A literatura contra o sistema | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/3/2009
A literatura contra o sistema
Guilherme Diniz

+ de 3700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A literatura deve ser, por necessidade, progressista. Mesmo que escritores sofram influências de outros autores ― o que é absolutamente natural ―, é necessário o repensar constante da dimensão estética e conceitual daquilo que se irá escrever. A aceitação não-crítica de certos cânones e de regras prescritivas quanto à estilística e conteúdo faz com que uma pretensa literatura do futuro se torne mero plágio daquilo que apenas no passado se deu como ruptura.

Por esse motivo, o discurso literário ― para não dizer as escolas literárias ― deve ser avesso a qualquer noção de sistema. Por sistema pode-se entender a totalidade discursiva organizada em torno de um mesmo objetivo; noutras palavras, um conjunto de elementos que, conectados entre si, hierarquicamente, visa explicar, aclarar ou fazer desenvolver determinado ponto de vista.

Isso porque a literatura, e aqui se foge de qualquer limite imposto pela conceituação, deve ser abordada como algo ambíguo, incompleto, dotado de significados diversos. Deve ser ela mesma considerada, na noção de Umberto Eco, uma obra aberta. Contudo, o pensador italiano qualifica como aberta ou fechada não apenas a literatura, mas diversas manifestações artísticas onde ela é apenas uma vertente da expressão humana, ao lado da pintura e da música.

Contudo, o que é aberta ou fechada não é a obra em si, mas o veículo que permite sua existência. No caso em questão, onde se fala de literatura, o veículo é a própria linguagem, pois é ela que permite sua manifestação. Para que uma literatura se proponha como inovadora, sua linguagem deverá sofrer provocações do acaso, do indeterminado, do provável, do interpretável. Essa literatura, antes de procurar flertar com o estabelecido, deverá aspirar à desordem fecunda.

Deverá ela invocar tudo aquilo que desmistifica a ordem tradicional, objetiva, que legitima o status em detrimento da inovação; deve invocar a abertura de perspectivas e de hipóteses. Não é sem razão que no século XX viu-se o florescer de movimentos que iam afrontar justamente os cânones que supostamente determinavam a boa literatura.

Influenciados por filósofos como Nietzsche, Kierkegaard e Wittgenstein, diversos escritores lutavam contra o que eles chamavam de "esclerose dos sistemas", com forte recusa quanto a autoridade moral de autores predecessores. A ideia de um discurso literário racionalista, descritivo, fechado, teve de ceder espaços cada vez maiores à sugestão, à imaginação, ao inconsciente, à ficção.

Somente deste modo é possível, de forma coerente, situar a obra de James Joyce e Ezra Pound. Do contrário, livros como Os Cantos e Finnegans Wake se mostram apenas como delírios de mentes férteis, quando na realidade eles exploram e ultrapassam toda e qualquer objeção já feita quanto às prescrições poéticas e linguísticas de vanguarda.

A literatura de Jorge Luis Borges (especialmente seu livro O Aleph), por exemplo, onde ele utiliza a narrativa sugestiva ao invés da puramente descritiva (como a encontrada em Eça de Queirós), pode ser citada como um produto desse novo movimento, ao lado, também, do escritor mexicano Octávio Paz; é bem significativo, nesse sentido, seu poema "Piedra de Sol". De forma explícita, podemos encontrar o poder da sugestão como método em Stéphane Mallarmé.

Entretanto, como alguns já pretenderam, pode-se considerar a ambiguidade fonética encontrada no poeta francês meramente questão de estilo. Mas essa seria uma explicação reducionista e ao mesmo tempo incorreta. Se fosse essa característica apenas um modo de escrita inovador, seria improvável a criação de laços tão profundos como os que foram criados após a publicação do seu poema "Un coup de dés jamais n'abolira le hasard", no ano de 1914.

A explicação mais plausível ― e é a que eu compartilho ― é a de que naquele momento histórico o discurso racional estava fatigado. A imposição do rígido modelo advindo de Aristóteles, exposto na sua obra Poética, estava em descompasso com uma realidade que então surgia. Era árvore de frutos infecundos, que já na conservadora Inglaterra do século XVIII William Blake lutava para desenraizar. Mallarmé apenas explicitou o que já estava, de uma forma ou de outra, implícito.

Neste sentido, a obra aberta, nascida de uma literatura igualmente aberta, de múltiplas interpretações, só será possível quando os limites impostos pelas pretensões de se encontrar uma literatura acabada estiverem ultrapassados. A partir daí, um trabalho literário não procurará mais saber o que é e o que não é adequado. Será um trabalho que proporá mais perguntas do que oferecerá respostas; será uma literatura que considerará o mundo um objeto a ser decifrado, onde apenas a verdade do leitor servirá de guia relevante.

Não será ela uma obra informal; não será ela, tampouco, casual. Ela será regida por uma estrutura própria, interna, ditada pelo seu próprio conteúdo, diferente daquela que o racionalismo demanda, onde um modelo pré-definido é escolhido para análise de forma comparativa. Seu objetivo será, como profetizou William Blake, romper com as banais portas da percepção. A obra aberta quer mostrar como as coisas são: infinitas ― iguais à imaginação humana.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, O Rinoceronte Voador. Leia também "Baudolino e a obra aberta de Eco".


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 30/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
02. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
03. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
04. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/3/2009
08h39min
Que a literatura e a arte não são meramente diversão ou conformismo está na essência. Até o Paulo Coelho pode ser inconformista, se ele leva o leitor além da sua rotina pragmática, ainda que de forma programática e previsível. Se houver a exigência da mudança da linguagem e da forma, muito frequentemente a literatura será dirigida a um núcleo intelectualizado, e não terá o poder de questionar aqueles que exatamente têm menor acesso a uma realidade transformadora. Esta é a razão do fracasso dos movimentos vanguardistas e modernistas do século XX, ao transformar a revolução num movimento de bares e academias, e renegar a cultura popular a uma posição humilhante. Hoje, a literatura frequentemente busca formatos revolucionários sem discutir ideia alguma. Memórias pessoais, uma pequena aventura amorosa inconcluída. A obra aberta vive principalmente nas ideias que ela traz, e na capacidade de ser captada.
[Leia outros Comentários de Renato]
30/3/2009
19h38min
Caro Guilherme, parabéns, ótimo texto. Contudo, um pretexto: eu não consigo entender a razão da excelente "Obra Aberta" de Umberto Eco ter sido traduzida no Brasil apenas pela metade. Foi preciso que eu adquirisse a tradução francesa da referida obra, além da italiana, para que eu tivesse uma compreensão da obra em sua totalidade. Esquisito. Aqui no Brasil, os tradutores suprimiram o supra-sumo da "Obra Aberta", no qual Eco realiza uma análise minuciosa da poética joyciana. Ah, detentores do monopólio dos saberes! Coisas do Brasil = o gato comeu! abs do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PREACHER - Nº 26
GARTH ENNIS / STEVE DILLON
BRAINSTORE
(2002)
R$ 6,90



O QUINZE
RACHEL DE QUEIROZ; RACHEL DE QUEIROZ
ARX
(2002)
R$ 14,90



CONTOS PARA LER OUVINDO MÚSICA
MIGUEL SANCHES NETO (ORG.)
RECORD
(2005)
R$ 25,00



SEXO E DESTINO
GERMAINE GREER
ROCCO
(1987)
R$ 8,94



ZAPP! THE LIGHTNING OF EMPOWERMENT
WILLIAM C. BYHAM JEFF COX
BALLANTINE BOOKS
(1992)
R$ 4,82



THE DECORATIVE GIFT BOXES
JANE THOMSON
HEARST BOOKS
(1991)
R$ 120,00
+ frete grátis



OCULTISMO ORIENTAL Y FILOSOFIA YOGA
MIR SHEMESH
EDITORIAL DE VECCHI
(1973)
R$ 15,00



LES FEMMES SAVANTES
MOLIERE
DIDIER
(1959)
R$ 18,28



A CIDADE DO SOL
KHALED HOSSEINI
NOVA FRONTEIRA
(2007)
R$ 14,18



SONHO GRANDE (85)
CRISTIANE CORREA
PRIMEIRA PESSOA
R$ 10,00





busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês