Memorial de Berlim | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
>>> van Gogh: Os livros amarelos
>>> A terra do nunca
>>> O maior banco digital do mundo é brasileiro (2023)
>>> Digestivo empreendedor
Mais Recentes
>>> Os 12 Trabalhos de Hércules 587 de Marco Haurélio pela Cortez (2013)
>>> Turma Da Mônica - Princesas E Princesas de Mauricio de Sousa pela Girassol (2012)
>>> Livro Capa Dura Psicologia TAB: Transtorno Afetivo Bipolar Memórias de Kay Redfield Jamison pela Somos (2021)
>>> Nada Por Acaso de Richard Bach pela Hemus (1978)
>>> Livro Didático Gramática Teoria e Atividades de Paschoalin e Sapadoto pela Ftd (2014)
>>> Numeros Inteiros E Criptografia Rsa 587 de S. C. Coutinho pela Impa (2007)
>>> Nadando contra a morte de Lourenço Cazarré pela Formato (1998)
>>> Livro Gibis K-on! 2 de Kakifly pela New Pop (2011)
>>> Livro Literatura Brasileira O Aleph de Paulo Coelho pela Sextante (2010)
>>> Decisões de Marketing os 4 Ps 587 de Luciano Crocco pela Saraiva (2020)
>>> Livro Infanto Juvenis Simon And The Spy de Elizabeth Laird pela Pearson (2008)
>>> 10 Vols. La moda - Sécs. 16 a 20 (História da Moda) de Max Von Boehm pela Salvat (1928)
>>> Problemática da Amazônia de Vários Autores pela Bibliex (1971)
>>> A Segunda Simplicidade: Bem-Estar e Produtividade na Era da Sabedoria de Luciano Alves Meira pela Caminhos (2017)
>>> No tempo dos meus bisavós de Nye Ribeiro pela do Brasil (2013)
>>> Gótico Japonês de Akutagawa e outros pela Urso (2023)
>>> Livro Gibis Naruto Gold 1 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics (2021)
>>> Serial Killers Made In Brasil de Ilana Casoy pela Arx (2004)
>>> Gótico Japonês de Akutagawa e outros pela Urso (2023)
>>> Parábolas E Ensinamentos De Jesus de Cairbar Schutel pela O Clarim (1979)
>>> Gótico Japonês de Akutagawa e outros pela Urso (2023)
>>> Arte 1 e 2 - FGB Ensino Médio de Vários Autores pela Somos Eleva (2023)
>>> Livro Ensino de Idiomas Paul, Lisa & Co Kursbuch A1.1 de Monika Bovermann pela Hueber Verlag (2017)
>>> Livro Ensino de Idiomas Windows of the Mind Level 5 de Frank Brennan pela Cambridge (2001)
>>> Paisagem e Memória de Simon Schama pela Companhia das Letras (1996)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/12/2015
Memorial de Berlim
Marilia Mota Silva
+ de 10000 Acessos

Estive em Berlim, olhando restos do muro que durante mais de vinte anos dividiu a cidade. Não era um muro, simplesmente, eram muralhas paralelas. Entre os dois paredões ficava a Zona da Morte, com torres de vigia, cães e soldados treinados para matar qualquer coisa que se movesse.



Dos terraços do Memorial, na Bernauer Strasse, se vê partes dessa estrutura preservada para a história.

No chão, discretas em meio do gramado, várias placas indicam o local onde os que tentaram fugir tombaram fuzilados.Pessoas totalmente e sabidamente inocentes que só queriam ir e vir. Não aceitavam ser prisioneiras do Estado.

O muro contornava edificios, monumentos, atravessava praças, passava no meio de ruas e avenidas, bloqueava estações de metrô, isolava o Portão de Brandenburg, marco histórico da cidade, e o palácio do governo de cujas escadarias Hitler tantas vezes inflamou a multidão.

Mal comparando seria como construir uma muralha na frente do Teatro Municipal no Rio, separando-o da Cinelândia e do resto da cidade, e punindo com a morte quem tentasse passar para o outro lado; ou na Praça da Sé em São Paulo. Uma insanidade tão absoluta que se duvidaria que tivesse acontecido, não fosse tudo tão recente e bem documentado.

Não se divide uma cidade grande e antiga de um dia para o outro. O processo foi longo, bem planejado.
Primeiro separaram o fornecimento de gás, de luz, os trilhos dos bondes, as linhas de ônibus. O metrô foi proibido de parar nas estações do leste, que se tornaram estações-fantasma.
Construiram postos de controle com guardas armados. Puseram cercas provisórias de arame-farpado. Quando terminaram de construir o muro, aí sim, toda a comunicação foi interrompida. Famílias e amigos, separados para sempre, e sem direito a visita.

No Memorial de Berlim, assisti a depoimentos de pessoas comuns que viveram aqueles anos. Por que não fugiram enquanto era tempo, enquanto havia apenas postos de controle, quando o trânsito entre leste e oeste ainda era possível? Porque é dificil deixar o lugar onde se vive e eles não acreditavam que sua liberdade estivesse ameaçada. E assim adaptaram-se às novas ordens. As compras feitas "do outro lado" passíveis de confisco e punição nos postos de controle, eram escondidas como pequenos contrabandos. Os que tinham emprego no lado oeste se demitiram. Mudaram as crianças de escola.

O sistema político-econômico não os preocupava. O país havia dado a Hitler, a seu programa nacional-socialista, quase 100% de seus votos, conferindo-lhe todos os poderes.

A Alemanha perdeu a guerra, Hitler foi derrotado, mas ideologias não são destruídas pela força. E não é difícil entender que pessoas de boas intenções e bom coração se inclinassem por esses princípios:

- Contra o individualismo, contra o capitalismo. A favor do coletivismo. A favor de uma direção central da economia visando o bem comum. A favor do autoritarismo político com um líder no topo.
Compreensível que vissem nisso uma solução, dada a situação angustiante da Alemanha depois da I Grande Guerra.

Mas quando os muros se fecharam a sua volta, e se deram conta de que estavam presos, então cavaram túneis, tentaram escapar de todas as maneiras.

Os soldados que atiraram em pessoas inocentes e desarmadas, os burocratas diligentes na teia de poder do Estado, muitos dos que mantiveram esse sistema funcionando por tanto tempo, em princípio, talvez fossem movidos pelas melhores intenções. Muitos certamente se consideravam pessoas éticas, leais, idealistas, que para construir um mundo melhor para todos, mais justo, tinham que recorrer ao uso da força contra os que não compreendiam seus nobres objetivos. Em nome desse bem maior, tudo se justificava, e os bons e compassivos já não se distinguiam dos violentos, sádicos e destrutivos.

Cidade sofrida essa Berlim. Hitler e depois Stalin, crime e castigo. Bombardeada na II Guerra, dividida como despojo de batalha e dilapidada de novo pelos comunistas. Puseram abaixo palácios históricos com seus acervos de arte. Alguns estão sendo cuidadosamente reconstruidos.

Ainda hoje é marcante a diferença entre as duas partes de Berlim. Os prédios quadrados, pardos, despojados predominam em áreas do lado leste. Muitos já receberam fachadas novas ou foram inteiramente renovados. Mas leva tempo recuperar uma cidade.

Não deveria ser tao dificil encontrar uma forma de viver, de organizar a sociedade que dispensasse o autoritarismo, a violência do Estado, genocídios, muralhas, ou que permitisse que qualquer pessoa vivesse em condições miseráveis.

O mundo que temos reflete quem somos. No dia em que encararmos isso, e nos dispusermos a mudar no que for preciso, haverá mais justiça social, seja qual for o sistema de governo. Que não seja o previsto por George Orwell, admirável visionário, nem o abandono de pessoas a sua sorte, nem o esgotamento do planeta.


Marilia Mota Silva
Washington, 23/12/2015

Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2015
01. Memorial de Berlim - 23/12/2015
02. Minha Terra Tem Palmeiras - 15/7/2015
03. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade - 4/2/2015
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) - 25/2/2015
05. Pendurados no Pincel - 18/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La Isla Bajo El Mar
Isabel Allende
Sudamericana
(2009)



Ensaios de critica e Philosophia
Vários autores
Desconhecido



Livro Literatura Estrangeira A Sombra da Lua Três assassinatos numa pequena cidade. Não pode ser mera coincidência
John Sandford; Alves Calado
Arqueiro
(2012)



Introdução à Teoria dos Sistemas
C. West Churchman
Vozes
(1972)



Avon: a História da Primeira Empresa do Mundo Voltada para a Mulh
Laura Klepacki
Best Seller
(2006)



Punk Pedagogies Music, Culture and Learning
Gareth Dylan Smith
Sem



A corrosão do caráter
Richard Sennett
Record
(2008)



O Magistério Público na Vida de um Professor
Nilton Tolentino Espíndola
Tribo da Ilha
(2013)



Grandes Personagens da Nossa Historia - 5 Volumes
Abril Cultural
Abril Cultural
(1972)



Sexualidade: a Difícil Arte do Encontro
Lidia Rosenberg Aratangy
Ática
(1997)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês