Nick Hornby é um cara legal. Um escritor legal, aliás - o que é inaceitável. Escritor não pode ser legal. Não no Brasil, pelo menos, onde qualquer professor desocupado, se conseguir alinhar cinco frases coerentemente, pretende abalar um suposto conformismo político de burgueses alienados; e qualquer psicólogo estrangeiro, se souber escolher o título certo, convence multidões frustradas de que felicidade realmente existe. Porque quase todos os leitores, se não são acadêmicos mumificados, são secretárias deslumbradas. Ou seja: também são insuportavelmente chatos.

Eu não costumo acompanhar a crítica literária nacional, mas ouvi dizer que o novo livro de Hornby, Como ser legal, foi mal recebido por aqui. Evidente. Num posto de gasolina de beira de estrada, encontrei o livro de Hornby misturado com manuais de auto-ajuda. É isso: o critério de qualidade adotado pelos nossos críticos deve ser o mesmo usado pelo gerente de compras daquele posto: o título. Ler um livro de 300 páginas é trabalho demais, e esse método, tanto com os clientes do posto como entre leitores de cadernos culturais, tem funcionado. É mais fácil recorrer a frases prontas e análises flexíveis, que parecem adequadas a qualquer lançamento editorial. E que, invariavelmente, condenam um livro pelo mesmo erro que insistem em cometer: a pretensão de oferecer ao leitor algo mais do que uma trabalhada seqüência de clichês. No caso de Hornby, porém, o clichê não é o produto de sua literatura: ele é o principal instrumento de seu trabalho.

Hornby e Cusak, entre gravações de Alta Fidelidade Hornby conhece profundamente o universo em que seus personagens estão mergulhados - as músicas que ouvem, os filmes que assistem, os livros que lêem; ou ouviam, assistiam e liam, quando eram jovens e podiam dedicar tempo a isso. Ele é que se pode chamar, por falta de expressão melhor, de um erudito em cultura pop. Formado em Cambridge, antes de se estabelecer como escritor, Hornby queria ser roteirista de cinema; foi professor e jornalista; depois do sucesso de Alta Fidelidade, ele passou a colaborar freqüentemente com a revista New Yorker , escrevendo críticas de música pop. Hornby não se identifica com a imagem do escritor misantropo e pretensioso. É apaixonado por futebol, gosta de tomar cerveja e diz que é sociável demais para conseguir ficar trancado durante dois anos escrevendo um livro. E que, diferentemente de muitos escritores, prefere ser lido hoje a acreditar em um reconhecimento póstumo. Aliás, Hornby também não vê problema em ficar rico escrevendo livros. Quando perguntaram a ele se estava incomodado com o resultado do filme baseado em Um Grande Garoto(About a Boy), respondeu: "Eles me pagaram dois milhões de libras pela história. Era o que eu queria. Se fosse me incomodar, não venderia. E eles sempre me convidaram para opinar durante a produção, então seria injusto culpá-los agora pelas distorções. Se há alguma, a culpa é minha." Nick Hornby é um escritor que não é frustrado - e que, por isso, acaba sendo incomodamente sincero.

A narradora de Como ser legal, Kate Carr, é uma médica dedicada casada com David, um jornalista que escreve para o jornal do seu bairro uma coluna chamada "O homem mais irritado de Holloway". "Nossa história não tem nada de especial.", previne Kate, "(...) duas pessoas se conhecem, se apaixonam, têm filhos, começam a discutir, engordam e resmungam (ele), se entediam, se desesperam e resmungam (ela), e se separam." É mais ou menos verdade. Kate não suporta mais a rotina do seu casamento; ou melhor, da sua vida - e decide transformá-la pedindo o divórcio, com o qual, mesmo antes do casamento, ela já contava que fosse acontecer. David, desprevenido e ofendido, pede um tempo para que os dois pensem melhor e, quem sabe, se entendam melhor. E aí, de repente, a experiência dos Carr, de resto muito comum, começa a ficar peculiar: no meio da história, David conhece Boas Novas, um excêntrico ex-DJ que possui uma misteriosa capacidade de curar doenças, físicas e espirituais. E David se transforma completamente: de um jornalista azedo, que reclamava de velhinhas que nunca tinham trocado para pagar o ônibus, passa a ser o cara mais bonzinho do bairro, que convence vizinhos a acomodar meninos carentes em seus quartos desocupados.

Kate é o perfil exato daquela mulher de meia idade que acreditou no discurso da contracultura, quando jovem; leu uma meia dúzia de livros que seus amigos também liam; do fundo do coração, sempre quis ser boazinha, e decidiu ser médica por causa disso - mas quão fundo é o seu coração? Socialmente, é uma gracinha votar no Partido Trabalhista e apoiar discursos filantrópicos - mas será que Kate é realmente tão legal quanto ela pensa que é? Não - e esta conclusão é minha, não de Hornby. Kate sempre aderiu ao discurso politicamente correto, e não percebeu a distância entre ele e a verdadeira caridade. Uma imaginação benevolente não alivia um comportamento egoísta, e Kate devia saber disso. Mas não sabe. Sua aparente preocupação com a pobreza na África não compensa o fato de ela manter relações com um amante, e isso começa a incomodá-la.

David achava que era um gênio. Um gênio incompreendido, claro. A convivência com pessoas medíocres sempre eleva o conceito que gente ligeiramente acima da média tem de si mesma. David até tem idéias relativamente originais e engraçadas, se comparado a seus vizinhos. Mas, se fosse bom mesmo, escreveria para um jornal que, pelo menos, tivesse uma distribuição que alcançasse mais gente do que os mesmos vizinhos que ele critica. David é um escritor frustrado - até conhecer Boas Novas, e sua vida mudar completamente.

E David deixa de ser escritor e deixa de ser frustrado. Enquanto os Carr não decidem se se separam ou não, Boas Novas muda-se para a casa deles. A cozinha da casa do casal, que ainda tem dois filhos, se transforma no escritório em que David e Boas Novas elaboram seus projetos altruístas. O homem do qual Kate queria se separar muda completamente - e agora? Kate não sabe mais o que fazer, enquanto David está fanaticamente convencido de que, realizando seu trabalho beneficente, é um homem íntegro e feliz. Tudo que ele nunca quis ser - e que Kate sempre pensou que ela fosse.

Kate jamais poderia ter escrito o livro que Hornby escreveu em nome dela. Se fosse real, seu texto provavelmente seria ilegível. Hornby organizou suas inquietações esquizofrênicas com uma lucidez que a própria autora, se existisse, não seria capaz de atingir. Ou seja: as pessoas reais que sofrem de problemas semelhantes aos da autora fictícia não conseguem, normalmente, ser tão sinceras e tão profundas. E é aí que Hornby comprova que, mesmo com um enredo comum e personagens medíocres, é possível produzir uma literatura de qualidade.

De qualidade limitada, é claro. Se os aristocratas decadentes de Fitzgerald traduziam Joyce, a protagonista de Hornby assiste a Guerra nas Estrelas. Quando descobre que precisa de alguém para orientar sua vida, confessa: "Sei que é patético perceber isto num filme de ficção-científica infantil, e não na obra de George Eliot, Wordsworth ou Virginia Woolf. Mas aí é que está o cerne da questão, não é? Não tenho tempo nem energia para Virginia Woolf, e por isso sou obrigada a procurar sentido e reconforto nos vídeos de Guerra nas Estrelas do meu filho. Tenho que ser Luke Skywalker porque não sei mais quem ser." Quem nota que isso é patético é, na verdade, Hornby: Kate dificilmente teria consciência da limitação das suas referências, e da influência que elas têm na sua vida prática. Essa delicada elevação do nível da narradora é fundamental - ou então o livro poderia ter sido escrito por qualquer telespectadora de filmes B. Mas Hornby leu Virginia Woolf - e escreveu sobre quem não leu, para quem não tem saco para ler.

Não é preciso de saco para ler Nick Hornby.

Um cara legal | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural


busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Trotski - O Profeta Banido de Isaac Deutscher pela Civilização Brasileira (1984)
>>> Nos Tempos de Getúlio: Da Revolução de 30 ao Fim do Estado Novo de Sonia de Deus Rodrigues Bercito pela Atual/ Sp. (1995)
>>> De Getulio a Getúlio: o Brasil de Dutra e Vargas (1945 a 1954) de Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (e outro) pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1991)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/7/2002
Um cara legal
Eduardo Carvalho

+ de 4800 Acessos

Nick Hornby

Nick Hornby é um cara legal. Um escritor legal, aliás - o que é inaceitável. Escritor não pode ser legal. Não no Brasil, pelo menos, onde qualquer professor desocupado, se conseguir alinhar cinco frases coerentemente, pretende abalar um suposto conformismo político de burgueses alienados; e qualquer psicólogo estrangeiro, se souber escolher o título certo, convence multidões frustradas de que felicidade realmente existe. Porque quase todos os leitores, se não são acadêmicos mumificados, são secretárias deslumbradas. Ou seja: também são insuportavelmente chatos.

Eu não costumo acompanhar a crítica literária nacional, mas ouvi dizer que o novo livro de Hornby, Como ser legal, foi mal recebido por aqui. Evidente. Num posto de gasolina de beira de estrada, encontrei o livro de Hornby misturado com manuais de auto-ajuda. É isso: o critério de qualidade adotado pelos nossos críticos deve ser o mesmo usado pelo gerente de compras daquele posto: o título. Ler um livro de 300 páginas é trabalho demais, e esse método, tanto com os clientes do posto como entre leitores de cadernos culturais, tem funcionado. É mais fácil recorrer a frases prontas e análises flexíveis, que parecem adequadas a qualquer lançamento editorial. E que, invariavelmente, condenam um livro pelo mesmo erro que insistem em cometer: a pretensão de oferecer ao leitor algo mais do que uma trabalhada seqüência de clichês. No caso de Hornby, porém, o clichê não é o produto de sua literatura: ele é o principal instrumento de seu trabalho.

Hornby e Cusak, entre gravações de Alta Fidelidade Hornby conhece profundamente o universo em que seus personagens estão mergulhados - as músicas que ouvem, os filmes que assistem, os livros que lêem; ou ouviam, assistiam e liam, quando eram jovens e podiam dedicar tempo a isso. Ele é que se pode chamar, por falta de expressão melhor, de um erudito em cultura pop. Formado em Cambridge, antes de se estabelecer como escritor, Hornby queria ser roteirista de cinema; foi professor e jornalista; depois do sucesso de Alta Fidelidade, ele passou a colaborar freqüentemente com a revista New Yorker , escrevendo críticas de música pop. Hornby não se identifica com a imagem do escritor misantropo e pretensioso. É apaixonado por futebol, gosta de tomar cerveja e diz que é sociável demais para conseguir ficar trancado durante dois anos escrevendo um livro. E que, diferentemente de muitos escritores, prefere ser lido hoje a acreditar em um reconhecimento póstumo. Aliás, Hornby também não vê problema em ficar rico escrevendo livros. Quando perguntaram a ele se estava incomodado com o resultado do filme baseado em Um Grande Garoto(About a Boy), respondeu: "Eles me pagaram dois milhões de libras pela história. Era o que eu queria. Se fosse me incomodar, não venderia. E eles sempre me convidaram para opinar durante a produção, então seria injusto culpá-los agora pelas distorções. Se há alguma, a culpa é minha." Nick Hornby é um escritor que não é frustrado - e que, por isso, acaba sendo incomodamente sincero.

A narradora de Como ser legal, Kate Carr, é uma médica dedicada casada com David, um jornalista que escreve para o jornal do seu bairro uma coluna chamada "O homem mais irritado de Holloway". "Nossa história não tem nada de especial.", previne Kate, "(...) duas pessoas se conhecem, se apaixonam, têm filhos, começam a discutir, engordam e resmungam (ele), se entediam, se desesperam e resmungam (ela), e se separam." É mais ou menos verdade. Kate não suporta mais a rotina do seu casamento; ou melhor, da sua vida - e decide transformá-la pedindo o divórcio, com o qual, mesmo antes do casamento, ela já contava que fosse acontecer. David, desprevenido e ofendido, pede um tempo para que os dois pensem melhor e, quem sabe, se entendam melhor. E aí, de repente, a experiência dos Carr, de resto muito comum, começa a ficar peculiar: no meio da história, David conhece Boas Novas, um excêntrico ex-DJ que possui uma misteriosa capacidade de curar doenças, físicas e espirituais. E David se transforma completamente: de um jornalista azedo, que reclamava de velhinhas que nunca tinham trocado para pagar o ônibus, passa a ser o cara mais bonzinho do bairro, que convence vizinhos a acomodar meninos carentes em seus quartos desocupados.

Kate é o perfil exato daquela mulher de meia idade que acreditou no discurso da contracultura, quando jovem; leu uma meia dúzia de livros que seus amigos também liam; do fundo do coração, sempre quis ser boazinha, e decidiu ser médica por causa disso - mas quão fundo é o seu coração? Socialmente, é uma gracinha votar no Partido Trabalhista e apoiar discursos filantrópicos - mas será que Kate é realmente tão legal quanto ela pensa que é? Não - e esta conclusão é minha, não de Hornby. Kate sempre aderiu ao discurso politicamente correto, e não percebeu a distância entre ele e a verdadeira caridade. Uma imaginação benevolente não alivia um comportamento egoísta, e Kate devia saber disso. Mas não sabe. Sua aparente preocupação com a pobreza na África não compensa o fato de ela manter relações com um amante, e isso começa a incomodá-la.

David achava que era um gênio. Um gênio incompreendido, claro. A convivência com pessoas medíocres sempre eleva o conceito que gente ligeiramente acima da média tem de si mesma. David até tem idéias relativamente originais e engraçadas, se comparado a seus vizinhos. Mas, se fosse bom mesmo, escreveria para um jornal que, pelo menos, tivesse uma distribuição que alcançasse mais gente do que os mesmos vizinhos que ele critica. David é um escritor frustrado - até conhecer Boas Novas, e sua vida mudar completamente.

E David deixa de ser escritor e deixa de ser frustrado. Enquanto os Carr não decidem se se separam ou não, Boas Novas muda-se para a casa deles. A cozinha da casa do casal, que ainda tem dois filhos, se transforma no escritório em que David e Boas Novas elaboram seus projetos altruístas. O homem do qual Kate queria se separar muda completamente - e agora? Kate não sabe mais o que fazer, enquanto David está fanaticamente convencido de que, realizando seu trabalho beneficente, é um homem íntegro e feliz. Tudo que ele nunca quis ser - e que Kate sempre pensou que ela fosse.

Kate jamais poderia ter escrito o livro que Hornby escreveu em nome dela. Se fosse real, seu texto provavelmente seria ilegível. Hornby organizou suas inquietações esquizofrênicas com uma lucidez que a própria autora, se existisse, não seria capaz de atingir. Ou seja: as pessoas reais que sofrem de problemas semelhantes aos da autora fictícia não conseguem, normalmente, ser tão sinceras e tão profundas. E é aí que Hornby comprova que, mesmo com um enredo comum e personagens medíocres, é possível produzir uma literatura de qualidade.

De qualidade limitada, é claro. Se os aristocratas decadentes de Fitzgerald traduziam Joyce, a protagonista de Hornby assiste a Guerra nas Estrelas. Quando descobre que precisa de alguém para orientar sua vida, confessa: "Sei que é patético perceber isto num filme de ficção-científica infantil, e não na obra de George Eliot, Wordsworth ou Virginia Woolf. Mas aí é que está o cerne da questão, não é? Não tenho tempo nem energia para Virginia Woolf, e por isso sou obrigada a procurar sentido e reconforto nos vídeos de Guerra nas Estrelas do meu filho. Tenho que ser Luke Skywalker porque não sei mais quem ser." Quem nota que isso é patético é, na verdade, Hornby: Kate dificilmente teria consciência da limitação das suas referências, e da influência que elas têm na sua vida prática. Essa delicada elevação do nível da narradora é fundamental - ou então o livro poderia ter sido escrito por qualquer telespectadora de filmes B. Mas Hornby leu Virginia Woolf - e escreveu sobre quem não leu, para quem não tem saco para ler.

Não é preciso de saco para ler Nick Hornby.





Eduardo Carvalho
São Paulo, 29/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
02. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
05. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PETIÇÕES & CONTRATOS - MODELOS - VOLUME 2
ANTONIO PÁDUA PINTO NETO
ESPLANADA
(2001)
R$ 120,00
+ frete grátis



A GRANDE PARTIDA : ANOS DE CHUMBO 2ª ED. + DVD
FRANCISCO SORIANO
PLENA EDITORIAL
(2010)
R$ 35,00



REDES E APOIO SOCIAL
ANDREIVNA KHARENINE SERBIM UND LISIANE PASKULIN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 314,00



IT GIRL 5: GAROTA DE SORTE
CECILY VON ZIEGESAR
GALERA RECORD
(2010)
R$ 37,99



PEQUENO DICIONÁRIO DO PERFEITO AUTOMOBILISTA
CHRISTIAN VEBEL
GRIJALBO
(1967)
R$ 5,00



O MISTÉRIO DO CASAMENTO DESCOBRINDO DEUS NO MATRIMÔNIO 8610
MIKE MASON
MUNDO CRISTÃO
(1986)
R$ 18,00



O LIVRO DOS SEGREDO VOL. I 7855
BHAGWAN SHREE RAJNEESH - OSHO
MAHA LAKSHMI
(1982)
R$ 60,00



TRUST IN GOD... ITS IN HIS HANDS
MIKE SANDERS
GHRISTIAN APPALACHIAN PROJECT
(2003)
R$ 10,00



PIGGY BANKS
SALVADANAI
BELLA CASA
(1992)
R$ 50,00



O MEU COCKER SPANIEL
BRUCE FOGLE
EDITORIAL PRESENÇA
(1997)
R$ 16,77





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês