O ensaísta Machado de Assis | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Cegueira
>>> Blog da Petrobras como Napster
>>> Menos fé e mais razão
>>> Aluga-se um escritório
>>> Para gostar de ler
>>> A resistência é vermelha
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
Mais Recentes
>>> Para Sempre: Amor e Tempo de Ana Maria Machado pela Record (2001)
>>> Casamento Blindado de Ranato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Análise das Demonstrações Financeiras de John N. Myer pela Atlas S.A (1972)
>>> Memórias das Trevas de João Carlos Teixeira Gomes pela Geração Editorial (2022)
>>> O Livro De São Cipriano: Tratado Completo Da Verdadeira Magia de Vários Autores pela Pallas (2013)
>>> Marketing de Guerra de Al Ries e Jack Trout pela Mcgrawhill (2009)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Dcl (2013)
>>> Eles continuam entre nos de Zibia Gasparetto pela Vida E Consciencia (2008)
>>> Sara Says No! - Confira! de Norman Whitney pela Heinemann (1992)
>>> Comédia Em Pé - o Livro de Vários Autores pela Mirabolantre (2009)
>>> Miss Bronte de Juliet Gael pela Lafonte (2011)
>>> A dama da fé de Ester Bezerra pela Planeta Do Brasil (2016)
>>> O Poder da Esperança de Julián Melgosa pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> Reencarnação de Swami Tilak pela Feeu (1974)
>>> Andarilha de Núbia Feitosa pela Cbje (2011)
>>> Gestação: Tratamento Em Dose Única das Infecções Não Complicadas Das Vias Urinárias de Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A pela Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A (2022)
>>> Crimes Hediondos de Antonio Lopes Monteiro pela Saraiva (1997)
>>> O executante de Rubem Mauro Machado pela Record (2000)
>>> Gestão de estoques otimizando a logística e a cadeia de suprimentos de Eduardo saggioro garcia e outros pela E papers (2006)
>>> Manual de Direito Penal V. 3 - Parte Especial de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2000)
>>> Revista Sinais dos Tempos Eventos Finais (10 dias de Oração e 10 horas de jejum) de Cpb pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Poder de Uma Mulher de Barbara Taylor Bradford pela Europa América (1998)
>>> Meu Amigo Azul de Angela Monteiro pela Mondrian
>>> Fábulas Fabulosas 5ª Edição Ilustrada de Millôr Fernandes pela Nórdica
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 4 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/9/2006
O ensaísta Machado de Assis
Celso A. Uequed Pitol

+ de 26100 Acessos

Além dos romances, contos, peças de teatro e poemas, Machado de Assis é também autor de uma importante obra ensaística, vasta o bastante para dividir um volume de Obras completas com sua correspondência pessoal e os artigos de jornal. Nisso, como em muito mais, ele acompanha outros grandes nomes da literatura ocidental: muitos romancistas e poetas de renome foram também grandes ensaístas. São típicos os casos de Camus, autor de um ensaio magistral, O Homem Revoltado, e de Miguel de Unamuno, cuja obra ensaística chega mesmo a superar a novelística. Para ficarmos no mundo hispânico, tomemos o exemplo de Borges, contista dos maiores e autor de textos fundamentais sobre literatura gauchesca, algumas tentativas interessantes em filosofia e um ensaio que, pela coragem de encarar e tentar resolver um problema histórico, vale por uma obra inteira. O ensaio é O escritor argentino e a tradição, talvez a mais conhecida tentativa de Borges nessa área. Armado de ironia, o autor de Ficções critica em certos escritores argentinos a pretensão de criar uma literatura nacional com histórias cheias de figuras típicas da Nação - a saber, animais e índios - e enredos banais imitados do Romantismo europeu. Como solução, Borges sugere que seus companheiros de geração se debrucem sobre a tradição literária do Ocidente e tentem escrever sem localismos nem expressões tipicamente regionais. Com isso, assegura ele, o escritor será argentino e também universal. Este ensaio é considerado como um conselho fundamental a todo escritor latino-americano e ombreia com o melhor da obra de Borges.

No meio destes gigantes, como se situa o nosso Machado de Assis? Sabemos que ele escreveu muitos ensaios, quase todos sobre literatura. Mas o que eles valem, exatamente? Será que figuram nessas nossas hipotéticas Obras completas apenas pelo seu valor documental, como uma espécie de registro de época, mero material complementar para uma história da cultura? E mais: podem, esses ensaios, pela sua qualidade e pelos temas abordados, resistir ao tempo?

Antes de tudo, é preciso definir o que Machado escreveu. O que é um ensaio? O termo vem do latim "exegium" e significava inicialmente "pesagem", "prova", e depois qualquer tipo de teste ou experimento que não leve a uma conclusão definitiva. O ensaio é, assim, o meio do caminho, o estágio que antecede a conclusão ou a tese final. Em literatura, é o gênero que lida com o pensamento já existente, modelando-o em novos contornos, experimentando associações e, ocasionalmente, lançando uma ou outra idéia original. É como uma semente lançada em solo fértil: se bem cuidada, regada, adubada, pode resultar em um pensamento vigoroso. No caso dos ensaios de Machado, podemos dizer, passado mais de um século de seu lançamento, que foram sementes muito boas, das melhores árvores européias, jogadas num solo pedregoso e - em todos os sentidos - inculto, incapaz de retê-las e frutificá-las, deixando-as à mostra para os pássaros que vez por outra passam. O que mais nos surpreende é que essas sementes parecem, em muitos casos, intocadas. Em outras palavras - deixando essas pobres imagens de lado - surpreendem pela atualidade.

Deixemos então as palavras falarem por si. Eis aqui o início do ensaio O ideal do crítico: Exercer a crítica afigura-se a alguns que é uma fácil tarefa, como a outros parece fácil a tarefa do legislador; mas, para a representação literária, como para a representação política, é preciso ter alguma coisa mais que um simples desejo de falar à multidão. Infelizmente é a opinião contrária que domina, e a crítica, desamparada pelos esclarecidos, é exercida em geral pelos incompetentes. O texto prossegue na mesma linha. Aponta a falta de formação da crítica brasileira, a falta de imparcialidade e a redução da atividade crítica à mera crônica dos acontecimentos literários ou à publicidade explícita. Eis um ensaio que poderia ser publicado na íntegra em qualquer jornal de hoje, se os nossos cadernos culturais tivessem coragem para tanto. A situação permanece intocada desde os tempos de Machado, ou, se chegou a melhorar em algum momento - e esse momento talvez se situe entre os anos 30 e 60, quando Otto Maria Carpeaux, Astrojildo Pereira e Augusto Meyer escreviam em nossos jornais - agora voltou ao mesmo nível do Brasil escravocrata e rural do século XIX.

O mesmo não se pode dizer do ensaio O romance, donde se extrai o seguinte: o romance domina a consciência literária nacional. Nesse ponto, não estamos junto com o Brasil de Machado, mas bem antes, junto, talvez, do Brasil dos tupinambás, das onças pintadas e dos jabutis. Voltamos para a época do iletramento, já que nem romances lemos mais: os poucos livros que dominam o top ten literário pertencem à auto-ajuda e à culinária, e o velho romance disputa um terceiro posto com as biografias de celebridades e os livros de piadas. Além disso, o tipo de romance de que aqui falamos não é exatamente o que Machado tinha em mente, já que cita autores franceses, como Gerard de Nerval e Victor Hugo, enquanto as preferências do leitor brasileiro atual variam entre as estrelas nacionais - Paulo Coelho e afins - e as anglo-americanas - Danielle Steel, John Grisham e outros do mesmo gênero. Mera questão de nacionalidade, como se vê.

Felizmente para nós, a importância destes ensaios para o leitor de hoje não se deve apenas à inércia dos brasileiros, que não foram capazes de promover mudanças substanciais na vida cultural do país. O Passado, o Presente o Futuro da Literatura, ensaio longo, dividido em três partes, traz observações interessantes sobre teoria literária e a formação da literatura brasileira em meio a farpas direcionadas a seus companheiros de época e que valem para os nossos contemporâneoa. Pode ser lido ainda hoje, sem reservas.

É esse o caso daquele que é tido e havido como o mais importante ensaio de Machado, o clássico Instinto de Nacionalidade: notícia da atual literatura brasileira, datado de 1873 e hoje leitura obrigatória nas faculdades de Letras do país. Machado investe pesado contra a tendência dos autores brasileiros em dar mais importância à cor local e às figuras típicas do país do que aos temas literários de apreciação universal, gerando obras que valem mais como "documento" do que como "monumento", na terminologia de Benedetto Croce. O termo define bem o que essas obras tentaram ser: "documentos" históricos de fundação da nacionalidade, espécies de Cartas de Caminha escritas por brasileiros. A pobreza artística é compensada pela sua habilidade em retratar eventos históricos e paisagens do país. E para os que vivem de citar o famoso dito de Tolstoi - "Queres ser universal? Canta a tua aldeia" -, Machado demonstra o que há de falso nessa dicotomia regional versus universal: Não há dúvida que uma literatura, sobretudo uma literatura nascente, deve principalmente alimentar-se dos assuntos que lhe oferece a sua região, mas não estabeleçamos doutrinas tão absolutas que a empobreçam. O que se deve exigir do escritor antes de tudo, é certo sentimento íntimo, que o torne homem do seu tempo e do seu país, ainda quando trate de assuntos remotos no tempo e no espaço.

Quem voltar os olhos para o primeiro parágrafo deste texto há de notar que Machado não está sozinho: tem a nobilíssima companhia de Borges, o europeu exilado entre americanos, o escritor que daria tudo para ter nascido em Yorkshire mas teve de se contentar com o subúrbio portenho, o aristocrata apolítico que preferia dedicar suas horas ao estudo do anglo-saxão, dos jogos matemáticos e de John Milton a aturar manifestações populares, o representante, enfim, da tradição contra os arroubos da barbárie iletrada louca para contaminar o impoluto mundo das letras. Um companheiro improvável, sobretudo quanto temos em mente que Borges considerava negros como Machado "inferiores em tudo" e "bucha de canhão" nas guerras dos brancos. Não sabemos se Borges leu Machado: não era particularmente interessado pela literatura dos países vizinhos. Se não leu, talvez se surpreendesse com o fato de que um mulato carioca, filho de escravos, tenha percebido a mesma coisa que ele e com uma antecedência de meio século. Se leu, há razões para crer que se trata de cópia: Borges cita as mesmas obras de Shakespeare que Machado citou para mostrar que o bardo de Avon não deixou de ser inglês por ter passado suas peças em lugares tão distantes quanto Verona e a Escócia. O mesmo se pode dizer das críticas aos nacionalistas, onde há, as mais das vezes, simples diferença de palavras, poucas, entre os dois escritores. Machado antecipa Borges e vai mais fundo ao propor uma mudança de atitude não só do escritor mas da própria crítica, incapaz de discernir entre o grande artista e o desenhista de paisagens. Deixa assim uma análise que, estendida hoje a outros setores da nossa cultura, da música popular ao cinema, tanto ganha em atualidade quanto em qualidade. E, num gênero em que a tentativa, o experimento, o manejo de idéias é a regra - e um experimento que muitas vezes não sobrevive à prova do tempo -, deixou uma peça definitiva da literatura brasileira.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 8/9/2006


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2006
01. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
02. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
03. Entre o sertão e a biblioteca - 27/4/2006
04. O ano de ouro de Nélida Piñon - 4/1/2006
05. Mordaça virtual: o Google na China - 23/3/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Por dentro do alibaba
Porter Erisman
Benvirá
(2016)



Fenômenos Espíritas no Mundo Animal
Carlos Bernardo Loureiro
Mnêmio Túlio



A Vida Em Perigo
Louise L. Hay
Círculo do Livro



Moça com brinco de pérola - 6ª ed.
Tracy Chevalier
Bertrand Brasil
(2004)



Sonetos do Amor Obscuro e Divã do Tamarit 2
Federico Garcia Lorca
Folha de São Paulo
(2012)



A Semana Volume 3 - Obras Completas de Machado de Assis
Machado de Assis
W. M. Jackson
(1953)



Solidão
John T. Cacioppo, William Patrick
Record
(2011)



Rime
Gaspara Stampa
Rizzoli
(1954)



Direito Civil Contratos Em Espécie e Responsabilidade Civil
Sílvio de Salvo Venosa Vol 3
Atlas
(2001)



O Homem de Sua Fantasia e Noite de Paixão
Anne Oliver
Harlequim
(2013)





busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês