As sobras completas, poesias de Jovino Machado | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 15/12/2015
As sobras completas, poesias de Jovino Machado
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4100 Acessos


Jovino é um poeta do balacobaco. Sua poesia cria um espaço de diversão, nonsense e delírio que é raro entre a turma das letras. Coitado de quem espera aquela seriedade cozida em sofrimento, trauma ou perturbação emocional nos seu poemas. De romântico, o poeta só tem a verve boêmia. E essa verve (com sua filosofia de bar, não sisuda) está presente na maior parte de sua criação. Resumindo: Jovino está mais para Oswald de Andrade do que para Drummond e muito menos ainda para João Cabral.

Uma publicação, que o poeta chamou divertidamente de "Sobras completas", acaba de reunir 10 dos seus livros e mais 20 poemas, além de uma apresentação e parte da fortuna crítica. Em edição de apenas 450 exemplares, pela editora Guayabo, de Belo Horizonte, o livro recebeu incentivo da Lei Municipal de Incentivo à Cultura da Prefeitura de Belo Horizonte.

O livro cobre mais de 20 anos de produção poética, que vai de 1993 até 2015, traduzindo um recorte que organiza os 10 últimos livros do autor. O objeto gráfico que é o livro, em si mesmo, nos agrada. O livro tem um aspecto de diário, com sua capa rosa e seu recheio de um belíssimo azul antigo e aquele elástico que faz pensar nos cadernos de memória que podem ser fechados para impedir o olhar bisbilhoteiro. Apenas nonsense, pois o livro é um convite à comunhão de almas e quer mesmo é ser lido.

O caráter lúdico de sua poesia vai de página a página contaminando nosso humor. Saímos mais leves, menos graves, dispostos a brincar com a vida como ela brinca com a gente. Veja-se a pequena série "Coração 1, 2 e 3":

Coração 1

fechado para balanço

agradecemos sua preferência



Coração 2

aberto por motivo de luto

venha velar comigo



Coração 3

Permitida a entrada de pessoas estranhas



No "Poema dos trinta anos", quando se espera a desilusão como melancolia anunciada, o que temos é a vitória sobre cada idade: "aos sete perdi a infância/ não perdi a elegância// aos dezessete perdi a virgindade/ não perdi a dignidade// aos vinte e sete perdi a ingenuidade/ não perdi a vaidade// não perdi a fé/ gosto de café/ ando a pé.

A positividade não perde o pé, mesmo quando se anuncia toda uma tradição familiar perdida, como no poema "Antena", pois para o poeta seu caminho é outro: se seu pai foi queimado, seu avô castrado, seu bisavô ignorado, "eu sou sambista".

A filosofia de boteco não deixa por menos. Quer exibir sua reflexão, e não é qualquer coisa que se anuncia, como se pode ver no mínimo poema "Nunca sempre":

deus não morre

deus não vive

Jovino trabalha com a quebra dos estados de humor. Quando o poema anuncia uma espécie de fechamento dramático, lá vem o poeta para desanuviar o ambiente e nos fazer pensar (filosofar), mas sem fazer drama, pois lhe parece que a vida, remendada ou não, consegue continuar, apesar dos pesares. O poema "Cind" é um exemplo disso: "amo a deus/ apesar das dores// amo o diabo/ apesar dos amores// amo você/ sem apesar".

A verve crítica do observador do humano e de sua tragédia pessoal também está presente no livro. Não se trata de sociologia da comédia humana, mas observação astuta, como no poema "Cor de cadáver":

a fumaça do cigarro

não esconde a sua beleza

sua tristeza não se afoga

no copo de cerveja

seu olhar é um fantasma

que, nu drible, oscila

entre a trave e o gol

no seu sorriso

vejo que você possui

apenas o que te falta



Na série "Inverno" segue uma dica de acompanhamento: "para ler ouvindo Brahmns". Ah! Essa música para liberar a delícia da energia livre!E o filósofo-poeta-boêmio se põe a tentar nos levar para uma certa gravidade que, sempre, no fim das contas, nos deixa com aquele sorriso maroto na cara. Conclusão: não é tão séria assim que ele queria que a vida fosse (nem a poesia também):

a vida não presta

quando eu adoro

e você detesta



a vida é uma bosta

quando eu amo

e você não gosta



a vida é vazia

eu vício

você vadia



a vida é neblina

eu enlouqueço

e você sublima



Já que seu bar é seu lar, como intitula um dos grupos de poemas, o ambiente propício para suas divagações é ali também: "o meu anjo/ beija o bar na boca/ sem cadeira tem colo/ intuição e sorte/ bom de cama/ ama egos e éguas".

Que silêncio deseja o poeta? Ah! Que poema mais contemporâneo o pequeno "Algodão nos ouvidos", nesse momento em que se grita tanto, se canta tanto, sem se dizer nada:

Dor de ouvido?

Não, dor de ouvir.

O percurso do poeta, suas andanças e vertigens pela vida, estão sintetizadas em todos esses poemas mínimos mais que máximos. Se é de amor, de dor, do calor sensual, da solidão fria ou do prazer vital que falam, é pela voz desse Lúcifer no cio, a poesia, que pode se transmutar em musa de minissaia só para seduzir a alma desse atrevido trovador, que nos leva junto para seu bar-livro-poema.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 15/12/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
03. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
04. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
05. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Marcelo Mirisola: entrevista - 22/9/2015
03. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês