Um brasileiro no Uzbequistao (I) | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
81512 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais jornais morrendo
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Maná, de Rodrigo Amarante
>>> Lecturis Salutem
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
Mais Recentes
>>> Revista arquitetura & construçao--junho de 2007--luxo & basico de Abril pela Abril (2007)
>>> Revista arquitetura & construçao--outubro de 2006--estrutura de madeira. de Abril pela Abril (2006)
>>> Revista arquitetura & construçao--maio de 2012--reformas 32+20 de Abril pela Abril (2012)
>>> Revista arquitetura & construçao--maio de 2007--morar em apartamento. de Abril pela Abril (2007)
>>> Arquitetura & construçao--junho de 2006--telhas de Abril pela Abril (2006)
>>> Revista arquitetura & construçao--maio de 2005--piso de madeira de Abril pela Abril (2005)
>>> Revista arquitetura & construçao--janeiro de 2006--casas pequenas de Abril pela Abril (2006)
>>> Coleção Grandes Impérios e Civilizações - 17 Volumes de Del Prado pela Del Prado
>>> Coleção História em Revista - 25 Volumes (COMPLETA) de Time Life e Abril Livros pela Time Life
>>> Álgebra Linear de Alfredo Steinbruch - Paulo Winterle pela Makron (1987)
>>> Um Curso de Cálculo 1 de Hamilton Luiz Guidorizzi pela Ltc (1995)
>>> Marketing Ambiental de Reinaldo Dias pela Atlas (2007)
>>> Projeto Presente - História 3º Ano de Ricardo Dreguer & Cássia Marconi pela Moderna (2012)
>>> Projeto Presente - Geografia 3º Ano de Neuza Sanchez Guelli & Allyson Lino pela Moderna (2012)
>>> A Troca de Paulo Novaes pela Agir (1984)
>>> O Linguado de Günter Grass pela Nova Fronteira (1983)
>>> A dieta do tipo sanguíneo: A, B, O e AB de Peter Dadamo pela Elsevier / Alta Books (2005)
>>> Projeto Presente - Matemática 3º Ano de Luiz Márcio Imenes, Marcelo Lellis & Estela Milani pela Moderna (2012)
>>> Dicionário Ilustrado Verbo da Língua Portuguesa 4 vols. de Francisco Fernandes pela Verbo-Globo (1972)
>>> Matemática 2ª Série - Coleção Conhecer e Crescer de Jacqueline Garcia & Márcio Dantas pela Escala Educacional (2005)
>>> Rio de Assis - Imagens Machadianas do Rio de Janeiro de Aline Carrer - John Gledson - Pedro da Cunha e Menezes pela Casa da Palavra (1999)
>>> Missão Investigar Entre o Ideal e a Realidade de Ser Policial de Maria Cecília de S. Minayo-Edinilsa R. de Souza pela Garamond (2003)
>>> A Estranha Nação de Rafael Mendes de Moacyr Scliar pela L&pm (1983)
>>> Deixa Tuas Lágrimas Em Moscou de Barbara Armonas pela Ipanema (1963)
>>> Declarando-se Culpado de Scott Turow pela Best Bolso (2012)
>>> O Medo à Liberdade de Erich Fromm pela Zahar (1977)
>>> Cadastro-geral dos Suspeitos de Ódio ao Presidente de Luiz Gutemberg pela Alhambra (1991)
>>> Então foi Assim? Os Bastidores da Criação Musical Brasileira 4 vols. de Ruy Godinho pela Abravideo (2017)
>>> Conformismo - Tópico de Psicologia Social de Kiesler e Kiesler - Tradução Dante Moreira Leite pela Edgard Blucher Usp (1973)
>>> O Direito a Ter Direitos de Jose Vaidergorn pela Autores Assossiados (2000)
>>> Amor é Só uma Palavra de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro
>>> Vida sem Morte? de Dr. Nils Jacobson pela Círculo do Livro (1976)
>>> A Lenda do Violeiro Invejoso de Fábio Sombra pela Rocco (2005)
>>> Ombusdsman - O relógio de Pascal de Caio Túlio Costa pela Geração Editorial (2006)
>>> Águas do Brasil de Araquém Alcântara pela ´Terrabrasil (2007)
>>> O tigre de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2013)
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules 1/2/4 volumes de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1944)
>>> Morte dos reis de Bernard cornwell pela Record (2016)
>>> Bom Apetite vol II de Diversos pela Abril Cultural (1972)
>>> A menina que semeava de Lou Aronica; Maria ângela Amorim De Paschoal pela Novo Conceito (2021)
>>> Curso de Desenho e Pintura 9 volumes de Equipe Globo pela Globo (1985)
>>> 1889 Juvenil ilustrada de Laurentino Gomes; Rita Brugger pela Globo Livros (2014)
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/6/2003
Um brasileiro no Uzbequistão (I)
Arcano9

+ de 5600 Acessos

Tashkent, 31.05

Estou muito, muito nervoso com esta viagem. Agora há pouco, chegando a Tashkent, olhei pela janela do avião e me veio de novo aquela sensação de insegurança por não saber falar a língua local, por estar sozinho. Mas, ao mesmo tempo, sinto que esse medo está fundido com o desafio, com a vontade de domar este lugar tão difícil de conhecer, sem a companhia de ninguém. Sabendo que, provavelmente, meus amigos nunca virão para cá.

"Você vai para o Uzbequistão, de férias? Por quê?", muitos deles me perguntaram. "Tem alguma coisa para fazer lá?", refraseou, no mesmo espírito, meu irmão. Para quase todos, é a mesma reação que vem à tona: se há tantos lugares para se visitar, por que ir para o centro da Ásia, para um país que faz fronteira com o Afeganistão, onde há suspeita de atividade de extremistas islâmicos, onde a natureza foi destruída pela ânsia industrial dos tempos soviéticos? A resposta vem desde os tempos de Marco Polo, o mercador italiano que, tendo sido o primeiro ocidental a realizar a jornada à China e voltar, escreveu em seu diário sobre as belezas secretas de uma certa cidade chamada Samarkand. Enfrentar a rota da seda, antes do avanço das navegações no final do século 15, era a única forma de difundir nos ricos mercados europeus as especiarias e todo o exotismo daqueles mundos cheirosos, coloridos, que povoavam o imaginários de espanhóis, ingleses e vênetos. Um mundo distante, perdido em meio a desertos desconhecidos, em meio a mares sem mapas, em meio a povos e clãs que nunca ouviram falar de nosso universo.

A viagem foi sem problemas. Em Londres, fazia muito sol, mas foi só o avião entrar no leste da Europa para começar a só sobrevoar nuvens. Vim de Aeroflot, a temível empresa aérea russa que, numa incomum manifestação de anacronismo, mantém a foice e o martelo em seu logotipo. Contudo, tudo foi bem mais tranqüilo do que pensei. Os atendentes de bordo foram simpáticos - algo realmente estranho, vindo de russos. Pena que a comida não me agradou muito. Tanto na viagem Londres/Moscou como no trecho Moscou/Tashkent, o prato principal foi peixe, sem nenhuma opção disponível. E peixe não é, exatamente, minha carne favorita.

No impronunciável aeroporto de Moscou, senti um pouco do gostinho do drama da língua. Tive um probleminha na transferência de um vôo para outro, algo meio inevitável. Na hora de falar com alguém e pedir informações, até me senti confiante, mas foi só a pessoa responder para eu perceber que o grande problema é entender o que as pessoas falam. Ninguém, obviamente, fala devagar. Principalmente se você é um estrangeiro, e ainda mais se você deixa claro que sabe um pouco, bem pouquinho, de russo. E conhecimento de inglês na Rússia, mesmo num aeroporto internacional, é ainda pior do que no Brasil: alguns falam sim, mas falam mal, muito mal. Ao chegar a Tashkent, a coisa piorou. Uma daquelas heranças ridículas dos tempos soviéticos é a necessidade de preencher um formulário, ao chegar ao país, dizendo exatamente quanto dinheiro você tem. Mas, ao chegar ao aeroporto da capital uzbeque, não encontrei formulários em inglês - só em uzbeque, alemão e russo. Tentei encarar o russo, só para depois de dois minutos largar a toalha e pedir para um funcionário procurar, pelo amor de Deus, o tal do formulário em inglês no almoxarifado. O pedido, aliás, foi em russo. O russo que, mais do que nunca, percebi que só me ajudaria em caso de desespero.

Fui apresentado a Tashkent em 2001. Fiquei na cidade por três dias para fazer uma reportagem sobre os dez anos do final da União Soviética. Já naquela época, a grande motivação da minha visita foi literária. Eu havia proposto a reportagem, e a visita ao Uzbequistão, após ler o divino Imperium, um livro de memórias do polonês Ryszard Kapuscinsky, publicado no Brasil pela Companhia das Letras. No livro, Kapuscinsky, considerado por muitos o maior correspondente de guerra vivo, descreve uma viagem que fez por vários países soviéticos do centro da Ásia no auge da União Soviética, e depois narra uma viagem parecida que fez em 1989, quando a colossal estrutura do politburo moscovita começou a ruir, vítima do reformismo de Mikhail Gorbachov. As descrições das mesquitas de Bukhara e as reflexões sobre a beleza sobrenatural dos monumentos de Samarkand se mesclaram à visão de Marco Polo. E, na minha cabeça, todo o patrimônio persa, turco e grego da região se tornou ainda mais atraente, imaginando que o Uzbequistão foi um dos locais mais distantes onde ecoou a revolução bolchevique. Até que ponto aquela cultura secular havia sido afetada pelo ideal comunista? Até que ponto o povo havia mudado? Isso o que fui investigar.

O que descobri foi uma sociedade dividida: cidades com partes claramente russas e partes claramente uzbeques; comunidades tadjiques e originárias de outras partes da ex-União Soviética deslocadas de seu território pela infame política de miscigenação imposta por Stalin. Descobri um governo que lembrava muito o poder isolado do Kremlim, e também um povo simpático, às vezes inocente, às vezes maculado pela febre do capitalismo ainda fresco, vindo como um vento forte, encarnado nos turistas cada vez mais numerosos.

Tashkent, vindo para cá para o hotel, me passou a mesma impressão da primeira vez. Me sinto, de alguma forma que não sei explicar direito, em uma cidade do interior de São Paulo. As árvores e o mato nas calçadas, a cor da luz dos postes, o vazio das ruas à noite, até o cheiro da brisa... Parece que, a qualquer momento, vou cruzar com um ônibus da viação Mantiqueira, fazendo o trajeto de alguma cidade do Vale do Paraíba para a rodoviária do Tietê. Sou tomado por um ar interiorano, no meio da noite; mas, ao mesmo tempo, as avenidas imensas e os detalhes dos prédios, mosaicos e pinturas geométricas, me dão a certeza de que estou numa terra muito, muito distante.

Estou cansado. Cheguei às 2h30 e amanhã tenho que levantar antes das 10h30 para arrumar minhas coisas e pegar o café da manhã, que só é servido até as 11h. Faz calor. Espero que não tenha mosquito no quarto. Parece que tem.

(Continua aqui)


Arcano9
Londres, 30/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como uma Resenha de 'Como um Romance' de Duanne Ribeiro
02. Quero ser Marina Abramović de Elisa Andrade Buzzo
03. Minha primeira vez - parte I de Rafael Rodrigues
04. Podcast mental de Adriana Carvalho
05. Google: utopia ou distopia? de Gian Danton


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Um brasileiro no Uzbequistão (II) - 14/7/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LENDAS E MITOS DO FOLCLORE BRASILEIRO - REGIÃO NORDESTE
ITALO AMADIO
RIDEEL
(1991)
R$ 10,00



30 DIAS EM SYDNEY ( UM RELATO DESVAIRADAMENTE DISTORCIDO) - 7866
PETER CAREY
COMPANHIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 10,00



MUITO MAIS QUE UM SIMPLES BANHO
DR. KEITH SOUTER
ÁTICA
(1997)
R$ 10,00



CEM DIAS ENTRE CÉU E MAR
AMYR KLINK
JOSE OLYMPIO
(1985)
R$ 10,00



O SER MULHER NA CAMA - 8583
ELIANA MARIA A. SOUZA
STS
(1996)
R$ 10,00



AUTÓPSIA
ÁLVARO ALVES DE FARIA
TRAÇO
(1986)
R$ 10,00



REUNIÃO DE TALENTOS CRIANDO A EMPRESA BASEADA NO MERCADO
VICENT P BARABBA
ROCCO
(1999)
R$ 10,00



O LABIRINTO GREGO
MANUEL VÁZQUEZ MONTALBÁN
COMPANHIA DAS LETRAS
(1992)
R$ 10,00



O QUE OS HOMENS DIZEM O QUE AS MULHERES OUVEM
LINDA PAPADOPOULOS
ACADEMIA
(2010)
R$ 10,00



RECONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA FONOAUDIOLOGIA NO RIO GRANDE DO SUL
MARLENE CANARIM DANESI E ZULMIRA OSORIO MARTINEZ ORGS.
IMEC
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
81512 visitas/dia
2,4 milhões/mês