O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> War is peace; freedom is slavery; ignorance is strength
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Infeliz Dia dos Namorados
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nota Bene
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Comer é viver
>>> Sugerido para adultos?
>>> Ação e Romance
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Plotinus - ennead, v.5 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb-Harvard University P (1984)
>>> O mar de monstros (PercyJackson e os olimpianos - livro 2) de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> Colóquio Artes, número 36, março 1978 de Elena Calas, René Micha, Eduardo Lourenço e outros, pela Fundação Calouste Gulbenkian (1978)
>>> As lágrimas da girafa de Alexander McCall Smith pela Companhia das Letras (2003)
>>> Paul Rudolph 1946-1974 de Vários pela A+U Publishing (1977)
>>> Lições de Economia Política de Temperani Pereira pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Tudo Que Eu Devia Saber na Vida Aprendi no Jardim-de-Infância de Robert Fulghum pela BestSeller (1988)
>>> Documentos do Arquivo da Casa dos Contos de José Afonso Mendonça de Azevedo (Org.) pela Do Autor
>>> Hibisco Roxo de Chimamanda Ngozi Adichie pela Companhia das Letras (2011)
>>> Liberte a Intuição! de Roy H. Williams pela Futura (2003)
>>> O anjo azul de Josef von Sternberg ( um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Jules e Jim uma mulher para dois de François Trufaut (um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Dinâmicas de Leitura Para Sala de Aula de Mary Rangel pela Vozes (1990)
>>> Força Interior - Ensinamentos práticos para uma vida melhor de Carlos França pela Circulo do Livro (1988)
>>> Castas, estamentos e clases sociais de Sedi Hirano pela Alfa-Omega (1974)
>>> Word Perfect vocabulary for fluency de Mark Harison pela Nelson (1990)
>>> Plotinus Ennead III de Plotinus; A.H.Armstrong pela Loeb (1967)
>>> Volar Sobre El Pantano - novela de valores para superar la adversidad y triunfar de Carlos Cuauhtémoc Sánchez pela Selectas Diamante (1995)
>>> 200 Sonetos de Luis Vaz de Camões pela Lepm (2001)
>>> Academia Goiana de Letras - História e Antologia de Coelho Vaz pela Kelps (2008)
>>> O Poder Infinito da Oração - Descoberta da força capaz de produzir milagre de Lauro Tevisan pela Mente
>>> Não Mato por Prazer de John Godey pela Nova Época (1974)
>>> A Outra América: Pobreza nos Estados Unidos de Michael Harrington pela Civilização Brasileira (1964)
>>> O Vôo da Borboleta de Morah Lofts pela Melhoramentos (1987)
>>> Encontros Com Homens Notáveis de G. I. Gurdjieff pela Pensamento (1980)
>>> A Morte no Japão de Ian Fleming pela Globo (1965)
>>> Um de Richard Bach pela Record (1988)
>>> Os Grandes Clássicos da Literatura: Elogio da Loucura - O Livre Arbítrio de Erasmo de Roterdã – Artur Schopenhauer pela Novo Brasil (1982)
>>> Esconde-Esconde de James Patterson pela Best Seller / Círculo do Livro (1997)
>>> Sherlock Holmes: O Ritual Musgrave e Outras Aventuras de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2006)
>>> Platero e Eu de Juan Ramón Jimenez pela Rio Gráfica (1987)
>>> O Original de Jean-Jacques Fiechter pela Record (1996)
>>> Aura de Carlos Fuentes pela L&PM (1981)
>>> As Ninfas do Vale de Gibran Khalil Gibran pela Catavento (1978)
>>> A Brincadeira de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Rainha de Provence de Jean Plaidy pela Record (1993)
>>> Esfinge de Robin Cook pela Círculo do Livro (1987)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Círculo do Livro (1997)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1985)
>>> Nada Dura Para Sempre de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1998)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1987)
>>> O Outro Lado da Meia-Noite de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1989)
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/11/2007
O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues
Rafael Rodrigues

+ de 25300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A decisão de escrever uma resenha sobre O óbvio ululante (Agir, 2007, 448 págs.), de Nelson Rodrigues, foi tomada assim que iniciei a leitura do livro. Os textos que o compõem, uma seleção da coluna "Confissões", publicados no jornal O Globo entre 1967 e 1968 (mais duas crônicas publicadas na coluna "Memórias", no Correio da Manhã, em 1967), são exemplos de que um escritor pode, sim, ser engraçado, melancólico, irônico e crítico ao mesmo tempo, em seus textos. A impressão que se tem, ao ler as crônicas de O óbvio ululante, é a de que no mesmo momento em que há esperança, não há por quê lutar. É como se um boxeador pedisse para seu treinador jogar a toalha, mas não a deixasse tocar o chão e voltasse à luta logo em seguida. Simplesmente incrível e inacreditável. Para tanto, é necessário ser gênio. E poucos podem ser considerados gênio. Nelson Rodrigues pode.

Ao avançar a leitura, um problema começou a se desenvolver. Como resenhar um livro que tem parágrafos e mais parágrafos merecedores de citação sem ficar angustiado por não poder citá-los todos? Afinal, é uma resenha, não uma reprodução do livro.

Difícil. Ainda mais quando lemos algo assim:

"O trágico da nossa época ou, melhor dizendo, do Brasil atual, é que o idiota mudou até fisicamente. Não faz apenas o curso primário, como no passado. Estuda, forma-se, lê, sabe. Põe os melhores ternos, as melhores gravatas, os sapatos mais impecáveis. Nas recepções do Itamaraty, as casacas vestem os idiotas. E mais: - eles têm as melhores mulheres e usam mais condecorações do que um arquiduque austríaco."

Isso foi escrito há 39 anos, minhas senhoras e meus senhores. 39 anos! E, nesse caso, Nelson fala do idiota que, segundo o Houaiss: "diz-se de ou pessoa pretensiosa, vaidosa, tola". Ele tinha razão quando escreveu a crônica e continua tendo hoje.

As crônicas reunidas no livro não se limitam à crítica social. Nelson Rodrigues faz comentários sobre amigos (Otto Lara Resende, Hélio Pellegrino, Vinicius de Moraes, entre outros), literatura, política, futebol e, é claro, sobre si mesmo. Aliás, dizer que Nelson escrevia "sobre si mesmo" é uma redundância, pois ele consegue, como ninguém, colocar-se inteiro em tudo que escreve, mesmo que aparentemente não esteja lá, no texto. Nelson Rodrigues não escrevia por escrever, ou para ganhar dinheiro (ele ganhava dinheiro com o que escrevia, o que é totalmente difentente de escrever para ganhar dinheiro). Nelson Rodrigues escrevia porque tinha de escrever. Porque precisava disso para manter-se vivo.

É mesmo impressionante como ele conseguia, em uma única crônica, falar sobre tantos assuntos. Em "Na escola pública, minha merenda foi uma só, imutável: - banana", Nelson começa falando sobre um amigo erudito: "E eu fico a resmungar, na irritação da minha impotência: 'Como sabe, como lê, como cita!'" Em seguida, faz uma crítica a essa obsessão do amigo pelo conhecimento ou pela quantidade de saberes: "Por tudo que sei da vida, dos homens, deve-se ler pouco e reler muito. A arte da leitura é a releitura." Depois, faz piada: "Certa vez, um erudito resolveu fazer ironia comigo: perguntou-me: 'O que é que você leu?' Respondi: 'Dostoievski.' Ele queria me atirar na cara os seus quarenta mil volumes. Insistiu: 'Que mais?' E eu: 'Dostoievski.' Teimou: 'Só?' Repeti: 'Dostoievski.' O sujeito, aturdido pelos seus quarenta mil volumes, não entendeu nada." E ensina: "Mas eis o que eu queria dizer: pode-se viver para um único livro de Dostoievski".

Linhas depois, Nelson lembra da infância, tema recorrente em suas "Confissões". É quando ele fala da banana que levava todos os dias para a escola, como merenda. E de quando ele teve vergonha da merenda. "No terceiro dia [de aula], comecei a ter vergonha da banana. (...) Ao mesmo tempo que me envergonhava da banana, tinha-lhe pena. Pena da banana. De vez em quando, faltava dinheiro em casa. Banana custava um vintém. E eu ia para a escola sem merenda. Na hora do recreio, rodava pelo pátio, errante e perdido de fome."

O tempo de escola não traz muitas boas lembranças a Nelson Rodrigues. E, arrisco dizer, talvez venha daí, desse tempo, a crueldade de boa parte de suas narrativas. Sua professora era terrível, uma megera que o fazia passar as mais variadas humilhações na frente de todos os colegas. Como no dia em que grita, diante de toda a classe: "Eu sabia! Eu sabia! Tem piolhos, lêndeas!"

Mais conhecido pelas peças e contos polêmicos (alguns ainda chamam seus textos de "amorais"), Nelson Rodrigues era, no fundo, um romântico: "Tudo é falta de amor. O câncer no seio ou qualquer outra forma de câncer. É falta de amor. As lesões do sentimento. A crueldade. Tudo, tudo falta de amor." Um homem que não tinha vergonha de sua sinceridade nem de sua própria história. Nelson não deixava de falar o que quer que fosse, de quem quer que fosse. Criticava e elogiava, sem demagogia, sem troca de favores.

Considerado por muitos como o maior dramaturgo da história do teatro brasileiro, Nelson Rodrigues é exímio prosador. Suas memórias em forma de crônicas em O óbvio ululante são prova cabal disso. Suas peças têm maior destaque por serem, até hoje, alvo de polêmicas. Mas sua prosa (mais especificamente suas crônicas e romances, já que os contos são bastante populares, justamente por também serem polêmicos) certamente terá o destaque merecido, cedo ou tarde. Nelson Rodrigues é um escritor completo, poderíamos dizer. Afinal, foi crítico, dramaturgo, cronista (social e esportivo), contista e romancista. E foi, no mínimo, bom em todas as vertentes. Não são muitos os escritores que podem se vangloriar de tal pluraridade.

Nelson Rodrigues pode.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 2/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
02. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
03. 10 músicas: Michael Jackson de Rafael Fernandes
04. Sabe-tudo dá plantão em boteco paulistano de Ana Elisa Ribeiro
05. Publicar em papel? Pra quê? de Julio Daio Borges


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2007
15h49min
Também adoro esse livro, de um jeito esquisito, que não sei definir. Nelson é um "pulha" na maior parte das crônicas, pra usar uma expressão dele, mas é um amor, desperta encanto apesar de tudo de ruim que destila. Só mesmo ele pra ter coragem de escrever, numa das histórias que você cita, que sentia inveja do pão com ovo que escorria gema pela boca do colega. Um idiota jamais diria isso. Nelson é principalmente inteligente em seu "óbvio ululante" e a inteligência fascina. Apaixonante! Mas paixão não é muito racional, talvez por isso seja difícil falar sobre o livro, que expõe as confissões e invenções bastante humanas desse grande, corajoso escritor, retratista da vida como ela é...
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
5/11/2007
11h12min
Oi Rafa, compartilho com você a experiência de ter lido esta nova edição do livro, que, arrisco dizer, é uma das melhores coisas que já li. Sempre admirei Nelson Rodrigues, não apenas como dramaturgo, mas principalmente como cronista. E no universo das cronicas, O Obvio Ululante é uma obra singular.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CAÇADAS DE PEDRINHO
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1997)
R$ 16,00



O DESAFIO DE AMAR
STEPHEN & ALEX KENDRICK
BV BOOKS
(2009)
R$ 18,00



HISTÓRIAS REAIS E FANTÁSTICAS: CRÔNICAS E ENSAIOS SOBRE A POLÍTICA CON
MARIA CLEIDE BERNAL
TABA CULTURAL
(2010)
R$ 25,28



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA + SUPLEMENTO DE LEITURA
LIMA BARRETO
ATICA
(2006)
R$ 5,50



ELITE ONTEM, HOJE E SEMPRE
MARIA DILECTA GRIEG
OLHO DÁGUA
(2006)
R$ 8,90



DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS (DII)
DAISY MALDAUN
EXCEÇÃO
(2015)
R$ 85,00



FOTOGRAFIA DIGITAL MASTERCLASS TOTALMENTE ATUALIZADO 5562
TOM ANG
ALTA BOOKS
(2014)
R$ 91,00



OS DESTEMIDA. OLHOS DO DRAGAO - VOLUME 1
NATALIE JANE PRIOR
FUNDAMENTO
(2006)
R$ 9,90



VORAGEM POESIA
MARCELO CARDOSO
SCORTECCI
(1995)
R$ 7,56



SAMURAI GIRL: THE BOOK OF THE SWORD - BOOK ONE
CARRIE ASAI
SIMON PULSE
(2003)
R$ 19,82





busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês