Michael Jackson: a lenda viva | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS

Terça-feira, 13/1/2009
Michael Jackson: a lenda viva
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 17900 Acessos
+ 23 Comentário(s)

"Diante do gênio artístico que é Michael Jackson, Madonna não é mais que uma simples teórica." (Caetano Veloso)

Gênio precoce, o maior artista pop do século XX, megalomaníaco, polêmico, mistura de anjo e demônio, perigoso e mal ("dangerous" e "bad", como denominou dois de seus CDs), Michael Jackson é sem dúvida um dos artistas mais controversos da história. Ele suscita a paixão e a fúria, mas uma coisa é certa: ninguém fica indiferente à sua esmagadora presença.

Da infância difícil à sua glória atual, a vida de Michael Jackson é uma sucessão de sofrimentos, alegrias, caídas e subidas. Uma vida sabiamente traçada por ele mesmo como um conto de fadas.

Nascido em 29 de agosto de 1958, em Indiana (Estados Unidos), Michael Jackson e seus irmãos tiveram uma primeira infância difícil. Filho de um pai violento e obstinado, que buscou na realização artística dos filhos a fortuna e o sucesso criando os Jackson Five (sob a influência dos cantores negros americanos Otis Redding e Little Richard), o cantor sofrerá desde a mais tenra infância, dois anos de idade, a força e o rigor do trabalho e da educação quase militar do pai, desenvolvendo o gosto pela música e pela dança sob essa mesma influência.

Em 1963 a família Jackson já começava a acumular sucessos nas rádios da região, sendo notável o brilho, a graça natural e o timbre agudo da voz de Michael Jackson. Em 1967, depois de ganharem um prêmio num concurso de música no Teatro Apollo de Nova York, assinam seu primeiro contrato para gravarem um disco com a Steeltown Records.

Começam as primeiras turnês e Michael Jackson é sempre notado por sua presença cênica, sua belíssima voz e seus inimitáveis passos de dança. O destaque de Michael Jackson, aclamado aos 11 anos, já prepara inconscientemente o terreno para a sua futura e formidável carreira solo.

Começa a chover ouro para seu pai, com a venda de discos, shows intermináveis e um novo contrato com a célebre gravadora americana Motown Records. A aventura dos Jackson Five dura até o ano de 1976, no qual por obscuras razões de direitos autorais eles mudam de gravadora e de nome. Assinam com a Epic e passam a se chamar The Jacksons.

Mas a antiga gravadora, consciente do carisma que Michael Jackson possui, leva o jovem a assinar um contrato pra produzir seis discos solo com seu nome. O primeiro se intitula Got to be there e sai em 1972. É o nome também de uma de suas músicas que se tornaria memorável. Paralelamente, The Jacksons continua seduzindo o público internacionalmente, gravando vários discos.

Malgrado o extraordinário sucesso de público e a glória conquistada, a vida de Michael Jackson torna-se um calvário. Desde a adolescência sua vida é coberta por acontecimentos infelizes, como o abuso e perseguição paterna, que explicam, como diz o próprio Michael, a origem de suas numerosas inclusões pelo universo da cirurgia plástica e uma sexualidade atípica. Uma infância e juventude atordoadas que podem explicar, em parte, as futuras obsessões do cantor e sua megalomania. Não explicam, no entanto, sua genialidade sempre presente.

A carreira adulta de Michael Jackson começa em 1979 com seu fabuloso álbum Off the wall, produzido por Quincy Jones que será durante anos seu melhor amigo e fiel colaborador. Em 1982 sua carreira atinge o ápice, com seu mítico disco Thriller, o álbum mais vendido da história da música. Daí em diante ele se tornará um deus vivo, desbancando os Beatles e o rei Elvis. Começará a ser chamado, inclusive, de The King of Pop.

Michael Jackson renova a linguagem da música pop, absorvendo não só os traquejos da linguagem musical dos guetos negros americanos, mas também sua existência cênica. Renova ainda a linguagem dos clipes fazendo uso de todos os recursos artísticos criados pela arte de vanguarda, notadamente a partir de Thriller, que na sua integridade se tornará um verdadeiro curta-metragem. Nada, nem no cinema, nem na música, se equipará à sua ousada liberdade de criação naquele momento. Note-se que as gravadoras (olhando para a música que surgia na periferia americana), o cinema e o clipe vão absorver quase que imediatamente os resultados das ousadias do cantor.

A partir daí, Michael Jackson se torna um fenômeno indescritível, com suas aparições criando um verdadeiro mar de lágrimas, uma histeria coletiva. Seus discos passam a vender aos milhões. Suas tournês atravessam o planeta com recorde de público e admiração irracional.

No entanto, soma-se à sua glória a desgraça. Numa propaganda para a Pepsi Cola, em 1984, sofre um acidente que marca gravemente seu rosto. Começa a fazer uma série de operações que, mais ou menos legítimas, transformam pouco a pouco o cantor. O resultado é uma alteração na própria cor e biótipo, sua face tornando-se pálida e seus traços negróides vindo a desaparecer como que por um milagre da ciência. De aparições assustadoras, onde surge um Michael Jackson deformado, às aparições assombrosas onde aparece como uma menina delicada, de traços finos, seu comportamento provoca numerosas críticas.

Não para o sociólogo francês Jean Baudrillard, que, no seu livro As transparências do Mal, vê na transformação de Michael Jackson a possibilidade de finalmente destruirmos a limitada noção cultural de que existem raças diferentes e não seres humanos.

Michael Jackson torna-se a capa da revista Ebony (ébano, em português). A foto do cantor estampada na revista causou certa polêmica no mundo pop. Como poderia ser possível que, na capa de uma magazine destinada a afro-descendentes, Michael Jackson aparecesse mais branco do que nunca? O nariz afinado, resultado de inúmeras plásticas, também chama atenção. A edição comemora os 25 anos do álbum Thriller, no qual Jackson ainda era visualmente representante da raça negra.

É nessa época que Michael Jackson sucumbe a todos os excessos. Cria, por exemplo, a famosa mansão Neverland (terra do nunca), em homenagem ao personagem Peter Pan, um verdadeiro parque de diversões onde se refugia, solitário em seu mundo, apesar de sua estupenda popularidade universal.

Paradoxalmente, quanto mais escândalos ele produz, mais seus discos vendem, mais amor desperta nos fãs. Seus próximos discos, Bad, de 1987, e Dangerous, de 1991 são, sobretudo, obras de incontestável qualidade artística. Michael Jackson é um gênio do pop e suas músicas, sabiamente colocadas em cena por uma poderosa estratégia de marketing, são de uma perfeição tão alta que colocariam, por exemplo, Madonna e outros artistas do mundo pop num nível amador.

As causas nobres comovem também o cantor e despertam sua verve política. Desde o apelo sentimental de "We wre the world", em 1985, com Lionel Ritchie, em defesa da causa das crianças feridas nas guerras até seu antirracismo de "Black or White", em cujo clipe surge transformando-se numa pantera e destemperando sua fúria contra as pichações racistas e fascistas que aparecem em pareces de casas e vidros de carros. Reúne nos seus videoclipes imagens de líderes negros e revoltas populares, crianças padecendo a violência das guerras e da fome, conjuga imagens de soldados pesadamente armados com inocentes crianças preocupadas apenas com sua vivência lúdica, e trabalha essas imagens sob a direção do cineasta das causas negras Spike Lee.

Meio anjo e meio demônio, a persona de Michael Jackson é ambiguidade pura. Para escapar de certos rumores casa-se em 1994 com Lisa Mary Presley, a filha de Elvis Presley. O casamento soa falso, algo como um contrato comercial, e não dura mais que dois anos, vindo o cantor a se casar em seguida com uma desconhecida, Debbie Rowe, que lhe dá o primeiro filho Prince Michael Jackson em 1997. Em 1998 nasce seu segundo filho, chamado Paris. Em 1999 é processado pela mulher, que lhe exige uma grande soma de dinheiro.

Em 2002 Michael é assunto de novo escândalo. Faz um acordo com um jornalista para a produção de um documentário sobre seu cotidiano, seu universo de eterna criança e sobre seus jovens amigos. Revela-se sua forma singular de viver, de dormir com crianças em Neverland sem a presença de suas mães por perto, como revela-se o ser extremamente sensível que o cantor é, que teve uma infância difícil e que busca na doce alegria da companhia das crianças o reencontro com o mundo de sua própria infância perdida. Há no DVD Dangerous: the short films um clipe que nos toca muito, pois vemos o adulto Michael ao piano, cantando "Go to be there", se encontrando com o menino Michael que canta e brinca ao fundo da cena.

O documentário gera polêmicas e mais polêmicas e é visto por milhões de pessoas no mundo todo, mas estas ficam divididas entre a compaixão e a revolta. Chega-se a pensar na possibilidade do cantor ser pedófilo. Michael Jackson se sente ultrajado e traído pelo jornalista e contra-ataca com um processo judiciário e uma nova reportagem a seu favor.

Este fato teve o mérito de aumentar ainda mais a popularidade do cantor, que, naquela época, aos 45 anos e com uma carreira de 40, apesar de tudo, continua incontestavelmente como o rei da música pop.

Com centenas de milhões de discos vendidos, e outros tantos produtos derivados, uma verdadeira indústria em torno de sua personalidade faz de Michael Jackson o cantor mais escutado, mais admirado e, para além de todo o comercialismo que a indústria cultural explica, o mais genial nestes últimos cinquenta anos da cultura pop. Não há definição melhor para esse fenômeno do que a de uma lenda viva.

Nota do Editor
Leia também "O enigma de Michael Jackson" e "Quem somos nós para julgar Michael Jackson?".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 13/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
03. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
04. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
05. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/1/2009
12h35min
Belíssima matéria do jornalista Jardel Dias Cavalcanti. Até que enfim alguém com bom senso e sensibilidade escreve algo bonito e justo sobre o cantor Michael Jackson. Você, de uma forma competente e sem sensacionalismo, descreveu verdadeiramente o que aconteceu e acontece na vida desse grande astro. Como você mesmo disse, Michael é pura ambiguidade, e é isso, juntamente com seu incrível talento, que faz com que ele seja cada vez mais admirado pela maioria das pessoas, principalmente pelo seus fãs cada vez mais apaixonados e fiés. Adorei também quando, além do talento, você citou o lado humanitário de Michael, coisa que a maioria da midia infelizmente ignora. Você, Jardel, me faz continuar acreditando em uma imprensa justa e correta. Com certeza você honra a sua profissão. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Eliane]
13/1/2009
12h55min
desculpe, admiro michael jackson pelo seu passsado, mas hoje é um alien, a própria socieade americana o ridiculariza como uma aberração, dizer que ele foi maior que os beatles e que elvis é brincadeira, jacko hoje é um doente que merece nossa piedade... teve seu valor, isso é certo, foi um excelente músico, mas hoje é alien
[Leia outros Comentários de josé]
13/1/2009
13h17min
Parabéns materia fantastica, parabéns mesmo, só uma correção: o video que aparece o Michael, e no fundo ele pequeno, no dvd Dangerous: the short films, é o da musica "I'll be there" e, nao, "go to be there", fora isso exelente matéria...
[Leia outros Comentários de Robson]
13/1/2009
13h50min
Adorei a matéria! Que bom seria se todos seguissem esse exemplo, e parassem de criticar alguém que não se conhece. A reportagem cita fatos importantes da vida do cantor como: o seu talento inquestionável, seu poder de superar as polêmicas, atraindo cada vez mais o amor e a admiração dos seus fãs, o poder de conseguir vender milhões de álbuns, muito mais que vários artistas de renome, e também os que são fabricados pela indústria da música, mas que são infelizmente valorizado pela mídia... Até o lado humanitário do artista você citou, o que é louvável, pois nem todos conhecem as atitudes generosas de Michael ao redor do mundo... Só não concordo em um ponto da matéria, quando você diz que Michael teve sua cor e biotipo transformado por um milagre da ciência. Esclareço que sua cor foi mudada, sim, mas por uma doença que não pode controlar e que, de maneira alguma, pode ser de sua responsabilidade. Quanto à sua trasnformação visual, ele tem todo o direito, como qualquer um de nós, de fazer o quê quiser de sua vida...
[Leia outros Comentários de Alessandra]
13/1/2009
14h35min
Puxa vida... eu ia comentar... mas a Elaine já disse tudo!!! Parabéns pelo excelente texto, Jardel!
[Leia outros Comentários de Silvana]
13/1/2009
16h42min
adorei o texto, adoro michael jackson desde sempre.
[Leia outros Comentários de ana fidelis]
13/1/2009
17h34min
Wow, estou simplesmente "SPEECHLESS"!!!
[Leia outros Comentários de Alan]
13/1/2009
17h38min
amei o que esta escrito aqui, até que enfim alguem escreveu uma coisa boa sobre o michael, sempre tem alguem querendo ferrar ele, mas o autor que escreveu aqui está de parabens
[Leia outros Comentários de cristiana brandão]
13/1/2009
18h12min
Muito obrigada pela matéria realista e muito justa sobre o fenômeno que é Michael Jackson. É uma pena que a juventude atualmente só o conhece como "freak", e nem se dá ao trabalho de conhecer toda a sua genial vida, o porquê de tanta fama. Mas isso vai acabar logo, logo! Mais uma vez, muito obrigada!
[Leia outros Comentários de Roberta]
13/1/2009
23h07min
Michael Jackson realmente é um fênomeno. Tenho 26 anos e pude ser testemunha de seu sucesso no passado, ele conseguiu ser o número 1 do mundo. Gostaria de vê-lo em ação novamente, é um monstro sagrado adormecido. Quanto aos seus erros e todas as polêmicas, quem somos nós para julga-lo... Ótima matéria!
[Leia outros Comentários de Ricardo]
14/1/2009
02h07min
Nossa, adorei a matéria, vc soube simplesmente descrever a carreira de um ótimo artista que sabe como entreter públicos de várias idades, raças ou gêneros. Ele é como um mito da música pop. Esse artista é um dos melhores artistas que já conheci. Michael, vc é o melhor!!!
[Leia outros Comentários de nath jackson]
14/1/2009
06h03min
Parabéns, Jardel, pela grande matéria, Michael sem dúvida será sempre o Rei do Pop!
[Leia outros Comentários de diego]
14/1/2009
12h11min
Matéria excelente... Ao contrário de muita gente, vc deu A SUA OPINIÃO e não foi "pela onda" da mídia americana que só sabe criticar Michael Jackson hj em dia. Sem dúvida ele é o Rei do Pop e já deixou sua marca com uma carreira de 45 anos. Viva ao Rei e se Deus quiser ele volta com tudo. Obs: Espero q a maioria das pessoas tenham opinião própria e não seja levada pela mídia marrom como exemplo do José, q comentou a notícia.
[Leia outros Comentários de Billy Joe Martins]
14/1/2009
15h33min
Adorei essa matéria eu dou 100% para ele, porque fala tão bem do nosso amor, que é o Michael Joseph Jackson.
[Leia outros Comentários de Rebecka Jackson]
14/1/2009
17h08min
Michel Jackson a meu ver, só teve graça quando era uma imitação do original, James Brown. Seu sucesso nada mais é que um produto da indústria cultural americana, nada que milhões de dólares de marketing não construa. Para quem viu o fenômeno no auge do sucesso em sua época pode até achar fantástico, mas hoje, vendo aqueles clipes, não se pode encontrar outro adjetivo que não seja cafona, assemelhando-se com o fenômeno da banda Calipso no Brasil. Arte é para poucos, se fosse para muitos seria pop, seria Michel Jackson!
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
17/1/2009
09h56min
parabéns ao autor pela matéria. o michael jackson é e sempre será o rei do pop! nunca desistirei dele. ele vai voltar, vcs vão ver... beat it!
[Leia outros Comentários de tiago]
17/1/2009
17h35min
Atualmente há tantos textos incompetentes, sensacionalistas, com pouco repertório e também com informações não checadas (boatos, muitas vezes) na mídia que, quando lemos um texto como este, do Jardel Dias Cavalcanti, é um prazer, não só pelo tema, mas pelo próprio texto. Parabéns.
[Leia outros Comentários de sonia]
17/1/2009
17h41min
O verdadeiro artista vai ser julgado a vida inteira. Muitos vão adorá-lo, muitos odiá-lo. Mas o que importa é a sua criação, a sua obra, a sua alma. Michael, você é um verdadeiro artista. Realmente, a arte é para poucos.
[Leia outros Comentários de sonia]
20/1/2009
19h47min
Acredito que todo gênio da música pop deveria morrer jovem, somente assim sua arte seria relmente tolerável, caso de John Lennon, Jim Morrison, Kurt Cobain, Jimmi Hendrix, Janis Joplin. Na pior das hipóteses, se sobreviverem, então, saiam de cena, caso do nosso extraordinário Chico Buarque, porque senão teremos que aturar velhos insistentes como o Roberto Carlos todo ano, insistindo com a mesma chatice; ou o Elton John, a Madonna e outros velhacos ultrapassados vindo aqui em plena crise para encher suas contas bancárias à custa do populacho do terceiro mundo. Não! Michael Jackson não é gênio.
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
21/1/2009
19h37min
É, amigo. Dá até um nó na garganta. Um dia eu vi Michael Jackson. Na minha frente. Tinha um espécie de lenço que lhe protegia o rosto, mas deu pra ver. Um corpo franzino e um olhar assustado. Estávamos no Rio de Janeiro e eu fazia parte da segurança. Incumbiram-me de permanecer no acesso ao hotel por onde ele realmente passaria, enquanto os fãs e a imprensa aguardavam em outro acesso. Uma observação: Sempre considerei e acho ainda que ele é o maior astro deste século. Apoiado, claro, conforme dito, por uma equipe de alto nível. No palco, seu brilho é grande. Tem um mistério, esse rapaz. Quem o viu como eu vi não terá palavras para explicar. Tem alguma coisa de estranho nele...
[Leia outros Comentários de Miguel Accacio]
21/1/2009
23h42min
Parabéns, caro Jardel, por definir tão bem o ídolo Michael Jackson: anjo e demônio; o bem e o mal; a bela e a fera. Fantástico seu texto.
[Leia outros Comentários de Neuza Rodrigues]
25/1/2009
17h10min
Queria responder individualmente aos comentários, mas não é necessário. Farei apenas uma afirmação: uma coisa é a indústria cultural, que distribui e cria suas personalidades, as obras de arte; outra é o talento aproveitado, às vezes moldado, por essa indústria. Não se pode colocar todos os gatos no mesmo saco. Sabemos que Ivete Sangalo é lixo cultural, é enlatado, não é música; no entanto, também sabemos que Mick Jagger e Michael Jackson são artistas no sentido pleno da palavra, como Mozart e Debussy o eram na sua especificidade. Podemos escolher uns ou outros, ou ficar com todos os que são verdadeiramente artistas, independentes de serem pop ou eruditos. Eu fico com a segunda opção.
[Leia outros Comentários de jardel dias]
28/6/2009
20h40min
Parabéns pela matéria. Pela primeira vez vejo uma análise justa do comportamento de Michael Jackson! Ele é o rei do pop! R.I.P., Michael! Você fará falta!!!
[Leia outros Comentários de Ana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA VIDA EM SEGREDO
AUTRAN DOURADO
EDIOURO
R$ 6,00



MÉTODO MODERNO DA LIMITAÇÃO DOS FILHOS
DR. THURSTON SCOTT WELTON
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1980)
R$ 19,90
+ frete grátis



AS VIAGENS DE GULLIVER
JONATHAN SWIFT
VECCHI
R$ 10,00



DA MATÉRIA DOS SONHOS
ROSANA RIOS
SARAIVA
(2002)
R$ 4,50



IRENE LISBOA 1892-1958
PAULA MORÃO
INSTITUTO DA BIBLIOTECA NAC
(1992)
R$ 24,56



PSICOLOGIA PRÁTICA VISÃO E AUDIÇÃO
JOSÉ NAVA

R$ 14,00



ROTEIROS DA NATUREZA
ANTONIO PENA JOSE CABRAL
TEMAS E DEBATES
(1997)
R$ 17,71



MONCADA MOTOR DE LA REVOLUCION TOMO 3 - COLECCIÓN REVOLUCIONÁRIA
CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA MILITAR
POLITICA
(1986)
R$ 12,57



A DICTIONARY OF GEOGRAPHY
W. G. MORRE
PENGUIN BOOKS
(1954)
R$ 4,93



ELEMENTOS DE SOCIOLOGIA
SAMUEL KONIG
ZAHAR
(1976)
R$ 35,00
+ frete grátis





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês