Mordaça virtual: o Google na China | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
71602 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
>>> E-mail (devassado) para meu filho
Mais Recentes
>>> The Indian In The Cupboard de Lynne Reid Banks pela Avon Books (2003)
>>> Boutiques et Showrooms de Antonello Boschi pela Motta (2001)
>>> Opere Giuridiche - Volume 1 de Ezio Vanoni pela Dott Giuffré (1961)
>>> Mulher-Maravilha 48 de Mariko Tamaki pela Panini (2021)
>>> Mulher-Maravilha 3/53 de Conrad; Cloonan pela Panini Comics (2022)
>>> Superman - Ano dos Vilões 15 de Brian Michael Bendis pela Panini (2020)
>>> Universo Marvel - O indestrutível Hulk 004 de Mark Waid pela Panini (2013)
>>> A Saga da Mulher Maravilha - Vol. 2 de John Byrne pela Panini Comics (2024)
>>> Batman Especial - Vilões de Gotham de Danny Devito pela Panini Comics (2022)
>>> A Saga da Mulher Maravilha Vol 1 de John Byrne pela Panini (2024)
>>> Perigo no Hospital de Mary Higgins Clark pela Record
>>> Contrato de Risco de Thomas Palmer pela Record (1983)
>>> As Cinco Pessoas Que Voce Encontra No Ceu de Mitch Albom pela Sextante (2004)
>>> A Soma De Todos Os Medos de Tom Clancy pela Record (1993)
>>> Mulheres Que Atraem Os Homens E Mulheres Que Os Afastam de Connell Cowan pela Rocco (1999)
>>> O Meu Pé de Laranja Lima (bolso) de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1993)
>>> Os Chacras de Peter Rendel pela Ediouro (1987)
>>> Invenção da Cidade: Brasília 2ª edição. de Clemente Luz pela Record (1980)
>>> Merlin. Fogo Da Fúria - Livro 3 de T. A. Barron pela Galera Record (2015)
>>> Merlin. As Sete Canções - Livro 2 de T. A. Barron pela Galera Record (2014)
>>> Merlin: Os Anos Perdidos - Livro 1 de T. A. Barron pela Galera (2013)
>>> A Arte de Educar de Flávio Gikovate pela Nova Didática (2001)
>>> Resgatado Pelo Amor de Nora Roberts pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Laços De Fogo - Trilogia Da Fraternidade - Vol. 1 de Nora Roberts pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Lacos De Pecado - Trilogia Da Fraternidade - Vol. 3 de Nora Roberts pela Bertrand (2008)
COLUNAS >>> Especial Google

Quinta-feira, 23/3/2006
Mordaça virtual: o Google na China
Celso A. Uequed Pitol
+ de 4400 Acessos

O maior site de pesquisas da internet é grande já no nome. "Google" é a corruptela de "googol", termo utilizado para designar o número 1 seguido de 100 zeros. É difícil imaginar algo que possa ser medido assim: na verdade, apenas grandezas estelares, pontos tão distantes que - para ficarmos no vocabulário matemático - podemos dizer que tendem ao infinito. Este é, pelo menos simbolicamente, o campo de atuação do Google. Seu objetivo é vasculhar e catalogar a infinidade de informações que são diariamente despejadas na internet. O site criado pelos americanos Larry Page e Sergey Brin é hoje a maior referência mundial em páginas de pesquisa.

O procedimento é o mais simples possível: digita-se uma palavra no buscador e links para todas as páginas em que ela aparece surgem na tela, listados por ordem de importância e na língua que o usuário escolher. Ainda que o foco sejam os textos, o usuário pode também procurar fotos e vídeos com o mesmo procedimento. Mais recentemente, a implantação do serviço Google Earth permite que o usuário acesse imagens captadas por satélite em qualquer parte do globo. E tudo isto com uma simples palavra digitada num espaço em branco. Se o espírito da internet é facilitar o acesso a informação, o Google é a sua própria encarnação.

"Eu não vim trazer a paz, eu vim trazer a espada", disse o Verbo encarnado, um homem notadamente perigoso. O Google não é tão belicoso, nem no nível simbólico em que foram ditas as palavras do Evangelho, e suas pretensões são bem menores. Mas é igualmente perigoso por ser um veículo potencial de idéias, e, portanto, de transgressão e afronta ao poder. Essa afronta resulta em conflito de poderes, e, informação é, entre outras coisas, poder. É esse o motivo pelo qual o Google, ao desembarcar no mercado chinês, foi alvo da censura pela primeira vez desde que foi criado, em 1998. Os idealizadores do site, a princípio reticentes em aceitar as restrições de Pequim, acabaram cedendo com a desculpa de que "apesar da remoção seletiva de resultados ser inconsistente com a missão do Google, não oferecer informação alguma seria mais inconsistente ainda", como disse o diretor de comunicação do serviço, Andrew McLaughlin. No confronto entre os princípios de liberdade de informação que o site diz defender e as infinitas oportunidades de negócio oferecidas por um mercado de mais de um bilhão de pessoas, venceu este último. De nada adiantaram os protestos oficias de Bill Gates, do governo americano e até de um ex-secretário de Mao Tse Tung contra a decisão dos chineses: o domínio do Google chinês entra em funcionamento com os cortes necessários para assegurar que o cidadão chinês não saberá coisas que não deve saber.

É curioso observarmos quais assuntos são sensíveis aos rastreadores eletrônicos maoístas. Uma busca por sites sobre a revolução cultural, a biografia de Mao ou o Grande Salto Para a Frente registrará apenas páginas do governo com informações oficialescas. Temas como o Dalai Lama, a invasão no Tibete, a independência de Taiwan e as mortes na Praça Tianamen, em 1989, são proibidos. O site "não encontrará" as páginas, como se elas não existissem. Situação análoga à verificada na antiga Alemanha Oriental, onde os livros eram classificados em seis categorias, dos vagamente identificados com a revolução aos mais descarados agit-props do regime. Autores com temas "pequeno-burgueses" e "anti-revolucionários", como Aldous Huxley, George Orwell ou Alexandre Solenjietsin, não recebiam qualquer classificação, nem a de impublicáveis: simplesmente não existiam para o leitor comunista. Hoje, censurar livros não significa tanto para quem tem uma ferramenta de busca que varre o mundo em segundos. É preciso domá-la, portanto. É o que fazem os chineses agora.

Como em muitas outras coisas, os comunistas de hoje podem ser facilmente atacados com argumentos retirados da linha de pensamento que eles se dizem representar. O próprio Karl Marx dizia que a imprensa livre é o olhar onipotente das massas. O autor de O Capital ia além, afirmando que o jornal é o "espelho intelectual no qual o povo se vê e a visão a si mesmo é a primeira condição da sabedoria". Inquestionável afirmação, basilar para todo o pensamento filosófico ocidental, e os chineses devem saber disso muito bem. O governo controla os jornais com mão de ferro, bloqueia canais de televisão e sinais de rádio, restringe a entrada de periódicos estrangeiros e monitora de perto dos correspondentes internacionais estrangeiros em serviço no país. Alguns órgãos arriscam criticar a corrupção estatal, mas a autoridade do Partido Comunista é intocável.

Agora, a internet somou-se à lista de dos meios de comunicação que servem, de uma forma ou de outra, aos interesses da revolução, e com a bênção de um dos sites mais conhecidos. Se a História mostra, como disse um site chinês em língua inglesa, "que só os sistemas totalitários precisam de censura noticiosa, na ilusão de que conseguirão manter o público fechado na ignorância", ela também registra que aqueles colaboradores dos ideais revolucionários não tardam a se arrepender.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 23/3/2006

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Pouca gente sabe de Rafael Lima


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2006
01. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
02. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
03. O ano de ouro de Nélida Piñon - 4/1/2006
04. Entre o sertão e a biblioteca - 27/4/2006
05. Mordaça virtual: o Google na China - 23/3/2006


Mais Especial Google
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quem disse que eu quero crescer?
Vinícius Caldevilla
Quinteto
(2002)



Manto de segredos
Anne Tolstoi Wallach
Record
(1986)



Elementos de Teoria Geral do Estado
Dalmo de Abreu Dallari
Saraiva
(1995)



Trabalho, Cultura e Bem-Comum
Luiz Roberto Alves
Annablume
(2008)



Curso de Fisica - 3
Antonio Maximo e Beatriz Alvarenga
Scipione
(1997)



Uma Curva Na Estrada 599
Nicholas Sparks
Arqueiro
(2013)



Livro Literatura Estrangeira Ícone
Frederick Forsyth
Record
(1997)



A Concretização da Constituição Ecológica
Lucas de Faria Rodrigues
Lumen Juris
(2015)



Tábua de Logaritmos
Alberto Nunes Serrão
Fename
(1971)



Manual de Audiencias Trabalhistas
Francisco Antonio de Oliveira
Revista dos Tribunais
(1994)





busca | avançada
71602 visitas/dia
2,3 milhões/mês