Livro fora e dentro do papel | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Quinta-feira, 7/6/2007
Livro fora e dentro do papel
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quem é que ao comprar um livro nunca o levou ao nariz para sentir seu cheiro ou o levou diretamente ao peito como se estivesse abraçando a mulher amada? Essas são atitudes típicas daqueles apaixonados por livros. Apaixonados não só pelo seu conteúdo, mas por sua forma, peso e cheiro. Quantos livros não compramos apenas por causa de sua textura, sua diagramação, sua capa, sua forma? Assim como temos interpretações musicais variadas, sobre a batuta de diversos maestros e de orquestras diferentes, pensamos existir na diversidade das edições dos livros algo de novo, sutil, que se acrescenta ao conteúdo da obra que compramos.

Eu mesmo, por exemplo, já tinha duas edições de O vermelho e o negro, de Stendhal, e quando me deparei com a edição publicada pela Cosac & Naify não resisti ao encanto e a comprei. O que me atraiu para além do próprio texto? Não foi com certeza o tradutor. Nem pensei tanto nisso. Mas foi a própria textura do livro, a beleza de sua capa, sua edição - no sentido material do objeto. O mesmo sempre acontece com as novas edições de Em Busca do tempo perdido, de Marcel Proust. Para além do interesse por uma nova tradução (o que já se justifica por si), existe o desejo fetichista de possuir aquela nova edição quase como se ela fosse uma nova obra, como uma partitura executada por um novo maestro. Nesses casos, o livro tornou-se um fetiche. Ao menos para seus amantes.

Mas nem só de amantes vive o livro. Existem necessidades ligadas ao acesso à leitura que são de outras variadas ordens. Há livros que devemos ler por obrigação, sobre assuntos que com certeza nos decepcionarão, e dos quais não queremos reter dentro de casa, atulhando de coisas indesejáveis as nossas estantes queridas.

Há outros livros que estão fora do comércio, são preciosidades históricas que só podem ser visitadas em centros de pesquisa ou bibliotecas nacionais fabulosas, como a de Paris, por exemplo. São livros que desejamos ter, mas, tal como uma Mona Lisa, só existem fisicamente naquele lugar sagrado a eles reservado. Dali não podem ser retirados em hipótese alguma, talvez, sim, consultados, mas com um cuidado tal que nos faz pensar nas relíquias religiosas.

Essas duas hipóteses já justificariam por si a existência de livros virtuais. Ter a possibilidade de poder ler um livro raro, de difícil acesso, num tempo hábil, sem precisar deslocar-se de avião a uma região distante, com um custo alto para a pesquisa a este material, é um sonho que se tornou realidade. Ou também livrar-se, com apenas um clique no DELETE, de um livro que foi lido em circunstâncias não tão agradáveis, com um conteúdo intolerável, livrando-nos de um peso morto.

Mas há outras possibilidades ligadas à publicação virtual que são absolutamente louváveis e necessárias à facilitação da circulação de informações e conhecimentos. Não é isso, no fim das contas, o que se quer? Não é isso o que sonhavam nossos antepassados pensadores iluministas? Não é com isso que sonham os autores ao desejarem ter suas obras disponíveis para toda a aldeia global?

Isso evidentemente tem conseqüências drásticas para o mercado editorial. E pelo que parece, a Internet surgiu e age com um furacão, tão rápida em suas mudanças que não conseguimos controlar perfeitamente seus passos e seu poder arrasador. Ficamos tentando negociar (controlar, melhor dizendo) sua atitude quase anarquista, libertária, que faz os senhores do dinheiro perderem o prumo: músicas, vídeos, livros e fotografias, um amplo material, enfim, sendo usado e transportado e distribuído virtualmente sem o devido pagamento dos direitos autorais (conceito, este, massacrado pela Internet, mas que alguns ainda querem tentar colocar de pé, como se fosse ainda possível juntar ossos esmigalhados).

Mas o que parece ser um problema para os editores - esses senhores que embolsam a maior parte do dinheiro que se ganha com a publicação de um livro (pobre dos autores!) -, para os futuros escritores é uma dádiva, pois não necessitarão passar pelo crivo das modas editoriais (sim, existem modas nesse setor também) e outros problemas para terem seu trabalho publicado e lido por quem se interessar.

Evidente que, ao contrário do que parece, não existem muitos escritores de nível razoável. Geniais, então, nem se fala. Mas todos querem publicar. E isso tudo deve passar por um crivo crítico. Partindo do pressuposto de que não existe um excesso de gente querendo escrever sem nada ganhar, isso nos leva a crer que somente quem quer se envolver nessa loucura apaixonante que é escrever e publicar vai realmente se expor na Internet. Os pares vão se encontrar, acabando por se organizarem, e essa identificação vai criar uma ordem de qualidade, de seleção e, conseqüentemente, de divulgação do que realmente tem valor.

Mesmo que aparentemente isso soe como se estivéssemos frente a um universo caótico (a Internet causa esse pânico, à primeira vista), as coisas vão tomando um rumo que será surpreendente. A prova é que isso tem se dado diariamente. A revolução rápida proporcionada pelo mundo virtual, sem precedentes na história (faz pensar na invenção da imprensa como brincadeira de criança), sabe se organizar quase que automaticamente. E as ferramentas de busca são os meios que usamos para melhor selecionar o que queremos ter como informação e conhecimento.

Eu já publiquei dois livros em papel. Não devo ter tido nem quinhentos leitores. E muito menos sei quem são esses leitores e o que pensaram do que leram. Como colunista do Digestivo, por exemplo, tive milhares de leitores, que, inclusive, me retornaram com suas impressões sobre o que eu escrevia. Uma experiência, sem sombra de dúvida, absolutamente enriquecedora, gratificante. Possibilitada pelo mundo virtual.

Uma coisa não anula outra. Eu abri este texto falando do fetichismo relativo ao livro como objeto do desejo. Objeto material, sensorial. Mas eu tenho tido outro fetiche, livros maravilhosos, que só se pode ter acesso virtualmente, e que vou acumulando como arquivos e desfrutando dos mesmos na pequena tela deste computador. São, por exemplo, jóias da idade-média, com suas lindas iluminuras que posso admirar na pequena telinha do computador.

Não há com o que se preocupar: em cultura, somos preservacionistas. Livros impressos serão sempre objetos de prazer e uso de muitas pessoas, enquanto outras pessoas se acostumarão ao mundo virtual. Afinal, não é isso que acontece com os discos de vinil? Mais fetichizados agora do que nunca. De uma coisa estamos certos: a relação entre leitores, produtores e divulgadores de conhecimento está mudando radicalmente. Estamos ainda meio pasmos, incertos do que vemos, mas com certeza, o projeto iluminista tem encontrado sua verdadeira razão de ser somente agora, numa rede planetária de produção e troca de informação e conhecimento. Menos papel, mas muito mais conhecimento e informação. É pouco ou, caro leitor, você quer mais?


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 7/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Porque ela pode, de Bridie Clark de Rafael Rodrigues


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
04. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/6/2007
09h33min
Gostei muito de suas considerações, muito bem articuladas. Porém, acho que diante do livro, as reações são mais carregadas de sentido. Em ensaio anterior, você analisou a poesia de Saint-John Perse, por exemplo. Minha emoção maior é lê-lo em um volume que foi de meu pai, com trechos grifados à margem. Já caí na mesma tentação que você caiu: ter mais de um exemplar da mesma obra, só por causa da beleza de uma capa nova. Livros importados têm "cheiros" diferentes dos nacionais, assim por dainte. Não quero ser injusta: a Internet já me deu muita informação. Prazer - aquele a que se refere Clarice Lispector em "Felicidade Clandestina", da menina segurar o livro e sentir-se rica como a Rainha do Sabá (ou, mais tarde, da mulher tocar com as mãos o corpo do amado) -, só mesmo os livros.
[Leia outros Comentários de eugenia zerbini]
9/6/2007
18h02min
Eugenia, obrigado pela leitura e comentário. concordo totalmente com suas palavras, embora veja uma rara possibilidade de acessar conhecimentos distantes através da internet. isso é novo na nossa história e vai mudar muita coisa. abraço, Jardel
[Leia outros Comentários de Jardel]
11/6/2007
09h57min
Jardel, seu texto está interessante. Dois aspectos poderiam também ter sido incluídos nele: a grande quantidade de lixo virtual e a perda de tempo em encontrar algo de qualidade na internet; o aspecto ecológico da diminuição da produção de papel quando os textos são virtuais. Além disso, também é um prazer passear pelas livrarias, em algumas delas parar para tomar um café e paquerar alguma leitora que aprecia livros do mesmo gênero que você. Só discordo de um ponto: ler um livro na tela de um computador é uma coisa muito chata, com apenas uma excessão que é ler livros de xadrez. Os livros virtuais de xadrez permitem que uma partida seja repassada na tela com alguns cliques do mouse, agilizando o processo de reprodução da partida sem ter que montar o tabuleiro e refazer lance por lance. Eles de fato, são mais práticos do que os livros de papel.
[Leia outros Comentários de André]
11/6/2007
18h44min
sim, perdemos tempo procurando coisas interessantes, mas também ganhamos tempo achando coisas que precisaríamos de anos para encontrar e espaços geográficos imensos para atravessar. mas seu comentário foi muito bom. obrigado. jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRÉCIS DE PATHOLOGIE MÉDICALE TOME 2
F. BEZANÇON MARCEL LABBÉ LÉON BERNARD
MASSON
(1923)
R$ 105,05



O SENHOR DE SÁNDARA
CARLOS BERNARDO GONZÁLEZ PECOTCH
LOGOSÓFICA
(2009)
R$ 5,00



O ANO 2000
HERMAN KAHN E ANTHONY J WIENER
MELHORAMENTOS
(2000)
R$ 31,92



O DILEMA POPULACIONAL NA AMÉRICA LATINA
EDITORES R. DELGADO GARCIA/J. MAYONE STYCOS/JORGE
EDIÇÕES O CRUZEIRO
(1968)
R$ 11,00



TUTELA CAUTELAR E TUTELA ANTECIPADA:TUTELAS SUMÁRIAS DE URGÊNCIA 8599
JOSE ROBERTO DOS SANTOS BEDAQUE
MALHEIROS
(2003)
R$ 60,00



A NOVA MULHER
MARINA COLASANTI
NORDICA
(1980)
R$ 6,90



LIVRO O VERMELHO E O NEGRO
STENDHAL
PUBLIFOLHA
(1998)
R$ 9,00



ROTEIRO TURÍSTICO DE MINAS GERAIS AUTOGRAFADO
LOURIVAL BRASIL FILHO
EDIÇÃO DO AUTOR
(1973)
R$ 21,01



NOSSO CÃES
ALBERTO APFEL
MELHORAMENTOS
R$ 25,90



PAIXÃO ÍNDIA
JAVIER MORO
PLANETA
(2010)
R$ 11,00





busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês