A graça da coisa | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
>>> Um ano de blog
>>> Aracy Guimaraes Rosa
Mais Recentes
>>> Eu Fico Loko de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Paginas (2015)
>>> A Cidade de Melanie Wallace pela Benvira (2012)
>>> As Belas Coisas, Que é do Céu Contê-las de Dinaw Mengestu pela Nova Fronteira (2008)
>>> O Beijo das Sombras de Richelle Mead pela Rocco (2021)
>>> O Beijo das Sombras de Richelle Mead pela Rocco (2021)
>>> Pesadelos e Paisagens Noturnas - Vol.I de Stephen King pela Objetiva (2011)
>>> Temas de Psicologia Juridica de Leila Maria Torraca de Brito pela Relume Dumará (2005)
>>> Evangelho por Emmanuel - Comentários ao Evangelho Segundo Mateus de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2015)
>>> A Casa do Califa de Tahir Shah pela Roça Nova (2008)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Francisco - o Sol de Assis de Divaldo Franco e Cezar Braga Said pela Leal (2014)
>>> Salomé - o Encanto das Mulheres Que Surgem do Céu de Sandra Carneiro pela Vivaluz (2014)
>>> Eight early tantras of the great perfection - elixir ambrosia de Christopher wilkinson pela Christopher wilkinson (2016)
>>> O Homem Que Amava os Cachorros de Leonardo Padura pela Boitempo (2014)
>>> O fogo invisível: O segredo mais importante da humanidade está prestes a ser revelado de Javier Sierra pela Planeta (2018)
>>> Moreira da Silva: O último dos malandros de Alexandre Augusto pela Sonora (2013)
>>> O Bairro: Viva a Nossa Turma - Geografia e História de Aracy do R. Antunes; Maria de L. de A. Trindade pela Access (2013)
>>> Antes de Nascer o Mundo de Mia Couto pela Companhia das Letras (2016)
>>> Teogonia: A Origem dos Deuses- edição revisada e acrescida do original grego de Hesíodo pela Iluminuras (1995)
>>> Bíblia de Jerusalém - Média Encadernada de Deus e Vários autores pela Paulus (2004)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Abril Cultural (1979)
>>> Gente pequena também tem direitos de Malô Carvalho pela Autêntica (2012)
>>> Gramatyka? Dlaczego nie?!: Ćwiczenia gramatyczne dla poziomu A1 de Joanna Machowska pela Universitas (2014)
>>> Você e a Mediunidade de M. B. Tamassia pela O Clarim (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/7/2009
A graça da coisa
Pilar Fazito

+ de 5000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Confesso: por quase dez anos tenho sido uma internet addicted ou, em bom português, uma viciada em internet. Não dos que perdem noites de sono e permanecem 24h em frente à tela do computador, mas dos que acabam ficando mais conhecidos no mundo virtual do que no real, seja por fazer amizades virtuais ou por mostrar seu serviço na Web. No meu caso, ambos. Talvez isso tenha a ver com a minha maior facilidade em me expressar por escrito, em vez de oralmente ― e daí vem minha rejeição a telefone, celular e minha preferência por cartas, pombo-correio, e-mail, bilhetes e telegramas. Foram quase dez anos de vida mais bem sucedida na internet do que fora dela e eu poderia continuar dessa forma ad infinitum, mas, de repente, essa ciranda virtual perdeu a graça. E foi assim, de uma hora para outra.

Ainda tenho vasculhado cá dentro o motivo dessa perda de cor. Não sei se foi a decadência dos blogs, se foi a decadência do Orkut... Não sei se é o bombardeamento de informações cada vez mais vazias, o que tem feito o jornalismo parecer um fofocário em tempo real. Só sei que a cada dia está mais difícil permanecer mais de vinte minutos conectada ininterruptamente. Vinte minutos é o tempo que se leva para conferir a caixa de e-mails, ler o horóscopo do dia e, se for o caso, procurar alguma receita gastronômica. Já quando arrisco a conferir os posts do Twitter, aí é que tenho vontade de desligar tudo de uma vez e ir viver.

Minha irmã era monitora do laboratório de computação científica na universidade quando a internet ainda era um projeto tosco, mais conhecido como BITNET. O grande barato era a possibilidade de falar com pessoas desconhecidas, que viviam em lugares distantes e até falavam outro idioma. Até então, isso não acontecia nem mesmo pelo 145, serviço telefônico do disque-amizade. E como não existia TV a cabo, para ouvir alguém de outro país, só mesmo sintonizando o rádio AM com um bombril na antena para captar programas da União Soviética ou da Alemanha. Minha irmã chegava em casa contando sobre as pessoas que havia conhecido via BITNET e aquilo era empolgante.

Quando eu entrei na faculdade, a BITNET já havia se tornado internet e os laboratórios de computação viviam repletos de alunos que, entre as impressões de um e outro trabalho, gostavam mesmo era de matar aula para conversar demoradamente nas virtuais salas de bate-papo, ou chats. Pensando bem, era uma cena surreal e patética: um monte de gente preferia conversar com suas respectivas telas a virar para o lado e puxar assunto com o colega.

Dos chats, a internet passou a ser usada como fonte de pesquisa, até que surgiram os blogs. E aí foi outra febre. Eu entrei nessa onda um pouco atrasada, mas ainda fiz parte da época áurea dos blogs ― na internet o tempo passa rápido, então dizer que participei da primeira geração de blogueiros tem o mesmo efeito de dizer que participei do panelaço pelas Diretas Já, em Brasília.

O legal dos blogs naquela época era que eles ainda não existiam em número astronômico, então os blogueiros tinham mais facilidade em se visitar uns aos outros e "conhecer" melhor o estilo e a produção escrita de cada um. Além disso, muitos mantinham blogs temáticos, o que ajudava a associar o nome à "marca" e divertia bastante os leitores. Todo mundo que participou de blogs lá pelos idos de 2001 deve se lembrar, por exemplo, do Caderno Mágico do Denis; do sarcófago do Matusalém Matusca, a múmia da internet; do Blog de Deus, hilário; do De que jeito?; e do Jesus me chicoteia, ativo até hoje.

Nessa época, eu mantinha a personagem da Caipira Atormentada e embora não tivesse nenhuma pretensão de angariar leitores, mas apenas cultivar o exercício da escrita, até que o contador de acessos chegou a registrar um número considerável.

O engraçado era que esses blogueiros acabaram formando uma rede que se comunicava tanto pelos posts dos blogs quanto pelas caixas de comentários de leitores. Era comum um post polêmico causar uma discussão que se arrastava por mais de 200 comentários, o que deixava lento o carregamento da página. Então, o Orkut surgiu e concentrou essa gente toda e outras pessoas que, até então, sequer usavam a internet. Tudo girava em torno de comunidades temáticas, fóruns de discussão e testimonials. A ideia era inovadora e não demorou para se tornar popular. Os blogs foram esvaziando e muitos fecharam por falta de motivação.

As discussões via Orkut até eram interessantes no início, mas depois começaram a descambar para a retórica vazia e idiotizante. É que, de repente, os usuários estavam mais preocupados em contabilizar o número de "amigos" e competir entre si pela suposta popularidade virtual. Além disso, a falha do Orkut era que não havia muito controle das páginas pessoais: qualquer um pode adicionar o outro e vasculhar suas mensagens. Por muito tempo, mantive perfil no Orkut sem o menor interesse. Protelei o "orkuticídio" ao máximo por insistência de amigos do mundo real que diziam ser mais fácil me encontrar na web. Eu devia ter interpretado essa afirmação como um sinal de que algo não ia bem. Mas não me dei conta disso na época.

Um dia, ouvi um sujeito em uma palestra dizer que não tinha Orkut. Isso era quase como dizer que não tinha televisão, ou celular. A plateia achou estranho, mas ele falou que não fazia falta, que vivia bem sem o Orkut e que podia ser encontrado na vida real através dos trabalhos que realizava na universidade em que trabalhava. Na boca do outro, as coisas sempre parecem mais simples e aquelas palavras, para mim, soaram leves como a promessa das asas da liberdade. No mesmo dia, cometi o orkuticídio e dei um basta naquilo que, às vezes, me fazia sentir como se possuísse um chip sob a pele ou como se fosse rastreada por satélite.

Por um bom tempo, fui resistente aos convites de outras redes sociais, mas acabei me rendendo ao Facebook e ao odioso Twitter. O primeiro é um Orkut melhorado, já que a gente tem mais controle sobre os próprios dados, sobre quem nos adiciona e sobre nossa página pessoal. Já o segundo é o "muro das lamentações" da internet. Apesar do potencial de divulgação de informações úteis em tempo real, o que se vê ali, geralmente, é um festival de reclamações e notas mal-humoradas em 140 caracteres, atualizadas de segundo a segundo. Em menos de dez dias de uso, eu já havia cometido o "twitticídio". Depois ressucitei por insistência de amigos. Mas a cada dia tem sido mais difícil e broxante acompanhar aquelas frases chatas, procurando uma pérola em meio a tanta inutilidade. É bem verdade que, vez por outra, a gente acaba achando, mas o preço tem sido alto.

Penso cá comigo se devo sair de vez desse Twitter ou se devo dar mais uma chance, limando todo mundo cujos comentários irritam ou entediam ― e olha que nessa leva iriam pelo ralo muitos conhecidos e amigos. Outra saída seria criar outro perfil para manter só aqueles que falam coisas interessantes, mas isso daria um trabalho dobrado para manter essa vida virtual da qual ando me cansando.

O fato é que a internet tem perdido a graça. Não sei se é o Twitter, não sei se são as notícias do Uol e do Yahoo!, não sei se são os blogueiros que envelheceram ― ou que não cresceram. Não sei se o mundo ficou mais cinza depois que o Michael Jackson partiu, levando consigo o moonwalk ― o que será de nós sem o moonwalk? Pode ser tudo isso. Pode não ser nada disso. Vai ver sou eu que finalmente resolvi desligar esse computador e ir regar as plantas.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 6/7/2009


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2009
14h36min
"Why, Sir, you find no man, at all intellectual, who is willing to leave London. No, Sir, when a man is tired of London, he is tired of life; for there is in London all that life can afford." - Samuel Johnson
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
7/7/2009
10h40min
Pilar, parabéns! Você é uma mulher de bom senso! Há muito não comento nada por aqui; aliás, não comento nada em lugar nenhum na internet. Também estou de "saco cheio" das idiotices de blogs - Twitter, então..., que coisinha mais besta que inventaram; só gente que não tem o que fazer o utiliza, é o Poço das Vaidades. E o Orkut? É de uma bestialidade sem fim! Gente querendo se mostrar (até demais!). Por que essa gente não arruma alguma coisa pra fazer? Penso mesmo que a internet se tornará, em breve, só um meio para se enviar e-mail e para programas de TV digital; não servirá para mais nada. Já experimentou ler livros, por exemplo, pela internet? Que cáca! Livro e jornal são de papel mesmo, e não importa se reciclado ou não. E o Michael fará falta mesmo! Chega de blogs e comentários inócuos, como alguns que querem aparecer como inteligentes; alguns escrevem até em inglês! Deus nos livre! Abraços. Respeito você! I. Boris Vinha
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
7/7/2009
11h14min
Tenho a impressão que 2 coisas motivaram inicialmente a correria pela internet: o fator novidade é a primeira, tudo que é novo, pouco usual, nos atrai, e assim fomos nós. O segundo fator é a necessidade inata de pertencermos a um grupo. As comunidades virtuais preencheram um vazio que existe na cidade grande. As pessoas não se aproximam, as pessoas não se conhecem, e assim lá fomos nós para a internet, onde essa carência pôde ser suprida. Porém, o que era novidade já não é mais, e ter um blog ou pertencer a uma comunidade já não é mais um diferencial, e por isso perde a graça. Além disso, o "pertencer a uma comunidade" é relativo, e racionalizando percebe-se o quanto é artificial e vazia a comunidade virtual justamente porque expõe o quanto essa nossa necessidade é um instinto básico, ou uma simples carência de pertencer a um grupo de pessoas e ser reconhecido, e não um conjunto de valores que merece verdadeira admiração.
[Leia outros Comentários de Aluizio Machado]
10/11/2009
14h38min
Estou conhecendo agora o Digestivo Cultural (infelizmente) e gostaria de parabenizar, você, Pilar Fazito, pelo excelente texto. Me identifiquei bastante, principalmente pela linha do tempo. Estava achando que estava andando na contramão de tudo. Parabéns.
[Leia outros Comentários de João Paulo Matos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quarta Viagem de Colombo. Rumo as Ilhas das Especiarias
Carlos Guilherme Mota
Scipione
(1992)



Direito das Pessoas e das Famílias Doutrina e Jurisprudência
Moacir Cesar Pena Jr
Saraiva
(2008)



Propaganda e Marketing para Vestibular, Calouros, Curiosos...
Enderson Rafael
Novas Idéias
(2006)



O Povo dos Lírios
Wilhelm S. J. Speyer
A. W. Speyer
(1956)



Jaque Mate Al Obispo Virrey
Gregorio Bartolomé
Fondo de Cultura Economica
(1991)



Fisica I Analise Dimensional Estatica
Terezinha Jocelen Masson
Pleides
(2003)



A Morte do Brasil
Ledo Ivo
Record
(1984)



Gandhi Sua Vida e Mensagem para o Mundo
Louis Fischer
Martin Claret
(1983)



Macmillan Eng. Grammar in Context With Cd-rom-int. Intermediate
Michael Vince
Macmillan Education
(2008)



Arte de bem navegar toda a vela
Fernando Moretti
Ars poetica
(1994)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês