Um cara legal | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/7/2002
Um cara legal
Eduardo Carvalho

+ de 4900 Acessos

Nick Hornby

Nick Hornby é um cara legal. Um escritor legal, aliás - o que é inaceitável. Escritor não pode ser legal. Não no Brasil, pelo menos, onde qualquer professor desocupado, se conseguir alinhar cinco frases coerentemente, pretende abalar um suposto conformismo político de burgueses alienados; e qualquer psicólogo estrangeiro, se souber escolher o título certo, convence multidões frustradas de que felicidade realmente existe. Porque quase todos os leitores, se não são acadêmicos mumificados, são secretárias deslumbradas. Ou seja: também são insuportavelmente chatos.

Eu não costumo acompanhar a crítica literária nacional, mas ouvi dizer que o novo livro de Hornby, Como ser legal, foi mal recebido por aqui. Evidente. Num posto de gasolina de beira de estrada, encontrei o livro de Hornby misturado com manuais de auto-ajuda. É isso: o critério de qualidade adotado pelos nossos críticos deve ser o mesmo usado pelo gerente de compras daquele posto: o título. Ler um livro de 300 páginas é trabalho demais, e esse método, tanto com os clientes do posto como entre leitores de cadernos culturais, tem funcionado. É mais fácil recorrer a frases prontas e análises flexíveis, que parecem adequadas a qualquer lançamento editorial. E que, invariavelmente, condenam um livro pelo mesmo erro que insistem em cometer: a pretensão de oferecer ao leitor algo mais do que uma trabalhada seqüência de clichês. No caso de Hornby, porém, o clichê não é o produto de sua literatura: ele é o principal instrumento de seu trabalho.

Hornby e Cusak, entre gravações de Alta Fidelidade Hornby conhece profundamente o universo em que seus personagens estão mergulhados - as músicas que ouvem, os filmes que assistem, os livros que lêem; ou ouviam, assistiam e liam, quando eram jovens e podiam dedicar tempo a isso. Ele é que se pode chamar, por falta de expressão melhor, de um erudito em cultura pop. Formado em Cambridge, antes de se estabelecer como escritor, Hornby queria ser roteirista de cinema; foi professor e jornalista; depois do sucesso de Alta Fidelidade, ele passou a colaborar freqüentemente com a revista New Yorker , escrevendo críticas de música pop. Hornby não se identifica com a imagem do escritor misantropo e pretensioso. É apaixonado por futebol, gosta de tomar cerveja e diz que é sociável demais para conseguir ficar trancado durante dois anos escrevendo um livro. E que, diferentemente de muitos escritores, prefere ser lido hoje a acreditar em um reconhecimento póstumo. Aliás, Hornby também não vê problema em ficar rico escrevendo livros. Quando perguntaram a ele se estava incomodado com o resultado do filme baseado em Um Grande Garoto(About a Boy), respondeu: "Eles me pagaram dois milhões de libras pela história. Era o que eu queria. Se fosse me incomodar, não venderia. E eles sempre me convidaram para opinar durante a produção, então seria injusto culpá-los agora pelas distorções. Se há alguma, a culpa é minha." Nick Hornby é um escritor que não é frustrado - e que, por isso, acaba sendo incomodamente sincero.

A narradora de Como ser legal, Kate Carr, é uma médica dedicada casada com David, um jornalista que escreve para o jornal do seu bairro uma coluna chamada "O homem mais irritado de Holloway". "Nossa história não tem nada de especial.", previne Kate, "(...) duas pessoas se conhecem, se apaixonam, têm filhos, começam a discutir, engordam e resmungam (ele), se entediam, se desesperam e resmungam (ela), e se separam." É mais ou menos verdade. Kate não suporta mais a rotina do seu casamento; ou melhor, da sua vida - e decide transformá-la pedindo o divórcio, com o qual, mesmo antes do casamento, ela já contava que fosse acontecer. David, desprevenido e ofendido, pede um tempo para que os dois pensem melhor e, quem sabe, se entendam melhor. E aí, de repente, a experiência dos Carr, de resto muito comum, começa a ficar peculiar: no meio da história, David conhece Boas Novas, um excêntrico ex-DJ que possui uma misteriosa capacidade de curar doenças, físicas e espirituais. E David se transforma completamente: de um jornalista azedo, que reclamava de velhinhas que nunca tinham trocado para pagar o ônibus, passa a ser o cara mais bonzinho do bairro, que convence vizinhos a acomodar meninos carentes em seus quartos desocupados.

Kate é o perfil exato daquela mulher de meia idade que acreditou no discurso da contracultura, quando jovem; leu uma meia dúzia de livros que seus amigos também liam; do fundo do coração, sempre quis ser boazinha, e decidiu ser médica por causa disso - mas quão fundo é o seu coração? Socialmente, é uma gracinha votar no Partido Trabalhista e apoiar discursos filantrópicos - mas será que Kate é realmente tão legal quanto ela pensa que é? Não - e esta conclusão é minha, não de Hornby. Kate sempre aderiu ao discurso politicamente correto, e não percebeu a distância entre ele e a verdadeira caridade. Uma imaginação benevolente não alivia um comportamento egoísta, e Kate devia saber disso. Mas não sabe. Sua aparente preocupação com a pobreza na África não compensa o fato de ela manter relações com um amante, e isso começa a incomodá-la.

David achava que era um gênio. Um gênio incompreendido, claro. A convivência com pessoas medíocres sempre eleva o conceito que gente ligeiramente acima da média tem de si mesma. David até tem idéias relativamente originais e engraçadas, se comparado a seus vizinhos. Mas, se fosse bom mesmo, escreveria para um jornal que, pelo menos, tivesse uma distribuição que alcançasse mais gente do que os mesmos vizinhos que ele critica. David é um escritor frustrado - até conhecer Boas Novas, e sua vida mudar completamente.

E David deixa de ser escritor e deixa de ser frustrado. Enquanto os Carr não decidem se se separam ou não, Boas Novas muda-se para a casa deles. A cozinha da casa do casal, que ainda tem dois filhos, se transforma no escritório em que David e Boas Novas elaboram seus projetos altruístas. O homem do qual Kate queria se separar muda completamente - e agora? Kate não sabe mais o que fazer, enquanto David está fanaticamente convencido de que, realizando seu trabalho beneficente, é um homem íntegro e feliz. Tudo que ele nunca quis ser - e que Kate sempre pensou que ela fosse.

Kate jamais poderia ter escrito o livro que Hornby escreveu em nome dela. Se fosse real, seu texto provavelmente seria ilegível. Hornby organizou suas inquietações esquizofrênicas com uma lucidez que a própria autora, se existisse, não seria capaz de atingir. Ou seja: as pessoas reais que sofrem de problemas semelhantes aos da autora fictícia não conseguem, normalmente, ser tão sinceras e tão profundas. E é aí que Hornby comprova que, mesmo com um enredo comum e personagens medíocres, é possível produzir uma literatura de qualidade.

De qualidade limitada, é claro. Se os aristocratas decadentes de Fitzgerald traduziam Joyce, a protagonista de Hornby assiste a Guerra nas Estrelas. Quando descobre que precisa de alguém para orientar sua vida, confessa: "Sei que é patético perceber isto num filme de ficção-científica infantil, e não na obra de George Eliot, Wordsworth ou Virginia Woolf. Mas aí é que está o cerne da questão, não é? Não tenho tempo nem energia para Virginia Woolf, e por isso sou obrigada a procurar sentido e reconforto nos vídeos de Guerra nas Estrelas do meu filho. Tenho que ser Luke Skywalker porque não sei mais quem ser." Quem nota que isso é patético é, na verdade, Hornby: Kate dificilmente teria consciência da limitação das suas referências, e da influência que elas têm na sua vida prática. Essa delicada elevação do nível da narradora é fundamental - ou então o livro poderia ter sido escrito por qualquer telespectadora de filmes B. Mas Hornby leu Virginia Woolf - e escreveu sobre quem não leu, para quem não tem saco para ler.

Não é preciso de saco para ler Nick Hornby.





Eduardo Carvalho
São Paulo, 29/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
03. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
04. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
05. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA
DARCY ANN UMPHRED
MANOLE
(1994)
R$ 50,00



IGREJA NO BRASIL - DIRETÓRIO LITÚRGICO - 1996
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
CNBB
(1996)
R$ 7,00



NOVELA DAS SETE: 1986, O ANO QUE DEVERIA DAR CERTO
LINDINOR SÁ LARANGEIRAS
LITTERIS
(1986)
R$ 26,28



WHERED YOU GO, BERNADETTE: A NOVEL
MARIA SEMPLE
LITTLE BROWN AND COMPANY
(2012)
R$ 30,00



A IGREJA DOS TEMPOS CLÁSSICOS (I)
DANIEL ROPS
QUADRANTE
(2000)
R$ 75,00



ENGAGE LEVEL 2 STUDENT BOOK AND WORKBOOK
ALICIA ARTUSI; GREGORY J. MANIN
OXFORD DO BRASIL
(2011)
R$ 20,00



POR UM NASCIMENTO CONSCIENTE
HAROLDO E FLÁVIA DE FARIA CASTRO
GROUND
(1977)
R$ 10,00



ATLÂNTIDA O OITAVO CONTINENTE
CHARLES BERLITZ
CIRCULO DO LIVRO
R$ 16,80



CORAGEM. O PRAZER DE VIVER PERIGOSAMENTE
OSHO
CULTRIX
(1999)
R$ 20,00



EDUCAÇÃO - UM NOVO OLHAR
ROSANA ANDRÉIA
FOCO
(2019)
R$ 40,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês