A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dragão7 realiza última edição do Circuito de Teatro em Português
>>> Teatro para bebês, A Florestinha da Pati, integra o Circuito de Teatro em Português
>>> Buscapé cria "Vila" para celebrar Black Friday
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Farewell, Pedrinho!
>>> Baratas
>>> Dar de comer ao ódio
>>> Suspeito que estejam sempre conspirando para me fazer feliz
>>> Escrever para não morrer
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Eu também sou concretista
>>> Geraldo Vandré, 70 anos
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> Para-quedas & beijos de Erica jong pela Circulo do livro
>>> O desafio mundial de Jean-jacques servan-schreiber pela Nova fronteira
>>> A revoluçao dos covardes de David nasser pela Cruzeiro
>>> Do coração de um pastor de Kenneth w Hagin pela Graca editorial (2009)
>>> Oráculo da Grande Mãe - Acomp. 1 Livro e 60 cartas de Claudiney Prieto pela Alfabeto
>>> Tarô das Bruxas - Acompanha 78 cartas de Ellen Dugan pela Isis
>>> Mamãe e o Sentido da Vida de Irvin D. Yalom pela Agir (2010)
>>> Décima Profecia, A de James Redfield pela Fontanar (2009)
>>> Curso Completo de Tarô - Acomp. 1 livro e 78 cartas de Nei Naiff pela Alfabeto
>>> Árabe do Futuro, O de Riad Sattouf pela Intrínseca (2015)
>>> Schraiber - " O reino dos simples" de Vários autores pela Não definido
>>> Selecta homeopathica - Cura e recuperação de Vários autores pela Luz menescal (2002)
>>> Selecta homeopathica - Experimentação patogenética de Vários autores pela Luz menescal (2001)
>>> Cadernos de matéria médica - Vol. 10 Nº 1 de Vários autores pela American journal (2002)
>>> Peter Pan de James Barrie pela Ediouro (2004)
>>> Coors taste of the west de Vários autores pela Better Homes and Gardens (1981)
>>> Party book de Dorothy Marsh e Carol Brock pela Harper & Brothers (1958)
>>> The pocket book of home canning de Elizabeth Beveridge pela Pocket books (1943)
>>> Paisagens Humanas de Antonio Versiani pela Civilização brasileira (1960)
>>> Great Tales of the far west de Alex Austin pela Pyramid books (1956)
>>> The Movie Buff´s book de Ted Sennett pela A pyramid publication (1975)
>>> Hospital de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1959)
>>> Monsenhor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Salambô de Flaubert pela Max Limonad (1985)
>>> O vale do terror de Arthur Conan Doyle pela Ediouro
>>> A casa morta de Henry Bordeaux pela Figueirinhas (1929)
>>> Ih, esqueceram madame Freud... de Françoise Xenakis pela Rocco (1988)
>>> Platero e eu de Juan Ramón Jiménez pela Rio Gráfica (1987)
>>> The countess de Hans Habe pela A signet book (1964)
>>> Loves of the orient de Giovanni Camisso pela Belmont Book (1954)
>>> Skipping Christmas de John Grisham pela A dell book (2004)
>>> Terra Virgem El Erial de Constâncio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Woodstock - Tomo I de Walter Scott pela H. Garnier
>>> L´Homme qui assassina de Claude Farrère pela Ernest Flammarion
>>> Camille de Alexandre Dumas pela Bantam Books (1949)
>>> Lamentai os honestos de Ed Lacy pela Ibis (1968)
>>> Conspiração nas trevas de Hartley Howard pela Livros do Brasil (1966)
>>> Próxima Viagem - Nº 62, Ano 6 de Vários autores pela Peixes (2004)
>>> Próxima Viagem - Nº 4, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 3, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 6, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 7, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 10, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 12, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 37, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2002)
>>> Próxima Viagem - Nº 22, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2001)
>>> Próxima Viagem - Nº 1, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (1999)
>>> Viaje mais por menos - Nº 12, Ano 1 de Vários autores pela Europa (2002)
>>> Viagem e turismo - Nº 4, Ano 4 de Vários autores pela Abril (1998)
>>> Viagem e turismo - Nº 2, Ano 2 de Vários autores pela Abril (1996)
COLUNAS

Terça-feira, 24/11/2009
A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 19700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Nós amamos idealizar, mas falamos também da morte, do mistério e do absurdo da vida. Há tanto de doçura quanto de violência em nossas imagens." (Pierre et Gilles)

A emancipação dos homossexuais e sua ascensão a uma identidade individual e coletiva trouxe reflexos tanto na vida sexual e sentimental dos gays como na sua produção cultural. Não é de hoje que a cultura homossexual se expressa através da arte, ora com uma certa liberdade, ora com disfarces. Podemos ver "o amor que não ousa dizer seu nome" presente nas esculturas gregas com seus jovens idealizados como uma beleza suprema, em Michelangelo com seu Davi encarnando o mesmo ideal, no Fauno de Barberini escancaradamente homoerótico (foto da escultura abaixo) ou no velado homoerotismo do São Sebastião de El Greco.

Na literatura, desde Balzac (na sua novela de temática lésbica A menina dos olhos de ouro), até Baudelaire (que inicialmente chamou As Flores do Mal de As lésbicas, expondo o lesbianismo no poema "Mulheres malditas") e Oscar Wilde, com sua vida e estética, passando para Proust e posteriormente Genet (que teve seu livro Querelle divinamente filmado por Fassbinder). Ainda Thomas Mann, com seu Morte em Veneza, filmado por Visconti. Perto de nós temos, para ficar com apenas um exemplo cinematográfico, a paixão homossexual no belíssimo O Segredo de Brokeback Mountain.

Essa cultura, após a libertação gay, vai se expandir de forma variada e pública, seja no transformismo de David Bowie e Jagger, seja na androginia de Michael Jackson ou no lesbianismo fashion de Madonna e outras cantoras da música pop ou seja na fotografia de Mapplethorpe, com seus sensuais Black nude man, que vai impor um padrão de recuperação mais ousado para a beleza, sensualidade e potência da forma física masculina, erotizando-a para o gosto do publico gay. Os exemplos poderiam se multiplicar aos milhares.

Essa cultura é indissociável das transformações religiosas, científicas e sociais, da liberação progressiva dos meios e desejo dos artistas se exprimirem livremente, fazendo aparecer uma arte cuja representação homossexual é sugestiva, provocante e corajosa. Antes escandalosa e perseguida, agora, após a invenção da sexologia, o apelo cultural do corpo, as audácias literárias e cinematográficas e as renovadas leituras da história da arte, a cultura homoerótica não só é aceita, mas bastante respeitada.

Já dentro de um registro mais alegre (nem sempre), livre, divertido e pastichizante temos a arte dos artistas gays Pierre et Gilles (é como se autodenominam). Os franceses Gilles Blanchard (pintor) e Pierre Commoy (fotógrafo), além de formarem um casal, criaram uma parceria artística unindo fotografia e pintura. Os dois se conheceram em Paris em 1976 e desde esta época não pararam de produzir imagens intrigantes e divertidas.

Através principalmente de sua relação com a cultura pop e o entrelaçamento desta com imagens da arte europeia e a cultura de massa, permeada por uma adesão crítica à estética pornô soft, aos ícones do catolicismo, ao mundo da publicidade e dos objetos kitsch, criaram um grupo de obras que pode ser classificado como "estética homoerótica".

Além de fotografar ícones da cultura contemporânea como Madonna, Gautier, Deneuve, Nina Hagen, Naomi Campbell, Marilyn Manson entre outros, a dupla investe na iconologia gay de uma forma bastante interessante.

A técnica utilizada é a da colagem, do printing, da interferência da pintura na fotografia.

Uma das últimas obras dos artistas é o Saint Sebastien de la Guerre, criada especialmente para a mostra que fazem este ano no Rio de Janeiro, cidade que tem como seu patrono o São Sebastião (também santo protetor do Movimento Gay). Na obra aparece o retrato de um negro pelado, com cinco flechas incrustadas na carne, como São Sebastião, com quepe e lenço de marinheiro, tendo ao fundo navios e aviões de guerra, misturados a uma grande fumaceira escura. Trata-se de uma referência dupla: o corpo jovem, adolescente, em sua perfeita forma física, remetendo à escultura clássica-profana, e a imagem de um santo, ícone da cultura católica barroca. A novidade é que agora trata-se de um corpo de um negro, sexualizado à maneira de Mapplethorpe, trazendo o velho e batido clichê da potencia sexual dos homens negros. Outra referência é o marinheiro Querelle, do romance homossexual de Jean Genet filmado por Fassbinder.

A obra reúne sentimentos variados. Desde a paixão pela irresistível beleza máscula do corpo adolescente, configurando-se numa sensualidade ímpar, até o sentimento de terror, que nos aguarda assim que olhamos para o fundo da imagem. Duas dimensões da vida, acidamente construídas num único espaço. Nosso desejo, princípio da vida, unido à ideia perturbadora da morte, gerada pela guerra. Não sabemos se nos entregamos ao doce deleite erótico do corpo masculino ou se deixamos nossa mente ser confiscada pela morte anunciada. A própria flecha, ferindo momento tão belo da natureza, perturba um pouco nosso deleite. Mesmo a pintura, acrescentada à foto, nos transmite uma ideia mágica, de distanciamento, como se a imagem fosse inalcançável.

Segundo os artistas, eles gostam de misturar numa única obra "todas as cores, não só as da moda, cores da arte, da cultura popular. Mas somos mais visuais que literários. Mas adoramos misturar as coisas, como vários sabores diferentes numa cozinha".

Há também nas imagens criadas por Pierre et Gilles algo de industrial, como se a pele fosse algumas vezes plástica e outras vezes metalizada, e contendo ainda algo que nos remete ao corpo submetido a uma luz sublime, espiritualizada, como em Caravaggio.

O interessante é que essas imagens não são apenas cópias do mundo massificado, preocupado apenas em enredar nossas consciências num conformismo mercadológico. Ao contrário, elas trazem uma inquietação permanente. Ambíguas por excelência, unem ao prazer a dor, à alegria o espanto, ao nonsense a tragédia.

A obra dos artistas tem muito a ver com nosso país; segundo o curador da exposição no Brasil, Marcos Lontra, ela "esbanja sensualidade e tem uma representação multiétnica. A forma com a qual eles transformam seus modelos, criando todo um universo além da fotografia, lembra um pouco o carnaval". Sim, um festival de sensualidade no arenoso terreno da violência social.

A identificação não para por aqui. Segundo Gilles, "no Japão, alguns se identificaram com a mistura de violência e suaves das nossas telas. Na Rússia, com a referência aos ícones de santos ortodoxos. Aqui, podemos notar, além das imagens religiosas, a sensualidade, a leveza, mas também esse lado triste da saudade, que fazem parte do nosso universo".

Pierre et Gilles têm um olhar contemporâneo sobre as diferenças na sociedade e sobre a religiosidade. Revelam aquele amor que antes não ousava dizer seu nome, mas que agora diz: o amor homossexual. Mas também têm um desejo de valorizar o uso cruzado das novas técnicas industriais. E a obra deles é o resultado crítico desse encontro entre reflexão social e uso de novas tecnologias. As imagens são trabalhadas como cenários cuidadosamente compostos e com cores suntuosas, no que podemos chamar de movimento da fotografia plástica, que quer trazer para a fotografia o valor que tinha antigamente os quadros.

A diferença é que esse valor não trás mais a séria ideia de invenção (técnica e pensamento), tão cara à tradição, mas uma comunicação direta, como a da estética de massa, usando materiais e imagens por vezes não artísticos, livres de qualquer objetividade, apostando no antiintelectualismo, na superfialidade dos meios, na efemeridade da comunicação ― fim do culto, emotivo, superior e eterno.

Uma arte mais para decoração de cabaré de terceira ou presépio kitsch de época de natal do que para a Igreja de São Pedro em Roma. Na sua base, a ironia como crítica, o ajuntamento de fragmentos como método. Como disse Nicolau Sevcenko sobre o pós-moderno: "apenas um castelo de areia, frágil, inconsistente, provisório, tal como todo ser humano. Um enígma que não merece a violência de ser decifrado".

Para ir além
O Rio de Janeiro apresenta pela primeira vez no Brasil a exposição Pierre et Gilles: A Apoteose do Sublime. A mostra faz parte das comemorações do Ano da França no Brasil. Serão expostas 26 fotografias dos artistas, de tiragem única e de grandes dimensões. As imagens, de grande poder formal e sensualidade, foram produzidas nas décadas de 80, 90 e já nestes anos 2000. A curadoria é de Marcus de Lontra. Endereço: Rua Dois de Dezembro, 63 ― Flamengo ― Rio de Janeiro. De 10 de novembro de 2009 a 17 de janeiro de 2010.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/11/2009


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/5/2010
13h14min
Estou pesquisando sobre Pierre et Gilles. É difícil encontrar textos inéditos ou autorais sobre eles na internet. O que encontramos é sempre cópia da cópia. Um site copiando outro. Finalmente aqui encontrei algo novo. Infelizmente eu não concordo com a maneira como a obra da dupla francesa foi aqui analisada. De qualquer maneira vale pela originalidade.
[Leia outros Comentários de Branco Chiacchio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FORMAS DE PRAZER
MARCELO PIZANI
RECORD
R$ 12,00



REBECCA
DAPHNE DU MAURIER
VICTOR CIVITA
(1981)
R$ 24,00



CENSURA NA LEI E NA MARRA
ELOÍSA ARAGÃO
HUMANITAS
(2013)
R$ 19,99



FUNDAMENTOS DA LOGOTERAPIA. NA CLÍNICA PSIQUIÁTRICA E PSICOTERAÊUTICA (VOL. I)
ROBERTO RODRIGUE
VOZES
(1991)
R$ 38,00



EM BUSCA DA VIDA APÓS A MORTE
LESLIE FLINT
TRÊS
(1971)
R$ 20,00



QUAL É O CORPO QUE DANÇA
MILLHER JUSSARA
SUMMUS
(2018)
R$ 35,00



ADORO MÚSICA, ADORO DANÇAR
MARY HIGGINS CLARK
CÍRCULO DO LIVRO
(1991)
R$ 4,00



E AGORA SÃO CINZAS
ARNALDO ANGELI FILHO
L&PM POCKET
(2007)
R$ 15,00



O CÓDIGO DA VINCI - EDIÇÃO ESPECIAL ILUSTRADA
DAN BROWN
SEXTANTE
(2005)
R$ 40,00



COMO SER UM PIRATA
CRESSIDA COWELL
INTRÍNSECA
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês