O nome da morte | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/2/2007
O nome da morte
Rafael Rodrigues

+ de 19800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

O jornalista e escritor recifense Klester Cavalcanti é um homem de sorte. Não digo isso pelo fato de ele ter trabalhado em "algumas das maiores publicações do país"; Klester já passou pela revista Veja e hoje é editor da revista VIP, por exemplo. Nem pelo fato de ele ter conquistado, em 2005, o prêmio Jabuti na categoria livro-reportagem, pelo seu Viúvas da terra. Tais informações revelam a capacidade e a competência de Klester Cavalcanti.

Digo que ele é um homem de sorte pelo fato de ter conhecido, em 1999, quando era correspondente da Veja na Amazônia, o personagem que qualquer escritor gostaria de conhecer. Trata-se de Júlio Santana, um matador de aluguel que, em 35 anos de trabalho, executou 492 pessoas em diversos lugares do Brasil.

Tão logo conheceu o homem, apenas por telefone, Klester vislumbrou a possibilidade de uma grande história, um grande furo de reportagem. Ganhou a simpatia do assassino que, nas palavras do jornalista, "não me pareceu um sujeito violento nem agressivo". O assassino, por sua vez, estava com vontade de contar suas histórias para alguém: "Se você quiser, eu lhe conto tudo. Nunca falei essas coisas para ninguém." Essa foi a primeira conversa. Combinaram de voltar a se falar alguns dias depois. E seguiram se falando por telefone durante anos, até que recentemente, no final de 2006, essas conversas deram origem ao livro O nome da morte (Planeta, 2006, 256 págs.).

A carreira de assassino de aluguel de Júlio Santana teve início em 1971, quando o então adolescente - Júlio tinha 17 anos de idade - fez sua primeira vítima: um pescador que havia abusado sexualmente de uma garotinha de 13 anos. O mandante do crime foi o pai da menina.

Até aquele dia, em que cometera seu primeiro assassinato, Júlio levava uma vida tranqüila. Morava com os pais e seus dois irmãos mais novos, no município de Porto Franco, na divisa do Maranhão com o atual estado do Tocantins - na época Goiás. Sua única preocupação era caçar para ajudar na alimentação da família. Coisa que fazia muito bem, pois de tanto praticar adquirira uma excelente pontaria. A mudança na vida de Júlio começou quando seu tio Cícero, que morava no Maranhão, chegou para passar uns dias na casa do irmão Jorge, pai de Júlio, coisa que procurava fazer ao menos uma vez por mês.

Cícero era policial militar na cidade de Imperatriz, no Maranhão. Mas essa era apenas uma das duas atividades do tio de Júlio. Além de policial, Cícero era também matador de aluguel, e estava em Porto Franco a serviço. Fora contratado para matar um pescador que morava na região. E iria fazer o trabalho, caso a malária não o deixasse de cama por dias. Júlio, por ainda ser jovem, suscetível a influências e por admirar muito o tio, era o único a quem Cícero poderia contar aquele segredo e pedir para fazer o trabalho em seu lugar.

E foi isso que aconteceu. Depois de muito protestar e negar, Júlio não teve escolha, teria de matar o pescador. Uma das justificativas que o tio deu ao sobrinho foi a seguinte: "se você não fizer o serviço, quem vai acabar morrendo sou eu. (...) nesse negócio é assim. Depois que a gente recebe o dinheiro, tem de fazer o serviço. Senão, quem acaba assassinado é o próprio pistoleiro. Você quer que eu morra?" Outra justificativa foi esta: "se eu não fizer esse trabalho, com certeza vai aparecer gente para fazer. Ou seja, o infeliz vai morrer de qualquer jeito. Assim, pelo menos eu ganho um dinheiro a mais."

A frieza do tio assustava Júlio. Mal sabia ele que, anos depois, seria ele o agir com uma calma e frieza impressionantes, matando centenas de pessoas por todo o Brasil.

Mas antes de tornar-se um matador profissional, Júlio participou de um episódio importante na História recente de nosso país: a guerrilha do Araguaia. No início de 1972 Cícero perguntou a Júlio se ele não gostaria de ganhar dinheiro servindo de guia para os militares do exército que estavam à caça de comunistas que se escondiam no meio da selva amazônica. Na época, o jovem Júlio se via às voltas com uma namorada, a Ritinha, e um dos argumentos do tio foi o de que com o dinheiro que Júlio ganharia por esse trabalho, ele poderia dar início ao plano de se casar com a garota. Depois de muito dizer "não" ao tio, mais uma vez Júlio acabou cedendo, e partiu para a cidade de Xambioá, no então estado de Goiás.

Lá chegando, Júlio conheceu um outro mundo. Xambioá ainda é uma cidade pequena, mas na época era bem maior e mais movimentada que o povoado no qual Júlio morava com sua família. Tudo para ele era novo e deslumbrante. Mas Júlio não teve muito tempo para aproveitar a cidade. Nem cabeça para isso. Ele preferia passar o pouco tempo livre que tinha trancado no quarto de uma pensão: dormindo ou pensando em Ritinha, de quem sequer se despedira quando saíra de Porto Franco.

Em Xambioá Júlio guiou o grupo formado pelo delegado Carlos Marra e mais quatro homens. Esse grupo, muito graças à experiência de Júlio dentro da selva, capturou um dos guerrilheiros mais famosos do país: o ex-presidente do Partido dos Trabalhadores, José Genuíno.

Júlio disparou o tiro que derrubou Genoíno e presenciou a tortura que o guerrilheiro sofreu nas mãos dos homens de Carlos Marra. Depois de uma temporada de quase três meses com eles, sem contato nenhum com a família e com mais uma morte - esta por acidente, da guerrilheira Maria Lúcia Petit -, Júlio finalmente retorna a Porto Franco. Depois da emoção do reencontro com os pais e os irmãos, Júlio vai ao encontro de Ritinha. Mas o jovem fica desolado ao saber que a garota está com outro namorado. Isso contribui muito para a mudança definitiva de Júlio, que poucos dias depois vai para Imperatriz morar com o tio. É aí que tem início sua carreira de assassino, quando seu tio Cícero o convence de que o trabalho não é tão ruim quanto parece, e que se não for ele a fazer, aparece um outro e faz.

Isso é apenas um pouco da história que Klester Cavalcanti conta em seu O nome da morte. As linhas que escrevi não dão conta nem de 10% do livro. Klester relata os conflitos internos - eu poderia dizer "existenciais", por que não? - de Júlio; os pesadelos que ele ainda tem com algumas vítimas que fez - uma delas por engano, diferente da já citada Maria Lúcia, que foi um acidente -; a briga que tem com o tio ao descobrir que Cícero, que era quem lhe arrumava "trabalhos", ficava com boa parte do dinheiro que seria de Júlio; o dia em que ele conheceu aquela que viria a ser sua esposa; a única vez em que foi preso e o dia do ano de 2006 em que finalmente resolveu parar de matar pessoas. Júlio Santana agora se dedica a viver de maneira honesta, em um outro lugar do país, que nem mesmo Klester Cavalcanti - ou só ele - deve saber onde é.

O livro, que tem tudo para faturar outro prêmio Jabuti, não tem nada de ficção, como me disse o próprio escritor, via e-mail: "Não há nada de ficção. Todos os nomes do meu livro são reais. Carlos Marra, por exemplo, é o nome do delegado que comandou o grupo do Júlio Santana no Araguaia. Inclusive, todos os nomes de mandantes de crimes e de vítimas são reais. Não usei a minha imaginação para nada. O livro é uma grande reportagem investigativa. Passei sete anos trabalhando na história do matador Júlio Santana."

Nesses sete anos de trabalho o contato com o matador fora apenas por telefone. Somente em abril de 2006 Klester Cavalcanti conheceu pessoalmente Júlio Santana. Para tanto, foi até Porto Franco, onde passou "três dias ao lado de um homem calmo, bem-humorado, caseiro, carinhoso com a mulher e com os filhos e muito religioso. Um homem aparentemente comum. Perfil bem diferente dos assassinos que povoam a literatura e o cinema."

Isso só reforça minha opinião de que, nas palavras de João Ubaldo Ribeiro, "a vida real é muito mais absurda do que a ficção."

E O nome da morte é bem isso. Afinal, quem imaginaria que hoje, em algum lugar do nosso Brasil, vive um homem que por 35 anos viveu de matar pessoas?

O nome dele é Júlio Santana. E ele pode ser seu vizinho.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 16/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
02. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio
03. Um livro canibal de Carla Ceres
04. Esses romanos são loucos! de Adriana Carvalho
05. Acordei que sonhava de Rennata Airoldi


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
04. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2007
07h30min
Caro amigo, sou diretor de documentário (A Resistência do Vinil), e há 15 anos comecei um "doc" sobre a guerrilha do Araguaia, que agora estou finalizando com o prêmio Doc TV. Estive em Porto Franco filmando, pois parte da história acontece lá, e ninguém, inclusive o secretário de cultura do município, conheceu ou ouviu falar de Júlio Santana. Ele me disse que inclusive andou pesquisando, conversou com muita gente e ninguém sabe de nada, ou o nome foi trocado, ou a cidade não é Porto Franco...
[Leia outros Comentários de Eduardo Castro]
14/2/2007
15h16min
Se fosse ficção já era pra arrepiar. Sendo real é de apavorar. Rafael, nem os maiores filmes de terror seriam capazes de descrever cenas como essas passadas no "O Nome da Morte". Valeu a dica.
[Leia outros Comentários de Henrique Boschi]
15/2/2007
12h54min
Rafael, eu que já li outras resenhas feitas por você, mais uma vez estou a me emocionar com o que você escreveu sobre o "O Nome da Morte", o que equivale a dizer, que, depois do "anúncio", não há como resisitir à leitura do livro. O bom resenhista instiga a procura do livro abordado, levando o leitor a se interessar por ele. Parabéns, Rafael, pelo excelente conteúdo de seu texto.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
7/3/2007
10h07min
A resenha é atrativa, faz o livro parecer melhor do que realmente é. Comprei, instigado pelo texto do Rafael, e fiquei bastante frustrado. A tentativa do autor de "romancear" a história fez com que ela perdesse praticamente toda força. O X da questão estava no que a história tinha de real. O assunto merecia uma narrativa mais crua, mais seca, que valorizasse o peso dos fatos. Histórias desse tipo não carecem de muita firula. E foi exatamente o que fez o autor, tentou enfeitar. Demais. O trecho em que o Julio Santana perde a virgindade, por exemplo, é de uma pieguice digna desses best-sellers de banca de revista! Texto por texto, melhor ler Rubem Fonseca.
[Leia outros Comentários de Maikel Silveira]
9/5/2007
10h15min
Puxa! Li este livro, aliás, a xerox, pois não tive ainda como comprá-lo. Confirmo, de fato, toda esta característica da cidade de Porto Franco, pois sou de lá, hoje faço direito no Tocantins... Vivi toda a minha vida às margens do rio Tocantins. Klester Cavalcanti está de parabéns pela criatividade empregada na narração, que vai desde a vida pessoal sentimental de Julio, até o seu lado cruel e profissional a serviço do crime.
[Leia outros Comentários de Wilson Gomes de Melo]
5/4/2009
13h27min
O Secretário de Cultura de Porto Franco é conhecido meu, e ele não tem conhecimento porque não se preocupa com cultura escrita, ele gosta é de carnaval, ubanda e reizado. Só tem afinidade com história quem gosta de ler... Além do mais, as perfeitas atitudes ninguém descobre, como a Mafia Italiana: vá até a Sicília e pergunte por Tommaso Buscetta e veja se alguém lhe dá notícias...
[Leia outros Comentários de Wilson Gomes de Melo]
26/5/2012
17h04min
Olá, Rafael, Também li e recomendo o livro" O Nome da Morte", do Cavalcanti. Fui colaboardora da Istoé na Itália e, como autora também, gosto muito da abordagem que Kleter Cavalcanti faz do tema. E hoje estamos todos aliviados e felizes por saber que ele está bem e saindo da Síria nesse momento... Lucia Helena Issa jornalista e autora do livro-reportagem " Quando amanhece na Sicília..."
[Leia outros Comentários de Lucia Helena Issa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOTEL - CAPA DURA - 1ª EDIÇÃO BRASILEIRA
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 7,00



GOLDMINES PRICE GUIDE TO COLLECTIBLE JAZZ ALBUMS 1949-1969
NEAL UMPHRED
KRAUSE PUBLICATIONS
(1994)
R$ 130,00



DECIFRANDO O GENOMA
KEVIN DAVIES
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 75,00



O MUNDO CONHECIDO
EDWARD P. JONES
JOSÉ OLYMPIO
(2009)
R$ 63,00



TURISMO, HOTELARIA E LAZER - 4
BEATRIZ HELENA GELAS LAGE (ORG.)
NÚCLEO DE TURISMO USP
R$ 14,00



GUIA DE PRONTO SOCORRO
JOHNSON JOHNSON
JOHNSON JOHNSON
R$ 15,00



ALEISTER CROWLEY
CHRISTIAN BOUCHET
HUGIN
(2000)
R$ 139,00



COELHOS INSTALAÇÕES E ACESSÓRIOS
MÁRCIO INFANTE VIEIRA
NOBEL
(1973)
R$ 12,00



NOSSA VIDA NOS SONHOS
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(1987)
R$ 15,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY- PETER LANDLESS
CASA PUBLICADORA
(2014)
R$ 9,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês