Teoria dos jogos perdidos | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/1/2011
Teoria dos jogos perdidos
Vicente Escudero
+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Não me recordo de quando fui apresentado à criptografia, mas desconfio que nessa ocasião o conteúdo da mensagem escondida pela aplicação de diversos algoritmos era importante o bastante para tomar o tempo de seus pais matemáticos por noites a fio. Talvez eu também tenha relacionado a ideia de esconder uma mensagem ao caráter confidencial de seu conteúdo e, finalmente, a sua origem em algum órgão de espionagem, como num filme de suspense em que agentes secretos carregam segredos roubados e se comunicam através de códigos, evitando o vazamento de suas operações.

Talvez essas expectativas não façam parte do mundo real, pois foi nesta frágil dimensão que surgiram os telegramas diplomáticos vazados a conta-gotas pelo WikiLeaks. De um lado estão as informações diplomáticas do país que possui como maior empregador de matemáticos um órgão público, a Agência Nacional de Segurança (NSA), famosa por ser muito maior do que a CIA e ninguém conhecer suas atividades. Do outro está um site formado por jornalistas e hackers que publica informações sensíveis de qualquer país. O resultado do confronto dessas forças revela a fragilidade do sistema de informações da maior potência militar do mundo, mesmo ainda não havendo a confirmação segura da autoria dos vazamentos pelo analista militar preso, Bradley Manning.

Segundo Adrian Lamo, o hacker que delatou Bradley ao FBI e teria conversado com ele sobre os vazamentos em um chat, o analista fingiu que ouvia e cantava "Telephone", de Lady Gaga enquanto copiava as informações dos servidores do Exército em Bagdá, onde estava alojado. O analista ainda teria dito que a segurança era "vulnerável pra cacete... ninguém suspeitou de nada... =L meio triste... servidores fracos, logging fraco, segurança física fraca, contra inteligência fraca, rastreamento das operações inexistente... uma tempestade perfeita". Também esclareceu sua intenção em copiar os telegramas "e se eu estivesse mal intencionado?". Questionado sobre a possibilidade da venda das informações à Rússia e China, teria dito "as informações são públicas... deveriam circular livremente".

Bradley pode ter sido ingênuo ao revelar a história, mas teve coragem para repetir a atitude de Daniel Ellsberg, outro analista militar que em 1969 vazou ao New York Times e ao Washington Post as informações confidenciais sobre a Guerra do Vietnã, ajudando a opinião pública a pressionar o governo contra a continuação de uma guerra perdida. Nesses mais de quarenta anos entre os vazamentos, a facilidade com que ocorreram revela a estagnação da filosofia de controle das informações sensíveis produzidas pela administração americana. Uma grande quantidade de documentos ainda é produzida com caráter confidencial e um número excessivo de pessoas tem acesso a eles. Estima-se que as informações vazadas pelo WikiLeaks estariam acessíveis a mais de quinhentos mil empregados do governo pelo mundo todo. A expansão da rede de informações confidenciais depois dos atentados de 11 de setembro de 2001 para permitir a rápida descoberta de potenciais ameaças ao país fracassou e, aparentemente, apenas facilita o fluxo para quem não deveria acessá-la.

Além de diminuir o mito da capacidade de mobilização do poderio militar americano, o vazamento das informações confidenciais expôs a fragilidade da liberdade de imprensa nas democracias. As primeiras reações oficiais dos governos envolvidos, aliados e rivais dos Estados Unidos, democracias e ditaduras, foram desde a reprovação à publicação dos documentos até os calorosos pedidos de assassinato de Julian Assange pela CIA e execução de Bradley Manning. É incrível a elasticidade de certos valores quando aplicados em prejuízo aos seus defensores. Enquanto Assange era colocado no alvo da Justiça pelo crime de espionagem, o governo americano anunciava a escolha de Washington como sede para a Conferência de 2011 das Nações Unidas Sobre o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Poucos princípios são tão inerentes à democracia americana como o da liberdade de imprensa. Em momentos anteriores, quando as notícias entraram em conflito direto com os interesses do governo ou de políticos, a justiça do país tratou de colocar cada um em seu devido lugar e garantiu ao cidadão disposto a gastar alguns centavos o direito de saber o que estava sendo discutido nos corredores dos prédios das altas instâncias do governo. No caso dos papéis do Pentágono, repassados aos jornais por Daniel Ellsberg, num primeiro momento a justiça impediu a publicação apenas pelo New York Times. Entretanto, como a decisão alcançava apenas este jornal, o Washington Post decidiu corajosamente enfrentar o Procurador-Geral e publicou a documentação, não se rendendo às pressões da máquina pública até que a Suprema Corte decidisse a favor da liberdade de imprensa e colocasse uma pá de cal nas pretensões autoritárias do governo Nixon. A decisão, por 6 votos a 3, estabeleceu que o Espionage Act, a lei que impede a publicação de documentos confidenciais que possam causar perigo de dano grave e irreparável, só tem validade quando demonstrada de forma cabal o risco de prejuízo aos Estados Unidos na publicação dos documentos.

Esta novela que parece não ter um fim próximo caminha para a desmoralização da administração de Obama. Desde o início da publicação dos documentos, o Presidente não se pronunciou sobre o assunto, deixando que o Procurador-Geral, membros de seu governo e do partido democrata tomassem a dianteira à frente das críticas ao site. Embora esta estratégia possa servir para acalmar os ânimos da oposição republicana a longo prazo, nada garante que no futuro próximo o Presidente não seja forçado a se pronunciar diante de novas revelações do WikiLeaks, num momento em que ele terá de lutar pelo seu partido ou para se reeleger. Aí já será tarde demais para entrar no jogo. Sem muitas opções, não é possível acreditar que ele sustente a liberdade do WikiLeaks durante a campanha presidencial. Cenário pior do que esse, só no frio do Alaska...


Vicente Escudero
Campinas, 27/1/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Contos fantásticos no labirinto de Borges de Gian Danton
03. A juventude nas livrarias de Luis Eduardo Matta
04. Pergunte às tartarugas de Tais Laporta
05. O fantástico mundo de Roth de Daniel Lopes


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011
05. Lynch, David - 8/12/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/1/2011
15h05min
Bom texto. Interessante principalmente por notar a permanência da mesma política em relação aos vazamentos e a posição do Obama no jogo. Só para acrescentar: o Wikileaks, os vazamentos do grupo, assim como o anonimato de ativistas ao redor do mundo, é garantido também por um sistema que permite nublar o rastreamento das informações. A Rolling Stone publicou um perfil do hacker por trás desse sistema. Sua bandeira por privacidade é um dos temas interessantes de todo esse caso.
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
1/2/2011
14h43min
Parabéns, Vicente, uma amiga em comum me enviou o presente texto, é claro que irei ler todos os demais. Temos que fazer a diferença neste mundo conturbado. Liberdade de Imprensa sempre. Vamos que vamos ao debate, e que possamos sempre estar atentos a tudo, e agir sempre. Abraços, Rafael Cury
[Leia outros Comentários de Rafael Cury]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Econômica Do Petróleo
Peter R. Odell
Zahar
(1966)



Máscaras e Murais de Minha Terra
Manoelito de Ornellas
Globo
(1966)



Livro Sociologia Dicionário Crítico de Sociologia
R. Boudon / F. Bourricaud
Ática
(1993)



Terra de Santa Cruz
Adélia Prado
Guanabara
(1986)



Hitler's Spy Against Churchill
Jan-Willem van den Braak
Pen and Sword Military
(2022)



O Cristo de Deus
Manuel Quintão
Federação Espírita Brasileira
(1955)



Cidadania e Participação
José Álvaro Moisés
Marco Zero
(1990)



Charbonneau Ensaio e Retrato
Alberto Martins
Scipione
(1997)



A Pipa
Roger Mello
Global
(2017)



Pétalas de Sangue
Ana Luisa Tavares
Do Autor
(2015)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês