A cidade e as serras | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/8/2007
A cidade e as serras
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6100 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Os limites e os contrastes das cidades

Lembro, sem saudade, da adolescência dos anos 80, naquele bairro de classe média baixa, em Belo Horizonte. A capital mineira foi a primeira cidade planejada do país, executada pela Comissão Construtora presidida pelo engenheiro positivista Aarão Reis. Os homens importantes daquela época são hoje nomes de ruas.

Na virada do século XIX, a Cidade de Minas (seu primeiro nome, alterado por votação, depois de muita briga com a antiga capital, Ouro Preto) era símbolo de modernidade, progresso, ousadia e de uma vida republicana recém-conquistada. Mas não tinha nada de democrático. Uma cidade plantada em cima de um arraial, no coração de Minas Gerais, feita de maneira higiênica para abrigar a elite da época e para deixar na periferia os operários que a construíram.

O arraial preexistente se chamava, já, Belo Horizonte. Aos seus habitantes (pouco mais de 2000) era dado o nome de horizontinos. Viviam como uma comunidade rural e tinham laços sociais. Suas terras foram desapropriadas e eles se socorreram de outras localidades, tais como Sabará e Venda Nova (extremo norte de BH, hoje). No lugar das casas da vila foram construídos prédios grandes e robustos, o Palácio da Liberdade (onde fica Aécio, hoje), praças, ruas largas e iluminadas, quarteirões simétricos.

BH era um grande círculo em terras planas, um mapa quadriculado dentro dos limites de uma avenida chamada Contorno. O que estava ali dentro era bairro horizontino. O que estava fora, era periferia. Atualmente, a periferia de antes é também parte central da cidade, que tem outras periferias, bem mais distantes do que as daquela época.

O arraial que se tornou capital ia da Serra do Curral (onde fica o Parque das Mangabeiras) até a região conhecida como Lagoinha. Isso corresponde aos trajetos das avenidas Afonso Pena e Antônio Carlos, na cidade de hoje. Nos inícios do século XX, a artéria de Belo Horizonte era a rua da Bahia, ainda conhecidíssima pelo movimento cultural e pela arquitetura.

Periferia
Nasci na periferia da antiga capital. Já fora da avenida do Contorno, que hoje circunscreve um trecho pequeno da cidade, mas ainda abriga os bairros mais valorizados. Nasci perto da Lagoinha, num bairro chamado Cachoeirinha, onde ficavam as fábricas de tecido da ex-capital. Fábricas chegadas para fazer BH entrar na produção industrial, no capitalismo, na modernidade. Meus avós eram, ambos, técnicos têxteis. Moravam na antiga vila da fábrica, comandados pela sirene que apitava nos três turnos, para indicar as trocas de funcionários. Sabiam tudo sobre tecidos e eram vizinhos, lado a lado (ainda são).

Cada um deles veio de uma cidade do interior, com esposa e filhos, para procurar vida melhor na capital do estado. Aqui os filhos estudaram, aprenderam profissões qualificadas, construíram casas na cidade loteada, criaram filhos, netos e vivem no século XXI.

Na Cachoeirinha não havia ricos. Havia pessoas que trabalhavam muito e que queriam que os filhos estudassem. Na década de 1970, essa segunda geração já havia construído as melhores casas do bairro. Ainda não eram ricos, mas tinham condições melhores do que as dos pais (feito que talvez a terceira geração, da qual faço parte, não consiga repetir).

Estudos
Nos idos de 30-40 do século XX, não era comum que as pessoas da periferia estudassem. Meus avós não têm cursos superiores. Talvez algum deles tenha completado o segundo grau (hoje ensino médio, na época ainda com outros nomes).

Nas décadas de 50-60-70, a geração dos meus pais estudou e progrediu nas excelentes e disputadas escolas públicas da capital mineira. O Colégio Municipal (na Lagoinha), o Colégio Estadual Central (ao Sul) e o Instituto de Educação (no Centro) eram as melhores opções, onde estudaram personalidades da história do estado e do país.

Outras opções eram os colégios religiosos. Talvez o mais tradicional, além do Caraça (fora de BH), fosse o colégio dos padres alemães, o Arnaldo, que também teve alunos conhecidíssimos na administração pública a na literatura.

Do grupo que viveu essa época fazem parte Carlos Drummond de Andrade, Gustavo Capanema, Pedro Nava, Fernando Sabino e outros.

Na década de 80-90, ainda era comum que disputássemos vagas em bons colégios públicos. Minha entrada no Colégio Municipal Marconi, depois de concurso concorrido, foi festejada pela família. Pagar impostos tinha compensação perceptível.

Não sei o que será dos estudos da quarta geração. Lastimo muito que talvez não sejam públicos e que meus impostos façam trajetos menos visíveis.

Cachoeirinha
O Clube da Esquina se encontrava em Santa Tereza. A Floresta era um point. Fernando Brant ainda mora na Cachoeirinha, que mantém ares de cidade do interior. Meus avós fizeram reformas nas casas da vila da fábrica e as descaracterizaram. A fábrica quebrou e a sirena parou de tocar. As casas supermodernas construídas pela segunda geração já têm mais de 30 anos, os vasos sanitários são marrons ou verdes, há lodo nos telhados e os azulejos estão fora de moda. Ninguém mais faz o piso de taco.

A esquina onde passei a adolescência, entre Marieta Machado, Indianópolis (assim mesmo, com ó) e Cônego Santana, hoje tem cercas elétricas e muros altos. As pessoas continuam não sendo ricas, não fazem turismo pela Europa e nem têm seguros de vida. O que ainda há de bom é que abriram ali uma padaria e alguns ainda se sentam em cadeiras de balanço nos alpendres ao entardecer.

Simplicidade
Não éramos ricos, mas não éramos bobos. Todos temos vidas dignas hoje em dia. A maioria de nós se casou e mora nos arredores. Uma está em Portugal, fazendo o doutorado em História. Há casos de separação, vários temos filhos, um morreu assassinado.

Nossos pais estão vivos. Alguns doentes, outros continuam nas mesmas esquinas, nos mesmos horários. E compram pão na nova padaria da esquina.

Minha adolescência era de rua, de chinelo, de bicicleta, de pequenas e impacientes sessões de Atari, de bola e de pique-esconde nos prédios em construção. Namoricos, danceterias no bairro ao lado, figurinha, baralho, música house. Não fui ao show do Technotronic. Nem ao do New Order. Meu primeiro namorado foi do bairro, andávamos de bicicleta juntos e os pais dele eram amigos dos meus pais.

Havia competições promovidas por estações de rádio. Eram grandes gincanas com equipes formadas por bairros. A nossa era a "Speed Angels", assim, com nomes em inglês. E éramos muito pirralhos para participar efetivamente. Ficávamos admirando os carros adesivados, as camisas silcadas, a energia dos campeões. E achávamos bonitas as camisas das equipes adversárias, especialmente os "Forest Crazy".

Apenas uma de minhas amigas usava roupas de marca. E eu achava uma coisa besta. Ela comprava mais caro o que eu comprava mais barato. E enquanto eu vivia discretamente, ela fazia propaganda de graça para uma marca qualquer. Camiseta e mídia. Forum, Vide Bula e uns nomes engraçados: Formiga Urbana, Rato de Praia e Ocean Pacific. Mineiros com trauma porque não têm praia. Nos pés, usava Redley e All Star, de cano longo. As calças eram largas nas coxas e estreitas nas canelas. O cós era quase no umbigo. Suspensórios estavam na moda. Coisa mais engraçada.

Até hoje, a primeira coisa que eu faço quando compro uma bolsa, uma roupa, um sapato até, é arrancar-lhes as etiquetas. Tenho aqui um estilete para tirar as tiras de pano ou couro que selam as calças jeans e para cortar etiquetas internas que me fazem cócegas. Não é engraçado?

Vida cultural
A cidade demorou a ter alguma vida cultural. Nos primeiros 30 anos de Belo Horizonte capital, alguns cinemas conseguiram tirar as pessoas de casa e fazê-las passear pelas ruas, flertar e conversar. As matinês e as soirées chics eram o máximo de agitação, que os jornais cobriam como se inaugurassem cadernos de cultura.

Nos anos 80-90, a vida cultural da cidade era plena, embora a cultura dos botecos ainda seja a mais disseminada. As contas de bar (em cerveja) dão para comprar vários livros e revistas. Questão de prioridade.

No século XXI, os cinemas quase se acabaram e novas salas foram inauguradas dentro dos shoppings. Restam os cinemas ditos cult, que ainda são térreos, em galerias onde se encontram, além das salas de projeção, livrarias, cafés e charutarias.

Fascina muito, ao menos a mim, observar as apropriações que se fizeram dos espaços da cidade. Os trajetos dos belo-horizontinos, assim, com hífen.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 3/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
02. Google: a ferramenta de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/7/2007
20h16min
Ana, que gostoso ler sua história de Belo Horizonte. Sua geração é mais nova que a minha, eu passei infância e adolescência no bairro do Prado, mas fiquei viajando na sua narrativa. Nestas férias estive em uma pequena cidade do interior, bem tranquila, chamada Boa Esperança que me fez lembrar este estilo de vida, desse passado tão recente. Pena que o ritmo da vida e as relações entre os moradores da cidade tenham mudado tanto. Sinto principalmente pelas crianças. Mas acredito que em alguns bairros ainda haja quem preserve um pouco desse estilo de vida. Ah! Adorei a sua crítica em relação as roupas de marcas. Essa moda do estilete, sim, devia pegar. Beijos e parabéns! Precisava ler algo assim hoje.
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
31/7/2007
20h49min
Reafirmo as palavras da Áurea, foi muito gostoso ler o texto sobre BH. Precisamos resgatar esse passado não tão longinquo, dando aos nossos filhos a oportunidade de conhecer a sua cidade. Belo Horizonte é um lugar especial, onde o tempo - felizmente - passa mais devagar.
[Leia outros Comentários de Dênio Mãgno]
3/8/2007
16h52min
Olá, Ana! Está tão bom este seu texto que fez-me lembrar da minha infância e adolescência, em meados da década de 50. Até parece que você viveu naquela época. Meus avós maternos ajudaram na construção da cidade. Minha avó, Francisca Cândida Ferreira de Carvalho, nasceu na casa do tio Cândido, que é hoje o Museu Abílio Barreto. Depois da desapropriação das terras, vieram para o "Engenho Nogueira", hoje Bairro Caiçara, onde moro atualmente. A vida deles ficou muito difícil, veja a distância do "centro"... Tenho fotos antigas dos meus pais andando de braços dados na Avenida Afonso Pena em 1937. Até recentemente, alguns parentes diziam, de forma depreciativa, que morávamos na "vila". Agora, apesar de tudo tenho saudades daqueles tempos... Abração!
[Leia outros Comentários de simone]
16/8/2007
15h22min
Eis que aparece para comentar o texto "Uma está em Portugal, fazendo o doutorado em História"... Lendo seu texto Ana Elisa me deu saudade. Saudade das noites na esquina, das idas à Baturité, dos dias de farra em Lagoa Santa, enfim, saudades do viver em BH... É engraçado, mas morar longe (do outro lado do Atlântico) faz com que a gente passe a ter saudades de coisas que, até então, passavam despercebidas (o cachorro do vizinho latindo, o ritual de comprar pão na padaria e encontrar com os vizinhos pelo caminho, o simples fato de atender ao telefone e ouvir uma voz amiga do lado de lá). Hoje, Belo Horizonte pra mim tem um horizonte ainda mais lindo... Chegar de avião à noite e ver aquela linda cidade, suas luzes, suas cores, cercadas por montanhas... É de tirar a fala! É verdade que aquela BH que nasceu em 1897, planejada, estruturada dentro da Av. do Contorno já está muito modificada , mas ainda assim...vendo do lado de cá do Atlântico, ainda é a minha cidade! Bjos com saudades!
[Leia outros Comentários de Ana Luiza Castro]
6/5/2009
20h56min
Ahhhh! Não teve jeito, tentei segurar as lágrimas mas não deu... Não cheguei a "pegar" essa época, tenho 25 anos, e sou do bairro Eldorado em Contagem, pertinho. Mas na minha infância e parte da aborrescência eu frequentei muito a lagoinha e os arredores. Tinha muitos amigos ali... Amigos que me marcaram pra sempre. Hoje, de longe, de um país distante, eu leio essa crônica e meus olhos enchem d'água... Que saudade de BH! Obrigado.
[Leia outros Comentários de Thomas Mann]
18/11/2014
12h53min
BOm Ana adorei seu texto principalmente onde fala da Forest Crazy equipe a qual fazia parte da fundação e cupula. SAudades daquele tempo .
[Leia outros Comentários de wagner]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O reino de Campbell
Hammond Innes
Mérito



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Planejamento e Estratégia Empresarial
Carlos Thomaz Guimarães Lopes
Saraiva
(1984)



Quatro Cenário para o Brasil 2005 - 2007
Claudio Porto - ( Org)
Do Autor
(2005)



America Latina - Historia, Crise e Movimento
Luiz Bernanrdo Pericás, Paulo Barsotti
Xamã
(1999)
+ frete grátis



Casa de Pedra
Vicente Ataide
H. D. V
(1985)



Domingo Dia de Cachimbo
Giselda Laporta Nicolelis
Vértice
(1974)



Diário de Rabiscos
Adriana Barbosa Ferreira
Ícone
(2008)



Capitalismo Climático
L. Huntere Lovins, Boyd Cohen
Cultrix
(2013)



Fetish: Fashion, Sex & Power
Valerie Steele
Oxford University Press,
(1997)
+ frete grátis





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês