O tamanho do balde | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
COLUNAS

Segunda-feira, 2/11/2009
O tamanho do balde
Pilar Fazito

+ de 6200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Física, Química e Matemática sempre foram um tormento na minha vida escolar e eu não sei quando minha atuação nas provas era pior: quando eu estudava ou quando eu não estudava. É que meu raciocínio nunca foi muito lógico quando se tratava de problemas com números e eu não via nenhuma coerência naqueles gráficos, nas fórmulas, nos deltas e nas raízes quadradas.

O QI de samambaia na adolescência só não era mais evidente do que a ingenuidade, e isso explica o fato de eu não conseguir ver a aplicabilidade das coisas que víamos em sala de aula. Por mais que eu tentasse decifrar o livro da Beatriz Alvarenga, sempre entrava em pânico toda vez que trem A passava por trem B numa velocidade X. E o pior é que eu tentava. Tentava mesmo. Eu fazia os cálculos e sempre chegava a uma resposta diferente dos meus colegas. Então, refazia os cálculos para confirmar e chegava a um terceiro valor. E quando eu insistia na ideia, sempre chegava a um quarto. Eu saía "semeando" os números em tudo quanto é fórmula, sem nenhum critério, como quem joga milho aos pombos. Não podia mesmo sair boa coisa daí. Por fim, acabava pedindo cola para uma amiga. E foi assim, graças a ela, que eu fui passando de ano, aos trancos e barrancos.

À medida que o tempo passava, fui percebendo que meu problema com cálculos tinha a ver com a abstração. Se modifico números e incógnitas por nomes, por exemplo, muitos problemas se tornam mais fáceis de serem resolvidos. Eu sei que a estratégia é meio estapafúrdia, mas fazer o quê se meu cérebro destrava com isso? Às vezes, basta substituir um "X, Y, Z" por "Mariazinha, Jorge e Manuel" ou por "geladeira, carro, caneta", ou ainda "amor, liberdade, redenção". Vá entender!

Uma popular revista de ciências divulgou, há menos de um ano, um estudo sobre o funcionamento da mente de alguns gênios das exatas. Segundo ela, Fulano de Tal consegue ler um livro de 700 páginas em poucas horas, Beltrano dá o resultado de uma multiplicação de números de 9 dígitos num piscar de olhos e Cicrano bate o olho em uma caixa de fósforos e diz quantos deles foram usados. Quando eu leio esse tipo de coisa, não consigo conter a lasca de inveja no dedo mindinho, imaginando o que eu poderia fazer caso tivesse um desses "superpoderes". Mas eu continuo a ler a matéria: todos eles têm em comum um certo grau de autismo. Então, volto a agradecer, mesquinha e humildemente, a minha limitação intelectual e prossigo na leitura para entender como essa gente faz isso.

Fulano de Tal lê a página da esquerda e a da direita do livro ao mesmo tempo, cada uma com um olho, por isso lê tão rápido; Beltrano atribui cor e forma tridimendional a cada um dos mais de 1 bilhão de números que existe em sua mente e, quando precisa somá-los, dividi-los, subtraí-los ou multiplicá-los, "basta" aproximar essas formas umas das outras e ver qual delas se encaixa ali no meio, como se fosse um quebra-cabeças 3D de mais de 1 trilhão de peças. Fácil, não? Já Cicrano serviu de inspiração para o filme Rain man, levado às telas pelo ator Dustin Hoffman. O prodígio dessa gente é inegável, mas o ônus de todos esses bônus é a dificuldade de se relacionar com os outros, de se deixar ser tocado e, no caso de Fulano, até mesmo de elaborar e dizer uma simples frase.

Foram exemplos como esses que puseram em xeque a validade dos testes de QI, sob a alegação de que não serviriam para avaliar o quociente emocional. Nessa época, começaram a pipocar livros e revistas que lançaram o conceito de QE ao mesmo tempo em que contribuiram para a ampliação do termo "inteligência". Hoje, há uma corrente teórica que subdivide a inteligência em, pelo menos, sete categorias: lógico-matemática, visual-espacial, cinestésica, linguística, musical, interpessoal e intrapessoal.

Os neurocientistas, agora, admitem que habilidades cognitivas relativas à criatividade, à comunicabilidade e ao estabelecimento de relações pessoais não são contempladas nos testes de QI, mas acreditam que ele ainda seja o melhor instrumento para medir a capacidade intelectual humana. É que, segundo eles, mesmo que alguém se destaque em uma área específica, deve isso a um potencial de inteligência determinado biologicamente. E esse potencial tende a ser o mesmo para qualquer disciplina. A capacidade de aprender seria, então, geneticamente herdada dos pais e o aprendizado dependeria da experiência de cada um. Fazendo uma analogia simples, é como se recebessemos de nossos pais um balde, que pode ser pequeno ou grande conforme seus genes, e o enchessemos de água ao longo da vida à medida que adquiríssemos conhecimentos. Mesmo que o sujeito estude bastante, se o balde herdado for pequeno, não vai conseguir acumular muito conhecimento por causa de sua limitação genética. Já o sujeito que tem um baldão, mas não o enche, seria um lambão ingrato.

Mas os cientistas ainda não explicaram o que leva uma pessoa a desenvolver sua inteligência em determinada área. Por que ela tem facilidade para música e não para biologia, por exemplo? Será que isso tem a ver apenas com a dedicação ao tema, com a forma como estuda, ou com a criação? Ou será que existe algo na cachola que já traça o nosso destino assim que o cérebro é formado? Será que tem a ver com o estímulo externo ou a exposição a determinadas situações apenas oferece oportunidades para o sujeito desenvolver uma capacidade que está latente dentro dele assim que ele nasce? A facilidade com um tema também é herdada dos pais? Enfim, por que, por exemplo, em vez de estar aqui, escrevendo esta crônica, eu não estou em Wall Street, dando uma consultoria financeira a banqueiros e economistas?

A única resposta que consigo dar é que não estou em Wall Street por completa inaptidão matemática. E se a facilidade com um tema depende da genética, posso dizer que, infelizmente, não herdei do meu pai os genes racionais da ciência, da estratégia no xadrez, da memória de elefante e da estatística. Nem o deslumbramento com esses temas. Que seja. Fico feliz com os genes maternos da literatura, das línguas estrangeiras, da poesia e da musicalidade.

Tenho que reconhecer que, apesar da inaptidão com as exatas, meu balde até que não é pequeno. Ademais, como diria um sábio chinês, "não se pode tirar seis em todos os dados". Inteligência demais pode ser um pesadelo, como no caso de Fulano de Tal, Beltrano e Cicrano, citados anteriormente. É impressionante como os casos de genialidade estão sempre ligados a uma vida curta, a problemas psicológicos, relacionais e neurológicos. Grande parte dos gênios também ficam conhecidos pela esquisitice, pelas mania ou pelo isolamento no fim da vida. Só para retomar o ramo das finanças, lembremos o magnata do Petróleo, John Davison Rockefeller, que fez fortuna do nada e morreu isolado em um quarto de hotel. Como o Michael Jackson, tinha lá seus transtornos obsessivos e abominava o contato físico com quem quer que fosse.

Esquisitices e manias à parte, ainda há a galeria dos atormentados e angustiados gênios suicidas: Ernest Hemingway, Van Gogh, Maiakóvski, Virginia Woolf, Gérard de Nerval etc. Procuro a listinha de suicidas na internet e me deparo com um fato curioso: a maioria dos suicidas famosos enumerados são artistas. O que me leva a crer que ou o suicídio de cientistas não dá ibope, ou cientistas não se suicidam. Motivada pela curiosidade, fuço um pouco mais sobre o assunto e descubro que uma pesquisa da Universidade de Munique examinou 290 pessoas e encontrou uma correlação entre o suicídio e a existência de uma versão "mais curta" de um gene específico. Segundo essa pesquisa, pessoas que apresentam um tal de "alelo S" têm um risco de 2 a 3 vezes superior de cometerem suicídio do que os que apresentam um outro tipo de alelo, chamado "L". Faltou sugerir aos pesquisadores que investigassem uma relação entre a presença do alelo "S" e o nível de inteligência artística de cada suicida potencial. Bom, mas eu não tenho a menor aptidão para os tubos de ensaio e, quiçá, eu fizesse melhor em ficar quieta do outro lado, o das cobaias.

Autismo, paranoia, mania e depressão me parecem um preço considerável pela inteligência exacerbada. Mas, nesses casos, quem paga é o próprio dono da inteligência. Quando o assunto é a psicopatia ou a sociopatia alheia, entretanto, a conta é dividida pela sociedade. É aí que mora o perigo.

Investigadores da polícia norte-americana que estudam a mente de serial killers dizem que eles têm uma inteligência interpessoal bastante desenvolvida. Assim como os psicopatas, um serial killer ― sociopata inclinado às perversões ― tem uma excelente capacidade de observação, sabe ser simpático, fala o que os outros querem ouvir e percebe as fraquezas de seus interlocutores. Por tudo isso, podem ser considerados extremamente inteligentes. O problema, segundo os investigadores, é uma disfunção patológica que dissocia as ações da capacidade de identificação emocional com as outras pessoas. Daí a idéia de que um psicopata é frio, calculista e tem nervos de aço. Culpa, então, é um termo que, definitivamente, não faz parte de seu vocabulário.

Que seja um baldinho ou um baldão. O uso que cada um faz de sua herança genética só deixa de ser uma escolha quando há disfunções patológicas na jogada. Mas se elas não existem, a gente tem mais é que agradecer o que tem e se dedicar a encher o nosso recipiente ao longo da vida. Vai que isso ajuda a dar uma alargadinha na capacidade do balde que deixaremos para os nossos filhos...


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 2/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
04. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
05. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
04. @mores bizarros - 6/4/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/11/2009
01h57min
Oi, Pilar. Antes de tudo, parabéns pela coluna e coisa e tal. Começo com um comentário sobre o final: a ausência de culpa em um serial killer evoca um problema filosófico antigo - o da distinção mente/cérebro: é o estado mental - o que pensamos, nossas escolhas etc. - que determina o que está acontecendo no cérebro, ou o contrário? Existiriam duas substâncias - mente e matéria? A metáfora que Rorty propõe para resolver o dilema é interessante: pense que o cérebro é o hardware e a mente o software e pronto. Por último, eu, estudante de física, tenho dificuldades em aceitar que a inteligência associada à física e até a matemática é "lógica", associando-a assim um tipo de inteligência diferente da solicitada de um estudante de filosofia, letras ou música. Para Poincaré, por exemplo, cabe à intuição o papel de criação da física e da matemática. No mais, abraços.
[Leia outros Comentários de Júnior]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINERVINO FRANCISCO SILVA (LITERATURA DE CORDEL)
MINERVINO FRANCISCO SILVA
HEDRA
(1999)
R$ 14,00



UM POMBO E UM MENINO
MEIR SHALEV
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 10,00



BEIJING - CHINA
JD BY BOOK
JD BY BOOK
(2002)
R$ 20,92



ANJOS E DEMÔNIOS - CAPA DO FILME
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 13,55



A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO
STIEG LARSSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 6,00



VIAGEM PELAS PROVINCIAS DO RIO DE JANEIRO E MINAS GERAIS
AUGUSTE DE SAINT HILARE
ITATIAIA
(2018)
R$ 30,00



PAES SEM SEGREDO
SARA LEWIS
MARCO ZERO
(2010)
R$ 30,00



CARTAS DE ANIVERSÁRIO - EDIÇÃO BILÍNGUE
TED HUGHES
RECORD
(1999)
R$ 15,00
+ frete grátis



LAÇOS ETERNOS
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2003)
R$ 19,90



COURS SUPÉRIEUR DORTHOGRAPHE
E. BLED / O. BLED
CLASSIQUES HACHETTE
(1954)
R$ 28,84





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês