Plantar bananeira, assoviar e chupar cana | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Segunda-feira, 20/7/2009
Plantar bananeira, assoviar e chupar cana
Pilar Fazito

+ de 5700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Toda vez que um escritor é entrevistado, ele tem que responder à pergunta de praxe: como é o seu processo de criação? Pedir a um escritor que relate seu método de criação é como dar um microfone a um cantor que sobe em um palco: isso diverte a plateia e envaidece quem está sob o brilho dos holofotes.

O escritor, então, pode passar horas narrando sua preparação diante da folha em branco, seus métodos criativos, o modo como invoca as musas, como a inspiração vem, o que bebe, o que fuma, o que ingere, se escreve em pé, sentado ou plantando bananeira. Dependendo do ego do escritor, essa simples pergunta é o suficiente para preencher toda uma Festa Literária de Paraty. Como se sabe, geralmente o ego de um escritor é uma entidade à parte; uma entidade bem espaçosa, diga-se.

Debater sobre métodos de criação só vale mesmo como hobby ou esporte, já que não há regras, não há consenso e cada um produz como lhe convém.

Nas oficinas de criação que Henfil ministrava, ele dava a dica para seus alunos, dizendo que havia três formas de produzir. A primeira baseava-se na teoria do cão preto, em que o sujeito imaginava que tinha que fugir de um enorme e feroz dógui ébano. A figura do cão preto representa deadlines, cumprimento de acordos ou qualquer outra coisa que exerça uma pressão sobre o criador. Quando se produz sob pressão, não é possível esperar a inspiração pousar em nossas mentes a seu bel prazer; não há escolha. É preciso produzir e apresentar logo o produto da criação.

Outra forma de criar é esperar pela inspiração. Quando a ideia genial passar voando diante dos olhos, o desenhista/escritor/artista deverá agarrá-la de uma vez. Mas ideias geniais são fugazes como borboletas: elas podem demorar muito para aparecer, a gente pode estar tão envolvido com outros pensamentos que fica difícil reconhecê-las quando elas aparecem e, por fim, nem sempre a gente tem meios de controlar o ambiente ― família, contas a pagar, compras de supermercado a fazer ― e serenar o espírito para simplesmente esperá-las.

Há quem produza bem sob pressão, é verdade. Em todo caso, Henfil dizia que do mesmo modo que não é bom ser refém da inspiração acidental, também não é bom ficar refém do cão preto. Isso porque tanto um quanto o outro, bem ou mal, limitam a criação. No caso da espera pela inspiração, a produção pode acabar virando uma atividade rara: um texto aparece hoje, outro daqui a quinze anos... Há quem produza uma única obra genial por toda a vida, mas, neste caso, é bom pensar em manter uma atividade profissional paralela ou dar um jeito de arranjar quem custeie nossa existência. Já no caso do cão preto, muitas vezes, o sujeito acaba apresentando um trabalho cru, que não teve tempo para ser melhor lapidado. Ademais, produzir sob pressão não deve fazer muito bem para a saúde cardíaca.

O ideal, segundo Henfil, é cada um perceber em que ambiente produz melhor, que ações e métodos facilitam seu trabalho e, a partir daí, cultivá-los. Voltar essa atenção para si ajudaria a encontrar um meio termo entre o cão preto e a inspiração fugaz.

Como essas condições são bastante pessoais, é engraçado ouvir de tudo entre aqueles que criam. Philip Roth e Ernest Hemingway são do time que escreve em pé. Joanne Howling criou a bem-sucedida série Harry Potter em cafés e bares, em meio a dificuldades financeiras e familiares. Assim como Balzac, ela não tinha dificuldade em criar em ambientes caóticos, ao contrário de João Cabral de Melo Neto, que produzia seus poemas com métodos matematicamente pensados.

Tem quem escreve em papel de embrulhar pão, quem só escreve à mão, ou que mantém um caderno de notas ao lado da cama e acende a luz do abajur no meio da noite para anotar ideias. Outros acordam cedo, põem um relógio bem à vista e não saem da cadeira enquanto não se passarem três horas ou enquanto não escreverem ao menos uma página.

Tudo depende de como o autor encara a escrita, que tipo de texto ele está produzindo, se é do tipo noturno ou matutino, conciso ou verborrágico, se sua narrativa se baseia mais em relatos de fatos e imagens ou se ele trabalha a linguagem de forma poética. E, neste caso, as emoções do momento falam muito: sei de gente que só consegue escrever quando não está bem, quando está triste ou deprimido. Condicionar a escrita às emoções é um grande problema. O melhor seria fazer como os bons atores, que conseguem desvincular as emoções dos personagens às que ele mesmo sente.

Escrever literatura, definitivamente, não é o mesmo que escrever teses acadêmicas. Geralmente, teses acadêmicas seguem um padrão, um modelo imposto. E quem domina essas técnicas não encontra a menor dificuldade em escrevê-las. O difícil é inovar e ser capaz de escrever teses de um modo quase literário. O risco de ficar ruim é grande, mas quando ficam boas, ficam ótimas ― e um exemplo é a dissertação de mestrado da Ana E.

Escrever um conto também não é o mesmo que escrever um romance. O romance precisa de fôlego e, mais ainda, de uma fé inabalável em si mesmo. Ao menos até o romance chegar ao fim. Caso contrário, é bem possível que o autor ache tudo o que escreveu uma droga e abandone a história no meio do caminho. Há quem planeje milimetricamente a trama do romance antes de iniciar o primeiro capítulo. Há outros que não fazem a menor ideia do que vão narrar e deixam a escrita guiá-los. E é interessante perceber que, à medida que o enredo ganha forma e os personagens se tornam convincentes, a história vai pedindo para ser contada.

Uma boa dica de quem escreve literatura é o distanciamento do texto no momento adequado. Ao final de um conto, por exemplo, vale deixá-lo engavetado por uns três meses e relê-lo depois desse tempo para se certificar de que ele está bom. Às vezes a gente termina de escrever achando tudo bárbaro e, três meses depois, vê que o texto não era lá nenhuma obra-prima. Em outras vezes ocorre o contrário.

O fato é que a gente se encanta ao ouvir os escritores falarem de seus sucessos, mas ninguém fala dos fracassos e das duzentas ideias idiotas, pobres e cheias de clichês que precederam o conto ou o romance bem-sucedido. Geralmente, são essas ideias ruins que permitem o nascimento de um bom texto. Para isso, é preciso ter em mente que literatura é construção e, na maioria das vezes, é preciso reescrever diversas vezes, reestruturar a trama da história, matar personagens, criar ou fundir outros, alterar diálogos etc., até chegarmos a um bom material. Mas até mesmo a insistência nesse processo de construção literária depende da disposição e do método criativo do escritor.

A título de hobby, esporte e vaidade
Sou escritora de hábitos noturnos. Mantenho cadernos de nota ao lado da cama e já virei várias noites escrevendo. Não consigo me forçar a escrever ao menos um parágrafo por dia ou permanecer religiosamente três horas por dia diante de uma folha de papel. Escrevo de supetão ou não escrevo. Se depois de meia hora não sair mais que um parágrafo, levanto e vou dar uma volta. Tenho deadlines em mente, mas tento não trabalhar em cima da hora.

Se um personagem precisa de uma emoção que eu não estou sentindo no momento, escolho uma música que transmita aquela sensação e escrevo ouvindo-a. Isso ajuda a entrar no clima desejado. E embora possa ser difícil entrar no personagem, no narrador-personagem e na história, certamente é mais difícil ainda sair deles.

Não consigo me aprofundar em leituras quando estou escrevendo algo mais extenso porque sempre acabo me "contaminando" com o estilo do autor que leio. Para ter boas técnicas é preciso ser um bom leitor, mas para ter boas ideias, acho mais importante ser um bom "flanador": sair sem rumo e simplesmente observar as pessoas e as coisas à nossa volta, se importar com elas e tentar sentir o que elas sentem ou imaginar o que elas estão pensando; é o que nos faz ter o que dizer.

Cada um precisa encontrar a própria forma de criar e de produzir. E para encontrá-las é preciso entrar um pouco em silêncio e ser também um bom observador de si mesmo.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 20/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
03. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
04. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/7/2009
01h25min
Bravo, Pilar, mais uma de suas pérolas! Adorei o texto, amei a tríade do Henfil (grato pela lição): bye, bye, Brasil, tem sempre um dógui ébano trás de mim... Interessante a tua maneira de escrever, ela se assemelha à minha! Eu coleciono agendas, e nelas registro os meus rabiscos.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
23/7/2009
23h55min
É interessante analisar um escritor como um "profissional" da literatura, porque sempre se tem a ideia de que sua obra nasce da pura inspiração, de um dom pronto e acabado e não da construção, elaboração e aprimoramento, enfim. Nunca pensamos no autor como alguém falível. Quando lemos uma obra, jamais pensamos nos fracassos e falhas do autor. Isto acaba ficando por conta dos críticos. Eu adoro especular com as palavras, é uma ferramenta e tanto. Obrigada pelas dicas!
[Leia outros Comentários de Melinda Bauer]
25/7/2009
21h10min
Um professor de literatura, certa vez, endossou as palavras do poeta francês Baudelaire de que o autor, na maioria das vezes, mantém distanciamento das suas personagens. Baseado nas referências do seu texto, com as quais concordo, fica a pergunta: e o eu-lírico, onde fica? Assim como você e os autores citados, concordo que há um processo de adesão às personagens. Encarnação, reencarnação... que importa?
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA DE EMPRESA
FRANCISCO GOMES DE MATOS
MCGRAW-HILL
(1993)
R$ 10,00



COMO VIVER EM HARMONIA COM O CANCER - 1ª EDIÇÃO
CELSO MASSUMOTO
CULTRIX
(2012)
R$ 27,00



ROYAL MARINE COMMANDO 7 - FIQUE EM PERFEITA FORMA
SIMON COOK - TONY TOMS
HEMUS
(1982)
R$ 7,80



NUEVO LISTO - CUADERNO DE EXÁMENES - ESPAÑOL
ROBERTA AMENDOLA
MODERNA
(2012)
R$ 7,00



UMA NOVA VISÃO DO SETOR POSTAL BRASILEIRO
MARIA NEUENSCHWANDER ESCOSTEGUY CARNEIRO
LUMEN JURIS
(2006)
R$ 19,82



HOMEM-ARANHA #122 VIDAS EM RISCO!
MARVEL
PANINI COMICS
(2012)
R$ 15,00



PROJETO BURITI - CIÊNCIAS 5
VIRGINA AOKI
MODERNA
(2009)
R$ 30,00



SEGREDOS DE MULHER A DESCOBERTA DO SAGRADO FEMININO
MARIA SILVIA P ORLOVAS
MADRAS
(2010)
R$ 61,75



MIDAS E SADIM. TUDO O QUE VOCE PRECISA EVITAR PARA TER SUCESSO
RICARDO BELLINO
CAMPUS
(2006)
R$ 5,00



GESTAO DE MARKETING
SERGIO ROBERTO DIAS
SARAIVA
(2003)
R$ 12,00





busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês