O ensaísta Machado de Assis | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> Le Cid de Pierre Corneille pela Didier (1978)
>>> Memórias do Visconde de Taunay de Alfredo D´Escragnolle Taunay pela Melhoramentos (1946)
>>> Fé e Fogo de Marco Adolfs pela Brasiliense (2008)
>>> Ana Sem Terra de Alcy Cheuiche pela Sulina (2001)
>>> A Retirada da Laguna de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1942)
>>> Antigone de Jean Anouilh pela Didier (1978)
>>> Callíope A Mulher de Atenas de Cintia de Faria Pimentel Marques pela Letras Jurídicas (2004)
>>> Cinemarden de Marden Machado pela Arte e Letra (2018)
>>> A Luneta Mágica de Joaquim Manuel De Macedo pela Ática (2012)
>>> Abismo de Pompília Lopes dos Santos pela Repro-set (1985)
>>> Enquanto o dorso do tigre não se completa de Sérgio Rubens Sossélla pela Gráfica União
>>> Maria e outros poemas de J. Cardias pela Do autor (1991)
>>> Fênix de Carlos Barros pela Arte Quintal (1989)
>>> Rousseaus Politische Philosophie: Zur Geschichte des demokratischen Freiheitsbegriffs de Iring Fetscher pela Hermann Luchterhand (1960)
>>> Poesia de Jake pela Pallotti
>>> La métamorphose de Franz Kafka pela Flamarion (1988)
>>> The Invisible bridge de Julie Orringer pela Random House (2011)
>>> ... E o mundo silenciou de Ben Abraham pela Parma (1979)
>>> Minha Alma Gêmea de Adélia Bastos Krefta pela Santa Mônica (1999)
>>> Como falar com as mães de Alec Greven pela Record (2009)
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/9/2006
O ensaísta Machado de Assis
Celso A. Uequed Pitol

+ de 9000 Acessos

Além dos romances, contos, peças de teatro e poemas, Machado de Assis é também autor de uma importante obra ensaística, vasta o bastante para dividir um volume de Obras completas com sua correspondência pessoal e os artigos de jornal. Nisso, como em muito mais, ele acompanha outros grandes nomes da literatura ocidental: muitos romancistas e poetas de renome foram também grandes ensaístas. São típicos os casos de Camus, autor de um ensaio magistral, O Homem Revoltado, e de Miguel de Unamuno, cuja obra ensaística chega mesmo a superar a novelística. Para ficarmos no mundo hispânico, tomemos o exemplo de Borges, contista dos maiores e autor de textos fundamentais sobre literatura gauchesca, algumas tentativas interessantes em filosofia e um ensaio que, pela coragem de encarar e tentar resolver um problema histórico, vale por uma obra inteira. O ensaio é O escritor argentino e a tradição, talvez a mais conhecida tentativa de Borges nessa área. Armado de ironia, o autor de Ficções critica em certos escritores argentinos a pretensão de criar uma literatura nacional com histórias cheias de figuras típicas da Nação - a saber, animais e índios - e enredos banais imitados do Romantismo europeu. Como solução, Borges sugere que seus companheiros de geração se debrucem sobre a tradição literária do Ocidente e tentem escrever sem localismos nem expressões tipicamente regionais. Com isso, assegura ele, o escritor será argentino e também universal. Este ensaio é considerado como um conselho fundamental a todo escritor latino-americano e ombreia com o melhor da obra de Borges.

No meio destes gigantes, como se situa o nosso Machado de Assis? Sabemos que ele escreveu muitos ensaios, quase todos sobre literatura. Mas o que eles valem, exatamente? Será que figuram nessas nossas hipotéticas Obras completas apenas pelo seu valor documental, como uma espécie de registro de época, mero material complementar para uma história da cultura? E mais: podem, esses ensaios, pela sua qualidade e pelos temas abordados, resistir ao tempo?

Antes de tudo, é preciso definir o que Machado escreveu. O que é um ensaio? O termo vem do latim "exegium" e significava inicialmente "pesagem", "prova", e depois qualquer tipo de teste ou experimento que não leve a uma conclusão definitiva. O ensaio é, assim, o meio do caminho, o estágio que antecede a conclusão ou a tese final. Em literatura, é o gênero que lida com o pensamento já existente, modelando-o em novos contornos, experimentando associações e, ocasionalmente, lançando uma ou outra idéia original. É como uma semente lançada em solo fértil: se bem cuidada, regada, adubada, pode resultar em um pensamento vigoroso. No caso dos ensaios de Machado, podemos dizer, passado mais de um século de seu lançamento, que foram sementes muito boas, das melhores árvores européias, jogadas num solo pedregoso e - em todos os sentidos - inculto, incapaz de retê-las e frutificá-las, deixando-as à mostra para os pássaros que vez por outra passam. O que mais nos surpreende é que essas sementes parecem, em muitos casos, intocadas. Em outras palavras - deixando essas pobres imagens de lado - surpreendem pela atualidade.

Deixemos então as palavras falarem por si. Eis aqui o início do ensaio O ideal do crítico: Exercer a crítica afigura-se a alguns que é uma fácil tarefa, como a outros parece fácil a tarefa do legislador; mas, para a representação literária, como para a representação política, é preciso ter alguma coisa mais que um simples desejo de falar à multidão. Infelizmente é a opinião contrária que domina, e a crítica, desamparada pelos esclarecidos, é exercida em geral pelos incompetentes. O texto prossegue na mesma linha. Aponta a falta de formação da crítica brasileira, a falta de imparcialidade e a redução da atividade crítica à mera crônica dos acontecimentos literários ou à publicidade explícita. Eis um ensaio que poderia ser publicado na íntegra em qualquer jornal de hoje, se os nossos cadernos culturais tivessem coragem para tanto. A situação permanece intocada desde os tempos de Machado, ou, se chegou a melhorar em algum momento - e esse momento talvez se situe entre os anos 30 e 60, quando Otto Maria Carpeaux, Astrojildo Pereira e Augusto Meyer escreviam em nossos jornais - agora voltou ao mesmo nível do Brasil escravocrata e rural do século XIX.

O mesmo não se pode dizer do ensaio O romance, donde se extrai o seguinte: o romance domina a consciência literária nacional. Nesse ponto, não estamos junto com o Brasil de Machado, mas bem antes, junto, talvez, do Brasil dos tupinambás, das onças pintadas e dos jabutis. Voltamos para a época do iletramento, já que nem romances lemos mais: os poucos livros que dominam o top ten literário pertencem à auto-ajuda e à culinária, e o velho romance disputa um terceiro posto com as biografias de celebridades e os livros de piadas. Além disso, o tipo de romance de que aqui falamos não é exatamente o que Machado tinha em mente, já que cita autores franceses, como Gerard de Nerval e Victor Hugo, enquanto as preferências do leitor brasileiro atual variam entre as estrelas nacionais - Paulo Coelho e afins - e as anglo-americanas - Danielle Steel, John Grisham e outros do mesmo gênero. Mera questão de nacionalidade, como se vê.

Felizmente para nós, a importância destes ensaios para o leitor de hoje não se deve apenas à inércia dos brasileiros, que não foram capazes de promover mudanças substanciais na vida cultural do país. O Passado, o Presente o Futuro da Literatura, ensaio longo, dividido em três partes, traz observações interessantes sobre teoria literária e a formação da literatura brasileira em meio a farpas direcionadas a seus companheiros de época e que valem para os nossos contemporâneoa. Pode ser lido ainda hoje, sem reservas.

É esse o caso daquele que é tido e havido como o mais importante ensaio de Machado, o clássico Instinto de Nacionalidade: notícia da atual literatura brasileira, datado de 1873 e hoje leitura obrigatória nas faculdades de Letras do país. Machado investe pesado contra a tendência dos autores brasileiros em dar mais importância à cor local e às figuras típicas do país do que aos temas literários de apreciação universal, gerando obras que valem mais como "documento" do que como "monumento", na terminologia de Benedetto Croce. O termo define bem o que essas obras tentaram ser: "documentos" históricos de fundação da nacionalidade, espécies de Cartas de Caminha escritas por brasileiros. A pobreza artística é compensada pela sua habilidade em retratar eventos históricos e paisagens do país. E para os que vivem de citar o famoso dito de Tolstoi - "Queres ser universal? Canta a tua aldeia" -, Machado demonstra o que há de falso nessa dicotomia regional versus universal: Não há dúvida que uma literatura, sobretudo uma literatura nascente, deve principalmente alimentar-se dos assuntos que lhe oferece a sua região, mas não estabeleçamos doutrinas tão absolutas que a empobreçam. O que se deve exigir do escritor antes de tudo, é certo sentimento íntimo, que o torne homem do seu tempo e do seu país, ainda quando trate de assuntos remotos no tempo e no espaço.

Quem voltar os olhos para o primeiro parágrafo deste texto há de notar que Machado não está sozinho: tem a nobilíssima companhia de Borges, o europeu exilado entre americanos, o escritor que daria tudo para ter nascido em Yorkshire mas teve de se contentar com o subúrbio portenho, o aristocrata apolítico que preferia dedicar suas horas ao estudo do anglo-saxão, dos jogos matemáticos e de John Milton a aturar manifestações populares, o representante, enfim, da tradição contra os arroubos da barbárie iletrada louca para contaminar o impoluto mundo das letras. Um companheiro improvável, sobretudo quanto temos em mente que Borges considerava negros como Machado "inferiores em tudo" e "bucha de canhão" nas guerras dos brancos. Não sabemos se Borges leu Machado: não era particularmente interessado pela literatura dos países vizinhos. Se não leu, talvez se surpreendesse com o fato de que um mulato carioca, filho de escravos, tenha percebido a mesma coisa que ele e com uma antecedência de meio século. Se leu, há razões para crer que se trata de cópia: Borges cita as mesmas obras de Shakespeare que Machado citou para mostrar que o bardo de Avon não deixou de ser inglês por ter passado suas peças em lugares tão distantes quanto Verona e a Escócia. O mesmo se pode dizer das críticas aos nacionalistas, onde há, as mais das vezes, simples diferença de palavras, poucas, entre os dois escritores. Machado antecipa Borges e vai mais fundo ao propor uma mudança de atitude não só do escritor mas da própria crítica, incapaz de discernir entre o grande artista e o desenhista de paisagens. Deixa assim uma análise que, estendida hoje a outros setores da nossa cultura, da música popular ao cinema, tanto ganha em atualidade quanto em qualidade. E, num gênero em que a tentativa, o experimento, o manejo de idéias é a regra - e um experimento que muitas vezes não sobrevive à prova do tempo -, deixou uma peça definitiva da literatura brasileira.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 8/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu não uso brincos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2006
01. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
02. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
03. Entre o sertão e a biblioteca - 27/4/2006
04. O ano de ouro de Nélida Piñon - 4/1/2006
05. Mordaça virtual: o Google na China - 23/3/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS 7 CHAVES DO PAI-NOSSO
SEVERINO MENEZES
DPL
(2003)
R$ 7,87



ABRINDO COM SUCESSO O PRÓPRIO NEGÓCIO
ROGÉRIO CHÉR
MALTESE
(1996)
R$ 9,90



DO CONCEITO DO DIREITO - ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1964)
R$ 5,97



BIG- PARA LEVAR SEMPRE COM VOCÊ
DISNEY
ABRIL
(2013)
R$ 30,00



ESTRELAS E BORBOLETAS - PT - ORIGENS E QUESTÕES DE UM PARTIDO...
CLAUDIO GURGEL
PAPAGAIO
(1989)
R$ 10,00



ESTUDOS DE LITERATURA BRASILEIRA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
R$ 5,00



AMERICAN SHINE TEENS: STUDENT BOOK 3
PROWSE
MACMILLAN EDUCATION
(2002)
R$ 19,90



REPRESENTAÇÃO COMERCIAL
RICARDO NACIM SAAD
SARAIVA
(1998)
R$ 9,02



HISTORIA DE LA VIDA PRIVADA Nº 09 8113
PHILIPPE ARIÉS Y GEORGES DUBY
TAURUS
(1991)
R$ 30,00



PEREGRINO
LUIZ DE ALBUQUERQUE
FCA
(2009)
R$ 10,40





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês