A graça da coisa | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O paraíso de Henry Miller
Mais Recentes
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
>>> Voices from Chernobyl de Svetlana Alexievich pela Dalkey Archive Press (2005)
>>> O Norte Agrário e o Império, 1871 - 1889 de Evaldo Cabral de Mello pela Topbooks (2008)
>>> Worlds of Labour - further studies in the history of labour de Eric J. Hobsbawm pela Weidenfeld and Nicolson (1984)
>>> Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos de Antonio Candido pela Ouro sobre Azul (2014)
>>> História do Brasil: uma interpretação de Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopez pela 34 (2015)
>>> História Concisa da Literatura Brasileira de Alfredo Bosi pela Cultrix (2015)
>>> A literatura portuguesa de Massaud Moisés pela Cultrix (2010)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. I - Das origens ao Romantismo de Massaud Moisés pela Cultrix (2012)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. II - Do Realismo à Belle Époque de Massaud Moisés pela Cultrix (2016)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/7/2009
A graça da coisa
Pilar Fazito

+ de 4600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Confesso: por quase dez anos tenho sido uma internet addicted ou, em bom português, uma viciada em internet. Não dos que perdem noites de sono e permanecem 24h em frente à tela do computador, mas dos que acabam ficando mais conhecidos no mundo virtual do que no real, seja por fazer amizades virtuais ou por mostrar seu serviço na Web. No meu caso, ambos. Talvez isso tenha a ver com a minha maior facilidade em me expressar por escrito, em vez de oralmente ― e daí vem minha rejeição a telefone, celular e minha preferência por cartas, pombo-correio, e-mail, bilhetes e telegramas. Foram quase dez anos de vida mais bem sucedida na internet do que fora dela e eu poderia continuar dessa forma ad infinitum, mas, de repente, essa ciranda virtual perdeu a graça. E foi assim, de uma hora para outra.

Ainda tenho vasculhado cá dentro o motivo dessa perda de cor. Não sei se foi a decadência dos blogs, se foi a decadência do Orkut... Não sei se é o bombardeamento de informações cada vez mais vazias, o que tem feito o jornalismo parecer um fofocário em tempo real. Só sei que a cada dia está mais difícil permanecer mais de vinte minutos conectada ininterruptamente. Vinte minutos é o tempo que se leva para conferir a caixa de e-mails, ler o horóscopo do dia e, se for o caso, procurar alguma receita gastronômica. Já quando arrisco a conferir os posts do Twitter, aí é que tenho vontade de desligar tudo de uma vez e ir viver.

Minha irmã era monitora do laboratório de computação científica na universidade quando a internet ainda era um projeto tosco, mais conhecido como BITNET. O grande barato era a possibilidade de falar com pessoas desconhecidas, que viviam em lugares distantes e até falavam outro idioma. Até então, isso não acontecia nem mesmo pelo 145, serviço telefônico do disque-amizade. E como não existia TV a cabo, para ouvir alguém de outro país, só mesmo sintonizando o rádio AM com um bombril na antena para captar programas da União Soviética ou da Alemanha. Minha irmã chegava em casa contando sobre as pessoas que havia conhecido via BITNET e aquilo era empolgante.

Quando eu entrei na faculdade, a BITNET já havia se tornado internet e os laboratórios de computação viviam repletos de alunos que, entre as impressões de um e outro trabalho, gostavam mesmo era de matar aula para conversar demoradamente nas virtuais salas de bate-papo, ou chats. Pensando bem, era uma cena surreal e patética: um monte de gente preferia conversar com suas respectivas telas a virar para o lado e puxar assunto com o colega.

Dos chats, a internet passou a ser usada como fonte de pesquisa, até que surgiram os blogs. E aí foi outra febre. Eu entrei nessa onda um pouco atrasada, mas ainda fiz parte da época áurea dos blogs ― na internet o tempo passa rápido, então dizer que participei da primeira geração de blogueiros tem o mesmo efeito de dizer que participei do panelaço pelas Diretas Já, em Brasília.

O legal dos blogs naquela época era que eles ainda não existiam em número astronômico, então os blogueiros tinham mais facilidade em se visitar uns aos outros e "conhecer" melhor o estilo e a produção escrita de cada um. Além disso, muitos mantinham blogs temáticos, o que ajudava a associar o nome à "marca" e divertia bastante os leitores. Todo mundo que participou de blogs lá pelos idos de 2001 deve se lembrar, por exemplo, do Caderno Mágico do Denis; do sarcófago do Matusalém Matusca, a múmia da internet; do Blog de Deus, hilário; do De que jeito?; e do Jesus me chicoteia, ativo até hoje.

Nessa época, eu mantinha a personagem da Caipira Atormentada e embora não tivesse nenhuma pretensão de angariar leitores, mas apenas cultivar o exercício da escrita, até que o contador de acessos chegou a registrar um número considerável.

O engraçado era que esses blogueiros acabaram formando uma rede que se comunicava tanto pelos posts dos blogs quanto pelas caixas de comentários de leitores. Era comum um post polêmico causar uma discussão que se arrastava por mais de 200 comentários, o que deixava lento o carregamento da página. Então, o Orkut surgiu e concentrou essa gente toda e outras pessoas que, até então, sequer usavam a internet. Tudo girava em torno de comunidades temáticas, fóruns de discussão e testimonials. A ideia era inovadora e não demorou para se tornar popular. Os blogs foram esvaziando e muitos fecharam por falta de motivação.

As discussões via Orkut até eram interessantes no início, mas depois começaram a descambar para a retórica vazia e idiotizante. É que, de repente, os usuários estavam mais preocupados em contabilizar o número de "amigos" e competir entre si pela suposta popularidade virtual. Além disso, a falha do Orkut era que não havia muito controle das páginas pessoais: qualquer um pode adicionar o outro e vasculhar suas mensagens. Por muito tempo, mantive perfil no Orkut sem o menor interesse. Protelei o "orkuticídio" ao máximo por insistência de amigos do mundo real que diziam ser mais fácil me encontrar na web. Eu devia ter interpretado essa afirmação como um sinal de que algo não ia bem. Mas não me dei conta disso na época.

Um dia, ouvi um sujeito em uma palestra dizer que não tinha Orkut. Isso era quase como dizer que não tinha televisão, ou celular. A plateia achou estranho, mas ele falou que não fazia falta, que vivia bem sem o Orkut e que podia ser encontrado na vida real através dos trabalhos que realizava na universidade em que trabalhava. Na boca do outro, as coisas sempre parecem mais simples e aquelas palavras, para mim, soaram leves como a promessa das asas da liberdade. No mesmo dia, cometi o orkuticídio e dei um basta naquilo que, às vezes, me fazia sentir como se possuísse um chip sob a pele ou como se fosse rastreada por satélite.

Por um bom tempo, fui resistente aos convites de outras redes sociais, mas acabei me rendendo ao Facebook e ao odioso Twitter. O primeiro é um Orkut melhorado, já que a gente tem mais controle sobre os próprios dados, sobre quem nos adiciona e sobre nossa página pessoal. Já o segundo é o "muro das lamentações" da internet. Apesar do potencial de divulgação de informações úteis em tempo real, o que se vê ali, geralmente, é um festival de reclamações e notas mal-humoradas em 140 caracteres, atualizadas de segundo a segundo. Em menos de dez dias de uso, eu já havia cometido o "twitticídio". Depois ressucitei por insistência de amigos. Mas a cada dia tem sido mais difícil e broxante acompanhar aquelas frases chatas, procurando uma pérola em meio a tanta inutilidade. É bem verdade que, vez por outra, a gente acaba achando, mas o preço tem sido alto.

Penso cá comigo se devo sair de vez desse Twitter ou se devo dar mais uma chance, limando todo mundo cujos comentários irritam ou entediam ― e olha que nessa leva iriam pelo ralo muitos conhecidos e amigos. Outra saída seria criar outro perfil para manter só aqueles que falam coisas interessantes, mas isso daria um trabalho dobrado para manter essa vida virtual da qual ando me cansando.

O fato é que a internet tem perdido a graça. Não sei se é o Twitter, não sei se são as notícias do Uol e do Yahoo!, não sei se são os blogueiros que envelheceram ― ou que não cresceram. Não sei se o mundo ficou mais cinza depois que o Michael Jackson partiu, levando consigo o moonwalk ― o que será de nós sem o moonwalk? Pode ser tudo isso. Pode não ser nada disso. Vai ver sou eu que finalmente resolvi desligar esse computador e ir regar as plantas.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 6/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Se um dia, uma culta viajante... de Ana Elisa Ribeiro
02. Horizonte perdido de Elisa Andrade Buzzo


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2009
14h36min
"Why, Sir, you find no man, at all intellectual, who is willing to leave London. No, Sir, when a man is tired of London, he is tired of life; for there is in London all that life can afford." - Samuel Johnson
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
7/7/2009
10h40min
Pilar, parabéns! Você é uma mulher de bom senso! Há muito não comento nada por aqui; aliás, não comento nada em lugar nenhum na internet. Também estou de "saco cheio" das idiotices de blogs - Twitter, então..., que coisinha mais besta que inventaram; só gente que não tem o que fazer o utiliza, é o Poço das Vaidades. E o Orkut? É de uma bestialidade sem fim! Gente querendo se mostrar (até demais!). Por que essa gente não arruma alguma coisa pra fazer? Penso mesmo que a internet se tornará, em breve, só um meio para se enviar e-mail e para programas de TV digital; não servirá para mais nada. Já experimentou ler livros, por exemplo, pela internet? Que cáca! Livro e jornal são de papel mesmo, e não importa se reciclado ou não. E o Michael fará falta mesmo! Chega de blogs e comentários inócuos, como alguns que querem aparecer como inteligentes; alguns escrevem até em inglês! Deus nos livre! Abraços. Respeito você! I. Boris Vinha
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
7/7/2009
11h14min
Tenho a impressão que 2 coisas motivaram inicialmente a correria pela internet: o fator novidade é a primeira, tudo que é novo, pouco usual, nos atrai, e assim fomos nós. O segundo fator é a necessidade inata de pertencermos a um grupo. As comunidades virtuais preencheram um vazio que existe na cidade grande. As pessoas não se aproximam, as pessoas não se conhecem, e assim lá fomos nós para a internet, onde essa carência pôde ser suprida. Porém, o que era novidade já não é mais, e ter um blog ou pertencer a uma comunidade já não é mais um diferencial, e por isso perde a graça. Além disso, o "pertencer a uma comunidade" é relativo, e racionalizando percebe-se o quanto é artificial e vazia a comunidade virtual justamente porque expõe o quanto essa nossa necessidade é um instinto básico, ou uma simples carência de pertencer a um grupo de pessoas e ser reconhecido, e não um conjunto de valores que merece verdadeira admiração.
[Leia outros Comentários de Aluizio Machado]
10/11/2009
14h38min
Estou conhecendo agora o Digestivo Cultural (infelizmente) e gostaria de parabenizar, você, Pilar Fazito, pelo excelente texto. Me identifiquei bastante, principalmente pela linha do tempo. Estava achando que estava andando na contramão de tudo. Parabéns.
[Leia outros Comentários de João Paulo Matos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PATOGENESE MOLECULAR E ESTRATÉGIA TERAPÊUTICAS DOS GLIOMAS
CLOVIS ORLANDO DA FONSECA
DILIVROS
(2000)
R$ 35,00



O PODER DA ORAÇÃO PARA MULHERES
JACKIE M. JOHNSON
THOMAS NELSON
(2011)
R$ 5,80



POESIA VICENTE DE CARVALHO
FAUSTO CUNHA
AGIR
(1977)
R$ 12,00



ESSÊNCIA DE TUDO
RONALDO VIEIRA
MEIRELES
(2017)
R$ 20,00



OS IRMÃOS INIMIGOS
NIKOS KAZANTZAKIS
CÍRCULO DO LIVRO
(1965)
R$ 5,00



BOM RETIRO
ELIEZER LEVIN
MARTINS
(1987)
R$ 14,00



LET'S SPEAK ENGLISH
LUCIANE CASSELA DE FIGUEIREDO
ÁTICA
(1996)
R$ 15,00



ARTE DE SER FELIZ
PAULO MANTEGAZZA
LIVRARIA CLÁSSICA
(1947)
R$ 15,00



PORTUGUÊS 7º ANO PARA VIVER JUNTOS
CIBELE LOPRESTI COSTA / ELIANE GOUVÊA LOUSADA E OUTROS
SM
(2012)
R$ 17,00



O ATENEU
RAUL POMPÉIA
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,90





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês