O ponto final da escrita cursiva | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Matrix, ou o camarada Buda
>>> Honestidade
>>> Action culturelle
>>> Google Blog
>>> A morte do jornal, pela New Yorker
>>> Mucha Mierda
>>> O trabalho camponês na América
>>> Anna Karenina, Kariênina ou a do trem
>>> Um rancho e um violão
>>> Da fatalidade do desejo
Mais Recentes
>>> O Código da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A pergunta a varias mãos de Carlos Rodrigues brandão pela Cortez (2003)
>>> Short Cuts - Cenas da Vida de Raymond Carver pela Rocco (1994)
>>> Da Unidade Transcendente das Religiões de Frithjof Schuon, Fernando Guedes Galvão pela Martins (1953)
>>> Lilith, A Lua Negra de Roberto Sicuteri pela Paz e Terra (1985)
>>> Elementos Fundamentais Para Uma Ampliação da Arte de Curar de Rudolf Steiner e Ita Wegman pela Antroposófica (2007)
>>> Filha Mãe Avó e Puta de Gabriela Leite pela Objetiva (2009)
>>> Revenue Management Maximização de Receitas de Robert G. Cross pela Campus (1998)
>>> A Coisa Terrível que Aconteceu com Barnab Brocket de John Boyne pela Companhia das Letrinhas (2013)
>>> Os Criminosos Vieram para o Chá de Stella Carr pela Ftd (2001)
>>> A Outra Face História de Uma Garota Afegã de Deborah Ellis pela Ática (2012)
>>> Toko Ghoul nº2 de Sui Ishida pela Panini
>>> Bíblia de Aparecida para Crianças de Lois Rock pela Santuário (2010)
>>> O Sabor da Qualidade de Subir Chowdhury pela Sextante (2006)
>>> A Aprendiz de Vivianne Aventura pela Landscape (2005)
>>> Auto sugestão Consciente O Que Digo O que Faço de Emile Coué pela Ediouro
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1983)
>>> No Beco do Sabão de Odette de Barros Mott pela Atual (1985)
>>> O Diário de M. H. de Thalles Paraíso pela Talento (2016)
>>> O Principe Fantasma de Ganymédes José pela Atual (1987)
>>> Vidas de Grandes Compositores de Henry Thomaz pela Globo (1952)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Gramática: Teoria e Atividade de Maria Aparecida Paschoalin; Neusa Terezinha Spadot pela Ftd (2008)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Tarde Demais para Chorar Cedo Demais para Morrer de Edith Pendleton pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quinta-feira, 15/9/2011
O ponto final da escrita cursiva
Vicente Escudero

+ de 4100 Acessos


Carta de J.D. Salinger

O campo minado da informatização e da internet, sabotador de ofícios e hábitos antigos, tem feito vítimas seguidas a cada duplicação da capacidade de processamento dos chips de computadores nos mesmos limites da Lei de Moore. Se o número de transistores que podem ser colocados dentro de um microprocessador duplica a cada dois anos, o número de vítimas deste avanço no processamento de dados não fica para trás. Em menos de dez anos de disponibilidade ampla da web, livros, telefones domésticos, hábitos de consumo e formas de ensino virtualizaram-se quase destruindo os nichos destes produtos e serviços no mundo físico. Este fenômeno, que pode ser denominado desconcretista, veio acompanhado da exigência de uma nova forma de pensar e de interagir com a realidade. De repente, o curso de datilografia, muito procurado até o meio da década de 90, foi trocado pelo de informática. Hoje, os efeitos destas transformações são tão grandes que a linguagem reproduzida nos computadores caminha para substituir um hábito muito mais antigo do que as outras vítimas que tentaram atravessar o terreno cibernético, como o jornalismo, os livros em papel e o ensino presencial. O alvo da vez chama-se escrita cursiva.

Não é novidade que a escrita cursiva sofreu um wazari com a popularização da informática e se esquiva diariamente contra um ippon da troca de informações instantâneas da internet, ainda mais agora, com a larga vantagem dos e-books sobre o papel. O dado novo interessante, que muda o prognóstico da luta -e talvez a defina- é a adesão à idéia pelo governo americano. Desde março de 2011, as diretrizes básicas da educação do governo federal dos Estados Unidos descredenciaram o ensino da escrita cursiva do currículo obrigatório das escolas. Agora, o ensino da matéria é opcional nos estados que aderirem à orientação proposta pelo governo federal, que até esta data conta com quarenta e uma unidades federadas participantes.

A discussão mal começou e dois grupos bastante distintos já marcaram suas posições. A maioria dos mestres e estudiosos da língua inglesa defende o caráter suplementar do ensino da escrita cursiva, enquanto pais e docentes do ensino fundamental defendem a obrigatoriedade.

Os mandatários da permanência da escrita cursiva no currículo obrigatório defendem a utilização da técnica não apenas pela sua função básica de comunicação, mas também pelo fato do aprendizado da escrita cursiva se tratar de um instrumento para o desenvolvimento motor dos estudantes em formação. Este argumento está conjugado com outro, de que o desenvolvimento da reflexão intelectual pelos estudantes necessariamente passa pelo aprendizado desta técnica, pois a escrita cursiva exigiria um grau muito maior de atenção e reflexão para transcrição das idéias no papel, já que diminui a quantidade de distrações entre o pensamento e a sua concretização, situação muito diferente da que ocorre na utilização exclusiva de meios digitais, em que a transmissão dos dados é realizada através da digitação.

Do outro lado da querela estão os defensores da orientação adotada pelo governo americano, que caracteriza a escrita cursiva como opcional dentro do currículo de matérias do ensino fundamental. Embora este grupo esteja dividido em duas correntes, ambas estão fundadas no mesmo argumento: o ensino da matéria não é mais imprescindível. Uma destas correntes de pensamento defende que todas as formas de escrita à mão são completamente desnecessárias e podem ser substituídas integralmente pela utilização de meios digitais, mesmo nas situações que requerem a presença física da pessoa, como a utilização da assinatura para sua identificação, a qual já pode ser substituída por dispositivos contendo assinaturas digitais. A outra corrente não defende esta repentina quebra de página no livro da escrita cursiva, apesar de também entender que a orientação do governo é adequada. Para seus defensores, o desenvolvimento tecnológico ainda não é capaz de substituir de forma infalível a comunicação através da escrita à mão, o que ainda torna imprescindível o aprendizado de pelo menos uma de suas formas: a escrita através de letras desconectadas entre si, as letras de fôrma.

É interessante notar que a orientação governamental não impede que o ensino da escrita cursiva seja realizado mesmo nos estados que a adotarem. Dentro do sistema de educação americano, que possui como fundamento principal de organização a participação da sociedade local nas escolas, soa estranho que a simples caracterização do ensino da disciplina como opcional tenha causado uma revolta generalizada dos pais, defendendo a manutenção da obrigatoriedade. Neste período de mudanças drásticas em hábitos seculares, em que o envio de cartas foi substituído pelos e-mails, os jornais estão à beira da falência e o comércio não exige mais a existência de um balcão para atender a clientela, não é difícil concluir que o conflito criado pela medida é muito mais geracional do que didático ou, até mesmo, utilitário. Estariam os pais com receio de ver um hábito tão arraigado em suas personalidades ser deixado de lado por uma geração que passa grande parte do dia se comunicando, quase de olhos fechados, através de celulares, tablets e afins? O desaparecimento de um hábito tão particular e íntimo parace ter atingido um dos maiores medos da geração que está criando seus filhos no século XXI: o de tornar-se obsoleto.

Nos últimos vinte anos, no mínimo, o foco das escolas no Brasil e nos Estados Unidos tem sido garantir que os alunos produzam uma escrita utilitária, no mínimo legível. Este processo passa pela grafia correta das palavras somada à flexibilidade na utilização da escrita cursiva junto com as letras de fôrma. Também é fato incontestável que a maioria dos adultos acaba desenvolvendo, com o passar do tempo, uma mistura de escrita cursiva com letras de fôrma, um método próprio que atende às próprias necessidades, isso quando não ocorre o abandono completo da escrita cursiva para dar lugar a letras de fôrma. O caráter instrumental da escrita, no final, sempre acaba prevalecendo. Sorte para quem sempre foi péssimo aluno de caligrafia.

O momento atual, muito mais do que um avanço para a incorporação da escrita no processo de informatização, representa o retorno do estilo da cursiva romana, em que a maioria das letras não é conectada. Difícil imaginar um mundo onde ninguém é capaz de escrever um bilhete para avisar que vai voltar logo. Os computadores venceram, isso é indiscutível. O difícil é encontrar um que não esteja coberto com recados em adesivos Post-it.


Vicente Escudero
Campinas, 15/9/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II de Cassionei Niches Petry
02. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
03. Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro de Jardel Dias Cavalcanti
04. Quando as rodas param de Elisa Andrade Buzzo
05. Memória de Elefante de Carina Destempero


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esaú e Jacó - Biblia Sonora 9
Poliana R. Ramos
Casa Publicadora Brasileira
(1979)



Os Dgeofs, Parte I: de Onde Viemos ?
Wtadystaw Sielawa
Jac
(1999)



Tóxicos
João Vieira
Forense
(1988)



Desenvolvendo Aplicacoes Palm Com Ns Basic
Wallace Pinto de Oliveira
Ciencia Moderna
(2005)



Choveu Rosa na Favela
Hermes Santos (dedicatória)
Tela
(1985)



A Ilustre Casa de Ramires: Eça de Queirós - Roteiro de Leitura
Jose de Paula Ramos Jr
Ática (sp)



Productions écrites
Paola Bertocchini Edvige Costanzo
Hachette
(1987)



Cem Homens Em um Ano. as Aventuras Sexuais de uma Mulher Bem Resolvida
Nádia Lapa
Matrix
(2012)



Ler Piaget
Remy Droz e M. Rahmy
Socicultur (lisboa)
(1977)



All About the Boston Harbor Islands
Emily and David Kales
Hewitts Cove Pub Co
(1993)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês