer busca flertar com seu público.

Nesse sentido, cumpre observar que o papel do jornal tem sofrido, pelo menos nos últimos tempos, constantes investidas e decretos que anunciam sua morte. Uns dizem que os jornais insistem num modelo que, por cobrar por acesso à informação, vai de encontro às novas tecnologias da Era da Informação, esta, por sua vez, caracterizada pela abertura de seus conteúdos ao público sem que exista a necessidadade de pagar por este acesso. Outros, ainda, afirmam que o modelo dos veículos impressos se encontra estagnado porque os jornais e as revistas não souberam captar o timing da mudança, investindo, portanto, em exemplos que tentam mimetizar o formato televisivo (no passado) ou o da internet (agora). A propósito, é comum nos cursos de jornalismo os professores utilizarem como exemplo os canais Bloomberg, cuja tela permanece em constante mudança, num fluxo interminável de informação. No que se pode considerar exagero dessa perspectiva, tome-se como caso modelar a rede de TV a cabo BandNews que, há alguns anos, se vangloriou pelo prêmio internacional que ganhou. Melhor jornalismo? Não, melhor vinheta...

Com efeito, todo este cenário corrobora certa descrença na representação do jornalismo como papel. Pois de que adianta preencher laudas e mais laudas de texto se, no final das contas, ninguém vai ler? Mais do que isso: os meios eletrônicos já conseguem conjugar formatos mais eficazes, que trazem não somente mais conteúdo, como também fazem com que o jornalista seja um gestor de informação, em vez de um redator de notícias prontas, oriundas de agências noticiosas, com uma linguagem mais ou menos pasteurizada, que forma consenso em vez de dar lugar ao benefício da dúvida. De fato, tudo isso é verdade. Então, a pergunta sobrevive: por que publicar? Para não ser lido? A resposta é, a um só tempo, simples e complexa. Para tanto, é necessário um pouco de abstração. Confio que os leitores deste Digestivo Cultural possuem essa capacidade. Ao próximo parágrafo, onde a resposta se inicia.

Ainda que os blogs e demais sites noticiosos se abram como verdadeiras janelas da alma literária para o mundo de leitores, não é preciso ser nenhum gênio para descobrir por que é que as pessoas insistem nas publicações impressas. Ops. Sinto que fui jornalisticamente determinista no início deste parágrafo. Melhor apagar? Não! Às palavras, à escrita! Em verdade, os meios impressos possuem algo que a mídia eletrônica ainda não possui. E este detalhe, caro leitor, é a sensação de permanência. Imagine só que o escritor, alguém cioso e ávido por opiniões, não se contenta em ter elaborado um texto. Para ele, é fundamental que esse texto seja publicado. Com a internet, isso tornou-se, para o bem e para o mal, muito democrático. O que antes era improvável agora é bastante possível (alguns cliques e, voilà, você tem um blog). Ocorre que se no período que antecedeu a internet o mundo se dividia entre os publicados e os não-publicados, agora, o planeta literário - repleto de intrigas e vaidades - está mais para publicados na internet vs. publicados em papel. Aqueles desejam alcançar este estado, como bem definiu o Julio em seu artigo.

Nesse sentido, as opções que restam, e agora volto aos proto-jornalistas, é, um dia, ser publicado em papel, até para que o eventual blog/site alcance um status de maior reconhecimento nessa selva que é a internet hoje em dia. Funciona mais ou menos assim: os jornalistas até topam ser blogueiros e tudo mais; no entanto, é essencial que, de vez em quando, eles apareçam com textos nos veículos impressos. Por quê? Ora, para os jornalistas, o papel, ainda que sirva de embrulho de peixe no dia seguinte, permanece. Ou seja, para o bem ou para o mal, o registro está feito. Já na internet, para esses mesmos jornalistas, o desenho nas telas é tão efêmero quanto a última banda de todos os tempos da última semana. Quem se lembra? Para alguns abnegados e sonhadores, o papel importa, afinal.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 1/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O ensaísta Machado de Assis de Celso A. Uequed Pitol


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso
01. Orgulho e preconceito, de Jane Austen - 5/5/2006
02. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
03. Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) - 2/2/2006
04. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
05. Teoria da Conspiração - 10/2/2004


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês