Palmada dói | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> E-mails a um jovem resenhista
>>> O Conflito do Oriente Médio
Mais Recentes
>>> El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
>>> Os Viajores - Agentes dos Guardiões de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2019)
>>> Sonic The Hedgehog Vol. 3 - A Batalha por Angel Island de Sega pela Geektopia (2021)
>>> Os Turistas de Disney Especial pela Abril
>>> Joe Biden - A Vida As Ideias E Os Desafios Do Presidente Da Nacao Mais Poderosa Do Mundo de Evan Osnos pela Agir (2021)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/8/2010
Palmada dói
Marta Barcellos
+ de 7300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Antes de ter sua personalidade revelada pelo assassinato da ex-amante, o então goleiro do Flamengo Bruno Fernandes havia afirmado, a propósito de defender seu amigo Adriano, que "em briga de marido e mulher ninguém mete a colher". E ainda acrescentou: "Quem nunca saiu na mão com a mulher?"

Por sorte, o Brasil está mudando e os ditos populares já não são repetidos por aí sem alguma reflexão. A gritaria foi grande e ficou claro que se alguém ainda acha normal um homem bater na esposa deve defendê-lo junto a outros trogloditas no botequim da esquina ― não na frente das câmeras. Em briga que o marido "sai na mão" com a mulher, é obrigação de quem está por perto meter a colher, e a razão mais óbvia é a covardia do machão em questão.

A violência doméstica contra a mulher perdeu definitivamente o caráter de "questão privada" com a aprovação da Lei Maria da Penha. Foi uma grande vitória. Se queremos mudar uma cultura ultrapassada, como a machista, isso só se faz com leis e punição, as únicas armas eficazes contra a "tradição".

Como mulher, com frequência me flagro perplexa e indignada com tantas notícias sobre discriminação e violência contra o sexo feminino. Parte de meu espanto, provavelmente, vem do privilégio de poder frequentar ambientes em que esses direitos são naturalmente respeitados.

Nestes mesmos círculos, porém, ainda vejo pessoas defenderem a violência física contra crianças, embora a maioria se atrapalhe na hora de explicar critérios e graduações de dor suportáveis aos pequenos. Às vezes, mesmo morando em um bairro de classe alta de uma grande capital, presencio mães humilhando seus filhos, praticando torturas psicológicas terríveis, ameaças de desamor que causam grande sofrimento em seres frágeis que ainda estão em formação.

Em certa ocasião, desabafei a uma amiga, meio a brincar meio a sério, depois de ver uma cena dessas: "Devia ser obrigatório um certificado de mãe para poder engravidar. É um absurdo uma criança indefesa ficar nas mãos de uma maluca só porque ela é sua mãe". A tal cena, numa sorveteria, poderia passar despercebida, se não fosse eu estar na mesa ao lado, esperando a minha amiga, e ter reparado na sofisticação da tortura à qual o menino, de uns quatro anos, estava sendo submetido.

A mãe pedira um sorvete para ela e outro para o filho ― que mal tocou na taça dele. A partir daí a mulher começou a ameaçá-lo com castigos, até violentamente pegar para si o sorvete dele e começar a comê-lo com colheradas ferozes. "É por isso que mamãe está gorda. Mamãe está ficando gorda por sua causa", repetia ela furiosa diante do menino de olhos arregalados.

Claro que, no balanço geral, a tal maluca descompensada pode até ser uma boa mãe, que acima de tudo ama o seu filho. E as culpas que está incutindo no pobre garoto devem ser minimizadas com algumas sessões de terapia (parecia ser uma família rica). Mas se há uma fronteira a partir da qual a covardia de um adulto frente a uma criança se torna flagrante ― e indefensável ― é quando essa agressão se torna física.

Eu poderia elencar aqui vários estudos mostrando o quanto os "ditos populares" sobre a "palmada educativa" são falsos. Mas para se utilizar desses argumentos será preciso desconsiderar o fato primeiro que é a covardia de um ser mais forte contra outro, fraco e indefeso. Homem não pode bater em mulher, porque ele é obviamente mais forte que ela. Adultos não podem bater em crianças porque eles são mais fortes que elas. Se dois marmanjos quiserem trocar socos na esquina, o problema é deles. Mas se há uma pessoa indefesa tendo seus direitos desrespeitados, o problema é da sociedade.

Educar não é fácil, e provavelmente a maior virtude necessária a pais e mães é a paciência. Se os jovens casais, que não pretendem apenas usar os recursos "fáceis" do passado, estiverem cientes disso, desde cedo, talvez consigam passar pela tentação da palmada com a tranquilidade de quem está implantando uma nova tradição no Brasil ― um país, por que não, onde os pais já não batem mais nos filhos, como foi no passado. E os pais e mães com os filhos crescidos talvez parem de se gabar do "sucesso" de suas palmadas bem intencionadas, para apenas admitir que seguiam uma tradição equivocada.

Quanto às leis, desconfio que elas serão necessárias, assim como foi a Lei Maria da Penha. As crianças precisam ter seus direitos protegidos, para que nenhuma mãe ou pai possa alegar, no hospital, que "foi apenas uma palmada". Sem dúvida será mais fácil graduar punições do que a intensidade de tapas permitida aos pais, como se tenta moralmente estabelecer hoje em dia.

Particularmente, vou me sentir mais descansada quando a palmada afinal se tornar "politicamente incorreta". Posso ter exagerado, na minha indignação, quando imaginei os tais "certificados de mãe" (deveriam ser concedidos pelo Estado? por Deus? céus!). Mas a aprovação de uma lei razoável, e principalmente simbólica sobre a gravidade do tema, será providencial para que cheguemos lá. Assim, quando eu assistir a uma mãe humilhando seu filho em público, vou imaginar que ela ao menos saberá segurar a sua impaciência (ou fúria) entre as quatro paredes do sacrossanto lar.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha. Leia também "Big Brother da Palmada".


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 6/8/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Impressões sobre a FLIP de Guilherme Conte


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010
05. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2010
16h33min
Também acho a tal "palmada educativa" uma aberração. Mas por muitas vezes acho a humilhação deste tipo que você se referiu no texto como mais nociva e danosa. Seus efeitos vão além (para toda a vida), ao passo que a dor física logo passa... É este o argumento de pessoas que, como você afirma, são despreparadas e precisariam de um atestado para ser pai ou mãe, um atestado que avaliasse as condições psicológicas dos pretensos pais para a possibilidade de ter filhos. Mas um país que prepara mal o cidadão para a vida não tem condição para exigir tal atestado (já pensou no grande imbróglio burocrático?). O país prepara de maneira pífia seu cidadão, a educação é rídicula e exige que o mesmo seja livre de preconceitos e dogmas seculares. Punir apenas não resolve o problema. Há aqueles que não dão palmada e criam filhos sem nenhum tipo de limite, que tornam-se com o passar dos tempos homens e mulheres melindrados.
[Leia outros Comentários de Carlos Patez]
9/8/2010
16h49min
Vejo que a sociedade brasileira como um todo, cheia de preconceitos, de achismos, acha que uns têm prioridade em relação a outros, principalmente aqueles que são minoria ou se consideram excluídos, um bando de "coitadinhos" que ficam de bico aberto à espera que mamãe Brasil lhes dê de comer, sempre lá com seus enormes bicos a esperar pelo direito sem por eles lutar. É claro que falo de adultos. As crianças cada vez mais precisam de proteção, a brutalidade de que são vítimas, essa covardia só terminará quando o país começar desde cedo a dar educação de qualidade focando também o respeito à outras pessoas, a formar cidadãos capazes de lidar com seus sentimentos de raiva, que ensine o cidadão (principalmente o mediano) a lidar com seus medos, suas frustrações, com sua ansiedade e suas expectativas, que ensine a assumir seus problemas e não externá-los em forma de agressão em suas crias. O mesmo vale para seus pares e concidadãos. O psicológico levado a sério e elevando o ser humano dignamente.
[Leia outros Comentários de Carlos Patez]
14/8/2010
14h50min
É por essa e por outras que cada vez mais mulheres da minha geração decidem não ter filhos! No meu caso, cada vez que vejo uma criança dando chiliques homéricos na presença de mães abobalhadas e impotentes, sei que escolhi certo. Filhos duram muito, são caros, não têm garantia de fábrica e nem devolução... rs Somente mulheres realmente decididas a serem mães (não somente parirem) deveriam ter o aval para tal. São heroínas, admiro-as enormemente.
[Leia outros Comentários de Regina]
14/8/2010
14h52min
De fato, violência, em qualquer modalidade, é infame. Apanhei muito, sofri muito. Mas graças a Deus, não repassei esse legado para meus filhos. Tenho certeza de que tudo começa dentro de casa. É a base. Depois vem a escola, a continuação. Se uma falha, a outra obrigatoriamente deveria suprir. Na prática não é o que acontece, infelizmente. Mas o Estado, que se adona do cidadão, deveria ser rigorosamente aparelhado para dar suporte ao ser humano, com mecanismos suficientes para esse crescer e viver com dignidade.
[Leia outros Comentários de hilda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Elizabeth Levanta Vôo
Elizabeth Taylor
Best Seller
(1988)



Projeto Buriti Ciências 5º Ano Com Dvd - 3ª Edição
Moderna
Moderna
(2013)



Rio de Janeiro Em Prosa e Verso - Volume tres
Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade
José Olympio
(1965)



Projetando espaços
Miriam Gurgel
Senac Sp
(2005)



Como Deus Manda
Niccolo Ammaniti
Bertrand



Independência Financeira. O Guia Para A Libertação
Robert T. Kiyosaki
Edit Alta Books
(2017)



Livro Ciência Política Sua Excrescência Senado
Sivirino Yumbad Baguun Parral
Parral
(2009)



Guiding Light: By God Through Me
Father Joe Robinson
Shepherds of Christ
(2014)



The Assault on Reason
Albert Gore
Penguin
(2007)



A esperança dos desesperados
Emmanuel Mounier
Paz e Terra
(1972)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês