Nem tente evitar Philip Glass | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
56745 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição Alma
>>> Festival internacional de fotografia premia fotos vencedoras da edição de 2022
>>> Livro que destaca a importância da diversidade feminina em Conselhos de empresas já está disponível
>>> Cacá Machado se apresenta no Sesc Vila Mariana
>>> Cine Rural: Fazenda histórica do Interior sedia sessões de cinema de graça em igreja do século 19
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Música do acaso
>>> Duas cartas
>>> O Suplício do Papai Noel, por Claude Lévi-Strauss
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Depeche Mode 2001
>>> O melhor joio do trigal
>>> A morte de Sardanapalo de Delacroix
>>> O Quarteto Fantástico
>>> BDRs, um guia
Mais Recentes
>>> A Náusea - Texto Integral de Jean-Paul Sartre pela Nova Fronteira (2011)
>>> Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Best Seller (1987)
>>> La Dialectica del Amo y del Esclavo en Hegel de Alexandre Kojeve pela La Pleyade (2022)
>>> Protocolo Bluehand: Zumbis - Seu Guia Definitivo Contra os Mortos e os Vivos de Abu Fobiya; Alexandre Ottoni; Deive Pazos pela Nerdbooks (2012)
>>> Manual do Empreendedor de Jerônimo Mendes pela Atlas (2009)
>>> Refúgio de Nora Roberts D8 pela Bertrand (2021)
>>> Criação de um outro mundo: Gênesis 1-11 de Rogério L. de Almeida Cunha (Orgs.) pela Cebi (2022)
>>> O homem que fazia chover de John grisham D8 pela Rocco (1996)
>>> Manual para uma vida craft de Andrea Onishi e Cláudia Fajkarz pela Panda books (2016)
>>> Marco Polo - 3 Volumes Coleção Completa de Muriel Romana pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Heidi de Johanna Spyri pela Arena (2013)
>>> Quase pronta de Meg cabot pela Galera Record (2008)
>>> Livro - O Novo Relatório da Cia: Como Será o Amanhã de Heródoto Barbeiros pela Geração Editorial (2009)
>>> Canto: Uma Expressão: Princípios básicos de técnica vocal de Mônica Marsola e outros pela Irmãos Vitale (2022)
>>> The Riddle of the Sands: A Record of Secret Service de Erskine Childers pela Penguin Books (1995)
>>> Livro - Sun Tzu Estratégias de Marketing - 12 Princípios fundamentais para vencer a guerra por clientes de Geralda A. Michaelson; Steven W. Michaelson pela M. Books (2005)
>>> Dissertação do Papa Sobre o Crime Seguida de Orgia de Marquês de Sade pela Etc (2022)
>>> Memorias Perdidas de Jane Austen pela Record (2013)
>>> Mais forte do que nunca de Eliana machado coelho C9B3 pela Lumen (2011)
>>> Livro de bolso - Assassinato na Casa do Pastor: Coleção Agatha Christie de Agatha Christie pela Record (1987)
>>> Antes do Baile Verde de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1999)
>>> Caminhando com Jesus: Círculos bíblicos sobre o Evangelho de Marcos de Carlos Mesters pela Cebi (2015)
>>> Livro de bolso - Convite para um Homicídio: Coleção Agatha Christie de Agatha Christie pela Record (1950)
>>> Diário de Bridget Jones de Helen Fielding pela Best bolso (2010)
>>> Almanaque da Magali Nº 64 de Mauricio de Souza pela Panini Comics (2017)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/5/2003
Nem tente evitar Philip Glass
Arcano9

+ de 3900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Glass's music opens up an universe of changing permanence. I find that it has an enormous effect on the ability of the viewer to sit and watch images. (Godfrey Reggio, diretor de Koyaanisqatsi)

Adjetivos contrastantes são com freqüência empregados para definir seus trabalhos. "Entediante" e "repetitivo" são os básicos, que se desdobram em descrições mais positivas, como "hipnótico" e "intenso". O fato é que Philip Glass está aí. Ele é provavelmente o compositor erudito nascido no século 20 que mais faz sucesso atualmente. E não sucesso no sentido elitista, sucesso entre a meia dúzia de aficionados que acompanha a evolução do mundo dos concertos, quartetos de câmara e sinfonias. Glass é hoje um compositor pop. E quer ser mais pop ainda.

I am not asked to do these epics, mythic things. I am considered an art composer, I am considered a little bit too highbrow, but I am not highbrow at all. (Philip Glass)

Lembro-me de um tempo hoje distante. Eu acabara de entrar na faculdade. Havia recém-descoberto o jazz pós-tradicional, e estava particularmente entusiasmado com o Bebop e com tudo que Miles Davis havia gravado. Minha namorada, porém, estava em outra: Debussy. Lhe disse que nunca havia travado contato profundo com a música erudita, e que achava a maioria das composições entediantes. "Você quer ver o que é entediante?", perguntou ela. Me levou para a discoteca da faculdade, e me forçou a ouvir uma (pequena) fração de Music in 12 Parts (1971-1974), de Glass.

When I listen to music, I am not listening for mood or atmosphere. I hear it in terms of language of music and I hear a grammar which is totally different. (Philip Glass)

O compositor era realmente cult. E eu não conseguia engolir que alguém gostasse daquela repetição nauseabunda de arpejos e arpejos com toques de crueldade matemática (depois descobri que Glass estudou matemática na universidade). Mas foi naquela mesma época que, por coincidência ou não, meu irmão passou a considerar Glass uma espécie de ídolo. Um ídolo improvável para os preocupados com o progresso doentio nas cidades. Ele havia comprado a trilha sonora de Koyaanisqatsi e a música retumbava na sala de estar de casa.

Minimalismo - Escolas de arte e música contemporâneas em que a ênfase é a simplicidade e a objetividade. Os compositores minimalistas rejeitam a esterilidade emocional da música serial.

Não vi o filme na época - era muito difícil ter uma oportunidade, ele era tão alternativo que só grupos rosacruzes e maçônicos pareciam ter uma cópia em vídeo. Meu irmão tocava a fita cassete no carro quando íamos viajar para o interior, com o objetivo de admirar as belezas naturais que ainda escapavam as mãos malignas do homem. Nas curvas da estrada entre Itajubá e Presidente Wenceslau, ou entre Camanducaia e Monte Verde, a partitura espelhava minha cabeça tombando para a esquerda e para a direita, subitamente pensando se tudo valia a pena.

With no pressure from the industry, (Glass and Reggio) were able to develop something really new, with music as an equal partner to the image. (Richard Wolfson, Financial Times)

No ano 2000, sábado à tarde, Shaftesbury Avenue lotada de chineses, calçada suja, tempo chuvoso, cheiro de latas de Coca-Cola amassadas e bitucas de cigarro. Passo em frente ao Curzon Soho e descubro que Koyaanisqatsi está sendo exibido. A entrada me faz entender, pela primeira vez, pela primeiríssima vez, o verdadeiro poder de Glass. São longos minutos contemplativos, legitimamente taoístas. Tresmalho-me nas imagens, sim, mas as imagens não têm o menor sentido sozinhas. Quando as luzes acendem, a música permanece. Lentamente mutável.

(...) If you look at my music, you will see that for the most part, it is for theatre, for opera, for dance, or for cinema, which is a form of theatre. (Philip Glass)

Ele compôs trilhas sonoras originais para 26 filmes, e colaborou em mais 39 produções para cinema e vídeo. Interessante é que parece que suas trilhas sonoras têm aparecido cada vez mais em filmes de primeira linha de Hollywood do que em filmes destinados a ser cult, como Koyaanisqatsi (1982). Alguns exemplos: a trilha de Kundun (Martin Scorsese, 1997); O Show de Truman - O Show da Vida (Peter Weir, 1998); e, é claro, As Horas (Stephen Daldry, 2002). Além de As Horas, ele também foi indicado ao Oscar pela trilha de Kundun, mas não levou.

Music isn't glued to the image. The spectator finds a way to personalise it and in a way the spectator becomes my collaborator as you make up the connections yourself (Philip Glass)

Diz que "amaria" fazer a trilha sonora de produções ainda mais comerciais, para jovens, como os filmes da trilogia O Senhor dos Anéis. Isso deve acontecer em breve. Mais um sinal disso é a presença dele na mídia. No final do ano passado, ele foi garoto-propaganda da BBC aqui na Grã-Bretanha. Aparecia em uma foto, sentado sozinho em um banco no Central Park de Nova York. Embaixo, o slogan da campanha da BBC: Everybody needs a place to think. Também neste ano, ele foi homenageado em um evento concorridíssimo no Barbican.

Glass's score for The Hours (...) helps a sequence of faces and fragmented stories become a satisfying movie. Like Glass's music itself, the film is threaded with repeated, rhyming gestures (John Walters, The Guardian)

A trilha sonora de As Horas me cativou, é a melhor que ouvi em quase dez anos. É um Glass evoluído, que não poderia jamais me entediar. Ou sou eu que fiquei mais velho e entendo as sutis nuances que fazem sua música ser rica, mas não obviamente rica. É também uma das peças eruditas mais vendidas em Londres, sendo exibida com destaque nas prateleiras mais à vista de redes como a HMV. Há quem ainda tente evitar Glass, mas se esse é seu caso, acho que você não vai conseguir evitá-lo muito mais tempo.

Philip Glass (1937-) - Compositor, nascido nos EUA. Um dos mais importantes nomes do minimalismo na música. Seu trabalho tem tido grande influência no desenvolvimento de uma nova geração de músicos.


Arcano9
Londres, 12/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
02. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
03. Procure saber: os novos donos da história de Gian Danton
04. A bibliotecária de plantão de Ana Elisa Ribeiro
05. A sedução da narrativa de Marta Barcellos


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Empolgação - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2003
21h38min
Koyaanisqatsi é realmente um cult. A trilha de As horas muito boa. Mas antes de ter escrito a coluna vc realmente deveria ter ouvido kundum e ficar imaginando uma mandala sendo levada pelo vento. Tem pouca coisa mais proxima de Tao que isso. Incrivel é lembrar que o filme é do scorcese...
[Leia outros Comentários de Jorge]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Caminho do Silêncio - A Filosofia de Escoto Eriúgena
Oscar Federico Bauchwitz
relume dumará
(2003)



O Caçador de pipas
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2005)



Livro Físico - Sua Comunicação: Como Se Comunicar para Obter Excelentes Resultados
Fábio Eltz
Casa da Qualidade
(2005)



Livro - Os Fundamentos da Psicanálise
Emilio Mira y Lopez
Científica



75 Conselhos para Sobreviver na Escola Por
María Frisa
Salamandra
(2012)



História das Relações Internacionais do Brasil
Francisco Doratioto & Carlos Eduardo Vidigal
Saraiva
(2014)



O Sucesso Veste Saia
Paula Dorfer
Do Autor
(2013)



Manual do Mané
Arthur Dapieve
planeta
(2003)



A Simbolica dos Animais - 2 Volumes
Valeria Alvares Cruz
Fiuza
(2001)



A Força e a Beleza Brotam da Terra
João Krüger
Pulsar
(2005)





busca | avançada
56745 visitas/dia
1,6 milhão/mês