O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
28698 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sombras Persas (IV)
>>> I’ve been up, I’ve been down
>>> Sombras Persas (VIII)
>>> 8 de Agosto #digestivo10anos
>>> Situação da poesia hoje
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> United States of Brazil
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> A Onda, de Dennis Gansel
>>> E eu comprei um iPod; e a minha vida mudou
Mais Recentes
>>> O livro do silêncio: Livro 1 da trilogia deuses de dois mundos de Pj Pereira pela Planeta (2018)
>>> Dia 21 de Kass Morgan pela Record (2015)
>>> The 100 - Os Escolhidos de Kass Morgan pela Record (2014)
>>> A Terceira Visão de Lobsang Rampa pela Nova Era (2005)
>>> O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Ser Um Idiota de Olavo de Carvalho pela Record (2013)
>>> O Cirurgião de Tess Gerritsen pela Record (2013)
>>> A Honra do Poderoso Prizzi de Richard Condon pela Record (1982)
>>> O Amante do Vulcão de Susan Sontag pela Cia. das Letras (1992)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrísica (2014)
>>> A primeira Impressão é a que Fica. de Ann Damarais pela Sextante (2005)
>>> Bruxas e Bruxos de James Patterson pela Novo Conceito (2013)
>>> Amor de Puta de Ricardo Daumas pela Sensus (2016)
>>> Somos Todos Inocentes de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (2000)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> A Solidão do Espinho de Américo Simões pela Barbara (2011)
>>> Grimpow de Rafael Abalos pela Ediouro (2006)
>>> O Complo de Heather Graham pela Harlequin (2006)
>>> Despertar de um Imperio de Sam Bourne pela Suma (2010)
>>> A Promessa de Halan Coben pela Arx (2008)
>>> Técnico em Informática de Antonio Álvaro de Assis Moura e equipe da editora pela Etb (2014)
>>> O Uno e o Múltiplo nas Relações entre as Áreas do Saber de Maria L. Martinelli Maria Lucia R. Salma Tannus M. pela Cortez (2001)
>>> Coletânea Martinista - Escritos Esotéricos Cristãos Livro III de Escola Internacional de Estudos Esotéricos pela Ágora Hermética (2013)
>>> Coletânea Martinista - Escritos Esotéricos Cristãos Livro II de Escola Internacional de Estudos Esotéricos pela Ágora Hermética (2013)
>>> Introdução à Teoria da Literatura de Antonio Augusto Soares Amora pela Cultrix (1994)
>>> Indispensável, imbatível e invencível de Marcos Scaldelai pela Gente (2020)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/11/2007
O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues
Rafael Rodrigues

+ de 26300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A decisão de escrever uma resenha sobre O óbvio ululante (Agir, 2007, 448 págs.), de Nelson Rodrigues, foi tomada assim que iniciei a leitura do livro. Os textos que o compõem, uma seleção da coluna "Confissões", publicados no jornal O Globo entre 1967 e 1968 (mais duas crônicas publicadas na coluna "Memórias", no Correio da Manhã, em 1967), são exemplos de que um escritor pode, sim, ser engraçado, melancólico, irônico e crítico ao mesmo tempo, em seus textos. A impressão que se tem, ao ler as crônicas de O óbvio ululante, é a de que no mesmo momento em que há esperança, não há por quê lutar. É como se um boxeador pedisse para seu treinador jogar a toalha, mas não a deixasse tocar o chão e voltasse à luta logo em seguida. Simplesmente incrível e inacreditável. Para tanto, é necessário ser gênio. E poucos podem ser considerados gênio. Nelson Rodrigues pode.

Ao avançar a leitura, um problema começou a se desenvolver. Como resenhar um livro que tem parágrafos e mais parágrafos merecedores de citação sem ficar angustiado por não poder citá-los todos? Afinal, é uma resenha, não uma reprodução do livro.

Difícil. Ainda mais quando lemos algo assim:

"O trágico da nossa época ou, melhor dizendo, do Brasil atual, é que o idiota mudou até fisicamente. Não faz apenas o curso primário, como no passado. Estuda, forma-se, lê, sabe. Põe os melhores ternos, as melhores gravatas, os sapatos mais impecáveis. Nas recepções do Itamaraty, as casacas vestem os idiotas. E mais: - eles têm as melhores mulheres e usam mais condecorações do que um arquiduque austríaco."

Isso foi escrito há 39 anos, minhas senhoras e meus senhores. 39 anos! E, nesse caso, Nelson fala do idiota que, segundo o Houaiss: "diz-se de ou pessoa pretensiosa, vaidosa, tola". Ele tinha razão quando escreveu a crônica e continua tendo hoje.

As crônicas reunidas no livro não se limitam à crítica social. Nelson Rodrigues faz comentários sobre amigos (Otto Lara Resende, Hélio Pellegrino, Vinicius de Moraes, entre outros), literatura, política, futebol e, é claro, sobre si mesmo. Aliás, dizer que Nelson escrevia "sobre si mesmo" é uma redundância, pois ele consegue, como ninguém, colocar-se inteiro em tudo que escreve, mesmo que aparentemente não esteja lá, no texto. Nelson Rodrigues não escrevia por escrever, ou para ganhar dinheiro (ele ganhava dinheiro com o que escrevia, o que é totalmente difentente de escrever para ganhar dinheiro). Nelson Rodrigues escrevia porque tinha de escrever. Porque precisava disso para manter-se vivo.

É mesmo impressionante como ele conseguia, em uma única crônica, falar sobre tantos assuntos. Em "Na escola pública, minha merenda foi uma só, imutável: - banana", Nelson começa falando sobre um amigo erudito: "E eu fico a resmungar, na irritação da minha impotência: 'Como sabe, como lê, como cita!'" Em seguida, faz uma crítica a essa obsessão do amigo pelo conhecimento ou pela quantidade de saberes: "Por tudo que sei da vida, dos homens, deve-se ler pouco e reler muito. A arte da leitura é a releitura." Depois, faz piada: "Certa vez, um erudito resolveu fazer ironia comigo: perguntou-me: 'O que é que você leu?' Respondi: 'Dostoievski.' Ele queria me atirar na cara os seus quarenta mil volumes. Insistiu: 'Que mais?' E eu: 'Dostoievski.' Teimou: 'Só?' Repeti: 'Dostoievski.' O sujeito, aturdido pelos seus quarenta mil volumes, não entendeu nada." E ensina: "Mas eis o que eu queria dizer: pode-se viver para um único livro de Dostoievski".

Linhas depois, Nelson lembra da infância, tema recorrente em suas "Confissões". É quando ele fala da banana que levava todos os dias para a escola, como merenda. E de quando ele teve vergonha da merenda. "No terceiro dia [de aula], comecei a ter vergonha da banana. (...) Ao mesmo tempo que me envergonhava da banana, tinha-lhe pena. Pena da banana. De vez em quando, faltava dinheiro em casa. Banana custava um vintém. E eu ia para a escola sem merenda. Na hora do recreio, rodava pelo pátio, errante e perdido de fome."

O tempo de escola não traz muitas boas lembranças a Nelson Rodrigues. E, arrisco dizer, talvez venha daí, desse tempo, a crueldade de boa parte de suas narrativas. Sua professora era terrível, uma megera que o fazia passar as mais variadas humilhações na frente de todos os colegas. Como no dia em que grita, diante de toda a classe: "Eu sabia! Eu sabia! Tem piolhos, lêndeas!"

Mais conhecido pelas peças e contos polêmicos (alguns ainda chamam seus textos de "amorais"), Nelson Rodrigues era, no fundo, um romântico: "Tudo é falta de amor. O câncer no seio ou qualquer outra forma de câncer. É falta de amor. As lesões do sentimento. A crueldade. Tudo, tudo falta de amor." Um homem que não tinha vergonha de sua sinceridade nem de sua própria história. Nelson não deixava de falar o que quer que fosse, de quem quer que fosse. Criticava e elogiava, sem demagogia, sem troca de favores.

Considerado por muitos como o maior dramaturgo da história do teatro brasileiro, Nelson Rodrigues é exímio prosador. Suas memórias em forma de crônicas em O óbvio ululante são prova cabal disso. Suas peças têm maior destaque por serem, até hoje, alvo de polêmicas. Mas sua prosa (mais especificamente suas crônicas e romances, já que os contos são bastante populares, justamente por também serem polêmicos) certamente terá o destaque merecido, cedo ou tarde. Nelson Rodrigues é um escritor completo, poderíamos dizer. Afinal, foi crítico, dramaturgo, cronista (social e esportivo), contista e romancista. E foi, no mínimo, bom em todas as vertentes. Não são muitos os escritores que podem se vangloriar de tal pluraridade.

Nelson Rodrigues pode.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 2/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo
02. Tom's Bar de Gian Danton


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2007
15h49min
Também adoro esse livro, de um jeito esquisito, que não sei definir. Nelson é um "pulha" na maior parte das crônicas, pra usar uma expressão dele, mas é um amor, desperta encanto apesar de tudo de ruim que destila. Só mesmo ele pra ter coragem de escrever, numa das histórias que você cita, que sentia inveja do pão com ovo que escorria gema pela boca do colega. Um idiota jamais diria isso. Nelson é principalmente inteligente em seu "óbvio ululante" e a inteligência fascina. Apaixonante! Mas paixão não é muito racional, talvez por isso seja difícil falar sobre o livro, que expõe as confissões e invenções bastante humanas desse grande, corajoso escritor, retratista da vida como ela é...
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
5/11/2007
11h12min
Oi Rafa, compartilho com você a experiência de ter lido esta nova edição do livro, que, arrisco dizer, é uma das melhores coisas que já li. Sempre admirei Nelson Rodrigues, não apenas como dramaturgo, mas principalmente como cronista. E no universo das cronicas, O Obvio Ululante é uma obra singular.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Fator Humano
Graham Greene
Record
(1978)



Bibliotheca Universitatis Séculos XV e XVI
Rosemarie Erika Horch
Edusp
(2000)



Fazer Universidade: uma Proposta Metodológica
Cipriano Carlos Luckesi, Eloi Barreto, Jose
Cortez
(1984)



O Caminho para o Vale Perdido
Patrícia Engel Secco
Boa Companhia
(2007)



Repertorio de Jurisprudencia Trabalhista - Vol. 8
Joao de Lima Teixeira Filho
Renovar
(2000)



Dos Meus Anos Maduros
Prof. Dr. Fritz Pinkuss
Congregação Israelita Paulis
(1980)



A Estrutura Ausente: Introdução à Pesquisa Semiológica - 7ª Edição
Umberto Eco
Perspectiva
(2013)



O Novo Livro de Corrida
James F. Fixx
Record
(1980)



Do Monturo Deus Ergue um Vencedor
Jorge Videira
Do Autor
(2010)



A Princesa na Balada - 7
Meg Cabot
Record
(2006)





busca | avançada
28698 visitas/dia
2,2 milhões/mês