Um Oscar para Christopher Nolan | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> Três autos da alma da barca do inferno de Gil Vicente pela Folha
>>> Clara dos Anjos e outras histórias de Lima Barreto pela Folha
>>> O cortiço de Alusío Azevedo pela O globo
>>> Sonetos de Bocage pela Folha
>>> As pupilas do senhor reitor de Julio Dinis pela Folha
>>> Amor e Perdição de Camilo Castelo Branco pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela Folha
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Folha
>>> O Leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Companhia Das Letras (2017)
>>> The Host de Stephenie Meyer pela Litle (2009)
>>> Uns e Outros de Helena Terra e Luiz Ruffalo pela Dublinense (2017)
>>> A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyer Scilar pela Folha (2012)
>>> Pegasus e o fogo do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Tempo de Geografia de Axé Silva e Jurandyr Ross pela Brasil (2019)
>>> Pegasus e a batalha pelo olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Pegasus e as origens do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2014)
>>> Pégasus e os novos olímpicos de Kate Ohearn pela Leya (2013)
>>> Harry Potter e a Criança Amaldiçoada de J.K. Rowling pela Rocco (2016)
>>> Elite da tropa de Luiz Eduardo Soares, Andre Batista, Rodrigo Pimentel pela Objetiva (2006)
>>> Missão Silverfin de Charlie Higson pela Galera (2006)
>>> O Retrato de Charlie Lovett pela Novo Conceito (2013)
>>> História Telares 7º de Cláudio Vicentino e José Bruno Vicentino pela Atica (2019)
>>> Eu de Ricky Martin pela Planeta (2010)
>>> Geografia Telares 7º ano de J.W.Vesentini e Vânia Vlach pela Atica (2019)
>>> Vida e Proeza de Aléxis Zorbas de Nikos Kazantzákis pela Tag (2021)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/1/2011
Um Oscar para Christopher Nolan
Rafael Rodrigues

+ de 5200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Considerado como uma espécie de termômetro do Oscar, o Globo de Ouro realmente funciona como uma prévia de algumas premiações da Academia. Em 2009 e 2010, por exemplo, os melhores atores coroados com o Globo também receberam o Oscar por suas atuações. Destaca-se apenas o fato de, na edição de 2009, Kate Winslet ter recebido dois Globos de Ouro: um como Melhor Atriz Coadjuvante, por sua atuação em O Leitor, e outro de Melhor Atriz, pelo filme Revolutionary Road, sendo que a Academia premiou Winslet com a estatueta de Melhor Atriz por sua interpretação em O Leitor.

Por essas e outras, espera-se, na cerimônia do Oscar, basicamente as mesmas premiações, com uma ou outra diferença, mas, mesmo assim, sem nenhuma grande surpresa. Na edição do Globo de Ouro deste ano, cuja cerimônia aconteceu no último domingo, dia 16, esperava-se que o filme A rede social, dirigido por David Fincher, abocanhasse vários prêmios, mas havia uma grande expectativa de que A origem, escrito e dirigido por Christopher Nolan, recebesse algumas estatuetas. Mas não foi o que aconteceu. A rede social ganhou os prêmios de melhor filme de drama, melhor diretor, melhor roteiro (escrito por Aaron Sorkin) e melhor trilha musical.

Quem assistiu ao filme sabe que os prêmios não foram injustos. A rede social é, sim, um grande filme. Sem dúvida alguma um dos melhores do ano que passou. Depois das interpretações brilhantes de Jesse Eisenberg (como Mark Zuckerberg) e Andrew Garfield (como Eduardo Saverin), o maior destaque da produção é a estonteante trilha sonora, que ficou a cargo de Trent Reznor (vocalista e "dono" do Nine Inch Nails) e Atticus Ross. Não é comum uma trilha sonora parecer ditar o ritmo das cenas, geralmente o que se vê é o contrário. A rede social é um desses raros casos em que a trilha parece se sobrepor às cenas.

Outro ponto forte ― e talvez um tanto emocional ― de A rede social é que ele lembra um pouco o clima de Sociedade dos Poetas Mortos, um clássico do cinema contemporâneo. E me parece que o filme de David Fincher e Aaron Sorkin ficará marcado como a produção que marcou uma época de nossa sociedade, de uma geração, assim como o filme de Peter Weir o fez. Isso é algo muito representativo, e o seria ainda mais se esta época merecesse tamanhas honrarias. Mas, infelizmente, não é o caso. Ao contrário de Sociedade dos Poetas Mortos, não há romantismo ou idealismo algum em A rede social, e isso ― é preciso destacar: na minha opinião ― diminui um pouco a sua importância.

A origem, de Christopher Nolan, preenche essa pequena lacuna que A rede social deixou em branco. O protagonista da história, que é interpretado por Leonardo DiCaprio ― outro injustiçado pela Academia ―, tem dentro de si ainda alguma nobreza, alguma aspiração digna. Mesmo que os fins não justifiquem os meios, seu objetivo é, poderíamos dizer, singelo, respeitoso. O que Dom Cobb quer é apenas voltar para a sua família, no caso, seus filhos, já que sua esposa está morta. Objetivos nobres não fazem filmes, mas a questão é que tudo em A origem é digno dos maiores elogios: roteiro ― que, aliás, é original, e não adaptado, como o de A rede social, que é baseado no livro Bilionários por acaso, de Ben Mezrich ―, direção, interpretações, efeitos especiais, e até mesmo a discreta trilha sonora. Por isso, a pergunta que ficou, para muitos do que assistiram à criação de Nolan é: "como é que esse filme não ganhou prêmio nenhum?".

Mais: como é que Nolan não recebeu, até hoje, nenhum Globo de Ouro e nenhum Oscar? Lembrando que ele é o autor de um dos filmes mais revolucionários do cinema nos últimos 15 anos: Amnésia, de 2000, que chegou a ser indicado, em ambas as premiações, na categoria Melhor Roteiro, mas não venceu.

Longe de Christopher Nolan ser uma unanimidade ou não existirem trabalhos melhores que os dele. Mas sequer indicações de Melhor Roteiro, Melhor Direção e Melhor Filme Batman: O cavaleiro das trevas, de 2009, escrito e dirigido pelo cineasta, recebeu. De todos os filmes da franquia Batman, O cavaleiro das trevas é, de longe, o melhor. Une perfeitamente o entretenimento ao bom cinema. O roteiro desse filme é nada menos que brilhante. Assim como o clima dele, sombrio, fazendo jus ao subtítulo do filme, que vem a ser o apelido do herói. Alguns diálogos, além de especificamente as interpretações de Heath Ledger (talvez o melhor Coringa de todos os tempos) e Aaron Eckhart (Harvey Dent/ Duas Caras), são soberbos. Os últimos minutos de O cavaleiro das trevas, e isso é preciso ser reconhecido, em vez de ignorado talvez por ser um "filme de super-herói", são uma pequena obra-prima do cinema. Não importa se são piegas, ingênuos ou algo do tipo: os minutos finais de O cavaleiro das trevas deveriam entrar para a história do cinema como uma das sequências mais profundas dos últimos anos. Seu roteiro merecia, no mínimo, uma indicação, e não o silêncio solene da Academia.

Espera-se que não, mas o Globo de Ouro deixa entender que a A origem será, assim como Batman, ignorado pelo Oscar. O que é uma pena, além de uma enorme injustiça. Talvez a maior dos últimos anos.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 19/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
02. Índio quer apito, celular e conta nas Caymán de Alexandre Ramos
03. Cultura da canalhice de Rafael Azevedo


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
04. A história do amor - 24/7/2006
05. História dos Estados Unidos - 29/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/1/2011
09h43min
A verdade é que há muito as premiações do cinema americano não refletem nada significativo. Por vezes, o filme é premiado por ser um sucesso de bilheteria. Em outros momentos, é ignorado pelo mesmo motivo. Nolan, como você disse, é o cineasta que melhor fala na atual geração. Seus filmes são blockbusters de qualidade, sem deixar de lado a capacidade de um bom cinema reflexivo. Não será premiado, mas quem se importa? Eu, pelo menos, não.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
26/1/2011
21h22min
Devo dizer que a academia não é lá muito justa com as produções. O Globo de Ouro representou uma grande decepção também para a TV, que tem inúmeros shows fantásticos e não reconhecidos. Essa Academia precisa ser trocada, porque há muito tempo ela não consegue avaliar de forma correta as inúmeras produções.
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual de Direito Econômico
Fabio Bensoussan - Marcus de Freitas Gouvêa
Juspodivm
(2016)



Iwas Once a Tree - Col. Ftd English Readers
Pedro Caldas
Fdt
(1990)



Elogio da loucura
Erasmo
Escala
(2006)



Corra,o controle de qualidade vem ai!
Scott adams
Ediouro
(1997)



O Quarto Poder. uma Outra Historia
Paulo Henrique Amorim
Hedra
(2015)



Couleurs des Étoiles
David Malin e Paul Murdin (capa Dura)
Masson
(1986)



A Semente de Deus
Cesar Romão
Mandarim
(2000)



Não Caia da Montanha
Shirley Maclaine
Record
(1970)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record
(1962)



O Chá-de-bebê de Becky Bloom
Sophie Kinsella
Record
(2008)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês