Oderint Dum Metuant | Elton Mesquita | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
>>> Quando Meu Pai Perdeu o Emprego de Wagner Costa pela Moderna/ SP. (1993)
>>> Fernão Lopes: Suas Crónicas Perdidas e a Crônica Geral do Reino... de A. de Magalhães Basto pela Livr. Progredir/ Lisboa (1943)
>>> Decifrar pessoas de Jo-Ellan Dimitrius e Mark Mazzarella pela Alegro (2000)
>>> Como fazer sabões e artigos de toucador de Ribeiro de mello pela Icone (1987)
>>> Pokémon extreme Batalha épica no mundo de dentro de Venom Extreme pela Sextante (2016)
COLUNAS >>> Especial Guerra no Iraque

Sexta-feira, 28/3/2003
Oderint Dum Metuant
Elton Mesquita

+ de 5200 Acessos

Hoje pela manhã, este link chegou ao meu conhecimento, através deste blog.

Trata-se de um arquivo mp3 de um programa de rádio onde um refugiado iraquiano identificado como Muhammad discute com uma pacifista americana sobre a guerra iminente. "Como, exatamente, deixar Saddam no poder promoverá paz e justiça no Iraque?", Muhammad pergunta. A jovem não consegue montar uma frase coerente. Nervosa, ela ri e sai do tópico diversas vezes. Em alguns segundos, o ouvinte inteligente, mas desinformado, terá a impressão desagradável de que as manifestações pela paz não passam de balidos débeis emitidos por liberais bem-vestidos que não têm idéia sobre o que estão falando, quando na verdade a opção pela "Paz" nem sequer existe fora do contexto estrito de necessidade prima facie.

Ouvir, da boca de alguém que efetivamente passou pela opressão, uma argumentação apaixonada pela derrubada do regime de Saddam tem esse efeito. Pelo tom de voz de Muhammad, nota-se que este homem está comprometido com a causa da guerra. É a voz de ódio fomentado por anos de opressão. "Famílias perderam vinte, trinta parentes quando Saddam atacou a população com gás", ele diz. A jovem pacifista, reduzida pelo seu interlocutor enfurecido a uma "garotinha" armada de uma "simplista diplomacia nickelodeon", não sabe o que dizer.

Agora, pode-se simpatizar com os sentimentos de Muhammad - mas nunca aprovar a conclusão a que ele chega. Afinal de contas, este homem está em território seguro. Para uma amostra da diversidade de opiniões do iraquianos sobre a invasão, tente este link. É o blog de um iraquiano que está no Iraque, e que, em determinado momento, diz: "Ninguém aqui no Iraque é pró-guerra (veja, eu disse 'guerra', e não 'troca de regime'; nenhum ser humano arrazoado irá pedir a você que lhe administre a surra de sua vida, a não ser que você seja um membro do Clube da Luta, e se você ouvir iraquianos [no Iraque, não expatriados], dizendo 'Ei, bombaerdeiem com tudo', tenha certeza de que é o desespero e 10 anos de dureza e opressão falando. Não há uma única pessoa dentro do Iraque [e este é um 'dentro' em negrito, piscando e sublinhado] que esteja gritando e pulando pras bombas caírem. Não somos suicidas, sabe. Não todos nós, pelo menos".

Além disso, não é necessário muito esforço, nem ir muito longe, para constatar que os motivos realmente importantes para um posicionamento contra a atual invasão dos EUA ao território Iraquiano passam longe dos etéreos e provavelmente inatingíveis conceitos de "paz e justiça para todos num mundo perfeito". Trata-se, simplesmente, de uma questão de pragmatismo, honestidade - e, talvez o mais importante - precaução.

Ser contra a ação militar americana no Iraque seria uma reação automática beirando a fisiologia em qualquer ser humano com o mínimo de amor-próprio e respeito pela própria inteligência. Pois se os procedimentos diplomáticos da ONU foram desrespeitados, e se os protocolos e resoluções do Conselho de Segurança foram abertamente desmoralizados, não o foram mais que a inteligência dos cidadãos ao redor do mundo, que tiveram que conviver com falácias, desmentidos, rumores, escritórios grampeados, distorções dos fatos, pura e simples ESTUPIDEZ, incompetência e ignorância arrogante.

Esta, desde o princípio, tem sido uma campanha desonesta e burra, orquestrada por pessoas que conhecem a extensão do próprio poder e que desistiram de qualquer fachada de decência e humanidade fora dos horários de pronunciamento do presidente Bush. É uma campanha fundamentalmente errada e baseada em algumas das mais memoráveis distorções da realidade já vistas.

A não ser que seja possível se sentir confortável num cenário onde se é tratado como uma criança que pouco sabe, e que deveria deixar determinados assuntos nas mãos dos adultos, não vejo como se pode ser a favor deste ataque, que aliás não está começando agora: Mães iraquianas têm visto seus filhos morrer de desnutrição já desde o final da primeira Guerra do Golfo, por causa de um dos maiores embargos econômicos já perpetrados. E os EUA sabiam que Saddam não se importaria nem um pouco. Assim se configura um ato de irresponsabilidade criminosa tão monumental que chega a ser anestesiante, o que talvez explique, mas não justifique, o modo irresponsável como o tema da guerra têm sido tratado em alguns círculos da web. Compreendo que seja fácil e tentador exibir uma mordacidade que se basta em se imaginar desafiadora do status quo politicamente correto, quando não se sabe do horror diário que determinadas políticas têm infligido em certas regiões do mundo. Mas digressiono.

Vou tentar levantar alguns pontos baseados no meu argumento de que ser contra a invasão americana ao Iraque não significa necessariamente estar-se disposto a perder tempo com vagos sentimentos "boa-gente" pela Paz Mundial. Pela ordem:

Pragmatismo
Saddam Hussein foi derrotado na primeira Guerra do Golfo e fugiu. E descobrimos todos que errar não é só humano, como deve ser governamental, pois Saddam conseguiu fugir apesar de toda a vigilância da CIA em cima dele - e voltou ao poder. A intervenção americana não se aproveitou do fato de que o ditador tinha fugido para instalar um regime democrático. Por algum motivo, isso nunca aconteceu. Muhammad, nosso imigrante enfurecido, parece ter se esquecido disso. Portanto, primeiro: Não há garantias de que Saddam será deposto. E segundo: Não há garantias de que o presidente eleito após a guerra, se de fato os EUA conseguirem depor Saddam, não será uma cobra criada pela CIA como Noriega, Pol Pot, Bin Laden etc etc etc, ou seja, um mero fantoche dos interesses de Washington, que poderá, futuramente, se o padrão se repetir (e não há porque não se repetir), se voltar contra a mão que o alimenta.

Honestidade
A resolução 1411 do Conselho de Segurança da ONU - que exige do Iraque obediência às resoluções dos inspetores da ONU - não autoriza a intervenção militar. Não está no texto da resolução em nenhum lugar. Simples assim.

O Presidente Bush diz que 35 nações apóiam os Estados Unidos. De 193 reconhecidas pela ONU. Olhando a lista, encontramos países como Eritréia (quem?) e Etiópia (subitamente possuidora de inaudito peso político). O apoio da Turquia foi comprado - e a maioria da população turca se manifestou contra a guerra.

Não preciso lembrar que o ataque ao Iraque é o fato culminante da Campanha Contra o Terror (lembra?), que, por meios inescrutáveis a qualquer pessoa com o mínimo de amor à lógica, conseguiu ligar Osama Bin Laden a Saddam Hussein (nenhum dos seqüestradores dos aviões era iraquiano, e Osama já chamou o líder iraquiano de "infiel"). Irresponsabilidade mentirosa, manipulação dos fatos para interesse próprio. Injustificável e obsceno.

Um longo etc. se segue, abarcando escritórios da União Européia grampeados, documentos forjados, rumores desmentidos, mas por motivos de espaço não me será possível discorrer sobre todos.

Precaução
Qualquer capo da máfia ou valentão de jardim de infância poderá falar com autoridade sobre o que os EUA estão fazendo neste momento no cenário mundial. Se chama estabelecer credibilidade. A mensagem enviada a todas as nações do mundo é: "Não queremos e não precisamos de aprovação. Podemos fazer o que quisermos, onde quisermos, com quem quisermos, e não há nada que ninguém possa fazer a respeito disso". É fácil perceber o panorama que se desenha no horizonte, não a partir de agora (tivéssemos nós a sorte de dizer que este incidente "abre um precedente"), mas desde o final da Segunda Grande Guerra, quando os EUA começaram a estabelecer objetivamente sua política internacional. "Oderint dum metuant": "Que nos odeiem, contanto que nos temam".


Elton Mesquita
Rio de Janeiro, 28/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Predadores humanos de Gian Danton
02. Journey de André Graciotti
03. Ilustres convidados de Carla Ceres
04. A crise da pauta de Débora Costa e Silva
05. Depois do sexo... de Débora Costa e Silva


Mais Elton Mesquita
Mais Especial Guerra no Iraque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MESTRES DA INTERCOIFFURE MODA, ESSA ESPECIE DE VIRUS, MUTANTE FUGAZ
FERNANDO NATIVIDADE
ORANGE STAR
(2005)
R$ 30,00



REDES MÓVEIS - TECNOLOGIAS E ESPECTRO DE FREQÜENCIAS
VINÍCIUS OLIVEIRA CARAM GUIMARÃES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



A DAMA E O UNICÓRNIO
TRACY CHEVALIER
BERTRAND BRASIL
(2006)
R$ 15,00



QUERIDO DIÁRIO OTÁRIO 8 - NÃO É MINHA CULPA SE EU SEI DE TUDO
JIM BENTON
FUNDAMENTO
(2015)
R$ 34,00



PENSADORES
MARIO VITOR SANTOS
REALEJO
(2015)
R$ 54,90



BIBLIOTECA DA MATEMÁTICA MODERNA - VOLUME 5
ANTÔNIO MARMO DE OLIVEIRA E AGOSTINHO SILVA
LISA
(1976)
R$ 15,00



UM CERTO SUICÍDIO
PATRICIA HIGHSMITH
BEST SELLER
R$ 15,00



POLUIÇÃO DO AR: SAMUEL MURGEL BRANCO, EDUARDO MURGEL
SAMUEL MURGEL BRANCO; EDUARDO MURGEL
MODERNA
(1995)
R$ 8,00



MEMÓRIAS DE ADRIANO
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 4,90



OBSTETRÍCIA VOLUME 1 - DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ
EQUIPE MEDCURSO
MEDCURSO
(2012)
R$ 4,99





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês