A poética anárquica de Paulo Leminski | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gullar no Ofício
>>> Qualidade de vida
>>> A excelência do espírito
>>> O paulistano cordial
>>> É possível conquistar alguém pela escrita?
>>> Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
>>> John Fante: literatura como heroína e jazz
>>> Imprensa em 2002
>>> Oswald de Andrade e o homem cordial
>>> Computadores, iPads e colheres de pau
Mais Recentes
>>> Arte brasileira de Circulo do Livro pela Circulo do Livro (1988)
>>> Galeria Nacional - Londres de Enciclopédia dos Museus pela Melhoramentos (1969)
>>> The Bolshoi Ballet de Yuri Slonimsky pela Foreign (1990)
>>> Gênios da Pintura: Veronese 21 de Luís Carta e Outros pela Abril Cultural (1967)
>>> Frank Lloyd Wright - Volume 1 de Gianluca Gelmini pela Folha de São Paulo (2011)
>>> Censo Cultural - São Paulo 1990 : Interior e Litoral de Secretaria de Estado da Cultura pela sec de Estado da Cultura (1990)
>>> 1000 Desenhos para quem não sabe desenhar - um verdadeiro dicionário de desenhos de Jean Arestein pela Ediouro grupo coquetel (1989)
>>> Madeira : Raiz do Brasil de Renato Brunello pela Caixa Cultural (2003)
>>> O Chamado da Floresta de Jack London pela Atica (1995)
>>> Que Azar, Godofredo! de Alexandre Azevedo pela Atual (1989)
>>> Dingono, o Pigmeu de Rogério Andrade Barbosa pela Melhoramentos (1997)
>>> É Difícil de Entender, Vô! de Nelson Albissú pela Atual (1993)
>>> The World God Made de Alyce Bergey pela Arch (1965)
>>> The True Story of Romeo and Juliet Stage 4 de Eduardo Amos pela Moderna (1997)
>>> Alfabetto - Autobiografia Escolar de Betto pela Atica (2002)
>>> O Portão Vermelho Romance Duma Terra Distante de Lin Yutang pela Pongetti (1958)
>>> Hidroterapia e Outros Tratamentos Naturais de Antônio Natanael de Paiva pela Casa (2003)
>>> Aventura na Serra do Mar de Fernando José de Souza pela Casa Publicadora Brasileira (1905)
>>> 24 Estudos de Execução Fácil para Piano de Pozzoli pela Ricordi (2000)
>>> Hanon o Pianista Virtuoso de A Schott pela Ricordi (1984)
>>> Sete Povos das Missoes de Walter Vetillo; Eduardo Vetillo pela Cortez (2012)
>>> Iniciação ao Violão Volume II de Henrique Pinto pela Ricordi (2000)
>>> Grandes Compositores e Suas Histórias de Hannelore Bucher pela Bucher (2004)
>>> Exercícios de Teoria Elementar da Música de Osvaldo Lacerda pela Ricordi (2000)
>>> A Técnica Diária do Pianista de E. Pozzoli pela Ricordi (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 22/9/2009
A poética anárquica de Paulo Leminski
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 14500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"De Jesus, contam os evangelhos que, quando a polícia romana irrompia em algum sermão da montanha, revistando e prendendo todo mundo pelo porte do livro de Moisés, o divino mestre sempre gritava:

― Quem não tiver pecado, atire a primeira pedra.

O pau comia e a cana era dura. Mas a frase ficava".

Este texto meio malandro revela muito do que foi Paulo Leminski: mescla de poeta, tradutor, judoca, ex-monge beneditino/zen, boêmio, compositor e pesquisador dos poetas andarilhos japoneses. Embriagado por tudo que o tocava, não era diferente quando se dispunha a pensar teoricamente.

Amigo dos concretos paulistas, Leminski aprendeu a teorizar sobre seu ofício de poeta, não como um acadêmico, mas como a besta dos pinherais (como se autodenominava). Vociferava suas ideias com inteligência, radicalidade e a mais intrigante visceralidade. De poeta de gabinete... nunca teve nada.

Conseguia equilibrar o rigor do pensamento nos moldes do trio concreto paulista com a alegria anárquica dos tropicalistas. E dessa conjunção aparentemente dissonante é que nasciam as reflexões estéticas de Paulo Leminski.

Haroldo de Campos comenta essa característica numa entrevista dada a mim, em 1990, e publicada na revista Sibila, número 5, de 2003: "Nós tínhamos o caso do Leminski, que era uma pessoa que tinha uma vida bastante marginal, no sentido de que ele era uma personalidade meio hippie, era uma pessoa que nunca trabalhou regularmente, que vivia de atividades freelance aqui e ali. E, no entanto, ele tinha uma grande competência. Ele tinha sido seminarista, sabia grego, latim, hebraico, conhecia várias línguas, inclusive o eslavo. No seu trabalho com música popular, ele aliava essa capacidade vital com a competência técnica. Quer dizer, ele era um fabro. O Leminski é um exemplo de como uma pessoa pode conciliar a atitude vital com a competência".

Na contracorrente da arte esquerdista-engajada, para o poeta curitibano a poesia é um ato criador que não precisa de justificativa nenhuma e nenhuma razão de ser. "Eu acho que a poesia é um inutensílio. A única razão de ser da poesia é que ela faz parte daquelas coisas inúteis da vida que não precisam de justificativa porque elas são a própria razão de ser da vida. Querer que a poesia tenha um porquê, querer que a poesia esteja a serviço de alguma coisa é a mesma coisa que querer que um gol do Zico tenha uma razão de ser além da alegria da multidão. É a mesma coisa que querer, por exemplo, que o orgasmo tenha um porquê. É a mesma coisa que querer que a alegria da amizade e do afeto tenha um porquê. Eu acho que a poesia faz parte daquelas coisas que não precisam ter um porquê. Para que porquê?"

Para Leminski, o poeta não se define pelos conteúdos que ele veicula. Quem veicula conteúdos são os jornalistas, os teóricos, os professores universitários. O poeta se define pela capacidade de criar beleza com a linguagem.

Na mesma direção vai o pensamento de Haroldo de Campos que, quando da entrevista acima citada lhe questionei sobre a poesia engajada, prontamente argumentou que "fazer um discurso, uma coisa caricata e imaginar que com isso fez poesia é um equívoco. Aliás, o grande equívoco dos poetas participantes é que eles não têm noção da importância da forma. Como dizia Maiakovski, para fazer uma arte revolucionária é preciso uma forma revolucionária. É mais interessante escrever um bom artigo num jornal em defesa de uma causa justa do que um mau poema equivocadamente dedicado a essa causa. A poesia enquanto participante deve ser extremamente exigente e juntar essa participação com o efeito criativo no nível das formas significantes".

O que há de revolucionário na poesia é sua inutilidade, "brilhando além dos horizontes estreitos do útil, do prático e do lucro". A poesia obedece a uma ordem do gasto, segundo o poeta, da dilapidação, do excesso. "Ninguém quer gozar de mansinho só para poupar sêmem".

No seu texto quase manifesto, denominado "Inutensílio", Leminski ataca essa pragmática do valor em sua origem: "A burguesia criou um universo onde todo gesto tem que ser útil. Tudo tem que ter um para quê... O pragmatismo de empresários, vendedores e compradores mete preço em cima de tudo. Porque tudo tem que dar lucro. A ditadura da utilidade é unha e carne com o lucrocentrismo de toda essa civilização. E o princípio da utilidade corrompe todos os setores da vida, nos fazendo crer que a própria vida tem que dar lucro. Vida é dom dos deuses, para ser saboreada intensamente até que a bomba de nêutrons ou o vazamento da usina nuclear nos separe deste pedaço de carne pulsante, único bem de que temos certeza".

Para Leminski a poesia é o princípio do prazer no uso da linguagem. E os poderes deste mundo não suportam o prazer. Precisam do princípio da realidade que doutrina códigos fechados, que não se renovam e têm uma espécie de temor da vida, pois esta, também na linguagem, exige que sempre o novo surja.

Nas palavras de Leminski, o novo é sempre visto como ameaça. "A história mostra como as sociedades se defendem de toda novidade. Porque as classes dominantes veem na estabilidade das formas uma espécie de emblema de seu poder. A experimentação das formas é algo maldito e visto como anti-social. E estão certos, realmente. A inovação é anti-social porque propõe uma nova sociedade".

A poesia, perigosa desde Platão, nunca deixou o estigma de "coisa estranha", do reino do irracional e da imaginação descontrolada. Segundo Leminski, "a poesia é movimento da linguagem em direção ao desconhecido. Um poeta não se faz com versos. O poeta é movimento. E todo ser em movimento é perigoso. Todo ser que se transforma incomoda. O poeta em movimento flagra o lado patético de nossas verdades absolutas, o belo que se esconde naquilo que tememos".

A poesia, no entanto, nunca deixou de existir. Sempre, a cada geração, seja na forma de leitores ou criadores, ela se conserva, se renova. E para o poeta "tem que existir poesia tanto no receptor quanto no emissor. Você precisa ser tão poeta para entender um poema quanto para fazê-lo".

Esse apego do homem à linguagem poética tem uma explicação para Leminski: paixão pela palavra, paixão pela linguagem. "O prazer da linguagem é um dos prazeres humanos maiores, junto com o sexo, a bebida, a comida, estados alterados pela droga... o uso da linguagem dá um barato."

Lugar frequentando por uma minoria, segundo nosso poeta a vocação da poesia é uma espécie de heroísmo. "Você continuar ao longo dos anos nessa coisa inútil que é a pura beleza da linguagem, que é a poesia, é um heroísmo. É uma modalidade quase que, às vezes eu gostaria de acreditar, de santidade". Leminski explica a marginalização do poeta, na palestra "Poesia: paixão da linguagem", dizendo que a poesia não dá nada para o poeta. Ao contrário, ele chega a desconfiar de que o poeta é um ser com alguma disfunção genética. Um ser com falha no seu planejamento e, sendo dotado do erro, seria vítima de uma tradição que o marginaliza e persegue como se fosse bandido.

Em caprichos e relaxos Leminski define sua poesia nos termos seguintes: "minha poesia aventureira tem um passado de freira e de puta". Segundo Toni Hara, "com essas imagens antagônicas Leminski definia sua formação intelectual. O passado de freira está ligado aos estudos realizados no mosteiro, a descoberta da grandeza mínima do haikai e ligado também ao seu engajamento no movimento concretista, liderado por Décio Pignatari, Augusto e Haroldo de Campos, que iniciaram Leminski no repertório das vanguardas do século XX. Por outro lado, a fase puta tem a ver com a vida boêmia, o rock nas veias, as experiências lisérgicas, a tropicália e com a subversão da contracultura. O conflito, ou talvez a soma do gasto com o devasso, com os caprichos e relaxos é que torna a obra de Leminski peculiar, original, ou, como ele diz, algo entre o óbvio e o nunca visto".

Para ser entendido por todo mundo o poeta buscava na linguagem pop uma forma de comunicação mais direta. Ele detestava aquele tipo de poesia profunda que obrigava os leitores a correrem atrás do dicionário. "O resultado deve ser raro, dizia, mas os ingredientes têm que ser simples".

Quando Caetano gravou "Verdura", em 1981, no disco Outras Palavras, a poesia de Leminski parece que estava caminhando para ser aquilo que Oswald de Andrade sonhava: um biscoito fino que a massa poderia provar. Numa carta endereçada ao poeta mineiro Carlos Ávila, ele disse: "A minha poesia está vivendo uma aventura de massa. Eu e minha poesia fomos despejados do palácio das letras".

O Rimbaud de Curitiba sabia que a poesia é o lugar da liberdade, sonho máximo do homem. E o homem é livre na poesia porque "o eu do poema é suscetível de todos os disfarces, de todas as fantasias, de todas as máscaras. O poeta pode fingir ser o que bem entender". Como o silêncio da música de Webern, a poesia é "o silêncio elipse/ o silêncio substantivo/ o silêncio pleno de som". Leminski é um remanescente daquele grito de Rimbaud que exigia da vida que ela fosse também arte.

Ele sabia que "poesia a gente encontra em toda parte", mas para vê-la é necessário, antes, ser poeta.

Nota do Autor
Para quem quer ter um contato direto com essas reflexões, a Rádio UEL FM (Londrina) fez um programa, dividido em cinco partes, dedicado a Leminski, onde se pode ouvir suas falas sobre poesia, ouvir suas músicas cantadas por Itamar Assunção, Zelia Duncan, Caetano Veloso e poemas recitados por Arnaldo Antunes, dentre outros. Há também uma raridade, que é Leminski cantando ao violão acompanhado pela bateria do músico Kito Pereira (dono da gravação feita em curitiba nos anos 80).

Para ir além
"Eternamente marginal".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
02. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
03. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
04. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol
05. A vingança dos certinhos de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/9/2009
07h31min
Leminsk apresentava-se com uma equipe fantástica no melhor programa de televisão da época, chamado "Jornal de Vanguarda".
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lições de Princesa
Meg Cabot
Galera Record
(2008)



O Bonde e a Linha - um Perfil de J. Carlos
Cássio Loredano
Capivara
(2002)



Exploring the Earth and the Cosmos
Isaac Asimov (capa Dura)
Crown Publishers
(1982)



Assistência Jurídica no Processo Penal: Garantia para a Efetivida
Berenice Maria Giannella
Revista dos Tribunais
(2002)



A Cor da Poesia
Gladis Lacerda
Oficina
(2001)



Pierre Verger - Fotografias para Não Esquecer
Roberto Linsker - Pierre Verger
Terra Virgem
(2009)



Grupos y Sociedad: Iniciacion a La Psicosociologia de los Grupos
Michel Cornation
Tiempo Nuevo (caracas)
(1969)



Le Jardin Dacclimatation
Yves Navarre
Flammarion
(1980)



As Equilibristas
Bruna Gasgon
Jardim dos Livros
(2012)



Minha gravidez dia a dia - 365 dias de um ano muito especial
demian sterman ; mariano rozenberg
Vergara & Riba
(2013)





busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês