Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> O INVISÍVEL
>>> Meu reino por uma webcam
>>> De louco todos temos um pouco
>>> Doces Cariocas
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Weezer & Tears for Fears
Mais Recentes
>>> O Profissional Competitivo de Carlos Roberto Faccina pela Elsevier (2006)
>>> Gerenciamento de Riscos Em Projetos de Carlos Alberto Corrêa Salles Jr. e Outros pela Fgv (2009)
>>> A Barcarola de Pablo Neruda pela L&pm (1983)
>>> A História da Educação Através dos Textos de Maria da Glória de Rosa pela Cultrix (1980)
>>> Maria de Cada Porto de Moacir C. Lopes pela Quartet (2002)
>>> Despertar de Amanda Hocking pela Planeta (2012)
>>> Minidicionário Italiano de Michaelis pela Melhoramento (2004)
>>> O Cosmos das Cores de Gunter Kollert pela Goethe
>>> Diário de um Cucaracha o Edição Especial para Mulheres de Henfil pela Record
>>> Os Tempos do Coração de Willy Pasini pela Rocco (2003)
>>> Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente pela Atelie (1996)
>>> O Brasil Que da Certo: o Novo Ciclo de Crescimento, 1994-2005 de Stephen C Kanitz pela Makron Books (1994)
>>> As Minhas Ilhas de Felipe Daiello pela Age (2006)
>>> O Cidadão De Papel de Gilberto Dimenstein pela Ática (1997)
>>> Casamento Aberto as Novas Relações Conjugais de O Neill Nena e George pela Artenova
>>> Home Remedies What Works de Gale Maleskey; Brian Kaufman pela Rodale
>>> Dragon En El Tazon, Un de Roser Rius; Maria Isabel San Martin pela Bruno Arg (2006)
>>> Manual de Direito Penal V. 3 de Julio Fabbrini Mirabete; Renato N. Fabbrini pela Atlas (2007)
>>> Acupuntura de Terapia Alternativa a Especialidade Médica de Dr. Hongg Jin Pai pela Ceimec (2005)
>>> Os Pensadores - Maquiavel de Nova Cultural pela Nova Cultural (1999)
>>> Como Falar Corretamente e sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva
>>> Les Songes Superbes de Théodore Sturgeon pela Presses Pocket (1978)
>>> A História dos Bancos no Brasil de Alexis Cavicchini pela Cop (2007)
>>> A Alma de uma Cidade de Renato Sérgio pela Ediouro (2000)
>>> The Theory of Incentives: the Principal Agent Model de Jean Jacques Laffont; David Martimort pela Princeton University (2002)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Quinta-feira, 2/2/2006
Por que quero sair do Orkut (mas não consigo)
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 21400 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Há pouco mais de seis meses, publiquei um texto para este Digestivo sobre os diários da poeta Silvia Plath. Na introdução daquela resenha, só para fazer um rápido suíte (em jornalismo, retomar a história anterior), escrevi que, hoje em dia, é possível ler sobre a vida das pessoas, e até mesmo colher informações preciosas, sem que essas sequer tenham dado qualquer autorização. Em outras palavras, graças aos blogs, aos fotologs e, evidentemente, ao Orkut, somos todos objetos de contemplação ao mesmo tempo em que exercitamos esse caráter, digamos, voyeurístico de cada um de nós.

Toda essa introdução para falar do Orkut. Na verdade, não é uma análise ou uma outra teoria. Especialistas, arre, existem aos montes. Aqui vai um relato, um depoimento, de alguém que perde tempo com o Orkut; que vê que seus benefícios privados são relativos e seus vícios públicos excessivamente nocivos, só para fazer um trocadilho com uma das teses do professor Giannetti (esse, sim, um bom teórico; pena que não escreveu nada sobre o Orkut). E, por isso, o meu grande dilema é exatamente esse: quero sair do site de relacionamentos mais concorrido da internet, mas não consigo. Vou explicar por que, siga-me.

Entrei no site com o mesmo sentimento de um mineiro ao ouvir as vantagens de deixar sua terra natal. Não estou certo se os leitores se recordam, mas, à época de sua pré-explosão, poucas pessoas estavam no Orkut, pelo menos por aqui, em terra brasilis. Lembro-me que li uma nota do Julio D. Borges sobre o tema e que meus amigos mais bem informados do mundo da tecnologia, Andre de Abreu e Ricardo Senise, já navegavam com toda curiosidade que lhes é particular e costumeira. Cá comigo, pensei: "não vou entrar nisso". Mas, depois que eu vi as vantagens ("pode-se fazer ótimos contatos e encontrar amigos que você nunca mais viu!"), aceitei o convite de minha amiga Mariane Gonçalves, cujo recado inicial está lá até hoje "Nossa, Fabio, que bom que você entrou". Se vocês olharem para a Mari, vão notar que isso não é pouca coisa...

Uma vez dentro, logo fui me familiarizando com as comunidades. Queria entrar nas mais sérias. Sobre música clássica. Sobre literatura. Política. Estratégia Militar. Guerras Napoleônicas. Todos os assuntos que um dia eu quis discutir, mas não tinha com quem fazê-lo. Mas é, de fato, um admirável mundo novo, pensei. E lembro que ficava muito entusiasmado toda vez que achava um amigo que havia sumido do mapa. Os colegas perdidos do Segundo Grau (falar Ensino Médio soa estranho; na época, fiz o Segundo Grau mesmo), os amigos desses amigos e até mesmo, surpresa, minha turma de faculdade que simplesmente desapareceu na fumaça depois da festa de colação de grau, em 2003.

Como vocês podem notar, estava realmente contente com a ferramenta do Google. Tão feliz que sequer percebi quando a coisa começou a me dar nos nervos. Não, não foi por causa do Bad, bad Server, no Donut for you. Acho que foi um pouco depois, mas me lembro da Maíra, outra colega de Aliança Francesa, me dizer que havia cometido um "orkuticídio". "Para que que serve essa coisa, Fabio? Eu saí. Tomava muito meu tempo. Coisa de nerd." Não levei a sério, principalmente porque o que a Maíra tem de inteligente ela tem de exagerada. De qualquer forma, aquilo ficou na minha cabeça e com o tempo percebi que ficava no Orkut tal como um zumbi. Obcecado pela idéia de encontrar meus amigos e, sobremaneira, ver seus interesses. O que lêem? O que assistem? A quais comunidades pertencem? Sim, em vez de debater no fórum dedicado a Tulcídides a estrutura da narrativa de A História da Guerra do Peloponeso, eu tentava interpretar o significado de cada comunidade nos perfis de meus amigos e, sobretudo, de minhas amigas - as solteiras, claro. Aliás, lembro que mais de uma ocasião eu olhava se algumas de minhas amigas estavam solteiras em vez de perguntar isso diretamente a elas. Era, e é (se a pessoa for honesta no que escreve), uma maneira de não deixar claro que eu estava a fim de alguém e, por extensão, se prevenir contra um não vexaminoso.

O fato é que, com o tempo, eu percebi que isso é muito esforço por quase nada. E que, infelizmente, estava perdendo muito tempo com o site de relacionamentos, sem contar que houve uma invasão de usuários que passaram a utilizar o Orkut não só como instrumento de propaganda, mas também como plataforma de agendamento de guerra de torcidas, entre outros "ações" não menos absurdas. A decisão estava, portanto, madura. Era o momento de deixar o Orkut. Só precisava definir quando.

Meu tempo é hoje, canta o sambista Paulinho da Viola, mas eu não consegui fazer minha hora e até o dia (acabei de dar uma checada nos meus testimonials) em que escrevo permaneço no Orkut. Não sem uma justificativa simples. Amigos. Muito embora acredite que boa parte das pessoas com quem eu voltei a falar depois de muito tempo talvez não valham a pena (isso ficou evidente com meus amigos de colégio, por exemplo), existem algumas, poucas é verdade, com quem eu só falo via Orkut. Desse modo, se eu cometesse o tal do "orkuticídio", acabaria também colocando a pá de cal em relacionamentos que, aos poucos, renascem. E é por isso, então, que o dilema resiste: eu quero, mas não consigo sair do Orkut.

O leitor que chegou até aqui provavelmente pode considerar esse depoimento um tanto melodramático demais. Talvez seja, mas não posso negar que, se por um lado há muita besteira no Orkut, as amizades que restam e que sobreviveram à fome, ao frio e à distância (nada substitui o contato, disse Clarice Lispector) são tão fortes que me fazem adiar uma decisão de maneira indeterminada. E quem sabe eu não mude minha opinião sobre o Orkut novamente? Pode ser.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 2/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
03. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
04. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
05. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2006
01. Orgulho e preconceito, de Jane Austen - 5/5/2006
02. Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) - 2/2/2006
03. Desejo de Status - 21/4/2006
04. As crônicas de Ivan Lessa - 30/3/2006
05. Google: aprecie com moderação - 2/3/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/1/2006
16h55min
Fábio, o depoimento não está melodramático, está é sim sincero. Coisa rara nestes dias de "see my belly". Adorei o texto.
[Leia outros Comentários de Ram]
31/1/2006
20h28min
Concordo com Fábio. Só acrescento que é possível encontrar um equilíbrio... Usar a comunidade realmente como uma ferramenta pode ser interessante e... é possível! rsss
[Leia outros Comentários de Nivea L Santos]
4/2/2006
23h09min
Incrível como o relato do Fábio é um perfil quase que generalizado dos usuários do Orkut. Embora eu ache que o site é um meio extremamente eficiente de contato, ele pode por acabar tornando-se algo bem inútil quando não se sabe utilizá-lo.
[Leia outros Comentários de Joyce]
14/2/2006
18h08min
Companheiro, passei pelo Digestivo apenas para lhe deixar um abraço. Elogiar seu texto é clichê. Cada vez que leio suas resenhas aprendo pelo menos quatro novos vocábulos. Fantástico. Espero que esteja tudo bem contigo. Mande-me um e-mail quando puder. Abraços.
[Leia outros Comentários de Renato]
15/2/2006
20h04min
Achei o seu e-mail bastante sincero, estava pensando em entrar no Orkut e sair depois, mas agora desisti, e' muito complicado ficar preso numa coisa que voce nao quer. Talvez seja melhor encontrar amigos 'a moda antiga!!!
[Leia outros Comentários de Haylon Araujo]
27/2/2006
11h49min
Parabéns, seu texto esta ótimo, continuo no orkut firme e conectado! Vivo por viver!!!
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
20/6/2006
12h21min
Risos a principio! Entrei no google e escrevi "como sair do orkut" e li esse belissimo texto, vc fala da mais profunda verdade. Penso q aquilo é uma seita. E hj vejo o qt é dificil sair... Nossa! não temos o DIREITO de sermos excluidos... Como pode isso?
[Leia outros Comentários de Jackeline ]
3/8/2006
20h41min
Eu também encontrei seu texto colocando no Google "como sair do Orkut". Você escreveu o que sinto em relação ao Orkut no início do seu texto. Mas quero realmente sair, pois muita gente está fazendo muita besteira no Orkut. Uma pena porque é uma ferramenta interessante. Virou uma perda de tempo. As discussões ficam na superfície.
[Leia outros Comentários de lavinia teixeira]
11/8/2006
17h01min
Realmente Fabio, o Orkut é um monstro que devora o tempo da gente sem a gente perceber. Estar ligado em rede a 20 milhões de pessoas é algo assustador. Hoje abro uma única vez por mês. Peço desculpas aos meus amigos. Mas escravo não sou mais. Falta agora me libertar do celular e e-mails para ser uma pessoa feliz, livre. abraços, Ivo
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
13/2/2008
00h55min
Eu consegui excluir a minha conta, no fim do ano passado... Poxa, foram vários motivos que me fizeram fazer isso. Mas estou contente e mais aliviado. Conheci pessoas maravilhosas através de orkontros e tudo mais, além de reencontrar grandes amizades. Mas num certo momento, vi que tinha mais de 420 amigos (e o pior, conhecia todo mundo), mas me sentia muito só... Então resolvi fazer uma coisa simples e que pode me ajudar muito: viver o mundo real, dar um telefonema, encontrar com amigos verdadeiros, e não simplesmente mandar um recado: "bom final de semana..." Quero ter um gostinho de escrever uma carta e ter o prazer em esperar o carteiro entregar uma resposta... saudades de um mundo mais unido...
[Leia outros Comentários de André ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Fidalgos da Casa Mourisca
Júlio Dinis
Europa América
(1972)



O Toró: Col. Bum - Bum - Que - Te - Bum - Bum - Bum / 2ª Ed
Ivan Zigg; Regina Siguemoto
Do Brasil
(2008)



Isso ninguém me tira
Ana Maria Machado
Ática
(1996)



O Maior Segredo do Mundo
Og Mandino
Record
(1979)



Box Teologia do Corpo + Livreto: o Papa das Multidões e a Loja do Ouri
São João Paulo II
Minha Biblioteca Católica
(2021)



Nova Guiné - As Regiões Selvagens do Mundo
Time Life
Time Life
(1975)



TOC: transtorno obsessivo-compulsivo
Dan J. Stein / Maomi A. Fineberg
Med
(2009)



Coleção de Olho no Mundo Meios de Transporte (2000)
Abril
Abril
(2000)



Marketing no Setor Público
Philip Kotler - Nancy Lee
Bookman
(2008)



A Mulher Muçulmana Segundo o Alcorão
Paulo Eduardo Oliveira
Palavras & Imagem
(2001)





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês