Oderint Dum Metuant | Elton Mesquita | Digestivo Cultural

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
>>> O filósofo da contracultura
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
Mais Recentes
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
>>> As Paixões da Ciência Estudo de História das Ciências de Nilton Japiassu pela Letras & Letras (1991)
>>> Corra, Alex Cross de James Patterson pela Arqueiro (2014)
>>> Manual da Felicidade de José Hermógenes pela Universo paralelo
>>> Amaldiçoadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Despertada - Série House Of Night 8 de P. C. Cast + kristin Cast pela Novo Século (2017)
>>> Doutrinados de Trisha Leaver; Lindsay Currie pela Gutenberg (2016)
>>> Mestre das Chamas de Joe Hill pela Arqueiro (2017)
COLUNAS >>> Especial Guerra no Iraque

Sexta-feira, 28/3/2003
Oderint Dum Metuant
Elton Mesquita

+ de 8300 Acessos

Hoje pela manhã, este link chegou ao meu conhecimento, através deste blog.

Trata-se de um arquivo mp3 de um programa de rádio onde um refugiado iraquiano identificado como Muhammad discute com uma pacifista americana sobre a guerra iminente. "Como, exatamente, deixar Saddam no poder promoverá paz e justiça no Iraque?", Muhammad pergunta. A jovem não consegue montar uma frase coerente. Nervosa, ela ri e sai do tópico diversas vezes. Em alguns segundos, o ouvinte inteligente, mas desinformado, terá a impressão desagradável de que as manifestações pela paz não passam de balidos débeis emitidos por liberais bem-vestidos que não têm idéia sobre o que estão falando, quando na verdade a opção pela "Paz" nem sequer existe fora do contexto estrito de necessidade prima facie.

Ouvir, da boca de alguém que efetivamente passou pela opressão, uma argumentação apaixonada pela derrubada do regime de Saddam tem esse efeito. Pelo tom de voz de Muhammad, nota-se que este homem está comprometido com a causa da guerra. É a voz de ódio fomentado por anos de opressão. "Famílias perderam vinte, trinta parentes quando Saddam atacou a população com gás", ele diz. A jovem pacifista, reduzida pelo seu interlocutor enfurecido a uma "garotinha" armada de uma "simplista diplomacia nickelodeon", não sabe o que dizer.

Agora, pode-se simpatizar com os sentimentos de Muhammad - mas nunca aprovar a conclusão a que ele chega. Afinal de contas, este homem está em território seguro. Para uma amostra da diversidade de opiniões do iraquianos sobre a invasão, tente este link. É o blog de um iraquiano que está no Iraque, e que, em determinado momento, diz: "Ninguém aqui no Iraque é pró-guerra (veja, eu disse 'guerra', e não 'troca de regime'; nenhum ser humano arrazoado irá pedir a você que lhe administre a surra de sua vida, a não ser que você seja um membro do Clube da Luta, e se você ouvir iraquianos [no Iraque, não expatriados], dizendo 'Ei, bombaerdeiem com tudo', tenha certeza de que é o desespero e 10 anos de dureza e opressão falando. Não há uma única pessoa dentro do Iraque [e este é um 'dentro' em negrito, piscando e sublinhado] que esteja gritando e pulando pras bombas caírem. Não somos suicidas, sabe. Não todos nós, pelo menos".

Além disso, não é necessário muito esforço, nem ir muito longe, para constatar que os motivos realmente importantes para um posicionamento contra a atual invasão dos EUA ao território Iraquiano passam longe dos etéreos e provavelmente inatingíveis conceitos de "paz e justiça para todos num mundo perfeito". Trata-se, simplesmente, de uma questão de pragmatismo, honestidade - e, talvez o mais importante - precaução.

Ser contra a ação militar americana no Iraque seria uma reação automática beirando a fisiologia em qualquer ser humano com o mínimo de amor-próprio e respeito pela própria inteligência. Pois se os procedimentos diplomáticos da ONU foram desrespeitados, e se os protocolos e resoluções do Conselho de Segurança foram abertamente desmoralizados, não o foram mais que a inteligência dos cidadãos ao redor do mundo, que tiveram que conviver com falácias, desmentidos, rumores, escritórios grampeados, distorções dos fatos, pura e simples ESTUPIDEZ, incompetência e ignorância arrogante.

Esta, desde o princípio, tem sido uma campanha desonesta e burra, orquestrada por pessoas que conhecem a extensão do próprio poder e que desistiram de qualquer fachada de decência e humanidade fora dos horários de pronunciamento do presidente Bush. É uma campanha fundamentalmente errada e baseada em algumas das mais memoráveis distorções da realidade já vistas.

A não ser que seja possível se sentir confortável num cenário onde se é tratado como uma criança que pouco sabe, e que deveria deixar determinados assuntos nas mãos dos adultos, não vejo como se pode ser a favor deste ataque, que aliás não está começando agora: Mães iraquianas têm visto seus filhos morrer de desnutrição já desde o final da primeira Guerra do Golfo, por causa de um dos maiores embargos econômicos já perpetrados. E os EUA sabiam que Saddam não se importaria nem um pouco. Assim se configura um ato de irresponsabilidade criminosa tão monumental que chega a ser anestesiante, o que talvez explique, mas não justifique, o modo irresponsável como o tema da guerra têm sido tratado em alguns círculos da web. Compreendo que seja fácil e tentador exibir uma mordacidade que se basta em se imaginar desafiadora do status quo politicamente correto, quando não se sabe do horror diário que determinadas políticas têm infligido em certas regiões do mundo. Mas digressiono.

Vou tentar levantar alguns pontos baseados no meu argumento de que ser contra a invasão americana ao Iraque não significa necessariamente estar-se disposto a perder tempo com vagos sentimentos "boa-gente" pela Paz Mundial. Pela ordem:

Pragmatismo
Saddam Hussein foi derrotado na primeira Guerra do Golfo e fugiu. E descobrimos todos que errar não é só humano, como deve ser governamental, pois Saddam conseguiu fugir apesar de toda a vigilância da CIA em cima dele - e voltou ao poder. A intervenção americana não se aproveitou do fato de que o ditador tinha fugido para instalar um regime democrático. Por algum motivo, isso nunca aconteceu. Muhammad, nosso imigrante enfurecido, parece ter se esquecido disso. Portanto, primeiro: Não há garantias de que Saddam será deposto. E segundo: Não há garantias de que o presidente eleito após a guerra, se de fato os EUA conseguirem depor Saddam, não será uma cobra criada pela CIA como Noriega, Pol Pot, Bin Laden etc etc etc, ou seja, um mero fantoche dos interesses de Washington, que poderá, futuramente, se o padrão se repetir (e não há porque não se repetir), se voltar contra a mão que o alimenta.

Honestidade
A resolução 1411 do Conselho de Segurança da ONU - que exige do Iraque obediência às resoluções dos inspetores da ONU - não autoriza a intervenção militar. Não está no texto da resolução em nenhum lugar. Simples assim.

O Presidente Bush diz que 35 nações apóiam os Estados Unidos. De 193 reconhecidas pela ONU. Olhando a lista, encontramos países como Eritréia (quem?) e Etiópia (subitamente possuidora de inaudito peso político). O apoio da Turquia foi comprado - e a maioria da população turca se manifestou contra a guerra.

Não preciso lembrar que o ataque ao Iraque é o fato culminante da Campanha Contra o Terror (lembra?), que, por meios inescrutáveis a qualquer pessoa com o mínimo de amor à lógica, conseguiu ligar Osama Bin Laden a Saddam Hussein (nenhum dos seqüestradores dos aviões era iraquiano, e Osama já chamou o líder iraquiano de "infiel"). Irresponsabilidade mentirosa, manipulação dos fatos para interesse próprio. Injustificável e obsceno.

Um longo etc. se segue, abarcando escritórios da União Européia grampeados, documentos forjados, rumores desmentidos, mas por motivos de espaço não me será possível discorrer sobre todos.

Precaução
Qualquer capo da máfia ou valentão de jardim de infância poderá falar com autoridade sobre o que os EUA estão fazendo neste momento no cenário mundial. Se chama estabelecer credibilidade. A mensagem enviada a todas as nações do mundo é: "Não queremos e não precisamos de aprovação. Podemos fazer o que quisermos, onde quisermos, com quem quisermos, e não há nada que ninguém possa fazer a respeito disso". É fácil perceber o panorama que se desenha no horizonte, não a partir de agora (tivéssemos nós a sorte de dizer que este incidente "abre um precedente"), mas desde o final da Segunda Grande Guerra, quando os EUA começaram a estabelecer objetivamente sua política internacional. "Oderint dum metuant": "Que nos odeiem, contanto que nos temam".


Elton Mesquita
Rio de Janeiro, 28/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz de Jardel Dias Cavalcanti
02. Documentado errado de Eduardo Carvalho
03. O Segredo do Vovô Coelhão de Adriana Baggio


Mais Elton Mesquita
Mais Especial Guerra no Iraque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Homem Que Pagou a Dívida Externa do Brasil
João Bithencourt
Civilização Brasileira
(1995)
+ frete grátis



O Incrível Hulk Nº 121
Marvel
Abril
(1993)



Deliciosos e Disfarçados
Jessica Seinfeld
Ediouro Publicações
(2008)



A Solidão da Cidade na Pandemia e Antes Dela
Arlindo Gonçalves
Estronho
(2020)



Quase Tudo - Memorias
Danuza Leão
Cia das Letras
(2006)



Bases da Fisioterapia Respiratória
Maria da Glória Rodrigues Machado
Guanabara
(2013)



Dona Morte em: O segredo da vida... e da morte
Raphani Margiotta
Seleções
(2017)



Building Construction Inspection - a Guide For Architects
Jay Bannister
John Wiley & Sons
(1991)



Moderno Dicionário Escolar
Douglas Tufano
Moderna
(2005)



A Comunicação na Gestão da Sustentabilidade das Organizações
Margarida Maria Krohling Kunsch
Difusão
(2009)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês