Plantar bananeira, assoviar e chupar cana | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
28338 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> Documentário "O Corpo em Terapia' estreia em São Paulo no Cinema Reserva Cultural
>>> EXPOSIÇÃO DOS FINALISTAS E ANÚNCIO DOS VENCEDORES DO 5º PRÊMIO DE ARQUITETURA INSTITUTO TOMIE OHTAK
>>> HOSPITAL CRUZ VERDE REALIZA LEILÃO DE ARTES BENEFICENTE EM SÃO PAULO
>>> Ópera rock curitibana concorre ao Troféu HQMIX, um dos mais importantes prêmios do cartoon nacional
>>> Jornada do Patrimônio: Shopping Pátio Higienópolis abre o casarão "Nhonhô Magalhães" para visitação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esperança segundo a ficção
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Michael Jackson, destinado ao eterno
>>> Quem destruiu Anita Malfatti?
>>> Influências da década de 1980
>>> Entrevista com Luis Salvatore
>>> TV pública ou estatal?
>>> Não quero ser Capitu
>>> Arrington pós-TechCrunch
>>> Como se vive uma vida vazia?
Mais Recentes
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1999)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1994)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1998)
>>> O Impeachment De Fernando Collor - Sociologia De Uma Crise de Brasilio Sallum Jr. pela 34 (2015)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Billy And The Queen de Stephen Rabley pela Longman (1996)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1999)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1993)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1996)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1991)
>>> A Máquina de Fazer Espanhóis de Valter Hugo Mãe pela Biblioteca Azul (2016)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1991)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1990)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1990)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1988)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Aleph (2014)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2014)
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> Caminhos de Saida do Estado de Menoridade de Alfonso M. Iacono pela Lacerda (2001)
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> As ideias de Marcuse de Alasdair MacIntyre pela Cultrix (1973)
>>> Fórmula para o Caos de Luiz Alberto Moniz Bandeira pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Ática/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Ática/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1987)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1988)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1990)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1992)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1990)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1985)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1985)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1992)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Segunda-feira, 20/7/2009
Plantar bananeira, assoviar e chupar cana
Pilar Fazito

+ de 5400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Toda vez que um escritor é entrevistado, ele tem que responder à pergunta de praxe: como é o seu processo de criação? Pedir a um escritor que relate seu método de criação é como dar um microfone a um cantor que sobe em um palco: isso diverte a plateia e envaidece quem está sob o brilho dos holofotes.

O escritor, então, pode passar horas narrando sua preparação diante da folha em branco, seus métodos criativos, o modo como invoca as musas, como a inspiração vem, o que bebe, o que fuma, o que ingere, se escreve em pé, sentado ou plantando bananeira. Dependendo do ego do escritor, essa simples pergunta é o suficiente para preencher toda uma Festa Literária de Paraty. Como se sabe, geralmente o ego de um escritor é uma entidade à parte; uma entidade bem espaçosa, diga-se.

Debater sobre métodos de criação só vale mesmo como hobby ou esporte, já que não há regras, não há consenso e cada um produz como lhe convém.

Nas oficinas de criação que Henfil ministrava, ele dava a dica para seus alunos, dizendo que havia três formas de produzir. A primeira baseava-se na teoria do cão preto, em que o sujeito imaginava que tinha que fugir de um enorme e feroz dógui ébano. A figura do cão preto representa deadlines, cumprimento de acordos ou qualquer outra coisa que exerça uma pressão sobre o criador. Quando se produz sob pressão, não é possível esperar a inspiração pousar em nossas mentes a seu bel prazer; não há escolha. É preciso produzir e apresentar logo o produto da criação.

Outra forma de criar é esperar pela inspiração. Quando a ideia genial passar voando diante dos olhos, o desenhista/escritor/artista deverá agarrá-la de uma vez. Mas ideias geniais são fugazes como borboletas: elas podem demorar muito para aparecer, a gente pode estar tão envolvido com outros pensamentos que fica difícil reconhecê-las quando elas aparecem e, por fim, nem sempre a gente tem meios de controlar o ambiente ― família, contas a pagar, compras de supermercado a fazer ― e serenar o espírito para simplesmente esperá-las.

Há quem produza bem sob pressão, é verdade. Em todo caso, Henfil dizia que do mesmo modo que não é bom ser refém da inspiração acidental, também não é bom ficar refém do cão preto. Isso porque tanto um quanto o outro, bem ou mal, limitam a criação. No caso da espera pela inspiração, a produção pode acabar virando uma atividade rara: um texto aparece hoje, outro daqui a quinze anos... Há quem produza uma única obra genial por toda a vida, mas, neste caso, é bom pensar em manter uma atividade profissional paralela ou dar um jeito de arranjar quem custeie nossa existência. Já no caso do cão preto, muitas vezes, o sujeito acaba apresentando um trabalho cru, que não teve tempo para ser melhor lapidado. Ademais, produzir sob pressão não deve fazer muito bem para a saúde cardíaca.

O ideal, segundo Henfil, é cada um perceber em que ambiente produz melhor, que ações e métodos facilitam seu trabalho e, a partir daí, cultivá-los. Voltar essa atenção para si ajudaria a encontrar um meio termo entre o cão preto e a inspiração fugaz.

Como essas condições são bastante pessoais, é engraçado ouvir de tudo entre aqueles que criam. Philip Roth e Ernest Hemingway são do time que escreve em pé. Joanne Howling criou a bem-sucedida série Harry Potter em cafés e bares, em meio a dificuldades financeiras e familiares. Assim como Balzac, ela não tinha dificuldade em criar em ambientes caóticos, ao contrário de João Cabral de Melo Neto, que produzia seus poemas com métodos matematicamente pensados.

Tem quem escreve em papel de embrulhar pão, quem só escreve à mão, ou que mantém um caderno de notas ao lado da cama e acende a luz do abajur no meio da noite para anotar ideias. Outros acordam cedo, põem um relógio bem à vista e não saem da cadeira enquanto não se passarem três horas ou enquanto não escreverem ao menos uma página.

Tudo depende de como o autor encara a escrita, que tipo de texto ele está produzindo, se é do tipo noturno ou matutino, conciso ou verborrágico, se sua narrativa se baseia mais em relatos de fatos e imagens ou se ele trabalha a linguagem de forma poética. E, neste caso, as emoções do momento falam muito: sei de gente que só consegue escrever quando não está bem, quando está triste ou deprimido. Condicionar a escrita às emoções é um grande problema. O melhor seria fazer como os bons atores, que conseguem desvincular as emoções dos personagens às que ele mesmo sente.

Escrever literatura, definitivamente, não é o mesmo que escrever teses acadêmicas. Geralmente, teses acadêmicas seguem um padrão, um modelo imposto. E quem domina essas técnicas não encontra a menor dificuldade em escrevê-las. O difícil é inovar e ser capaz de escrever teses de um modo quase literário. O risco de ficar ruim é grande, mas quando ficam boas, ficam ótimas ― e um exemplo é a dissertação de mestrado da Ana E.

Escrever um conto também não é o mesmo que escrever um romance. O romance precisa de fôlego e, mais ainda, de uma fé inabalável em si mesmo. Ao menos até o romance chegar ao fim. Caso contrário, é bem possível que o autor ache tudo o que escreveu uma droga e abandone a história no meio do caminho. Há quem planeje milimetricamente a trama do romance antes de iniciar o primeiro capítulo. Há outros que não fazem a menor ideia do que vão narrar e deixam a escrita guiá-los. E é interessante perceber que, à medida que o enredo ganha forma e os personagens se tornam convincentes, a história vai pedindo para ser contada.

Uma boa dica de quem escreve literatura é o distanciamento do texto no momento adequado. Ao final de um conto, por exemplo, vale deixá-lo engavetado por uns três meses e relê-lo depois desse tempo para se certificar de que ele está bom. Às vezes a gente termina de escrever achando tudo bárbaro e, três meses depois, vê que o texto não era lá nenhuma obra-prima. Em outras vezes ocorre o contrário.

O fato é que a gente se encanta ao ouvir os escritores falarem de seus sucessos, mas ninguém fala dos fracassos e das duzentas ideias idiotas, pobres e cheias de clichês que precederam o conto ou o romance bem-sucedido. Geralmente, são essas ideias ruins que permitem o nascimento de um bom texto. Para isso, é preciso ter em mente que literatura é construção e, na maioria das vezes, é preciso reescrever diversas vezes, reestruturar a trama da história, matar personagens, criar ou fundir outros, alterar diálogos etc., até chegarmos a um bom material. Mas até mesmo a insistência nesse processo de construção literária depende da disposição e do método criativo do escritor.

A título de hobby, esporte e vaidade
Sou escritora de hábitos noturnos. Mantenho cadernos de nota ao lado da cama e já virei várias noites escrevendo. Não consigo me forçar a escrever ao menos um parágrafo por dia ou permanecer religiosamente três horas por dia diante de uma folha de papel. Escrevo de supetão ou não escrevo. Se depois de meia hora não sair mais que um parágrafo, levanto e vou dar uma volta. Tenho deadlines em mente, mas tento não trabalhar em cima da hora.

Se um personagem precisa de uma emoção que eu não estou sentindo no momento, escolho uma música que transmita aquela sensação e escrevo ouvindo-a. Isso ajuda a entrar no clima desejado. E embora possa ser difícil entrar no personagem, no narrador-personagem e na história, certamente é mais difícil ainda sair deles.

Não consigo me aprofundar em leituras quando estou escrevendo algo mais extenso porque sempre acabo me "contaminando" com o estilo do autor que leio. Para ter boas técnicas é preciso ser um bom leitor, mas para ter boas ideias, acho mais importante ser um bom "flanador": sair sem rumo e simplesmente observar as pessoas e as coisas à nossa volta, se importar com elas e tentar sentir o que elas sentem ou imaginar o que elas estão pensando; é o que nos faz ter o que dizer.

Cada um precisa encontrar a própria forma de criar e de produzir. E para encontrá-las é preciso entrar um pouco em silêncio e ser também um bom observador de si mesmo.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 20/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
02. Livrarias de Ricardo de Mattos
03. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
04. Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre de Jardel Dias Cavalcanti
05. De olho em você de Marilia Mota Silva


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
04. @mores bizarros - 6/4/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/7/2009
01h25min
Bravo, Pilar, mais uma de suas pérolas! Adorei o texto, amei a tríade do Henfil (grato pela lição): bye, bye, Brasil, tem sempre um dógui ébano trás de mim... Interessante a tua maneira de escrever, ela se assemelha à minha! Eu coleciono agendas, e nelas registro os meus rabiscos.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
23/7/2009
23h55min
É interessante analisar um escritor como um "profissional" da literatura, porque sempre se tem a ideia de que sua obra nasce da pura inspiração, de um dom pronto e acabado e não da construção, elaboração e aprimoramento, enfim. Nunca pensamos no autor como alguém falível. Quando lemos uma obra, jamais pensamos nos fracassos e falhas do autor. Isto acaba ficando por conta dos críticos. Eu adoro especular com as palavras, é uma ferramenta e tanto. Obrigada pelas dicas!
[Leia outros Comentários de Melinda Bauer]
25/7/2009
21h10min
Um professor de literatura, certa vez, endossou as palavras do poeta francês Baudelaire de que o autor, na maioria das vezes, mantém distanciamento das suas personagens. Baseado nas referências do seu texto, com as quais concordo, fica a pergunta: e o eu-lírico, onde fica? Assim como você e os autores citados, concordo que há um processo de adesão às personagens. Encarnação, reencarnação... que importa?
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



101 ALIMENTOS PARA UMA VIDA PLENA
DAVID GROTTO
LAROUSSE
(2010)
R$ 27,90



SÓ O AMOR PODE ALCANÇAR- JORNADA DA ALMA PARA A NUVEM DO NÃO-SABER
JOHN KIRVAN
VERUS
(1996)
R$ 14,00



MANUAL BIBLIOGRÁFICO DE ESTUDOS BRASILEIROS - VOL. 01
RUBENS BORBA DE MORAIS (ORG.)
SENADO FEDERAL
(1998)
R$ 99,90



FOTONOVELA ERÓTICA Nº 13 - UMA SENHORA SURUBA
EDITORA PUBLIECO
PUBLIECO
(1982)
R$ 7,09



CURSO DE ELETROTÉCNICA SEGUNDO VOLUME II CORRENTE ALTERNADA
CHESTER L. DAWES
GLOBO
(1979)
R$ 27,00



MITSOU OU COMMENT L ESPRIT VIENT AUX FILLES
AUTOR COLETTE
FAYARD
(1970)
R$ 9,44



ALMOÇO E JANTAR - CONGELADOS (CAPA DURA)
NOVA CULTURAL
NOVA CULTURAL
(1985)
R$ 18,00



JESUS NOS LEVA AO PAI - LIVRO DO MESTRE 1
N. BORDEGHINI
PAULINAS
(1968)
R$ 8,83



E NO FINAL A MORTE
AGATHA CHRISTIE
L&PM
(2002)
R$ 18,00





busca | avançada
28338 visitas/dia
737 mil/mês