Cuba e O Direito de Amar (3) | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/1/2021
Cuba e O Direito de Amar (3)
Marilia Mota Silva

+ de 5800 Acessos

Nas conversas que tive com cubanos, quando andava por Habana Vieja, curiosa para saber o que significavam as braçadeiras vermelhas que via por toda a parte, inclusive em crianças com uniforme escolar, aprendi o que era CDR - Comitê de Defesa da Revolução: um sistema de controle absoluto da população. A vigilância do Estado dentro de cada casa. Vigiar e denunciar: o que faz cada um, quais suas amizades, o que pensa, quem o visita, quantas vezes, onde vai, com quem conversa.

Vigiar e denunciar são valores que as crianças aprendem desde pequenas. Isso destrói o que é mais essencial na nossa vida: a confiança em família, entre pais e filhos, irmãos e amigos, disse isso ao velho garçom de boa-vontade, e ele respondeu que o CDR tinha também outras atividades importantes na vida comunitária: organizavam as festas como a que aconteceria hoje. Cuidavam que os bairros estivessem sempre limpos. Atendiam os que precisavam de ajuda. Ajudavam nas campanhas de vacinação.

Difícil entender como um país pode ser administrado com ingerência de um poder central nos mínimos detalhes: do pensamento dos cidadãos até o abastecimento de ítens básicos. Por exemplo, não espere encontrar papel higiênico nos banheiros dos bancos, bares, restaurantes. Nem mesmo no aeroporto. Só se encontra nos lugares exclusivos para turistas. Se economia é a arte de administrar a escassez, a administração cubana merece o Nobel.

Jantamos no hotel com os companheiros do México e da Argentina. Planes falou da conversa que teve com o motorista de táxi que o trouxe do aeroporto: cada cubano tem direito a 750 gramas de carne por mês, toda a alimentação é racionada. Existe muita prostituição, mas o pagamento é feito com comida ou roupa.

*****

28, quinta.
Fui à catedral. Entrei com uma turma de canadenses, o zelador logo me viu, fez sinal com a cabeça e o segui até a sacristia. Devolvi-lhe as cédulas, pedi desculpas. Ele retirou um bloco de pedra da parede e guardou lá o dinheiro, sem me olhar. Ainda hoje me arrependo por não ter comprado nada para ele ou para a filha.

Lamentei também estar tão mal informada antes da viagem. Poderia ter trazido a mala cheia de roupas, qualquer coisa seria útil para eles.

Na entrada da igreja, o mesmo homem rígido, assustava. Juntei-me a um grupo de canadenses que apreciava a arquitetura da catedral, as paredes de pedra, quando o mexicano Mazotti me encontrou. Passamos juntos o resto da manhã, transpirando no calor úmido e abafado. Os museus só abririam no dia seguinte. Vimos de fora a Academia de Ciências, uma réplica do Capitólio de Washington, o teatro Garcia Lorca, o prédio onde funcionava a Bolsa de Valores de Havana que agora era um restaurante para os funcionários do Banco Nacional de Cuba.

Entramos sem ser barrados, Mazzotti torceu o nariz olhando a comida nos bandejões, mas as pessoas comiam animadamente, embora sem ruído, e sem conversa que pudéssemos ouvir.

Saímos às pressas quando surgiram uns caras com expressão raivosa, andando em nossa direção, como se fossem nos interpelar ou pôr pra fora.

Queríamos tomar um drinque porque já estava na hora do almoço e mais uma vez pedi piña-colada. Não tinham. Só Morritos, o drinque preferido de ... .

Perguntei qual ingrediente estava em falta, porque eu não encontrava esse drinque em lugar nenhum. O garçon respondeu que não havia côco, nem piña, nem rum. Só rindo. Côco e abacaxi tinham que ser abundantes numa ilha cheia de praias e calor. E rum é sua bebida mais tradicional. Enfim...só morritos.

*****

À tarde, resolvi descansar meus pés. No Canal de Sol estava passando um filme em que Paul Newman ensina a um rapaz a ser um vencedor na sinuca. É um típico filme americano: o mais velho derrotado ensina o mais jovem a ser o melhor, e isso inclui dar-lhe uma lição decisiva, a de não ter pena de ninguém, a ser sério, profissional, duro: que use trapaça para forçar apostas mais altas, que o que importa é vencer. O objetivo maior deles é jogar em Atlantic City. Quando chegam lá, o salão de sinuca é filmado como um templo. Suntuoso, sublime. Começam pela parede dos fundos, que surge como se fosse um altar, a música lembra música religiosa. A câmera vai baixando até mostrar a série de mesas de jogo, alternando com o sempre lindo rosto de Paul Newman. É um hino ao individualismo, à competitividade, ao dinheiro, ao sucesso a qualquer preço. Uma escolha bem pensada para lembrar aos turistas a pobreza, o vazio dos valores no sistema capitalista.

À noite tivemos jantar com Santiago e Marta, diretores do BNC, no La Zaragozana, genuína cozinha cubana. Foi um jantar com vários pratos, como um menu de degustação. Aperitivos, bons vinhos, sobremesa e licor. E charutos. Eu suava frio, o cheiro piorava meu mal-estar. Mas a conversa foi animada. Santiago falou com ardor do regime socialista. Disse que seus pais eram gente humilde e ele nunca poderia ter chegado onde chegou em outro regime. Marta falou da saúde, com o mesmo entusiasmo. Perguntei sobre planejamento familiar e fiquei surpresa com a resposta. Eles não têm, ao contrário. Disse que os mais pobres têm muitos filhos porque a mulher fica de licença durante toda a gravidez e mais um ano depois do parto. Aí volta a trabalhar, mas pode tirar nova licença de um ano, depois de um mês de trabalho. Marta disse que estão estudando esse sistema que significa um grande peso para a sociedade.

Chegaram muitos brasileiros no hotel. No restaurante, no elevador, no saguão, na piscina, de cada dois grupos conversando, um é de brasileiros. Alguns vieram em voo charter da Vasp. Tem um grupo grande de empresários gaúchos e um grupo de mulheres; devem ter chegado ontem porque ainda não sabiam como funcionava o restaurante. *****

29, sexta.
Fiquei no hotel de manhã. A piscina é de água do mar, muito salgada. Havia poucos hóspedes nas espreguiçadeiras e o sol estava ameno. Acabei de ler o livro de Zuenir Ventura, "1968, o Ano Que Não Terminou". Um livro importante para conhecermos nossa história. Costa e Silva é mostrado como quase uma vítima das forças da direita O autor se baseou em pesquisas, mas fiquei me perguntando se o general teria tido mesmo tanto escrúpulo ao editar o AI-5. Almoçamos no hotel mesmo, no Restaurante L'Aiglon, com música cubana ao vivo.

À tarde, Pedro, que substituiu Ismael, nos levou para conhecer as praias do leste. O argentino perguntou se qualquer um podia passar as férias ali. Sim, claro, o motorista respondeu. É só reservar. As pessoas economizam durante o ano e depois gastam tudo nas férias.
Economizam como? Planes estava realmente interessado no sistema cubano. Se só recebem cupons de racionamento. Pedro ignorou a pergunta, e ficamos sem resposta. Continuamos apreciando a paisagem que passava à distância, velozmente: uma extensão de conjuntos habitacionais, uma escola para chefes do exército, uma West Point, disse Pedro, com o que há de melhor e mais moderno.

Nosso destino estava mais à frente. Descemos, pisamos descalços na areia grossa, apreciamos a linda praia, o mar e os coqueiros fustigados por um vento muito forte. Tudo limpo e bem organizado.

Havia grandes caixas d'água atrás dos coqueiros, com torneiras para que as pessoas pudessem se lavar na saída. Fui lavar os pés e as mãos antes de voltar para o carro, mas nenhuma delas funcionava. Havia grandes buracos de ferrugem e estavam vazias. A maresia corroera tudo.

Éramos só os quatro em toda a praia, tiramos fotos uns dos outros e seguimos em frente. Da estrada vimos um bairro com casas modernas, bonitas, e o argentino perguntou se podíamos parar ali para um café e água. Havia uma guarita na entrada, e o motorista saiu do carro para conversar com o guarda. Depois de longa negociação, em voz muito baixa, Pedro voltou sem dizer nada.

O guarda, com uma carranca de assustar, levantou a barra que bloqueava a passagem. Demos uma volta no bairro - na verdade fizemos um retorno, e saímos. A atmosfera era tensa e nem o argentino disse nada. Fomos `a outra praia, cheia de pedrinhas. Não dava para ir descalço, e o vento continuava muito forte. Estava quente, úmido e abafado, ninguém quis descer.

O motorista encontrou uma loja da Intur e pudemos comprar refrigerante e água. Depois de muita insistência, Pedro aceitou uma latinha de refrigerante. É contra a lei, disse, preocupado. O argentino comprou camisetas para seus chicos e niña.

À noite nossos anfitriões nos levaram ao Tropicana, um cabaret instalado entre árvores, com a "decoração tropical" esperada. Vimos os shows com plumas e lamês, típicos para turistas. Depois dos shows, dois, com pequeno intervalo, fomos bailar. Os músicos tocavam duas músicas e descansavam por dez a quinze minutos. Talvez para ninguém se animar demais. Mesmo assim bailamos, esperando pacientemente as longas pausas.

*****

30, sábado.
Saímos cedo para o aeroporto. Pedro ficou conosco até o embarque. Voo tranquilo em um velho Topolev, duas horas e dez minutos até o México.

Penso nos meus amigos que esperam com ansiedade meu relato, que reverenciam a Ilha e invejam suas conquistas.

Hoje, mais de trinta anos passados, gostaria de saber como está o país, como estão as pessoas que conheci brevemente, mas me ficaram na memória.


Marilia Mota Silva
Washington, 21/1/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
02. Cuba e O Direito de Amar (1) de Marilia Mota Silva
03. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 de Renato Alessandro dos Santos
04. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
05. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva
01. Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé - 21/10/2011
02. O Vendedor de Passados - 9/5/2018
03. Nuvem Negra* - 8/2/2017
04. Proposta Decente? - 20/8/2014
05. Defensores da Amazônia - 19/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Rio de Janeiro Verso e Reverso
José de Alencar
Serv Nac Teatro
(1972)



Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica
Kenneth L. Bontrager
Guanabara
(1999)



Não Há Silêncio Que Não Termine
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Gafe Não é Pecado
Claudia Matarazzo
Melhoramentos Jc
(1996)



Brasil as Cidades da Copa
Mauricio Simonetti
Escrituras
(2014)



Ouro Olímpico a História do Marketing dos Aros
Marcus Vinicius Freire e Deborah Ribeiro
Casa da Palavra
(2006)



Diário de uma garota nada popular
Rachel Renée Russe
Verus
(2012)



Ínri Tité - 1ª Edição
Babalorisa Mauro Tosun
Pallas
(2014)



O Divino, o Santo e a Senhora
Carlos Rodrigues Brandão
Funarte
(1978)



Responsabilidade do Estado pela Não Duração Razoável do Processo
Danielle Annoni
Abdr
(2009)





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês