Um brasileiro no Uzbequistão (I) | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
Mais Recentes
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
>>> História das Religiões de Ivan Ap. Manoel e Nainora M.B. de Freitas pela Paulinas (2006)
>>> O Brilho dos pássaros de Carlos Luz pela Nova Era (1996)
>>> Prosperidade fazendo amizade com o dinheiro de Lair Ribeiro pela Objetiva (1992)
>>> Sessões Prática e Doutrinárias do Espiritismo de Aurélio A. Valente pela Federação Espírita Brasileira (1990)
>>> 100 Impulsos positivos para viver melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> O Avesso de um Balzac Contemporâneo de Osmar Ramos Filho pela Lachârtre (1995)
>>> O Ser Integral o despertar de uma nova era de Orlando Santos Junior pela Royal Court (1996)
>>> A fé crista Normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Vencendo os Limites de Elaine de Melo pela Qualitymark (2000)
>>> Ala Sombra de los Monasterios Tibetanos de Jean M. Riviére pela Kier (1986)
>>> A vida Normal da Igreja Crista de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Esclarecendo os Jovens de Umberto Ferreira pela Goiânia (1993)
>>> O Vôo mais Alto de Luiz Sérgio pela Edição do Autor (1983)
>>> Evolução Espiritual de Narcí Castro de Souza pela Madras
>>> Copos que Andam de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1994)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2001)
>>> Imagem do eterno de Carmen Cinira Macedo pela Moderna (1989)
>>> A Gêneses de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (2000)
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/6/2003
Um brasileiro no Uzbequistão (I)
Arcano9

+ de 5100 Acessos

Tashkent, 31.05

Estou muito, muito nervoso com esta viagem. Agora há pouco, chegando a Tashkent, olhei pela janela do avião e me veio de novo aquela sensação de insegurança por não saber falar a língua local, por estar sozinho. Mas, ao mesmo tempo, sinto que esse medo está fundido com o desafio, com a vontade de domar este lugar tão difícil de conhecer, sem a companhia de ninguém. Sabendo que, provavelmente, meus amigos nunca virão para cá.

"Você vai para o Uzbequistão, de férias? Por quê?", muitos deles me perguntaram. "Tem alguma coisa para fazer lá?", refraseou, no mesmo espírito, meu irmão. Para quase todos, é a mesma reação que vem à tona: se há tantos lugares para se visitar, por que ir para o centro da Ásia, para um país que faz fronteira com o Afeganistão, onde há suspeita de atividade de extremistas islâmicos, onde a natureza foi destruída pela ânsia industrial dos tempos soviéticos? A resposta vem desde os tempos de Marco Polo, o mercador italiano que, tendo sido o primeiro ocidental a realizar a jornada à China e voltar, escreveu em seu diário sobre as belezas secretas de uma certa cidade chamada Samarkand. Enfrentar a rota da seda, antes do avanço das navegações no final do século 15, era a única forma de difundir nos ricos mercados europeus as especiarias e todo o exotismo daqueles mundos cheirosos, coloridos, que povoavam o imaginários de espanhóis, ingleses e vênetos. Um mundo distante, perdido em meio a desertos desconhecidos, em meio a mares sem mapas, em meio a povos e clãs que nunca ouviram falar de nosso universo.

A viagem foi sem problemas. Em Londres, fazia muito sol, mas foi só o avião entrar no leste da Europa para começar a só sobrevoar nuvens. Vim de Aeroflot, a temível empresa aérea russa que, numa incomum manifestação de anacronismo, mantém a foice e o martelo em seu logotipo. Contudo, tudo foi bem mais tranqüilo do que pensei. Os atendentes de bordo foram simpáticos - algo realmente estranho, vindo de russos. Pena que a comida não me agradou muito. Tanto na viagem Londres/Moscou como no trecho Moscou/Tashkent, o prato principal foi peixe, sem nenhuma opção disponível. E peixe não é, exatamente, minha carne favorita.

No impronunciável aeroporto de Moscou, senti um pouco do gostinho do drama da língua. Tive um probleminha na transferência de um vôo para outro, algo meio inevitável. Na hora de falar com alguém e pedir informações, até me senti confiante, mas foi só a pessoa responder para eu perceber que o grande problema é entender o que as pessoas falam. Ninguém, obviamente, fala devagar. Principalmente se você é um estrangeiro, e ainda mais se você deixa claro que sabe um pouco, bem pouquinho, de russo. E conhecimento de inglês na Rússia, mesmo num aeroporto internacional, é ainda pior do que no Brasil: alguns falam sim, mas falam mal, muito mal. Ao chegar a Tashkent, a coisa piorou. Uma daquelas heranças ridículas dos tempos soviéticos é a necessidade de preencher um formulário, ao chegar ao país, dizendo exatamente quanto dinheiro você tem. Mas, ao chegar ao aeroporto da capital uzbeque, não encontrei formulários em inglês - só em uzbeque, alemão e russo. Tentei encarar o russo, só para depois de dois minutos largar a toalha e pedir para um funcionário procurar, pelo amor de Deus, o tal do formulário em inglês no almoxarifado. O pedido, aliás, foi em russo. O russo que, mais do que nunca, percebi que só me ajudaria em caso de desespero.

Fui apresentado a Tashkent em 2001. Fiquei na cidade por três dias para fazer uma reportagem sobre os dez anos do final da União Soviética. Já naquela época, a grande motivação da minha visita foi literária. Eu havia proposto a reportagem, e a visita ao Uzbequistão, após ler o divino Imperium, um livro de memórias do polonês Ryszard Kapuscinsky, publicado no Brasil pela Companhia das Letras. No livro, Kapuscinsky, considerado por muitos o maior correspondente de guerra vivo, descreve uma viagem que fez por vários países soviéticos do centro da Ásia no auge da União Soviética, e depois narra uma viagem parecida que fez em 1989, quando a colossal estrutura do politburo moscovita começou a ruir, vítima do reformismo de Mikhail Gorbachov. As descrições das mesquitas de Bukhara e as reflexões sobre a beleza sobrenatural dos monumentos de Samarkand se mesclaram à visão de Marco Polo. E, na minha cabeça, todo o patrimônio persa, turco e grego da região se tornou ainda mais atraente, imaginando que o Uzbequistão foi um dos locais mais distantes onde ecoou a revolução bolchevique. Até que ponto aquela cultura secular havia sido afetada pelo ideal comunista? Até que ponto o povo havia mudado? Isso o que fui investigar.

O que descobri foi uma sociedade dividida: cidades com partes claramente russas e partes claramente uzbeques; comunidades tadjiques e originárias de outras partes da ex-União Soviética deslocadas de seu território pela infame política de miscigenação imposta por Stalin. Descobri um governo que lembrava muito o poder isolado do Kremlim, e também um povo simpático, às vezes inocente, às vezes maculado pela febre do capitalismo ainda fresco, vindo como um vento forte, encarnado nos turistas cada vez mais numerosos.

Tashkent, vindo para cá para o hotel, me passou a mesma impressão da primeira vez. Me sinto, de alguma forma que não sei explicar direito, em uma cidade do interior de São Paulo. As árvores e o mato nas calçadas, a cor da luz dos postes, o vazio das ruas à noite, até o cheiro da brisa... Parece que, a qualquer momento, vou cruzar com um ônibus da viação Mantiqueira, fazendo o trajeto de alguma cidade do Vale do Paraíba para a rodoviária do Tietê. Sou tomado por um ar interiorano, no meio da noite; mas, ao mesmo tempo, as avenidas imensas e os detalhes dos prédios, mosaicos e pinturas geométricas, me dão a certeza de que estou numa terra muito, muito distante.

Estou cansado. Cheguei às 2h30 e amanhã tenho que levantar antes das 10h30 para arrumar minhas coisas e pegar o café da manhã, que só é servido até as 11h. Faz calor. Espero que não tenha mosquito no quarto. Parece que tem.

(Continua aqui)


Arcano9
Miami, 30/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
02. Um alucinante encontro com Lula de Elisa Andrade Buzzo
03. A crise do patriarcalismo e a ascensão da mulher de Héber Sales


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Empolgação - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO - 4ª EDIÇÃO
DIOGO DE FIGUEIREDO MOREIRA NETO
FORENSE
(1983)
R$ 49,00
+ frete grátis



GONZO! 30 ANOS DE REPORTAGENS
ARTHUR VERÍSSIMO
REALEJO
(2014)
R$ 39,90



CHILE 1973: DO FOGO À LUZ: UM ENCONTRO COM A TORTURA
PEDRO HIDALGO
SENGE
(2012)
R$ 10,50



GRANDES ARTISTAS BRASILEIROS VOLPI
MARCOS A MARCONDES
CIRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 5,00



O QUE FAZER?
V. I. LÉNINE
EDIÇÕES AVANTE
(1977)
R$ 46,82



ESPORTE E EDUCAÇÃO:
ERIKA KARLA DE FREITAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



ESTUDO DE TEMPOS PARA SUPERVISORES
GIUSEPPE MICHELINO
PUBLICAÇÕES EDUCACIONAIS
(1964)
R$ 4,90



METODOLOGIAS QUALITATIVAS NA SOCIOLOGIA
TEREZA MARIA FROTA HAGUETTE
VOZES
(2001)
R$ 20,00



A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EM CURRÍCULOS DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS
ELIMAR PONZZO DUTRA LEAL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



JÚLIO A MURALHA- FERAS FUTEBOL CLUBE
JOACHIM MASANNEK &JAN BIRCK
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2009)
R$ 17,50





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês