A graça da coisa | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgĺrd
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A casa da Poesia
>>> De Auschwitz a ClubMed
>>> À propos de Nice (1930)
>>> Sonhos olímpicos nos Lençóis Maranhenses
>>> Lifestyle Media
>>> A voz de Svetlana em Paraty
>>> São João del-Rei
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Where I End and You Begin
Mais Recentes
>>> São paulo , políticas públicas e habitação popular de Celine sachs pela Edusp (1999)
>>> Cidade de muros de Teresa pires do rio caldeira pela Edusp (2000)
>>> Por que democracia? de Francisco c weffort pela Brasiliense (1985)
>>> Por que democracia? de Francisco c weffort pela Brasiliense (1985)
>>> Da totalidade do lugar de Milton santos pela Edusp (2012)
>>> Região : espaço ,linguagem e poder de Jean rodrigues sales pela Alameda (2010)
>>> Economia política da urbanização de Paul singer pela Contexto (1998)
>>> Pequena história da agricultura brasileira de Tamás szmrecsányi pela Contexto (1998)
>>> Amêndoa de Nedjma pela Objetiva (2004)
>>> Tatu - Balão de Sônia Barros pela Alegria (2014)
>>> Papai! (Livro infantil) de Philippe Corentin pela Cosac Naify (2014)
>>> Documentos historicos municipais de Valeria agra pela C E H m (2011)
>>> Jurisdição Comunitária de Marcelino Meleu pela Lumen Juris (2014)
>>> O Estado e a Revolução de Lenin pela Expressão Popular (2007)
>>> Pedagogia e estética do teatro do oprimido: Marcas da arte teatral na gestão pública de Dodi Leal pela Hucitec (2015)
>>> Constitucionalismo Latino-Americano: Tendências Contemporâneas de Antonio Carlos Wolkmer , Milena Petters Melo pela Juruá (2013)
>>> Qu'est-ce que la démocratie? de Alain Touraine pela Le Livre de Poche (1997)
>>> Sobre a questão judaica de Karl Marx pela Boitempo (2010)
>>> O direito dos oprimidos de Boaventura de Sousa Santos pela Cortez (2015)
>>> La domination masculine de Pierre Bourdieu pela Éditions du Seuil (2002)
>>> Le citoyen de Marie Gaille (Apres.) pela Flammarion (1998)
>>> Le langage silencieux de Edward T. Hall pela Éditions du Seuil (2000)
>>> O 18 Brumário de Luis Bonaparte de Karl Marx pela Escriba (1968)
>>> Citoyenneté et politiques sociales de Annick Madec; Numa Murard pela Flammarion (1995)
>>> Sociologie de la vie politique française de Michel Offerlé pela La Découverte (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/7/2009
A graça da coisa
Pilar Fazito

+ de 4800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Confesso: por quase dez anos tenho sido uma internet addicted ou, em bom português, uma viciada em internet. Não dos que perdem noites de sono e permanecem 24h em frente à tela do computador, mas dos que acabam ficando mais conhecidos no mundo virtual do que no real, seja por fazer amizades virtuais ou por mostrar seu serviço na Web. No meu caso, ambos. Talvez isso tenha a ver com a minha maior facilidade em me expressar por escrito, em vez de oralmente ― e daí vem minha rejeição a telefone, celular e minha preferência por cartas, pombo-correio, e-mail, bilhetes e telegramas. Foram quase dez anos de vida mais bem sucedida na internet do que fora dela e eu poderia continuar dessa forma ad infinitum, mas, de repente, essa ciranda virtual perdeu a graça. E foi assim, de uma hora para outra.

Ainda tenho vasculhado cá dentro o motivo dessa perda de cor. Não sei se foi a decadência dos blogs, se foi a decadência do Orkut... Não sei se é o bombardeamento de informações cada vez mais vazias, o que tem feito o jornalismo parecer um fofocário em tempo real. Só sei que a cada dia está mais difícil permanecer mais de vinte minutos conectada ininterruptamente. Vinte minutos é o tempo que se leva para conferir a caixa de e-mails, ler o horóscopo do dia e, se for o caso, procurar alguma receita gastronômica. Já quando arrisco a conferir os posts do Twitter, aí é que tenho vontade de desligar tudo de uma vez e ir viver.

Minha irmã era monitora do laboratório de computação científica na universidade quando a internet ainda era um projeto tosco, mais conhecido como BITNET. O grande barato era a possibilidade de falar com pessoas desconhecidas, que viviam em lugares distantes e até falavam outro idioma. Até então, isso não acontecia nem mesmo pelo 145, serviço telefônico do disque-amizade. E como não existia TV a cabo, para ouvir alguém de outro país, só mesmo sintonizando o rádio AM com um bombril na antena para captar programas da União Soviética ou da Alemanha. Minha irmã chegava em casa contando sobre as pessoas que havia conhecido via BITNET e aquilo era empolgante.

Quando eu entrei na faculdade, a BITNET já havia se tornado internet e os laboratórios de computação viviam repletos de alunos que, entre as impressões de um e outro trabalho, gostavam mesmo era de matar aula para conversar demoradamente nas virtuais salas de bate-papo, ou chats. Pensando bem, era uma cena surreal e patética: um monte de gente preferia conversar com suas respectivas telas a virar para o lado e puxar assunto com o colega.

Dos chats, a internet passou a ser usada como fonte de pesquisa, até que surgiram os blogs. E aí foi outra febre. Eu entrei nessa onda um pouco atrasada, mas ainda fiz parte da época áurea dos blogs ― na internet o tempo passa rápido, então dizer que participei da primeira geração de blogueiros tem o mesmo efeito de dizer que participei do panelaço pelas Diretas Já, em Brasília.

O legal dos blogs naquela época era que eles ainda não existiam em número astronômico, então os blogueiros tinham mais facilidade em se visitar uns aos outros e "conhecer" melhor o estilo e a produção escrita de cada um. Além disso, muitos mantinham blogs temáticos, o que ajudava a associar o nome à "marca" e divertia bastante os leitores. Todo mundo que participou de blogs lá pelos idos de 2001 deve se lembrar, por exemplo, do Caderno Mágico do Denis; do sarcófago do Matusalém Matusca, a múmia da internet; do Blog de Deus, hilário; do De que jeito?; e do Jesus me chicoteia, ativo até hoje.

Nessa época, eu mantinha a personagem da Caipira Atormentada e embora não tivesse nenhuma pretensão de angariar leitores, mas apenas cultivar o exercício da escrita, até que o contador de acessos chegou a registrar um número considerável.

O engraçado era que esses blogueiros acabaram formando uma rede que se comunicava tanto pelos posts dos blogs quanto pelas caixas de comentários de leitores. Era comum um post polêmico causar uma discussão que se arrastava por mais de 200 comentários, o que deixava lento o carregamento da página. Então, o Orkut surgiu e concentrou essa gente toda e outras pessoas que, até então, sequer usavam a internet. Tudo girava em torno de comunidades temáticas, fóruns de discussão e testimonials. A ideia era inovadora e não demorou para se tornar popular. Os blogs foram esvaziando e muitos fecharam por falta de motivação.

As discussões via Orkut até eram interessantes no início, mas depois começaram a descambar para a retórica vazia e idiotizante. É que, de repente, os usuários estavam mais preocupados em contabilizar o número de "amigos" e competir entre si pela suposta popularidade virtual. Além disso, a falha do Orkut era que não havia muito controle das páginas pessoais: qualquer um pode adicionar o outro e vasculhar suas mensagens. Por muito tempo, mantive perfil no Orkut sem o menor interesse. Protelei o "orkuticídio" ao máximo por insistência de amigos do mundo real que diziam ser mais fácil me encontrar na web. Eu devia ter interpretado essa afirmação como um sinal de que algo não ia bem. Mas não me dei conta disso na época.

Um dia, ouvi um sujeito em uma palestra dizer que não tinha Orkut. Isso era quase como dizer que não tinha televisão, ou celular. A plateia achou estranho, mas ele falou que não fazia falta, que vivia bem sem o Orkut e que podia ser encontrado na vida real através dos trabalhos que realizava na universidade em que trabalhava. Na boca do outro, as coisas sempre parecem mais simples e aquelas palavras, para mim, soaram leves como a promessa das asas da liberdade. No mesmo dia, cometi o orkuticídio e dei um basta naquilo que, às vezes, me fazia sentir como se possuísse um chip sob a pele ou como se fosse rastreada por satélite.

Por um bom tempo, fui resistente aos convites de outras redes sociais, mas acabei me rendendo ao Facebook e ao odioso Twitter. O primeiro é um Orkut melhorado, já que a gente tem mais controle sobre os próprios dados, sobre quem nos adiciona e sobre nossa página pessoal. Já o segundo é o "muro das lamentações" da internet. Apesar do potencial de divulgação de informações úteis em tempo real, o que se vê ali, geralmente, é um festival de reclamações e notas mal-humoradas em 140 caracteres, atualizadas de segundo a segundo. Em menos de dez dias de uso, eu já havia cometido o "twitticídio". Depois ressucitei por insistência de amigos. Mas a cada dia tem sido mais difícil e broxante acompanhar aquelas frases chatas, procurando uma pérola em meio a tanta inutilidade. É bem verdade que, vez por outra, a gente acaba achando, mas o preço tem sido alto.

Penso cá comigo se devo sair de vez desse Twitter ou se devo dar mais uma chance, limando todo mundo cujos comentários irritam ou entediam ― e olha que nessa leva iriam pelo ralo muitos conhecidos e amigos. Outra saída seria criar outro perfil para manter só aqueles que falam coisas interessantes, mas isso daria um trabalho dobrado para manter essa vida virtual da qual ando me cansando.

O fato é que a internet tem perdido a graça. Não sei se é o Twitter, não sei se são as notícias do Uol e do Yahoo!, não sei se são os blogueiros que envelheceram ― ou que não cresceram. Não sei se o mundo ficou mais cinza depois que o Michael Jackson partiu, levando consigo o moonwalk ― o que será de nós sem o moonwalk? Pode ser tudo isso. Pode não ser nada disso. Vai ver sou eu que finalmente resolvi desligar esse computador e ir regar as plantas.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 6/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida muda no ponto de Elisa Andrade Buzzo
02. Então, foi Natal de Elisa Andrade Buzzo
03. Por uma arquitetura de verdade de Eduardo Carvalho
04. O estilo blog de ser de Adriana Baggio
05. E agora, Lula? de Heitor De Paola


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2009
14h36min
"Why, Sir, you find no man, at all intellectual, who is willing to leave London. No, Sir, when a man is tired of London, he is tired of life; for there is in London all that life can afford." - Samuel Johnson
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
7/7/2009
10h40min
Pilar, parabéns! Você é uma mulher de bom senso! Há muito não comento nada por aqui; aliás, não comento nada em lugar nenhum na internet. Também estou de "saco cheio" das idiotices de blogs - Twitter, então..., que coisinha mais besta que inventaram; só gente que não tem o que fazer o utiliza, é o Poço das Vaidades. E o Orkut? É de uma bestialidade sem fim! Gente querendo se mostrar (até demais!). Por que essa gente não arruma alguma coisa pra fazer? Penso mesmo que a internet se tornará, em breve, só um meio para se enviar e-mail e para programas de TV digital; não servirá para mais nada. Já experimentou ler livros, por exemplo, pela internet? Que cáca! Livro e jornal são de papel mesmo, e não importa se reciclado ou não. E o Michael fará falta mesmo! Chega de blogs e comentários inócuos, como alguns que querem aparecer como inteligentes; alguns escrevem até em inglês! Deus nos livre! Abraços. Respeito você! I. Boris Vinha
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
7/7/2009
11h14min
Tenho a impressão que 2 coisas motivaram inicialmente a correria pela internet: o fator novidade é a primeira, tudo que é novo, pouco usual, nos atrai, e assim fomos nós. O segundo fator é a necessidade inata de pertencermos a um grupo. As comunidades virtuais preencheram um vazio que existe na cidade grande. As pessoas não se aproximam, as pessoas não se conhecem, e assim lá fomos nós para a internet, onde essa carência pôde ser suprida. Porém, o que era novidade já não é mais, e ter um blog ou pertencer a uma comunidade já não é mais um diferencial, e por isso perde a graça. Além disso, o "pertencer a uma comunidade" é relativo, e racionalizando percebe-se o quanto é artificial e vazia a comunidade virtual justamente porque expõe o quanto essa nossa necessidade é um instinto básico, ou uma simples carência de pertencer a um grupo de pessoas e ser reconhecido, e não um conjunto de valores que merece verdadeira admiração.
[Leia outros Comentários de Aluizio Machado]
10/11/2009
14h38min
Estou conhecendo agora o Digestivo Cultural (infelizmente) e gostaria de parabenizar, você, Pilar Fazito, pelo excelente texto. Me identifiquei bastante, principalmente pela linha do tempo. Estava achando que estava andando na contramão de tudo. Parabéns.
[Leia outros Comentários de João Paulo Matos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Você é Demais Quando...
Carla Oliveira; Alexandre Bocci
Fundamento
(2002)
R$ 12,00



Meia-Noite em Pequim
Paul French
Fundamento
(2017)
R$ 49,80



Crime e Castigo
Dostoiévski
Nova Cultural
(2005)
R$ 50,00



Lanternas Verdes: Renascimento - Edição 2 Maio 2017
Dc Comics
Panini
(2017)
R$ 14,00



Living English Structure: a Practice Book For Foreign Students
W. Stannard Allen
Longman
(1974)
R$ 37,00



Projetos de 100 a 200 M2
Casa Dois
Casa Dois
(2000)
R$ 25,28



Ambiente Componentes e Interações - Ciências Vol. 2
Paulo Mauricio Silva S R Fontinha
Nacional
R$ 5,00



Madame Ex
Hervé Bazin
Abril
(1983)
R$ 10,00



Comentarios a Consolidaçao das Leis do Trabalho
Valentin Carrion
Saraiva
(2008)
R$ 5,13



O Viés do Acaso
Regina Moraes
Nova Era
(2010)
R$ 11,00





busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês