A profecia de Os Demônios | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Quinta-feira, 6/1/2005
A profecia de Os Demônios
Celso A. Uequed Pitol

+ de 9400 Acessos

"Ao desembarcar, logo veio ao encontro de Jesus um homem possuído de espírito imundo, o qual vivia nos sepulcros, e nem mesmo com cadeias alguém podia prendê-lo; porque, tendo sido muitas vezes preso, as cadeias foram quebradas por ele, e os grilhões, despedaçados. E ninguém podia subjugá-lo. Andava sempre, de noite e de dia, clamando por entre os sepulcros e pelos montes, ferindo-se com pedras. Quando, de longe, viu Jesus, correu e o adorou, exclamando com alta voz: 'Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Conjuro-te por Deus que não me atormentes!' Porque Jesus lhe dissera: 'Espírito imundo, sai desse homem!' E perguntou-lhe: 'Qual é o teu nome?' Respondeu ele: 'Legião é o meu nome, porque somos muitos'. E rogou-lhe encarecidamente que os não mandasse para fora do país. Ora, pastava ali pelo monte uma grande manada de porcos. E os espíritos imundos rogaram a Jesus, dizendo: 'Manda-nos para os porcos, para que entremos neles'. Jesus o permitiu. Então, saindo os espíritos imundos, entraram nos porcos; e a manada, que era cerca de dois mil, precipitou-se despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, onde se afogaram".

Essa conhecida passagem, intitulada "A expulsão dos demônios de Gesara", está presente no capítulo 5 do Evangelho de Marcos. Repete-se, com pequenas variações, nos Evangelhos de Mateus e Lucas, e é freqüentemente citada como exemplo da ação purificadora de Cristo na alma humana. O fato de aparecer em mais de um relato - o que nem sempre ocorre no Novo Testamento - mostra a sua importância como portadora da Revelação cristã. Mas essa mensagem não está completa. Eis a parte que falta, narrada pelo mesmo Marcos:

"Aproximaram-se de Jesus e viram o possesso assentado, coberto com seu manto e calmo, ele que tinha sido possuído pela Legião. E o pânico apoderou-se deles. As testemunhas do fato contaram-lhe como havia acontecido isso ao endemoninhado, e o caso dos porcos. Rogaram então a Jesus para que se retirasse da região". E Jesus se retirou. Depois, quando o curado da possessão quis fazer parte dos Seus seguidores, Ele negou-lhe abrigo; mas deixou um recado, a ele e a todos os outros: "Vai para casa e para os teus, e mostra como o Senhor teve compaixão de ti".

E ele foi. O que e o quanto percorreu, o Evangelho não nos conta. Como freqüentemente ocorre nessas narrativas, o final está em aberto, a ser preenchido não pelo texto, mas pelos atos que a mensagem pode impulsionar naqueles que a souberem receber. No caso de Fiodor Dostoievski (1821-1881), a associação desta passagem com a intenção geral de sua obra pode parecer óbvia para muitos leitores: seus livros são um longo itinerário de pecadores em busca pela redenção, onde o pesado fardo de ser humano só é suportável com um retorno a Cristo, um Cristo renegado em algum momento de suas vidas. Mas, e se o arrependimento, única exigência divina, é negado pelo homem? É nesse momento que o demônio age, como a Bíblia mostra em tantos outros momentos. Porém, o problema presente em Os Demônios, lançado pela Editora 34, é ainda mais difícil, e suas conseqüências, mais terríveis: o que fazer quando o homem deixa de ser um possesso para tornar-se, ele próprio, um demônio a possuir os outros?

Este é o ponto de partida do romance, e também do problema envolvendo a tradução. As primeiras edições em português escolheram, assim como a maior parte das línguas românicas, traduzir o título russo "Biesi" (literalmente, "Demônios") como "Os Possessos". No Brasil, a tradução de Rachel de Queiroz, baseada numa versão francesa, escolheu pela primeira vez seguir o original. Idêntico proceder teve o tradutor Paulo Bezerra, 63 anos, para a presente edição, lançada em setembro último com a devida reverência e o status de obra histórica. Não bastassem as suas várias notas explicativas, o elucidativo posfácio assinado por Bezerra e os desenhos de Cláudio Mubarac, a nova edição de Os Demônios tem um adicional que a diferencia de todas as suas anteriores: foi traduzida diretamente do russo, língua que Bezerra aprendeu nos oito anos vividos na União Soviética e aplicou, já no Brasil, na tradução de clássicos como Tolstoi, Turgueniev e o próprio Dostoievski, de quem já lançou, pela mesma 34, Crime e Castigo e O Idiota. Com a confiança de quem venceu o prêmio Paulo Rónai de tradução, Bezerra explica, na nota introdutória, a sua escolha a partir da diferença que Dostoievski estabelece no romance: possessos são antes vítimas do que culpados. O verdadeiro demônio corrompe o homem e leva-o à violência e ao terror. Mas, quem são e como são esses demônios de Dostoievski?

Em primeiro lugar, é preciso dizer que ele os viu em ação - ou, pelo menos, pensou vê-los. Baseou-se, como tantas de suas obras, num fato real: o assassinato do estudante russo Maxim Ivanov, sob a acusação de traição, comandado pelo líder niilista Sergei Netchaiev. Os dois pertenciam a um dos muitos grupos revolucionários niilistas que brotaram na Rússia durante o século XIX, e Netchaiev é uma figura cuja importância transcende esse crime: foi autor, juntamente com Mikhail Bakhunin, do Catecismo do Revolucionário, espécie de guia-mestre do terrorismo internacional, inspiração confessa de Carlos, o Chacal e Che Guevara. Suas palavras são tão diretas quanto impactantes: "Nossa missão é destruir, uma destruição terrível, implacável, universal". A destruição que Dostoievski viu, no entanto, não foi a institucional, mas sim a moral. E não se furtou a encher páginas e páginas do periódico O Mensageiro Russo para publicar Os Demônios, entre 1871 e 1873, e mostrar ao mundo o desastre do qual aquele assassinato era parte.

O púlpito quase treme junto com o pregador. Os Demônios é um romance escrito com sangue de dois homens, o de Ivanov e o do próprio Dostoievski. A tradução de Bezerra nos faz perceber com máxima aproximação o tom fervoroso da obra, antes diluído pelas várias camadas de idiomas - em alguns casos, até quatro - que as antigas edições traziam. Mesmo nos momentos mais serenos da primeira parte, a mais calma (o romance tem três) a tensão parece nunca cessar. O livro com os encontros entre Stepan Trophimovitch Verkhovenski, um obscuro ex-professor universitário, e Bárbara, uma aristocrata, embora transcorridos numa tranqüilidade burguesa travestida de requinte intelectual, dão sempre a impressão de que algo de terrível está prestes a acontecer. A relação de mútuo interesse entre ambos dura décadas, baseada na falta de dinheiro de Verkhovenski e na ignorância de Bárbara, e por alguns momentos temos a impressão de que permanecerá assim por muito tempo. Mas, por fim, algo terrível finalmente acontece: entra em cena Nikolai Stavroguine, filho de Bárbara.

Pouco se sabe da origem deste que é um dos mais representativos personagens de Dostoievski, ombreando no pódio com Raskholnikov, de Crime e Castigo, Aliocha Karamazov, de Os Irmãos Karamazov e o príncipe Michkin, de O Idiota. Antes de viajar pela Europa, Stavroguine foi pupilo de Stepan Trophimovitch e, após alguns anos, retorna à Rússia, já crescido, para atrair a cobiça das mulheres e a admiração dos rapazes. A sua carreira dentro dos salões de Moscou haveria de ser exitosa não fossem alguns incidentes do qual foi protagonista, como, por exemplo, morder a orelha do governador e puxar um homem pelo nariz, sem demonstrar nenhuma intenção de desculpar-se. É uma amostra do que diferencia Stavroguine e seus companheiros de pódio: ao contrário das angústias que acometem os demais protagonistas de Dostoievski, nada é obstáculo para seus desejos egoísticos, e ele próprio o confessa: "Sempre posso desejar fazer o bem e sinto prazer com isso; ao mesmo tempo, desejo o mal e também sinto prazer. Mas tanto um quanto o outro continuam mesquinhos demais."

O horror que isso causa a alguns tem a mesma intensidade da atração que exerce sobre outros. Sobretudo em um deles: Pior Stepanovitch Verkhovenski, filho de Stepan Trophimovitch, e mestre de toda a ação que redundará no trágico desfecho do romance. A arrogância e a truculência com que age completam perfeitamente a distância impassível de Stavroguine, e os dois tomarão parte de um grupo revolucionário niilista. Realizam reuniões secretas, e numa delas o teórico mor da revolução, Chigaliov, propõe

"como solução final do problema, dividir os homens em duas partes desiguais. Um décimo ganha liberdade de indivíduo e o direito ilimitado sobre os outros nove décimos. Estes devem perder a personalidade e transformar-se numa espécie de manada e, numa submissão ilimitada, atingir uma série de transformações da inocência primitiva".

Piotr Verkhovenski concorda e dá-se ao requinte de interpretar: "Nos casos extremos recorre-se à calúnia e ao assassinato, mas o principal é a igualdade. A primeira coisa que fazem é rebaixar o nível da educação, das ciências e dos talentos. (...) Os talentos superiores (...) serão expulsos e executados. A um Cícero corta-se a língua, a um Copérnico furam-se os olhos, a um Shakespeare mata-se a pedradas". E também acrescenta: "O tédio é uma sensação aristocrática; no chigaliovismo não haverá desejos. Desejo e sofrimento para nós, para os escravos, o chigaliovismo".

É impossível ser mais claro. Um passo foi dado, desde que Ivan Karamazov declarou, em Os Irmãos Karamazov, a célebre frase que pôs em palavras toda a angúsita de Dostoievski e, lato sensu, de toda a humanidade moderna: "se Deus não existe, tudo é permitido". Agora já não há angústia, porque a crença simplesmente acabou, e a única lei conhecida dos homens é a sua própria, sem o laço frágil da fé na justiça divina.

Mas, mesmo nesse reino, há espaço para a fé. Dois dos membros da organização, Kirilov e Chatov trazem, cada um a seu modo, os únicos resquícios de uma verdadeira convicção em Os Demônios. Kirilov não vê na vida nada além de dor e sofrimento. Sua fé consiste numa negação absoluta de Deus e na afirmação da divindade do homem, a qual só pode ser plenamente atingida com a realização do gesto supremo: o suicídio. Matando-se pela sua própria vontade, pode tornar-se Deus - e o niilista que não comete suicídio, segundo ele, não passa de um hipócrita. Já Chatov é um religioso do tipo russo, o que significa a crença na missão cristianizadora da Rússia diante da corrupção do Ocidente, no que Dostoievski firmemente acreditava. A sua devoção religiosa à Igreja Ortodoxa, ao seu país e ao seu povo só é equiparável à falta de uma fé verdadeira: Chatov procura a Deus como única possibilidade para viver, mas não o encontra, e seu desespero não basta para enfrentar Stavroguine frente-a-frente.

"- E eu queria apenas saber: você mesmo crê ou não em Deus?

- Eu creio na Rússia, creio na sua religião ortodoxa... creio no corpo de Cristo... creio que o novo advento acontecerá na Rússia... Creio... - balbuciou Chátov com frenesi.

- E em Deus? Em Deus?

- Eu... eu hei de crer em Deus".

Diante do tíbio, um dos tíbios que o próprio Cristo maldisse no Apocalipse, só restou a Chatov encerrar-se em sua religião sem fé - e é justamente essa crença desesperada que será, a um tempo, a causa de seu martírio e de sua redenção.

Aí está novamente Stavroguine. Depois de participar ativamente no início do romance, ele passa a atuar menos. No entanto, sua presença é sentida na ação dos outros, especialmente a do líder Verkhovenski, que não se furta a citá-lo em vários momentos. Quando aparece, é sempre num momento crucial, como no encontro com o padre Tikhon, sem qualquer favor uma das mais ricas peças filosóficas da história do romance. Ali, após uma longa discussão sobre a natureza do bem e do mal, da fé e religião, da Stavroguine termina por confessar talvez a mais horrível de suas maldades: a violação da menina Matriocha, a qual, privada de qualquer honra, comete suicídio. Mais uma vez nada o comove, e, ante as perguntas do padre, ele expõe seus objetivos: "eu mesmo quero me perdoar, e esse é meu objetivo principal, todo o meu objetivo!". Não é o único personagem de Dostoievski que ostenta o seu direito à desonra: o mesmo fez Raskholnikov em Crime e Castigo, mas o autor pôs em seu caminho a possibilidade de Redenção, que ele aceitou. Já Stavroguine não só a nega como não vê nela importância alguma: assim como o Zaratustra de Nietzsche - autor que, é bom frisar, surgiu depois da morte de Dostoievski - ele trará "valores novos" através de seus discípulos "destruidores e desprezadores do bem e do mal". Ao Cristo da história de Gesara ele simplesmente dá as costas e segue em frente. E completa essa mesma história, caindo no abismo.

E seguiu até nós. Dostoievski conseguiu enxergar, nas entranhas de um ato isolado, as condições para a consecução da tragédia de um século que ainda não havia nascido. As circunstâncias que engendraram o crime de Os Demônios repercutiriam nos anos vindouros e atingiriam ponto alto na própria Rússia meio século depois, com uma revolução de leitores do Catecismo e pequenos super-homens dispostos a comandar a massa, a qual, segundo Ortega y Gasset, age em uma só direção, a do linchamento. Dostoievski não conheceu outra ação revolucionária que não a violenta mas não chega a particularizá-la em uma ideologia de esquerda ou de direita - e o século de Franco e Stalin, Hitler e Mao Tse Tung, Mussolini e Pol Pot não permite a nenhum lado dessa assembléia de interesses trazer para si o condão de acusar o outro. É a ideologia em si, atuante sobre os homens desvinculados de qualquer lastro moral (e religioso), que os corrompe. Tornam-se autênticos homens-idéia, meros depositários de convicções prontas cujo preço a pagar é a sua própria individualidade, ou, se quisermos - embora a questão, aqui, não seja apenas de palavras -, a própria alma. Que maior exemplo podemos, ironicamente - uma das muitas ironias de Os Demônios -, encontrar na alma do próprio Piotr Verkhovenski, personagem sem autonomia, mecânico, guiado apenas pelo serviço prestado à causa e pela devoção a Stavroguine, pelas quais é capaz até de matar? Diante do próprio, ele confessa: "Você é meu ídolo! Você não ofende ninguém, e no entanto o odeiam; você vê ídolos você todos como iguais, e todos o temem, isso é bom. Ninguém chegará a você e lhe dará um tapinha no ombro. Você é um tremendo aristocrata. Quando o aristocrata caminha para a democracia ele é encantador! Para você nada significa sacrificar a vida, a sua e a dos outros. Você é justamente a pessoa de quem eu preciso!". A voz é dele, "ele que tinha sido possuído pela Legião", mas não faltam candidatos, antigos e atuais, para tomar-lhe o lugar. São eles os possessos, e Stavroguine, do alto do seu pedestal, é o representante terrestre do demônio dostoievskiano, a causa motora de Netchaeiv-Verkhovensky e de todo o desenrolar da trama, cujo fim é um horrendo crime. Aí está o alerta. "Vai para casa e para os teus, e mostra como o Senhor teve compaixão de ti".

Um alerta que o século XX transformou em profecia. Ao romance político - e Os Demônios é, entre outras coisas, um romance político - costuma-se atribuir o dom da premonição. Ainda que, muitas vezes, o enredo jogue a consecução de sua terrível promessa para um tempo longínquo - o mundo de Aldous Huxley em Admirável Mundo Novo, por exemplo -, as circunstâncias que engendraram a situação narrada nunca são produtos de uma só época. Elas permanecem até hoje, mas de uma forma que talvez tivesse, a principio, confundido Dostoievski. Neste 2004 que acaba de terminar - e mesmo antes dele -, o terrorismo não só tomou os Estados como também aquilo que o autor russo considerava o último refúgio para o homem livre: as religiões. Subvertendo os princípios das crenças que professam, os terroristas contemporâneos agem sob a inspiração de caricaturas que não são, em essência, nada diferentes das ideologias totalitárias que marcaram o século XX com a sacralização da coletividade pelo sacrifício do homem. Mas até isso Dostoievski de certa forma intuiu. Um exaltado Verkhovenski antevê, numa iluminação súbita, a composição da sua corte assassina: "O papa na cúpula, nós ao redor e abaixo de nós, o chigaliovismo". E como fazer isso? "Basta que a Internacional concorde com o papa". Uma metáfora excelente para mostrar como a fé - qualquer uma - pode corromper-se e servir (parafraseando Camus) para transformar assassinos em juízes e heróis. Está aí, talvez, o recado da obra para o nosso tempo. Atesta perfeitamente o quanto da profecia de Dostoievski realizou-se, e porque, ao lermos hoje Os Demônios, podemos ouvir as trombetas de um Apocalipse que talvez já tenha chegado.

Para ir além






Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 6/1/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma Receita de Bolo de Mel de Heloisa Pait
02. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
03. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
04. A novilíngua petista de Julio Daio Borges
05. Seriados made in the USA de Juliana Lima Dehne


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
03. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
04. Um olhar sobre Múcio Teixeira - 12/2/2019
05. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERAPIA DO CORPO
STEVE ILG
PAULUS
(1998)
R$ 5,00



OS SEGREDOS DO TEMPO
DR RAFAEL CANDEL VILA
FGV
(1975)
R$ 5,00



O BAIRRO DO BRÁS
MARIA CELESTINA TEIXEIRA MENDES TORRES
SECRETARIA DA EDUCAÇÃO
(1960)
R$ 14,97



HISTÓRIA DE UM CASAMENTO TRISTE, COLECÇÃO FANTÁSTICO VOL. 19
GOMES LEAL
ROLIM
(1985)
R$ 19,70



CARA! MEU BISAVO VIROU UM GATO!
DAN GREENBURG
ATICA
(1997)
R$ 10,00



A LONGA HISTÓRIA
REINALDO SANTOS NEVES
BERTRAND BRASIL
(2007)
R$ 15,00



ARTES PLÁSTICAS - SEU MERCADO, SEUS LEILÕES
JULIO LOUZADA
DO ATOR
(1984)
R$ 50,00



HISTÓRIAS PARA AQUECER O CORAÇÃO DOS PAIS
JACK CANFIELD E OUTROS
SEXTANTE
(2005)
R$ 8,50



UMA SÓ CARNE - ONDINA FERREIRA (ROMANCE BRASILEIRO)
ONDINA FERREIRA
SARAIVA
(1969)
R$ 5,00



DORSALGIAS E SÍNDROMES CORRELATAS
CAIO VILLELA NUNES
ELEA CIÊNCIA
(1999)
R$ 14,80





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês