Um Oscar para Christopher Nolan | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> Le Cid de Pierre Corneille pela Didier (1978)
>>> Memórias do Visconde de Taunay de Alfredo D´Escragnolle Taunay pela Melhoramentos (1946)
>>> Fé e Fogo de Marco Adolfs pela Brasiliense (2008)
>>> Ana Sem Terra de Alcy Cheuiche pela Sulina (2001)
>>> A Retirada da Laguna de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1942)
>>> Antigone de Jean Anouilh pela Didier (1978)
>>> Callíope A Mulher de Atenas de Cintia de Faria Pimentel Marques pela Letras Jurídicas (2004)
>>> Cinemarden de Marden Machado pela Arte e Letra (2018)
>>> A Luneta Mágica de Joaquim Manuel De Macedo pela Ática (2012)
>>> Abismo de Pompília Lopes dos Santos pela Repro-set (1985)
>>> Enquanto o dorso do tigre não se completa de Sérgio Rubens Sossélla pela Gráfica União
>>> Maria e outros poemas de J. Cardias pela Do autor (1991)
>>> Fênix de Carlos Barros pela Arte Quintal (1989)
>>> Rousseaus Politische Philosophie: Zur Geschichte des demokratischen Freiheitsbegriffs de Iring Fetscher pela Hermann Luchterhand (1960)
>>> Poesia de Jake pela Pallotti
>>> La métamorphose de Franz Kafka pela Flamarion (1988)
>>> The Invisible bridge de Julie Orringer pela Random House (2011)
>>> ... E o mundo silenciou de Ben Abraham pela Parma (1979)
>>> Minha Alma Gêmea de Adélia Bastos Krefta pela Santa Mônica (1999)
>>> Como falar com as mães de Alec Greven pela Record (2009)
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/1/2011
Um Oscar para Christopher Nolan
Rafael Rodrigues

+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Considerado como uma espécie de termômetro do Oscar, o Globo de Ouro realmente funciona como uma prévia de algumas premiações da Academia. Em 2009 e 2010, por exemplo, os melhores atores coroados com o Globo também receberam o Oscar por suas atuações. Destaca-se apenas o fato de, na edição de 2009, Kate Winslet ter recebido dois Globos de Ouro: um como Melhor Atriz Coadjuvante, por sua atuação em O Leitor, e outro de Melhor Atriz, pelo filme Revolutionary Road, sendo que a Academia premiou Winslet com a estatueta de Melhor Atriz por sua interpretação em O Leitor.

Por essas e outras, espera-se, na cerimônia do Oscar, basicamente as mesmas premiações, com uma ou outra diferença, mas, mesmo assim, sem nenhuma grande surpresa. Na edição do Globo de Ouro deste ano, cuja cerimônia aconteceu no último domingo, dia 16, esperava-se que o filme A rede social, dirigido por David Fincher, abocanhasse vários prêmios, mas havia uma grande expectativa de que A origem, escrito e dirigido por Christopher Nolan, recebesse algumas estatuetas. Mas não foi o que aconteceu. A rede social ganhou os prêmios de melhor filme de drama, melhor diretor, melhor roteiro (escrito por Aaron Sorkin) e melhor trilha musical.

Quem assistiu ao filme sabe que os prêmios não foram injustos. A rede social é, sim, um grande filme. Sem dúvida alguma um dos melhores do ano que passou. Depois das interpretações brilhantes de Jesse Eisenberg (como Mark Zuckerberg) e Andrew Garfield (como Eduardo Saverin), o maior destaque da produção é a estonteante trilha sonora, que ficou a cargo de Trent Reznor (vocalista e "dono" do Nine Inch Nails) e Atticus Ross. Não é comum uma trilha sonora parecer ditar o ritmo das cenas, geralmente o que se vê é o contrário. A rede social é um desses raros casos em que a trilha parece se sobrepor às cenas.

Outro ponto forte ― e talvez um tanto emocional ― de A rede social é que ele lembra um pouco o clima de Sociedade dos Poetas Mortos, um clássico do cinema contemporâneo. E me parece que o filme de David Fincher e Aaron Sorkin ficará marcado como a produção que marcou uma época de nossa sociedade, de uma geração, assim como o filme de Peter Weir o fez. Isso é algo muito representativo, e o seria ainda mais se esta época merecesse tamanhas honrarias. Mas, infelizmente, não é o caso. Ao contrário de Sociedade dos Poetas Mortos, não há romantismo ou idealismo algum em A rede social, e isso ― é preciso destacar: na minha opinião ― diminui um pouco a sua importância.

A origem, de Christopher Nolan, preenche essa pequena lacuna que A rede social deixou em branco. O protagonista da história, que é interpretado por Leonardo DiCaprio ― outro injustiçado pela Academia ―, tem dentro de si ainda alguma nobreza, alguma aspiração digna. Mesmo que os fins não justifiquem os meios, seu objetivo é, poderíamos dizer, singelo, respeitoso. O que Dom Cobb quer é apenas voltar para a sua família, no caso, seus filhos, já que sua esposa está morta. Objetivos nobres não fazem filmes, mas a questão é que tudo em A origem é digno dos maiores elogios: roteiro ― que, aliás, é original, e não adaptado, como o de A rede social, que é baseado no livro Bilionários por acaso, de Ben Mezrich ―, direção, interpretações, efeitos especiais, e até mesmo a discreta trilha sonora. Por isso, a pergunta que ficou, para muitos do que assistiram à criação de Nolan é: "como é que esse filme não ganhou prêmio nenhum?".

Mais: como é que Nolan não recebeu, até hoje, nenhum Globo de Ouro e nenhum Oscar? Lembrando que ele é o autor de um dos filmes mais revolucionários do cinema nos últimos 15 anos: Amnésia, de 2000, que chegou a ser indicado, em ambas as premiações, na categoria Melhor Roteiro, mas não venceu.

Longe de Christopher Nolan ser uma unanimidade ou não existirem trabalhos melhores que os dele. Mas sequer indicações de Melhor Roteiro, Melhor Direção e Melhor Filme Batman: O cavaleiro das trevas, de 2009, escrito e dirigido pelo cineasta, recebeu. De todos os filmes da franquia Batman, O cavaleiro das trevas é, de longe, o melhor. Une perfeitamente o entretenimento ao bom cinema. O roteiro desse filme é nada menos que brilhante. Assim como o clima dele, sombrio, fazendo jus ao subtítulo do filme, que vem a ser o apelido do herói. Alguns diálogos, além de especificamente as interpretações de Heath Ledger (talvez o melhor Coringa de todos os tempos) e Aaron Eckhart (Harvey Dent/ Duas Caras), são soberbos. Os últimos minutos de O cavaleiro das trevas, e isso é preciso ser reconhecido, em vez de ignorado talvez por ser um "filme de super-herói", são uma pequena obra-prima do cinema. Não importa se são piegas, ingênuos ou algo do tipo: os minutos finais de O cavaleiro das trevas deveriam entrar para a história do cinema como uma das sequências mais profundas dos últimos anos. Seu roteiro merecia, no mínimo, uma indicação, e não o silêncio solene da Academia.

Espera-se que não, mas o Globo de Ouro deixa entender que a A origem será, assim como Batman, ignorado pelo Oscar. O que é uma pena, além de uma enorme injustiça. Talvez a maior dos últimos anos.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 19/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 de Renato Alessandro dos Santos
02. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
03. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
04. O livro do Natal de Marta Barcellos
05. Retrato do Leitor enquanto Anotação de Duanne Ribeiro


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
04. A história do amor - 24/7/2006
05. História dos Estados Unidos - 29/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/1/2011
09h43min
A verdade é que há muito as premiações do cinema americano não refletem nada significativo. Por vezes, o filme é premiado por ser um sucesso de bilheteria. Em outros momentos, é ignorado pelo mesmo motivo. Nolan, como você disse, é o cineasta que melhor fala na atual geração. Seus filmes são blockbusters de qualidade, sem deixar de lado a capacidade de um bom cinema reflexivo. Não será premiado, mas quem se importa? Eu, pelo menos, não.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
26/1/2011
21h22min
Devo dizer que a academia não é lá muito justa com as produções. O Globo de Ouro representou uma grande decepção também para a TV, que tem inúmeros shows fantásticos e não reconhecidos. Essa Academia precisa ser trocada, porque há muito tempo ela não consegue avaliar de forma correta as inúmeras produções.
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS 7 CHAVES DO PAI-NOSSO
SEVERINO MENEZES
DPL
(2003)
R$ 7,87



ABRINDO COM SUCESSO O PRÓPRIO NEGÓCIO
ROGÉRIO CHÉR
MALTESE
(1996)
R$ 9,90



DO CONCEITO DO DIREITO - ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1964)
R$ 5,97



BIG- PARA LEVAR SEMPRE COM VOCÊ
DISNEY
ABRIL
(2013)
R$ 30,00



ESTRELAS E BORBOLETAS - PT - ORIGENS E QUESTÕES DE UM PARTIDO...
CLAUDIO GURGEL
PAPAGAIO
(1989)
R$ 10,00



ESTUDOS DE LITERATURA BRASILEIRA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
R$ 5,00



AMERICAN SHINE TEENS: STUDENT BOOK 3
PROWSE
MACMILLAN EDUCATION
(2002)
R$ 19,90



REPRESENTAÇÃO COMERCIAL
RICARDO NACIM SAAD
SARAIVA
(1998)
R$ 9,02



HISTORIA DE LA VIDA PRIVADA Nº 09 8113
PHILIPPE ARIÉS Y GEORGES DUBY
TAURUS
(1991)
R$ 30,00



PEREGRINO
LUIZ DE ALBUQUERQUE
FCA
(2009)
R$ 10,40





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês