Scott Henderson, guitarrista fora-de-série | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Elas e as Letras de Aldirene Máximo e Julie Veiga (org.) pela Versejar (2018)
>>> América Latina hoje: conceitos e interpretações de José Maurício Domingues e Maria Maneiro pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Biblioteca de Ouro da Literatura Universal - O Cortiço - Tomo 1 de Aluísio Azevedo pela Minha (1988)
>>> Encadernado em capa dura: Wolverine - Thor - Camelot 3000 de Chris Claremont. Frank Miller. Walter Simonson. Mike W. Barr e Brian Bolland pela Abril Jovem (1987)
>>> Evolução Sócio-Econômica do Brasil de Otto Alcides Ohlweiler pela Tchê! (1988)
>>> Avenida Presidente Vargas: Um desfile pela história do Brasil de Eduardo Bueno. Paula Taitelbaum. Fernando Bueno e Dudu Contursi pela Arco (2010)
>>> A Mangueira da nossa infância de Alexandre Nobre pela Ficções (2012)
>>> Sobre a universidade de Max Weber pela Cortez (1989)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 4 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Ática (1999)
>>> Acqua Toffana de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1994)
>>> Anjos travados de Zé Elias pela n/d (1984)
>>> Legado de Mateus Ornellas e Lua Costa pela Independente (2016)
>>> Trato de Sara Lambranho pela Fundação Clóvis Salgado (2013)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Mestre de Quéops de Albert Salvaó pela Ediouro (2000)
>>> Garten der Lüste de Hieronymus Bosch pela Prestel (2003)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Ática (2009)
>>> Inimigo Rumor 20 de Vários autores pela 7 letras/ Cosac Naify (2007)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississipi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Bellini e a esfinge de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1995)
>>> The Black Angel de John Connolly pela Pocket Books International (2005)
>>> Na Casamata de Si de Pedro Tostes pela Patuá (2018)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Médée de Pier Paolo Pasolini pela Arléa (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/3/2007
Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
Rafael Fernandes
+ de 9100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Nascido em 1954 e criado na Flórida, Scott Henderson é um dos ícones da guitarra elétrica moderna. Idolatrado num pequeno nicho (muito provavelmente por sua música variar entre o jazz fusion e um blues-rock envenenado, estilos não muito populares, digamos) certamente não tem a reverência na proporção de seu talento e suor. Esteve no Brasil para shows no Festival Jazz & Blues em Guaramiranga e Fortaleza e para uma apresentação de embasbacar em São Paulo no pequeno e charmoso Ao Vivo Bar. A sensação de ver um mito - não por celebridade, mas por obra - a poucos metros de distância beira o indescritível. Uma ótima experiência em plena terça-feira de carnaval!

O guitarrista ficou inicialmente conhecido por integrar a Chick Corea's Eletric Band, mas chamou atenção mesmo na banda que liderou em parceria com o baixista Gary Willis - o Tribal Tech, uma banda de fusion "nervosa", que unia harmonia e melodia complexas típicas do jazz, divisões rítmicas quebradas e não usuais com uma pegada forte característica do rock. De 1986 a 2000 lançaram uma dezena de excelentes álbuns, com grandes músicas executadas com rigor e disposição. Gary Willis mudou-se dos EUA e o Tribal Tech parou suas atividades por tempo indeterminado. Graças ao YouTube podemos ainda ver pequenas mostras de suas apresentações. Aqui, a fantástica "The big wave", que abre o álbum Illicit de 1992 e aqui outra excelente, "Canine", de melodias insinuantes presente no álbum Face First, do ano seguinte.

Em 1998 e 2000, o guitarrista tocou num trio de arrasar, com o baterista Steve Smith e o baixista Victor Wooten, outros dois instrumentistas fora de série. Assim surgiu o Vital Tech Tones, nomeado a partir das bandas principais dos músicos: Vital Information (Smith), Tribal Tech e Bela Fleck and The Flectones (Wooten). Novamente é o fusion que aparece, mas numa sonoridade muito mais roqueira e limpa. As músicas iam surgindo de improvisos, gerando pérolas como "Crash course", "King Twang", "SubZero", "Catch me if u can", entre outras, presentes em seus dois discos auto-intitulados.

Sua carreira solo é mais ligada a uma sonoridade blues-rock - sem abdicar do fusion, claro - e afirma seu talento não apenas como guitarrista, mas também como compositor, já evidenciado no Tribal Tech. Em comparação ao Tribal, Scott solo tem sonoridade mais crua e livre dos teclados, que por vezes soavam enjoados e excessivamente ligados a uma sonoridade viciada do fusion dos anos 80. Foi iniciada paralelamente à sua banda principal em 1994 com o disco Dog Party, com várias referências a cachorros, a começar pela hilária capa. Musicalmente tem tanto canções instrumentais quanto vocais - mais uma marca do trabalho solo; alternam no posto de cantores Erin Mcguire e o baterista Kirk Covington. Entre os destaques estão a faixa título, "Hole Diggin'" e uma espécie de balada blues intrincada e num formato acústico - "Same as you". Essa faixa, aliás, é revisitada (numa versão elétrica) em Tore down house de 1996; outros achados deste disco são a faixa-título - outra "balada intrincada" - e "You get off on me", um rock nervoso. Well to the bone, de 2002, traz algumas das melhores músicas com vocais já compostas pelo guitarrista, como "Devil boy", "Lady P.", e a fantástica faixa-título. Scott Henderson Live!, de 2005, é seu disco mais recente e foi lançado no Brasil pela Hellion.

O guitarrista ficou do dia 18 ao dia 23 de fevereiro no Brasil basicamente para participar do Festival Jazz & Blues em Guaramiranga e Fortaleza, no Recife, que contou também com artistas como Egberto Gismonti, Arismar do Espírito Santo, Badi Assad, Oswaldino do Acordeon, entre outros. Felizmente deu um "pulinho" em São Paulo, para o show no Ao Vivo Bar e um workshop no Conservatório Souza Lima. Esteve acompanhado de dois excelentes músicos: John Humphrey (seu baixista mais assíduo) e o baterista Alan Hertz, substituindo quem o acompanha desde o disco Dog Party - Kirk Covington, que além de tocar, canta. Por isso, a apresentação de São Paulo foi estritamente instrumental; dividiu-se em dois sets de cerca de uma hora cada, com um intervalo de meia hora, no qual o guitarrista passou sentado à beira do palco, atendendo os fãs com autógrafos, fotos, apertos de mão, algumas conversas e recebendo tapinhas nas costas, com uma enorme simpatia e humildade. Aliás, humildade também presente antes do show, quando Scott entrou no palco para regular e afinar sua guitarra, gerando um misto de frisson e anticlímax.

O repertório guiou-se em seu último lançamento (que por sua vez se baseou no disco Well To The Bone), mas começou com um clássico: "All blues" (Miles Davis). Para destacar algumas das grandes performances da noite, fico com "Devil boy", que começa como um "rockão" nervoso e se transforma num blues - uma bela cama para os improvisos de Scott Henderson. Originalmente do disco Well To The Bone, se sustentou muito bem sem vocal e ficou extremamente pesada ao vivo. E essa foi a tônica da noite: peso e vigor, que não se fazem tão presentes em suas gravações de estúdio. Outros dois destaques vieram do mesmo disco: "Lady P." e "Sultan's boogie". Pegou uma música do repertório do Vital Tech Tones, "Nairobe Express" e do disco Live! veio "Silidin'".

Por último, "Hillbilly in the band" se inicia com uma série de licks com delays que desemboca num country esperto. Uma ótima música para encerrar o show por ser bastante representativa de seu estilo, que faz uso intenso da alavanca da guitarra, quase que ininterruptamente e alia isso a uma pegada forte, única, que torna seu tocar bastante expressivo; sua execução é cheia de nuances e dinâmicas. Amante do improviso, seu objetivo é sempre o fraseado coerente, que é consistente, bem feito e tem grande variedade melódica e rítmica. É claro que há espaço para um virtuosismo desenfreado, mas isso é o de menos - o importante é a comunicação através de suas idéias musicais, os solos devem ter começo meio e fim, como numa conversa ou num texto - e conseguem estar ligados ao contexto da música. Com suas execuções ao mesmo tempo estudadas, espontâneas e intensas, Scott Henderson é uma espécie de Jimi Hendrix moderno com estudo formal, e como nos grandes usa seu conhecimento a serviço da música, da espontaneidade, da criatividade. (E para os geeks da guitarra, vale ressalvar seu timbre quente e cortante, com um belo crunch; desculpem-me, mas não achei palavra melhor em português - os geeks que se virem pra entender...). Foi uma grande exibição de um dos ícones da guitarra mundial, para deleite dos amantes deste instrumento já não tão novo, mas que ainda tem muitas válvulas pra queimar.


Rafael Fernandes
São Paulo, 21/3/2007

Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2007
01. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra - 26/12/2007
02. Guinga e sua Casa de Villa - 1/8/2007
03. Scott Henderson, guitarrista fora-de-série - 21/3/2007
04. Vale ouvir - 23/5/2007
05. Ofício x Formato - 15/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/3/2007
10h42min
Realmente, Scott Henderson, revolucionou a guitarra em sua forma dita, popularizou o jazz e o blues em suas formas mais interessantes, sua musica é repleta de idéias melódicas similiares as de grandes guitarristas que vão do blues ao jazz, como Buddy Guy e John Scofield, mas com uma característica própria e única. Na minha opinião se todos os guitarristas se espelhassem mais em profissionais com Scott, não veriamos tanta mediocridade nessa grande lixeira que é o nosso mercado fonográfico, que vem destruindo a criatividade e matando aqueles que ainda sentem o prazer em fazer o melhor e com qualidade. Scott é uma grande influência que agrada gregos e troianos, pois ir do blues ao jazz, com extrema destreza, feeling, técnica e criatividade, são apenas para aqueles que são iluminados pela musicalidade, para aqueles que sentem a música e não apenas a admiram! Grande matéria, parabéns a todos do Digestivo Cultural, é exatamente o que este país necessita: essencialmente, cultura e educação!!!
[Leia outros Comentários de Alexandre Junqueira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pareidolia
Luiz Franco
Escape
(2016)



Der Seewolf
Jack London
Deutsche Buch-Gemeinschaft
(1954)



Livro de bolso Guerra Primeira Guerra Mundial Pocket Encyclopaedia 886
Michael Howard
Lpm
(2013)



Invente alguma coisa
Chuck Palahniuk
Leya
(2020)



Automóveis de Ouro para um Povo Descalço
Vasconcelos Torres
Brasília
(1977)



Iniciação ao Estudo da Sociologia
Caroline B. Rose
Zahar
(1976)



A sabedoria do não 334
Mariliz Vargas
Rosea Nigra
(2009)



Curso Completo de Fotografia 1
Diversos
Rio Gráfica
(1981)



Intervalos
Francisco C. Xavier
O Clarim
(1981)



Privatização das Prisões
João Marcello de Araujo Junior
Revista dos Tribunais
(1995)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês