O assassinato de Herzog na arte | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
83745 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeira edição do ZporZ Fest Verão acontece em janeiro
>>> Sesc Cultura ConVIDA! apresenta mostras temáticas
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> Ele, Francis
>>> A crítica e o custo Brasil
>>> Manual prático do ódio
>>> Greatest hits em forma de coluna
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Jogando com Cortázar
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Diálogos de Platão, pela editora da Universidade Federal do Pará
Mais Recentes
>>> IL ÉTAIT UNE FOIS L'AMOUR de DANIELLE STEEL pela LIBRARIE GENERALE FRANÇAISE (1985)
>>> Tenda dos Milagres de Jorge amado pela Martins (2021)
>>> SINAL DA VITÓRIA de J. W. ROCHESTER pela FEderação Espírita Brasileira (1969)
>>> São Mateus Corrige seu Evangelho de J. Santos Silva pela Gráfica e Editora Edigraf S A.
>>> Respostas da Vida de Francisco Cândido Xavier pela Ideal
>>> Matemática 6º Ano – Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge amado pela Martins
>>> O NOVO TESTAMENTO VIVO EM LINGUAGEM ATUALIZADA de MUNDO CRISTÃO pela MUNDO CRISTÃO (1973)
>>> Macunaíma: o herói sem nenhum caráter de Mário de Andrade pela Círculo do Livro (1988)
>>> O MUNDO E EU de JOÃO MOHANA pela AGIR (1964)
>>> Feuillets D' Automne de Andre Gide pela Le Livre de Poche
>>> Tereza Batista Cansada de Guerra de Jorge amado pela Martins
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela FEESP
>>> Apaixonados - Histórias de Amor de Fallen de Lauren Kate pela Galera (2016)
>>> NOVO TESTAMENTO PORTUGUÊS INGLÊS de pela
>>> Novo Testamento de Apóstolos De Jesus pela Casa Publicado Batista
>>> Novelas de Jerusalém de Sch. I. Agnon pela Perspectiva (1967)
>>> Não Vos Preocupeis de Leo Trese pela Quadrante
>>> Meditations de Tola Gynska pela Centro Espiritual Vahali - Brasil
>>> Matemática 6º Ano – Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
>>> Mananciais no Deserto de Lettie Cowman pela Editora Betânia
>>> Judas Traidor ou Traído de Danillo Nunes pela Gráfica Record Editora
>>> Chico Xavier dos Hippies aos problemas do mundo de Emmanuel,Francisco Cândido Xavier pela Lake
>>> O Irmão Maior de Welington Guimarães Filho pela Novo Século (2017)
>>> Matemática 6º Ano – Roteiros de Aprendizagem – Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
>>> CAMINHANDO COM A VERDADE de LUIZ SÉRGIO pela PANORAMA (2000)
>>> A Experiência do Lar de Devi Titus pela Central Gospel (2018)
>>> Boa Nova de Francisco Cândido Xavier pela FEderação Espírita Brasileira (1970)
>>> História Sociedade & Cidadania 6º Ano de Alfredo Boulos Júnior pela Ftd (2009)
>>> A BÍBLIA NA LINGUAGEM DE HOJE de SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL pela SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL (1975)
>>> Psicologia, as bases biológicas do comportamento de Richard E.,Norman M.,James L. Mcgaugh pela Livros Técnicos e Científicos Editora SA
>>> PSICOLOGIA DA ADOLESCÊNCIA de SAMUEL PFROMM NETTO pela LIVRARIA PIONEIRA (1973)
>>> O RELATÓRIO HITE SOBRE SEXUALIDADE MASCULINA de SHERE HITE pela DIFEL (1970)
>>> O RELATÓRIO HITE de SHERE HITE pela DIFEL (1996)
>>> Eu fui a melhor amiga de Jane Austen de Cora Harrison pela Rocco (2011)
>>> FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA PARA AS CIÊNCIAS DO COMPORTAMENTO de EVA NICK & SHEILAH R. O. KELLNER pela RENES (1971)
>>> EXPERIÊNCIAS PSÍQUICAS ALÉM DA CORTINA DE FERRO de SHEILA OSTRANDER&LYNN SCHROEDER pela EDITORA CULTRIX
>>> Um Dia a Autenticidade de Ayrton Toledo pela T. A. Queiroz Editora LTDA
>>> POEMA DO NÉCTAR de LEANDRO COCICOV pela JOÃO ESCORTECCI EDITOR (1985)
>>> História 6º Ano - Das Cavernas ao Terceiro Milênio de Patrícia Ramos Braick & Myriam Becho Mota pela Moderna (2006)
>>> MOMENTO SEM TEMPO de MARÍLIA FAIRBANKS MACIEL pela EDITORA CUPOLO (1972)
>>> Martin Fierro Edicion Critica de Carlos Alberto Leumann de Jose Hernandez pela Estrada Editores
>>> I CONFINI DELLA MENTE de PIERLUIGI RUSSO pela IL POLIEDRO (1976)
>>> EU TE AMO de PROF ROBERTO SIMÕES pela PERON FILHO COMUNICAÇÕES (1998)
>>> Combo 2 Livros Físicos Arsène Lupin Seriado Netflix de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
>>> Livro Arsène Lupin contra Herlock Sholmes Seriado Lupin de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
>>> Administração contábil e financeira na pequena empresa brasileira de Milton Huppert Monte Carmello, Wolfgang Schoerps pela Fgv (1979)
>>> CEM SONETOS DE AMOR de PABLO NERUDA pela L&PM EDITORES
>>> Livro Fisico Arsene Lupin O Ladrão de Casaca Seriado Lupin de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
>>> Box 8 Livros Físicos Anne Whit An E Lucy Maud Montgomery + Diário de Aventuras Ciranda Cultural de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
COLUNAS

Terça-feira, 30/9/2014
O assassinato de Herzog na arte
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 23500 Acessos

"Diante de um homem morto, todos precisam se definir. Ninguém pode permanecer indiferente. A morte de um homem é a de todos nós". (Gianfrancesco Guarnieri)

Dois artistas abordaram em suas obras a morte do jornalista Vladimir Herzog nas dependências de uma prisão militar. Cildo Meireles e Antonio Henrique Amaral, cada um dentro de estéticas específicas, questionaram a versão de suicídio dada pelos militares à morte de Herzog. Trataremos neste artigo, em primeiro lugar, de relatar "o caso Herzog", e, em seguida, de tratar da obra dos dois artistas citados.

HERZOG, PRISÃO E MORTE:

Vladimir Herzog assumiu na década de 1970 a direção do departamento de telejornalismo da TV Cultura, de São Paulo. Vladimir era membro do Partido Comunista Brasileiro, passando a atuar politicamente no movimento de resistência contra a ditadura.

Em 24 de outubro de 1975 agentes do II Exército convocaram Vladimir para prestar depoimento sobre as ligações que ele mantinha com o Partido Comunista Brasileiro, partido que atuava na ilegalidade durante o regime militar.

No dia seguinte, Herzog compareceu espontaneamente ao DOI-CODI. Permaneceu na prisão com dois jornalistas, George Benigno Jatahy Duque Estrada e Rodolfo Konder. Pela manhã, Vladimir negou seu vínculo com o PCB. Os jornalistas foram levados para um corredor, de onde escutaram uma ordem para que se preparasse a máquina de choques elétricos para tortura. Em seguida, Konder foi levado à tortura, e Herzog não mais foi visto vivo.

O Serviço Nacional de Informações recebeu uma mensagem em Brasília de que naquele dia 25 de outubro o jornalista Vladimir Herzog havia se matado no DOI/CODI/II Exército". Era prática do governo militar que as vítimas de suas torturas e assassinatos fossem dados por suicidas.

As fotos que mostravam os pés de Herzog tocando o chão depõem contra a ideia de suicídio, pois nessa posição o enforcamento seria impossível. O rabino Henry Sobel, líder da comunidade judaica, viu as marcas da tortura e enforcamento em Herzog, o que levou a decisão de que seu enterro fosse realizado no centro do Cemitério Israelita do Butantã, o que implicava em desmentir publicamente a versão oficial de suicídio. A morte de Herzog se espalhou, inclusive em jornais, contrariando as normas de censura estabelecidas pelos militares.

O ato religioso pela morte de Vladimir Herzog se tornou a primeira grande manifestação de protesto contra a violência da ditadura militar. Uniu milhares de pessoas dentro e fora da Catedral da Sé, em São Paulo.



CILDO MEIRELES: PROJETO CÉDULAS

A obra "Inserções em circuitos ideológicos: projeto cédula", de Cildo Meireles, trata da morte do jornalista Vladimir Herzog. Em algumas notas de cruzeiro, moeda corrente no período militar, Meireles carimba a pergunta: "Quem matou Herzog?"

A obra indaga sobre os assassinos de Herzog. Aproveitando a facilidade da circulação das notas de um Cruzeiro (quanto menor o valor, maior a circulação), ele cria uma forma de denúncia sobre o assassinato do jornalista.

O projeto nasceu a partir de um convite para participar da exposição Information (Museu de Arte Moderna de Nova York). Para a exposição foram enviados dois projetos. Um denominado "Projeto coca-cola" e outro denominado "Projeto cédula".

Em ambos o objetivo era gravas informações, opiniões críticas e devolvê-las à circulação. Cildo definiu o projeto a partir do seu contexto e das intenções da obra: 1) a dolorosa realidade político-social-econômica brasileira; 2) a crítica à política americana expansionista, intervencionista, hegemônica; 3) aspectos formais da linguagem - produzir objetos inspirados nos ready-mades de Marcel Duchamp.

Cildo aponta o seu interesse por livrar-se do culto da arte enquanto objeto puro. Para ele, a arte deveria existir "em função do que podiam provocar no corpo social (...) a partir da necessidade de criar um sistema de circulação, de intercâmbio de informações, que não dependesse de nenhum controle centralizado".

O objetivo era minar o controle das informações pelos órgãos do poder (TV, rádio, Imprensa), fazendo circular informações que nesses órgãos seriam censuradas. Tratava-se, na verdade, de se criar uma rede de contra-informações.

Negando também a ideia de que a arte se baseia numa mística do autor ou do mercado, a exigência era de que a obra só existe na medida em que outras pessoas também a praticassem.

Para Cildo, a estética fundamenta a arte, mas a política é que fundamenta a cultura. Como uma espécie de ready-made duchampiano, o objeto mais banal e cotidiano é transformado temporariamente em obra de arte, para depois ser colocado em circulação em seu circuito social original, negando-se, nesse momento, enquanto arte, e tornando-se veículo de uma ação tática clandestina de resistência política, pois, "a pergunta tão incômoda ao regime quanto a uma população amedrontada, circula livremente em cédulas, porque ninguém guardaria ou destruiria dinheiro para esconder a dúvida".

O que interessa na escolha dos materiais, diz Ciro, é que sejam invadidos por significados externos que contaminem a obra com as tensões do mundo. A máxima reprodutibilidade da obra lhe dá um caráter não autoral, ou seja, o fato da obra poder ser refeita por qualquer pessoa mergulha-a no domínio público. É que retirando seu poder de autoria, aumenta-se seu poder de circulação.

Diz o artista: "A maior parte das minhas obras pode ser reconstruída; a preocupação é fazer obras libertas do autor, da corporeidade que legitima o original. Queríamos nos libertar da aura do original".



A MORTE NO SÁBADO - ANTONIO HENRIQUE AMARAL

A série de quatro obras denominada "A morte no sábado (1975/6), de Antonio Henrique Amaral, enfocam o assassinato de Herzog. "A morte no sábado - tributo a Vladimir Herzog" (1975) e "Ainda a morte no sábado" (1976) são exemplares na descrição alegórica da violência militar sobre o corpo dos presos políticos torturados.

Em "A morte no sábado - tributo a Vladimir Herzog" a oposição entre formas orgânicas e metálicas num jogo de violência é o que predomina nas telas. Sobre um fundo escuro, como que um corpo manchado por pancadas aparece em cores vermelhas, amarelas e brancas uma espécie de representação das vísceras sendo perfuradas por quatro garfos.

Como um "troféu da repressão, garfos erguem o corpo reduzido a um monte de carne ensanguentada". Peles se abrem para fora, depois de rasgadas; veias surgem em meio ao amontoado de gorduras e tripas. O tom vermelho predomina, nos fazendo imaginar órgãos sujos de sangue.

O contraste produzido pelo encontro do metal com a carne reforça a violência da cena. Numa espécie de grande zoom, podemos ver de perto o estrago que se produz. Nesta alegoria sobre Herzog, revela-se a causa de sua morte: a tortura.

Em "Ainda a morte no sábado", mais uma vez o artista retoma a oposição violenta entre metais e vísceras. Desta vez, acrescenta um novo elemento, uma espécie de "coroa de Cristo", que acompanha e ajuda o garfo a perfurar a carne.

Gorduras brancas abundam ao lado das vísceras, sendo também ultrapassadas pelos objetos metálicos. O recurso ao zoom novamente é usado. O título faz referência ao dia da prisão de Herzog e de sua morte.

Em entrevista, Antonio Henrique conta sobre a criação de suas obras com a temática da morte de Herzog.

Jardel: Falemos do caso Herzog. Como foi a notícia da morte dele e esses seus quadros sobre ele?

A notícia da morte dele... eu me lembro até hoje, foi manchete em todos os jornais... Era um cara de trinta e poucos anos, jovem, diretor de jornalismo da TV Cultura. E de repente ele vai depor, todo mundo sabia que ele ia depor, e no dia seguinte aparece a notícia da morte dele. Foi um choque, saiu no Estadão em página inteira, no Jornal da Tarde. Sob esse impacto eu resolvi pintar quatro quadros que eram A Morte no Sábado ― Tributo à morte de Vladimir Herzog. O fato de os militares matarem uma pessoa dessa qualidade humana, cultural, foi um choque, e o cinismo brutal de tentar afirmar que tinha sido suicídio...! Um horror!

Jardel: Houve censura aos quadros nessa época ou não?

Não foram imediatamente expostos. Quando completou um ano da morte dele eu os doei para o Sindicato dos Jornalistas. Depois começaram a serem expostos em exposições.

Jardel: Mas o povo não tinha acesso...

Não tinha. O povo sempre teve pouco acesso à cultura, o povo sempre teve muito acesso ao futebol, às noticias sobre futebol, com o apoio de toda a elite política que se protege à sombra do noticiário futebolístico... O fato de a gente fazer coisas que não são imediatas, que não são claras, exige que as pessoas pensem, se informem, sintam, abram a cabeça. É o papel civilizador da arte. Música popular é de consumo imediato, o cara não precisa pensar, a letra entra, sai. Claro que tem compositores como Chico Buarque, Caetano Veloso, Gil, Vinicius, Tom Jobim e tantos outros que fazem musica para a pessoa ficar mais alerta. Mas, em geral, o povo brasileiro gosta mesmo é de música que entra por um ouvido e sai pelo outro...! "Eguinha Pocotó" e coisas do gênero...!

Décia: A fase das bananas foi mais zombando, mas o caso Herzog foi um grande impacto que o fez expressar seu sentimento de revolta?

Exatamente. Porque houve outras mortes. Mas foi emblemática a morte de Herzog. Também o caso do filho da Zuzu Angel, o caso do Paiva, que foi jogado do avião... Como o Herzog era um jornalista da TV Cultura, tinha uma projeção maior do que o Paiva, que era um ativista. No fundo essa obra vale para todos os mortos, vítimas da violência da ditadura militar.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 30/9/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quatro dias em São Paulo de Rafael Rodrigues
02. Matrix, Reloaded e Revolutions de André Pires


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEQÜESTRO SANGRENTO
HOSMANY RAMOS
EDITORIAL GERAÇÃO
(2002)
R$ 10,00



O JEJUM DO CORAÇÃO DIVAGAÇÕES SOBRE O ÓBVIO ESQUECIDO
LUIZ CARLOS LISBOA (AUTOGRAFADO)- 8461
MG
(1983)
R$ 10,00



STAR ISLAND
CARL HIAASEN
SPHERE
(2011)
R$ 10,00



A CABALA E A ARTE DE SER FELIZ
IAN MECLER
SEXTANTE
(2007)
R$ 10,00



ATLAS GEOGRÁFICO ILUSTRADO
GRAÇA MARIA LEMOS FERREIRA; MARCELLO MARTINELLI
MODERNA
(2012)
R$ 10,00



SENHORA GRANDES LITERATURAS
JOSÉ DE ALENCAR
FTD
(1999)
R$ 10,00



A MÁQUINA CAPITALISTA
PEDRINHO GUARESCHI/ROBERTO RAMOS
VOZES
(1988)
R$ 10,00



A HISTÓRIA DE FERNÃO CAPELO GAIVOTA
RICHARD BACH
NÓRDICA
R$ 10,00



O HOMEM QUE SABIA JAVANÊS - LITERATURA BRASILEIRA EM QUADRINHOS
LIMA BARRETO
ESCALA
(2006)
R$ 10,00



CEM QUILOS DE OURO
FERNANDO MORAIS
CIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 10,00





busca | avançada
83745 visitas/dia
2,4 milhões/mês