A literatura contra o sistema | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
>>> Talk Show
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Isto é um experimento
>>> Em quem a Tropicália vai votar
>>> Toscanini e o Hino da República
>>> Vida virtual, vida real
Mais Recentes
>>> City of Bones de Michael Connelly pela Vision (2003)
>>> The Last Coyote de Michael Connelly pela Grand Central (2007)
>>> The Terminal Man de Michael Crichton pela Harper Usa (2009)
>>> Angels Flight de Michael Connelly pela Grand Central (2000)
>>> Micro de Michael Crichton pela Harper Usa (2011)
>>> Sapphique de Catherine Fisher pela Children's book (2012)
>>> Danny the Champion of the World de Roald Dahl pela Puffin Books (2007)
>>> O Brasil Ainda Se Pensa - 50 Anos de Formação da Literatura Brasileira de Ana Laura dos Reis Correa pela Horizonte (2012)
>>> The Search de John Battelle pela Portfolio
>>> Curso de Desenho e Pintura - Acrílico, Pastel e Guache de Vários Autores pela Globo (1985)
>>> I Am Legend de Richard Matheson pela Tor Books (2007)
>>> Música Eletrônica: uma Introdução Ilustrada Ed. 2 de Eloy F. Fritsch pela Ufrgs (2013)
>>> Curso de Desenho e Pintura - Desenho à Lápis de Vários Autores pela Globo (1985)
>>> Curso de Desenho e Pintura - Desenho a Tinta e Carvão de Vários Autores pela Globo (1985)
>>> Curso de Desenho e Pintura - Pintura à Óleo III de Vários Autores pela Globo (1985)
>>> Curso de Desenho e Pintura - Pintura à Óleo 1 de Vários Autores pela Globo (1985)
>>> História Geral das Civilizações - V O Século XVIII Vol. 1 de R. Mousnier e E. Labrousse pela Difusão Europeia do Livro (1970)
>>> História Geral das Civilizações - I O Oriente e a Grécia Vol. 1 de A. Aymard e J. Auboyer pela Difusão Europeia do Livro (1970)
>>> História Geral das Civilizações - VII A Época Contemporânea Vol. 2 de Maurice Crouzet pela Difusão Europeia do Livro (1970)
>>> História Geral das Civilizações - I O Oriente e a Grécia Vol. 1 de A. Aymard e J. Auboyer pela Difusão Europeia do Livro (1979)
>>> Curso de Desenho e Pintura - Aquarela III de Vários Autores pela Globo (1985)
>>> História Geral das Civilizações - VI O Século XIX Vol. 2 de Robert Schnerb pela Difusão Europeia do Livro (1975)
>>> Curso de Desenho e Pintura - Aquarela II de Vários Autores pela Globo (1985)
>>> História Geral das Civilizações - II Roma e seu Império Vol. 3 de A. Aymard e J. Auboyer pela Difusão Europeia do Livro (1979)
>>> Crime and Punishment de Fyodor Dostoevsky pela Second Edition (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/3/2009
A literatura contra o sistema
Guilherme Diniz

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A literatura deve ser, por necessidade, progressista. Mesmo que escritores sofram influências de outros autores ― o que é absolutamente natural ―, é necessário o repensar constante da dimensão estética e conceitual daquilo que se irá escrever. A aceitação não-crítica de certos cânones e de regras prescritivas quanto à estilística e conteúdo faz com que uma pretensa literatura do futuro se torne mero plágio daquilo que apenas no passado se deu como ruptura.

Por esse motivo, o discurso literário ― para não dizer as escolas literárias ― deve ser avesso a qualquer noção de sistema. Por sistema pode-se entender a totalidade discursiva organizada em torno de um mesmo objetivo; noutras palavras, um conjunto de elementos que, conectados entre si, hierarquicamente, visa explicar, aclarar ou fazer desenvolver determinado ponto de vista.

Isso porque a literatura, e aqui se foge de qualquer limite imposto pela conceituação, deve ser abordada como algo ambíguo, incompleto, dotado de significados diversos. Deve ser ela mesma considerada, na noção de Umberto Eco, uma obra aberta. Contudo, o pensador italiano qualifica como aberta ou fechada não apenas a literatura, mas diversas manifestações artísticas onde ela é apenas uma vertente da expressão humana, ao lado da pintura e da música.

Contudo, o que é aberta ou fechada não é a obra em si, mas o veículo que permite sua existência. No caso em questão, onde se fala de literatura, o veículo é a própria linguagem, pois é ela que permite sua manifestação. Para que uma literatura se proponha como inovadora, sua linguagem deverá sofrer provocações do acaso, do indeterminado, do provável, do interpretável. Essa literatura, antes de procurar flertar com o estabelecido, deverá aspirar à desordem fecunda.

Deverá ela invocar tudo aquilo que desmistifica a ordem tradicional, objetiva, que legitima o status em detrimento da inovação; deve invocar a abertura de perspectivas e de hipóteses. Não é sem razão que no século XX viu-se o florescer de movimentos que iam afrontar justamente os cânones que supostamente determinavam a boa literatura.

Influenciados por filósofos como Nietzsche, Kierkegaard e Wittgenstein, diversos escritores lutavam contra o que eles chamavam de "esclerose dos sistemas", com forte recusa quanto a autoridade moral de autores predecessores. A ideia de um discurso literário racionalista, descritivo, fechado, teve de ceder espaços cada vez maiores à sugestão, à imaginação, ao inconsciente, à ficção.

Somente deste modo é possível, de forma coerente, situar a obra de James Joyce e Ezra Pound. Do contrário, livros como Os Cantos e Finnegans Wake se mostram apenas como delírios de mentes férteis, quando na realidade eles exploram e ultrapassam toda e qualquer objeção já feita quanto às prescrições poéticas e linguísticas de vanguarda.

A literatura de Jorge Luis Borges (especialmente seu livro O Aleph), por exemplo, onde ele utiliza a narrativa sugestiva ao invés da puramente descritiva (como a encontrada em Eça de Queirós), pode ser citada como um produto desse novo movimento, ao lado, também, do escritor mexicano Octávio Paz; é bem significativo, nesse sentido, seu poema "Piedra de Sol". De forma explícita, podemos encontrar o poder da sugestão como método em Stéphane Mallarmé.

Entretanto, como alguns já pretenderam, pode-se considerar a ambiguidade fonética encontrada no poeta francês meramente questão de estilo. Mas essa seria uma explicação reducionista e ao mesmo tempo incorreta. Se fosse essa característica apenas um modo de escrita inovador, seria improvável a criação de laços tão profundos como os que foram criados após a publicação do seu poema "Un coup de dés jamais n'abolira le hasard", no ano de 1914.

A explicação mais plausível ― e é a que eu compartilho ― é a de que naquele momento histórico o discurso racional estava fatigado. A imposição do rígido modelo advindo de Aristóteles, exposto na sua obra Poética, estava em descompasso com uma realidade que então surgia. Era árvore de frutos infecundos, que já na conservadora Inglaterra do século XVIII William Blake lutava para desenraizar. Mallarmé apenas explicitou o que já estava, de uma forma ou de outra, implícito.

Neste sentido, a obra aberta, nascida de uma literatura igualmente aberta, de múltiplas interpretações, só será possível quando os limites impostos pelas pretensões de se encontrar uma literatura acabada estiverem ultrapassados. A partir daí, um trabalho literário não procurará mais saber o que é e o que não é adequado. Será um trabalho que proporá mais perguntas do que oferecerá respostas; será uma literatura que considerará o mundo um objeto a ser decifrado, onde apenas a verdade do leitor servirá de guia relevante.

Não será ela uma obra informal; não será ela, tampouco, casual. Ela será regida por uma estrutura própria, interna, ditada pelo seu próprio conteúdo, diferente daquela que o racionalismo demanda, onde um modelo pré-definido é escolhido para análise de forma comparativa. Seu objetivo será, como profetizou William Blake, romper com as banais portas da percepção. A obra aberta quer mostrar como as coisas são: infinitas ― iguais à imaginação humana.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, O Rinoceronte Voador. Leia também "Baudolino e a obra aberta de Eco".


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 30/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
02. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
03. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
04. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
05. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/3/2009
08h39min
Que a literatura e a arte não são meramente diversão ou conformismo está na essência. Até o Paulo Coelho pode ser inconformista, se ele leva o leitor além da sua rotina pragmática, ainda que de forma programática e previsível. Se houver a exigência da mudança da linguagem e da forma, muito frequentemente a literatura será dirigida a um núcleo intelectualizado, e não terá o poder de questionar aqueles que exatamente têm menor acesso a uma realidade transformadora. Esta é a razão do fracasso dos movimentos vanguardistas e modernistas do século XX, ao transformar a revolução num movimento de bares e academias, e renegar a cultura popular a uma posição humilhante. Hoje, a literatura frequentemente busca formatos revolucionários sem discutir ideia alguma. Memórias pessoais, uma pequena aventura amorosa inconcluída. A obra aberta vive principalmente nas ideias que ela traz, e na capacidade de ser captada.
[Leia outros Comentários de Renato]
30/3/2009
19h38min
Caro Guilherme, parabéns, ótimo texto. Contudo, um pretexto: eu não consigo entender a razão da excelente "Obra Aberta" de Umberto Eco ter sido traduzida no Brasil apenas pela metade. Foi preciso que eu adquirisse a tradução francesa da referida obra, além da italiana, para que eu tivesse uma compreensão da obra em sua totalidade. Esquisito. Aqui no Brasil, os tradutores suprimiram o supra-sumo da "Obra Aberta", no qual Eco realiza uma análise minuciosa da poética joyciana. Ah, detentores do monopólio dos saberes! Coisas do Brasil = o gato comeu! abs do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Celebração na Vida Cristã
Claude Duchesneau
Paulinas
(1977)



Coleções do Brasil - Museu de Arte Assis Chateaubriand Pb
Marcus Lontra Costa ( Curadoria )
Ccbb
(2001)



Máxima Mínimas e Outros Textos: um Caminho para Alguns
Suffit Kitab Akenat
Landy
(2003)



Vozes do Chicão
Váios
0000
(2013)



Negócios de Familia
Vincent Patrick
Klick
(1997)



O Caçador de Pipas
Khaled Housseini
Nova Fronteira
(2003)



Como Amar um Libriano - 1ª Edição
Mary English
Pensamento
(2014)



Cadernos de Anotações I - Contos do Alquimista
Paulo Coelho
Caras
(1999)



Minha Ginástica Sexual
Maria Lúcia Rezende
Art
(1993)



Laser B1+ Student S Book Updated For the Revised Fce Com Cd
Steve Taylore- Knowles
Macmillan
(2008)





busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês