A cidade e as serras | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Barsa versus o Google
>>> Sobre a mulher que se faz de vítima
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
Mais Recentes
>>> Livro Na Vida Dez, Na Escola Zero de Terezinha. Carraher pela Cortez (1994)
>>> Livro Voce Verdadeiramente Nasceu De Novo Da Agua E Do Espirito? de Paul C. Jong pela Hephzibá (2002)
>>> Livro Luz no lar de Francisco Cândido Xavier por Diverso Espíritos pela Feb (1968)
>>> Livro As Perspectivas Construtivista e Histórico-cultural na Educação Escola de Tania Stoltz pela Ibpex (2008)
>>> Livro El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/8/2007
A cidade e as serras
Ana Elisa Ribeiro
+ de 7100 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Os limites e os contrastes das cidades

Lembro, sem saudade, da adolescência dos anos 80, naquele bairro de classe média baixa, em Belo Horizonte. A capital mineira foi a primeira cidade planejada do país, executada pela Comissão Construtora presidida pelo engenheiro positivista Aarão Reis. Os homens importantes daquela época são hoje nomes de ruas.

Na virada do século XIX, a Cidade de Minas (seu primeiro nome, alterado por votação, depois de muita briga com a antiga capital, Ouro Preto) era símbolo de modernidade, progresso, ousadia e de uma vida republicana recém-conquistada. Mas não tinha nada de democrático. Uma cidade plantada em cima de um arraial, no coração de Minas Gerais, feita de maneira higiênica para abrigar a elite da época e para deixar na periferia os operários que a construíram.

O arraial preexistente se chamava, já, Belo Horizonte. Aos seus habitantes (pouco mais de 2000) era dado o nome de horizontinos. Viviam como uma comunidade rural e tinham laços sociais. Suas terras foram desapropriadas e eles se socorreram de outras localidades, tais como Sabará e Venda Nova (extremo norte de BH, hoje). No lugar das casas da vila foram construídos prédios grandes e robustos, o Palácio da Liberdade (onde fica Aécio, hoje), praças, ruas largas e iluminadas, quarteirões simétricos.

BH era um grande círculo em terras planas, um mapa quadriculado dentro dos limites de uma avenida chamada Contorno. O que estava ali dentro era bairro horizontino. O que estava fora, era periferia. Atualmente, a periferia de antes é também parte central da cidade, que tem outras periferias, bem mais distantes do que as daquela época.

O arraial que se tornou capital ia da Serra do Curral (onde fica o Parque das Mangabeiras) até a região conhecida como Lagoinha. Isso corresponde aos trajetos das avenidas Afonso Pena e Antônio Carlos, na cidade de hoje. Nos inícios do século XX, a artéria de Belo Horizonte era a rua da Bahia, ainda conhecidíssima pelo movimento cultural e pela arquitetura.

Periferia
Nasci na periferia da antiga capital. Já fora da avenida do Contorno, que hoje circunscreve um trecho pequeno da cidade, mas ainda abriga os bairros mais valorizados. Nasci perto da Lagoinha, num bairro chamado Cachoeirinha, onde ficavam as fábricas de tecido da ex-capital. Fábricas chegadas para fazer BH entrar na produção industrial, no capitalismo, na modernidade. Meus avós eram, ambos, técnicos têxteis. Moravam na antiga vila da fábrica, comandados pela sirene que apitava nos três turnos, para indicar as trocas de funcionários. Sabiam tudo sobre tecidos e eram vizinhos, lado a lado (ainda são).

Cada um deles veio de uma cidade do interior, com esposa e filhos, para procurar vida melhor na capital do estado. Aqui os filhos estudaram, aprenderam profissões qualificadas, construíram casas na cidade loteada, criaram filhos, netos e vivem no século XXI.

Na Cachoeirinha não havia ricos. Havia pessoas que trabalhavam muito e que queriam que os filhos estudassem. Na década de 1970, essa segunda geração já havia construído as melhores casas do bairro. Ainda não eram ricos, mas tinham condições melhores do que as dos pais (feito que talvez a terceira geração, da qual faço parte, não consiga repetir).

Estudos
Nos idos de 30-40 do século XX, não era comum que as pessoas da periferia estudassem. Meus avós não têm cursos superiores. Talvez algum deles tenha completado o segundo grau (hoje ensino médio, na época ainda com outros nomes).

Nas décadas de 50-60-70, a geração dos meus pais estudou e progrediu nas excelentes e disputadas escolas públicas da capital mineira. O Colégio Municipal (na Lagoinha), o Colégio Estadual Central (ao Sul) e o Instituto de Educação (no Centro) eram as melhores opções, onde estudaram personalidades da história do estado e do país.

Outras opções eram os colégios religiosos. Talvez o mais tradicional, além do Caraça (fora de BH), fosse o colégio dos padres alemães, o Arnaldo, que também teve alunos conhecidíssimos na administração pública a na literatura.

Do grupo que viveu essa época fazem parte Carlos Drummond de Andrade, Gustavo Capanema, Pedro Nava, Fernando Sabino e outros.

Na década de 80-90, ainda era comum que disputássemos vagas em bons colégios públicos. Minha entrada no Colégio Municipal Marconi, depois de concurso concorrido, foi festejada pela família. Pagar impostos tinha compensação perceptível.

Não sei o que será dos estudos da quarta geração. Lastimo muito que talvez não sejam públicos e que meus impostos façam trajetos menos visíveis.

Cachoeirinha
O Clube da Esquina se encontrava em Santa Tereza. A Floresta era um point. Fernando Brant ainda mora na Cachoeirinha, que mantém ares de cidade do interior. Meus avós fizeram reformas nas casas da vila da fábrica e as descaracterizaram. A fábrica quebrou e a sirena parou de tocar. As casas supermodernas construídas pela segunda geração já têm mais de 30 anos, os vasos sanitários são marrons ou verdes, há lodo nos telhados e os azulejos estão fora de moda. Ninguém mais faz o piso de taco.

A esquina onde passei a adolescência, entre Marieta Machado, Indianópolis (assim mesmo, com ó) e Cônego Santana, hoje tem cercas elétricas e muros altos. As pessoas continuam não sendo ricas, não fazem turismo pela Europa e nem têm seguros de vida. O que ainda há de bom é que abriram ali uma padaria e alguns ainda se sentam em cadeiras de balanço nos alpendres ao entardecer.

Simplicidade
Não éramos ricos, mas não éramos bobos. Todos temos vidas dignas hoje em dia. A maioria de nós se casou e mora nos arredores. Uma está em Portugal, fazendo o doutorado em História. Há casos de separação, vários temos filhos, um morreu assassinado.

Nossos pais estão vivos. Alguns doentes, outros continuam nas mesmas esquinas, nos mesmos horários. E compram pão na nova padaria da esquina.

Minha adolescência era de rua, de chinelo, de bicicleta, de pequenas e impacientes sessões de Atari, de bola e de pique-esconde nos prédios em construção. Namoricos, danceterias no bairro ao lado, figurinha, baralho, música house. Não fui ao show do Technotronic. Nem ao do New Order. Meu primeiro namorado foi do bairro, andávamos de bicicleta juntos e os pais dele eram amigos dos meus pais.

Havia competições promovidas por estações de rádio. Eram grandes gincanas com equipes formadas por bairros. A nossa era a "Speed Angels", assim, com nomes em inglês. E éramos muito pirralhos para participar efetivamente. Ficávamos admirando os carros adesivados, as camisas silcadas, a energia dos campeões. E achávamos bonitas as camisas das equipes adversárias, especialmente os "Forest Crazy".

Apenas uma de minhas amigas usava roupas de marca. E eu achava uma coisa besta. Ela comprava mais caro o que eu comprava mais barato. E enquanto eu vivia discretamente, ela fazia propaganda de graça para uma marca qualquer. Camiseta e mídia. Forum, Vide Bula e uns nomes engraçados: Formiga Urbana, Rato de Praia e Ocean Pacific. Mineiros com trauma porque não têm praia. Nos pés, usava Redley e All Star, de cano longo. As calças eram largas nas coxas e estreitas nas canelas. O cós era quase no umbigo. Suspensórios estavam na moda. Coisa mais engraçada.

Até hoje, a primeira coisa que eu faço quando compro uma bolsa, uma roupa, um sapato até, é arrancar-lhes as etiquetas. Tenho aqui um estilete para tirar as tiras de pano ou couro que selam as calças jeans e para cortar etiquetas internas que me fazem cócegas. Não é engraçado?

Vida cultural
A cidade demorou a ter alguma vida cultural. Nos primeiros 30 anos de Belo Horizonte capital, alguns cinemas conseguiram tirar as pessoas de casa e fazê-las passear pelas ruas, flertar e conversar. As matinês e as soirées chics eram o máximo de agitação, que os jornais cobriam como se inaugurassem cadernos de cultura.

Nos anos 80-90, a vida cultural da cidade era plena, embora a cultura dos botecos ainda seja a mais disseminada. As contas de bar (em cerveja) dão para comprar vários livros e revistas. Questão de prioridade.

No século XXI, os cinemas quase se acabaram e novas salas foram inauguradas dentro dos shoppings. Restam os cinemas ditos cult, que ainda são térreos, em galerias onde se encontram, além das salas de projeção, livrarias, cafés e charutarias.

Fascina muito, ao menos a mim, observar as apropriações que se fizeram dos espaços da cidade. Os trajetos dos belo-horizontinos, assim, com hífen.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 3/8/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma tese em três minutos de Carla Ceres
02. Sob Custódia, de Anita Desai de Ricardo de Mattos
03. Cem anos de música do cinema de Fabio Silvestre Cardoso
04. Madame Bovary, Flaubert e a permanência no tempo de Aline Pereira


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros – Parte III - 16/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/7/2007
20h16min
Ana, que gostoso ler sua história de Belo Horizonte. Sua geração é mais nova que a minha, eu passei infância e adolescência no bairro do Prado, mas fiquei viajando na sua narrativa. Nestas férias estive em uma pequena cidade do interior, bem tranquila, chamada Boa Esperança que me fez lembrar este estilo de vida, desse passado tão recente. Pena que o ritmo da vida e as relações entre os moradores da cidade tenham mudado tanto. Sinto principalmente pelas crianças. Mas acredito que em alguns bairros ainda haja quem preserve um pouco desse estilo de vida. Ah! Adorei a sua crítica em relação as roupas de marcas. Essa moda do estilete, sim, devia pegar. Beijos e parabéns! Precisava ler algo assim hoje.
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
31/7/2007
20h49min
Reafirmo as palavras da Áurea, foi muito gostoso ler o texto sobre BH. Precisamos resgatar esse passado não tão longinquo, dando aos nossos filhos a oportunidade de conhecer a sua cidade. Belo Horizonte é um lugar especial, onde o tempo - felizmente - passa mais devagar.
[Leia outros Comentários de Dênio Mãgno]
3/8/2007
16h52min
Olá, Ana! Está tão bom este seu texto que fez-me lembrar da minha infância e adolescência, em meados da década de 50. Até parece que você viveu naquela época. Meus avós maternos ajudaram na construção da cidade. Minha avó, Francisca Cândida Ferreira de Carvalho, nasceu na casa do tio Cândido, que é hoje o Museu Abílio Barreto. Depois da desapropriação das terras, vieram para o "Engenho Nogueira", hoje Bairro Caiçara, onde moro atualmente. A vida deles ficou muito difícil, veja a distância do "centro"... Tenho fotos antigas dos meus pais andando de braços dados na Avenida Afonso Pena em 1937. Até recentemente, alguns parentes diziam, de forma depreciativa, que morávamos na "vila". Agora, apesar de tudo tenho saudades daqueles tempos... Abração!
[Leia outros Comentários de simone]
16/8/2007
15h22min
Eis que aparece para comentar o texto "Uma está em Portugal, fazendo o doutorado em História"... Lendo seu texto Ana Elisa me deu saudade. Saudade das noites na esquina, das idas à Baturité, dos dias de farra em Lagoa Santa, enfim, saudades do viver em BH... É engraçado, mas morar longe (do outro lado do Atlântico) faz com que a gente passe a ter saudades de coisas que, até então, passavam despercebidas (o cachorro do vizinho latindo, o ritual de comprar pão na padaria e encontrar com os vizinhos pelo caminho, o simples fato de atender ao telefone e ouvir uma voz amiga do lado de lá). Hoje, Belo Horizonte pra mim tem um horizonte ainda mais lindo... Chegar de avião à noite e ver aquela linda cidade, suas luzes, suas cores, cercadas por montanhas... É de tirar a fala! É verdade que aquela BH que nasceu em 1897, planejada, estruturada dentro da Av. do Contorno já está muito modificada , mas ainda assim...vendo do lado de cá do Atlântico, ainda é a minha cidade! Bjos com saudades!
[Leia outros Comentários de Ana Luiza Castro]
6/5/2009
20h56min
Ahhhh! Não teve jeito, tentei segurar as lágrimas mas não deu... Não cheguei a "pegar" essa época, tenho 25 anos, e sou do bairro Eldorado em Contagem, pertinho. Mas na minha infância e parte da aborrescência eu frequentei muito a lagoinha e os arredores. Tinha muitos amigos ali... Amigos que me marcaram pra sempre. Hoje, de longe, de um país distante, eu leio essa crônica e meus olhos enchem d'água... Que saudade de BH! Obrigado.
[Leia outros Comentários de Thomas Mann]
18/11/2014
12h53min
BOm Ana adorei seu texto principalmente onde fala da Forest Crazy equipe a qual fazia parte da fundação e cupula. SAudades daquele tempo .
[Leia outros Comentários de wagner]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Física. Contexto & Aplicações - Volume 1
Varios Autores
Scipione
(2011)



O Presente do Meu Grande Amor - Doze Histórias de Natal
Stephanie Perkins
Intrínseca
(2014)



A Reforma Trabalhista na Visão da Ajd Análise Crítica
Laura Rodrigues Benda
Casa do Direito
(2018)



A Grande Pirâmide
Tom Valentine
Nova Fronteira
(1976)



Livro Infanto Juvenis Sai pra Lá!
Ana Terra
Larousse do Brasil
(2008)



Mireille - Capa Dura - Raro
Frédéric Mistral / G. Nick Ilustrador
Librairie Delagrave
(1932)



Irmãos Unidos
Francisco Cândido Xavier / Vários Espíritos
Geem
(1988)



À Noite
Helga Bansch
Fisicalbook
(2017)



Private - Suspeito nº 1
James Patterson
Arqueiro
(2013)



Livro Literatura Brasileira Em Câmara Lenta
Renato Tapajós
Carambaia
(2022)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês