Scott Henderson, guitarrista fora-de-série | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/3/2007
Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
Rafael Fernandes

+ de 7300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Nascido em 1954 e criado na Flórida, Scott Henderson é um dos ícones da guitarra elétrica moderna. Idolatrado num pequeno nicho (muito provavelmente por sua música variar entre o jazz fusion e um blues-rock envenenado, estilos não muito populares, digamos) certamente não tem a reverência na proporção de seu talento e suor. Esteve no Brasil para shows no Festival Jazz & Blues em Guaramiranga e Fortaleza e para uma apresentação de embasbacar em São Paulo no pequeno e charmoso Ao Vivo Bar. A sensação de ver um mito - não por celebridade, mas por obra - a poucos metros de distância beira o indescritível. Uma ótima experiência em plena terça-feira de carnaval!

O guitarrista ficou inicialmente conhecido por integrar a Chick Corea's Eletric Band, mas chamou atenção mesmo na banda que liderou em parceria com o baixista Gary Willis - o Tribal Tech, uma banda de fusion "nervosa", que unia harmonia e melodia complexas típicas do jazz, divisões rítmicas quebradas e não usuais com uma pegada forte característica do rock. De 1986 a 2000 lançaram uma dezena de excelentes álbuns, com grandes músicas executadas com rigor e disposição. Gary Willis mudou-se dos EUA e o Tribal Tech parou suas atividades por tempo indeterminado. Graças ao YouTube podemos ainda ver pequenas mostras de suas apresentações. Aqui, a fantástica "The big wave", que abre o álbum Illicit de 1992 e aqui outra excelente, "Canine", de melodias insinuantes presente no álbum Face First, do ano seguinte.

Em 1998 e 2000, o guitarrista tocou num trio de arrasar, com o baterista Steve Smith e o baixista Victor Wooten, outros dois instrumentistas fora de série. Assim surgiu o Vital Tech Tones, nomeado a partir das bandas principais dos músicos: Vital Information (Smith), Tribal Tech e Bela Fleck and The Flectones (Wooten). Novamente é o fusion que aparece, mas numa sonoridade muito mais roqueira e limpa. As músicas iam surgindo de improvisos, gerando pérolas como "Crash course", "King Twang", "SubZero", "Catch me if u can", entre outras, presentes em seus dois discos auto-intitulados.

Sua carreira solo é mais ligada a uma sonoridade blues-rock - sem abdicar do fusion, claro - e afirma seu talento não apenas como guitarrista, mas também como compositor, já evidenciado no Tribal Tech. Em comparação ao Tribal, Scott solo tem sonoridade mais crua e livre dos teclados, que por vezes soavam enjoados e excessivamente ligados a uma sonoridade viciada do fusion dos anos 80. Foi iniciada paralelamente à sua banda principal em 1994 com o disco Dog Party, com várias referências a cachorros, a começar pela hilária capa. Musicalmente tem tanto canções instrumentais quanto vocais - mais uma marca do trabalho solo; alternam no posto de cantores Erin Mcguire e o baterista Kirk Covington. Entre os destaques estão a faixa título, "Hole Diggin'" e uma espécie de balada blues intrincada e num formato acústico - "Same as you". Essa faixa, aliás, é revisitada (numa versão elétrica) em Tore down house de 1996; outros achados deste disco são a faixa-título - outra "balada intrincada" - e "You get off on me", um rock nervoso. Well to the bone, de 2002, traz algumas das melhores músicas com vocais já compostas pelo guitarrista, como "Devil boy", "Lady P.", e a fantástica faixa-título. Scott Henderson Live!, de 2005, é seu disco mais recente e foi lançado no Brasil pela Hellion.

O guitarrista ficou do dia 18 ao dia 23 de fevereiro no Brasil basicamente para participar do Festival Jazz & Blues em Guaramiranga e Fortaleza, no Recife, que contou também com artistas como Egberto Gismonti, Arismar do Espírito Santo, Badi Assad, Oswaldino do Acordeon, entre outros. Felizmente deu um "pulinho" em São Paulo, para o show no Ao Vivo Bar e um workshop no Conservatório Souza Lima. Esteve acompanhado de dois excelentes músicos: John Humphrey (seu baixista mais assíduo) e o baterista Alan Hertz, substituindo quem o acompanha desde o disco Dog Party - Kirk Covington, que além de tocar, canta. Por isso, a apresentação de São Paulo foi estritamente instrumental; dividiu-se em dois sets de cerca de uma hora cada, com um intervalo de meia hora, no qual o guitarrista passou sentado à beira do palco, atendendo os fãs com autógrafos, fotos, apertos de mão, algumas conversas e recebendo tapinhas nas costas, com uma enorme simpatia e humildade. Aliás, humildade também presente antes do show, quando Scott entrou no palco para regular e afinar sua guitarra, gerando um misto de frisson e anticlímax.

O repertório guiou-se em seu último lançamento (que por sua vez se baseou no disco Well To The Bone), mas começou com um clássico: "All blues" (Miles Davis). Para destacar algumas das grandes performances da noite, fico com "Devil boy", que começa como um "rockão" nervoso e se transforma num blues - uma bela cama para os improvisos de Scott Henderson. Originalmente do disco Well To The Bone, se sustentou muito bem sem vocal e ficou extremamente pesada ao vivo. E essa foi a tônica da noite: peso e vigor, que não se fazem tão presentes em suas gravações de estúdio. Outros dois destaques vieram do mesmo disco: "Lady P." e "Sultan's boogie". Pegou uma música do repertório do Vital Tech Tones, "Nairobe Express" e do disco Live! veio "Silidin'".

Por último, "Hillbilly in the band" se inicia com uma série de licks com delays que desemboca num country esperto. Uma ótima música para encerrar o show por ser bastante representativa de seu estilo, que faz uso intenso da alavanca da guitarra, quase que ininterruptamente e alia isso a uma pegada forte, única, que torna seu tocar bastante expressivo; sua execução é cheia de nuances e dinâmicas. Amante do improviso, seu objetivo é sempre o fraseado coerente, que é consistente, bem feito e tem grande variedade melódica e rítmica. É claro que há espaço para um virtuosismo desenfreado, mas isso é o de menos - o importante é a comunicação através de suas idéias musicais, os solos devem ter começo meio e fim, como numa conversa ou num texto - e conseguem estar ligados ao contexto da música. Com suas execuções ao mesmo tempo estudadas, espontâneas e intensas, Scott Henderson é uma espécie de Jimi Hendrix moderno com estudo formal, e como nos grandes usa seu conhecimento a serviço da música, da espontaneidade, da criatividade. (E para os geeks da guitarra, vale ressalvar seu timbre quente e cortante, com um belo crunch; desculpem-me, mas não achei palavra melhor em português - os geeks que se virem pra entender...). Foi uma grande exibição de um dos ícones da guitarra mundial, para deleite dos amantes deste instrumento já não tão novo, mas que ainda tem muitas válvulas pra queimar.


Rafael Fernandes
São Paulo, 21/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
02. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
04. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
05. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2007
01. Guinga e sua Casa de Villa - 1/8/2007
02. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra - 26/12/2007
03. Scott Henderson, guitarrista fora-de-série - 21/3/2007
04. Ofício x Formato - 15/8/2007
05. Vale ouvir - 23/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/3/2007
10h42min
Realmente, Scott Henderson, revolucionou a guitarra em sua forma dita, popularizou o jazz e o blues em suas formas mais interessantes, sua musica é repleta de idéias melódicas similiares as de grandes guitarristas que vão do blues ao jazz, como Buddy Guy e John Scofield, mas com uma característica própria e única. Na minha opinião se todos os guitarristas se espelhassem mais em profissionais com Scott, não veriamos tanta mediocridade nessa grande lixeira que é o nosso mercado fonográfico, que vem destruindo a criatividade e matando aqueles que ainda sentem o prazer em fazer o melhor e com qualidade. Scott é uma grande influência que agrada gregos e troianos, pois ir do blues ao jazz, com extrema destreza, feeling, técnica e criatividade, são apenas para aqueles que são iluminados pela musicalidade, para aqueles que sentem a música e não apenas a admiram! Grande matéria, parabéns a todos do Digestivo Cultural, é exatamente o que este país necessita: essencialmente, cultura e educação!!!
[Leia outros Comentários de Alexandre Junqueira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REINVENTANDO A LIDERANÇA POR UMA ÉTICA DE VALORES
RENATA DI NIZO
SUMMUS
(2013)
R$ 27,00
+ frete grátis



DISCURSOS EM DIALOGOS: LEITURA, ESCRITA E GRAMATICA
ANA LÚCIA TINOCO CABRAL
TERRACOTA
(2011)
R$ 25,00



ILUSOES
RICHARD BACH
RECORD
R$ 8,00



BRANCA DE NEVE
CRISTINA MARQUES
TODOLIVRO
R$ 7,00



NEXT MOVE - STUDENTS BOOK
FIONA BEDDALL E JAYNE WILDMAN
PEARSON
(2013)
R$ 30,00



NOVA E INÉDITA HISTÓRIA DE PORTUGAL EM DISPARATES II
LUÍS DE MASCARENHAS GAIVÃO COMPILAÇÃO
EUROPA-AMÉRICA
(1990)
R$ 11,00



MUSICA AO LONGE
ERICO VERISSIMO
GLOBO
R$ 6,00



O LIVRO COMPLETO DOS MAÇONS
BARB KARG & JOHN K. YOUNG
MADRAS
(2008)
R$ 40,00



LES MÉTIERS DU BOIS, DU CUIR ET DE LA PAILLE
MARIUS GIBELIN
DE BORÉE
(2007)
R$ 110,00



A DOGMÁTICA JURÍDICA - 1ª EDIÇÃO - COLEÇÃO FUNDAMENTOS DO DIREITO
RUDOLF VON JHERING
ÍCONE
(2013)
R$ 35,95





busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês