WikiLeaks, o melhor de 2010 | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2010

Quinta-feira, 9/12/2010
WikiLeaks, o melhor de 2010
Vicente Escudero

+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)



Quantos furos jornalísticos da última década foram capazes de tornar seus autores inimigos declarados da OTAN? Qual jornal teve seu site atacado por hackers antes de divulgar uma matéria que causaria abalos nas relações diplomáticas dos Estados Unidos e foi ameaçado pelo seu Procurador-Geral de ser processado por infringir o Espionage Act de 1917, que pune a obtenção, troca ou publicação de "qualquer informação relacionada à segurança nacional, com a intenção declarada ou não de causar prejuízo aos Estados Unidos"?

Nenhum. Segundo o governo dos Estados Unidos e a OTAN, não faz parte da imprensa esse pessoal de paradeiro desconhecido, que trabalha editando e publicando na internet informações de fontes confidenciais do mundo todo, escondido dentro de um bunker num país qualquer. Tratando-os como espiões que roubam informações confidenciais apenas para prejudicar terceiros, sem finalidade jornalística e com seu fundador preso depois de ter sido procurado pela Interpol, os maiores prejudicados pela divulgação dos diários da guerra suja no Iraque e dos documentos diplomáticos americanos sobre diversos países tentam de todas as formas desqualificar a competência do WikiLeaks. E que competência! Afinal, sem num curto período de existência o site chegou a cancelar o recebimento de documentos devido ao grande acúmulo de material vindo de fontes do mundo todo, enquanto o resto da imprensa cobria apenas o dia a dia dos escândalos revelados pelo site, a impressão que resta é a de que existe uma certa desconfiança das fontes que buscam o WikiLeaks com a imprensa tradicional.

Sob o ponto de vista dos prejudicados pelos vazamentos, os argumentos que tornam o WikiLeaks um inimigo são quase os mesmos utilizados pelos países rivais durante a Guerra Fria. Argumenta-se que as informações reveladas pelo site colocariam em risco a vida de muitas pessoas, os documentos publicados seriam sensíveis, imprescindíveis para a defesa nacional dos autores e seu caráter sigiloso tornaria criminosa a divulgação. É fácil perceber a fragilidade desta estratégia que se apoia num tripé tão fraco quanto os sistemas de segurança onde estavam armazenados os quatrocentos mil documentos sobre a Guerra do Iraque e os duzentos e cinquenta mil relatórios e telegramas do corpo diplomático americano. Os diários da Guerra do Iraque revelaram diversos abusos do exército e das forças policiais locais, como a conivência dos soldados com a tortura de suspeitos pelos policiais iraquianos e a execução sumária de civis. Vidas em risco? Os direitos humanos devem sempre ceder em estados de exceção? E o que dizer da publicação dos documentos diplomáticos? Uma análise superficial da pequena parcela que foi publicada até agora revela o descompasso entre a política externa americana e os fatos narrados pelos seus correspondentes em terras estrangeiras. Entre eles, destacam-se os pedidos nem um pouco republicanos de Hillary Clinton para que fossem coletados dados particulares de oficiais da ONU, como números de cartões de crédito e dados biométricos, além das informações precisas sobre a situação no Oriente Médio, como a instabilidade do corrupto governo civil paquistanês, pressionado pelo avanço dos militares e relutante com o auxílio do exército americano no combate a Al Qaeda nas regiões tribais do país.

É inevitável que no processamento de um volume tão grande de documentos ocorram falhas, como a revelação dos nomes de alguns afegãos que colaboraram com o exército americano, presentes nos diários da fracassada guerra contra o terrorismo. Entretanto, o resultado final da atuação do WikiLeaks é muito positivo: as dificuldades enormes da Guerra do Iraque e os fatos relatados pelos representantes oficiais do governo americano, que orientam suas posturas políticas, vieram à tona e poderão salvar muitas vidas se desencadearem a revisão da política externa do país. Essa montanha de erros tornada pública mancha as reputações em vez de colocar vidas em risco. A resistência das autoridades envolvidas em negar este fato só aumenta a evidência da falta de ética e espírito público na relação que mantêm com o poder. E não existe democracia que não seja formada por uma maioria defensora destes valores. A publicação de todos os documentos pelo site esvaziou a pouca reserva moral que ainda havia em Washington.

Os documentos diplomáticos publicados são o melhor retrato, o mais preciso da atual influência americana no mundo. Além do incrível valor histórico, alguns relatórios e telegramas têm um conteúdo quase literário, com análises detalhadas de eventos e pessoas dignas de um bom romance. Um exemplo irretocável desta qualidade é o relatório elaborado pelo diplomata americano na Rússia, William Burns, intitulado "Um casamento no Cáucaso":

" ¶17. (C) Após os fogos de artifício, os músicos começaram a tocar uma lezginka no pátio descoberto e um grupo de duas meninas e três meninos ― um deles com no máximo seis anos ― apresentou versões acrobáticas da dança. Primeiro Gadzhi se juntou a eles e, em seguida Ramzan, que dançou desajeitado com sua pistola banhada a ouro enfiada por baixo da parte de trás da cintura da calça jeans (um convidado mais tarde salientou que esse ouro impediria a utilização da arma, mas sorriu cinicamente e disse que Ramzan, de qualquer forma, não poderia dispará-la).

Ambos, Gadzhi e Ramzan, jogaram várias notas de cem dólares sobre as crianças enquanto dançavam, provavelmente, os dançarinos recolheram mais de cinco mil dólares do chão. Gadzhi disse-nos mais tarde que Ramzan trouxe "cinco quilos em barras de ouro", como presente de casamento para o casal feliz. Depois da dança e um rápido passeio pelas instalações, Ramzan e seu exército se dirigiram de volta para a Chechênia. Nós perguntamos por que Ramzan não passaria a noite em Makhachkala: 'Ramzan nunca passa a noite em lugar nenhum' ― respodenram.

¶18. (C) Depois de Ramzan deixar o local em disparada, o jantar e as bebidas ― especialmente as últimas ― continuaram. Um coronel Avar FSB sentado ao nosso lado, desmaiado de tanto beber, estava muito ofendido por não permitirmos que ele misturasse conhaque ao nosso vinho 'É praticamente a mesma coisa', ele insistiu, até um general russo FSB, sentado do outro lado da mesa, pedir para que parasse. Entretanto, nós estávamos dispostos a deixar o coronel falando: ele é o chefe da unidade de combate ao terrorismo no Daguestão, e Gadhzi nos contou que todos os inscritos nessa unidade haviam sido assassinados por extremistas. Ficamos mais preocupados quando um amigo do coronel que havia lutado com ele na Guerra do Afeganistão, Reitor da Faculdade de Direito do Daguestão e muito bêbado para conseguir se sentar, sacou sua pistola automática e perguntou se alguém precisava de proteção. Nesse momento, Gadzhi e seus companheiros apareceram e carregaram o reitor entre os ombros, deixando-nos fora de seu alcance.
"

O resultado desse banquete de informações ainda é incerto. Considerada a vagarosa edição e publicação dos documentos diplomáticos pelo WikiLeaks, a perspectiva mais otimista é a de que o governo americano ainda vai roer as unhas pelo menos durante mais seis meses. Por enquanto, a maior reação às tentativas de calar o site veio da comunidade de hackers habitando o 4chan, chamada Anonymous, que deflagrou uma guerra virtual contra todos os envolvidos nas tentativas de censura. Enquanto você acompanha os desdobramentos iniciais da primeira guerra mundial da internet, pode ouvir informações direto das trincheiras, aqui.


Vicente Escudero
Campinas, 9/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
02. Por um 2015 sem carteiradas de Marta Barcellos
03. A convergência das mídias de Gian Danton
04. Crônicas do anonimato de Luiz Rebinski Junior
05. Caminho para a Saúde de José Knoplich


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
04. Ausência do mal? - 15/4/2010
05. Dentes usados, dentes guardados - 7/10/2010


Mais Especial Melhores de 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/12/2010
07h16min
Sem WikiLeaks, não há salvação!
[Leia outros Comentários de Vicente Freitas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês