Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
Mais Recentes
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> O que o Ato Conjugal significa para o Homem de Tim e Beverly LaHaye pela Betânia (2020)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Principis (2020)
>>> Satanismo de Daniel e Isabela Mastral pela Xxxxxxxxxxxx (2001)
>>> Um Espírito Demoníaco de Morris Cerulo pela Imprensa da Fé (1998)
>>> Assassins Creed de Christie Golden pela Galera (2020)
>>> O dia em que o Presidente Desapareceu de Bill Cliton e James Patterson pela Record (2018)
>>> O dia em que o Presidente Desapareceu de Bill Cliton e James Patterson pela Record (2018)
>>> A Canção do Sangue de Anthony Ryan pela Leya (2014)
>>> Memórias de um Suicida (Obra Mediúnica) de Yvonne do Amaral Pereira pela Federação Espírita Brasileira (2003)
>>> Mundo Como Vontade e Como Representação - I Tomo de Arthur Schopenhauer pela Unesp (2005)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> Mahatma Gandhi - Politik und Gewaltlosigkeit de Otto Wolff pela Musterschimidt-Verlag (1963)
>>> Marionetes Populares de Yvonne Jean pela Din (1955)
>>> As Bacanas = Plauto de Newton Belleza pela Emebê (1977)
>>> Trinta Toques de Rogério Viana pela Engenho da Letra (1999)
>>> O Teatro de Cervantes de José Carlos Lisboa pela Os Cadernos de Cultura (1952)
>>> O Teatro de Oraci Gemba de José Plínio pela Do autor (1994)
>>> Teatro Moderno = O Anúncio feito a Maria de Paul Claudel pela Agir (1968)
>>> O Palco dos Outros de Sérgio Brito pela Rocco (1993)
>>> Importe-se o Bastante para Confrontar de David Augsburger pela Cristã Unida (1996)
>>> Mais de Nogueira Salton pela Do autor (2009)
>>> Minha Mente, Meu Mundo de Walter Barcelos pela Didier (2001)
>>> Marketing Pessoal do Personal Trainer. Estratégias Práticas Para o Sucesso - 5D de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2013)
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/11/2010
Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk
Ricardo de Mattos

+ de 10400 Acessos


Grupo Editorial Record

"Tudo está escrito e, no entanto, a permissão está dada." (Rabi Akiva)

Alexandre Plosk (1968) nasceu na cidade do Rio de Janeiro, onde cursou publicidade e cinema. No cinema, dirigiu curtas-metragens como Gostosa, a caixa preta e Sassaricando, além de ter sido roteirista do premiado longa-metragem Bellini e a Esfinge. Como escritor, publicou dois romances: Livro zero e As confissões do homem invisível (Bertrand Brasil, 2008, 394 págs.). O segundo possui fundamento filosófico consistente, o que recomenda a leitura, embora deixe a desejar como thriller de suspense. Não recomendaríamos um romance de quase 400 páginas si não fosse realmente interessante.

As influências do autor neste livro parecem evidentes. A tormentosa tomada de consciência de uma alteração profunda na natureza orgânica do personagem remete-nos ao tcheco Franz Kafka, o mentor do romancista brasileiro contemporâneo. As questões acerca da realidade e da passagem de uma dimensão a outra gradativamente trazem à mente do leitor o nome de Lewis Carroll. Até algo de Carlos Ruiz Zafón pode ser percebido na personagem que busca extinguir a única edição do livro que escreveu.

No que diz respeito às fontes desta obra, o escritor declara ter buscado seus argumentos na lenda do anel de Giges e na Teoria do Caos.

No segundo livro d'A República, estabelece-se a discussão entre Sócrates e Glauco a respeito da justiça e da injustiça. Glauco defende que a pessoa considerada justa cometeria as mesmas arbitrariedades que a pessoa considerada injusta caso tivesse oportunidade de agir sem que a autoria de seus cometimentos fosse descoberta. O interlocutor de Sócrates busca provar sua assertiva com a lenda do pastor ― na verdade um antepassado de Giges, não o próprio - que encontrando um anel com o poder de tornar invisível o seu usuário, valeu-se da invisibilidade para alcançar o poder de forma criminosa. Conclui que as pessoas são justas apenas por obrigação, o que é um sério problema ético-filosófico. Nas Confissões..., o personagem comete duas variedades de ações: pequenos ilícitos em nome da própria sobrevivência e atos questionáveis na intervenção da vida alheia, sob a alegação de beneficiá-los e trazê-los de volta de um desvio existencial. Partindo do texto platônico e adicionando o que se sabe hoje, são apresentadas questões como: a sobrevivência será sempre uma desculpa para ilícitos menores? É desculpável um crime que beneficie alguém posteriormente? Se positiva a resposta, qual o critério para um número maior ter invadida sua esfera de direitos em proveito de um ou de poucos? Há alguma justificativa para que se interfira na vida alheia, ou qualquer mudança pessoal deve sempre ter um motor íntimo? Pergunta-se o personagem na página 30: "'O que você faria se ninguém pudesse te ver? ' A questão moral recorrente ganha um contorno ao mesmo tempo familiar e assustador neste momento".

No que diz respeito à teoria do Caos, foi-nos suficiente a definição do Dicionário Oxford de Filosofia, organizado por Simon Blackburn. Segundo o verbete consultado, por mais exata que seja a medida de determinado estado em determinado momento, a uma diferença arbitrária inicial e não detectável corresponde uma diferença arbitrária nos estágios subsequentes. Esta definição é ilustrada pelo conhecido efeito borboleta: por melhor que sejam calculadas as condições atmosféricas, o bater de asas de uma borboleta na China pode provocar um vendaval em outro hemisfério. Esta repercussão imprevisível também podemos encontrá-la no conto O falso cupom, de Tolstói, quando acompanhamos o desenrolar da emissão de um vale adulterado pelo jovem Dmitri.

O fato é que em determinado momento o personagem deparou-se com o fenômeno da própria invisibilidade. Invisibilidade, mas não imaterialidade, pois ele continua realizando as mesmas coisas e tendo as mesmas necessidades e dificuldades das demais pessoas. Pode até comunicar-se com elas por telefone ou por escrito. O anonimato ― que poderia ligar com a questão da identidade ― existe temporariamente, por opção do autor. A aceitação do novo estado não é isenta de sofrimento, mas logo dá lugar à curiosidade e ao imperativo de definir os aspectos da nova condição. "Se não tenho uma auto-imagem, não tenho identidade própria [...] Como o homem pode prosseguir vivendo se não sabe quem é?". Ele sabe que não acordou invisível, mas deixou de procurar as causas e reconstruir o processo através do qual isso se deu. Entende que sua vida precisará ser reinventada.

Afastado o fenômeno da invisibilidade, poderíamos ter em mãos um romance acerca da crise de identidade do personagem, que teria desenvolvido a catoptrofobia, a aversão injustificada em olhar-se no espelho. Em sua vida, tudo seria tão banal que seria preferível agir como invisível e, neste caso, facilmente encontraria correspondência no mundo contemporâneo, onde não é preciso perder o corpo para não ser visto. A certa altura, considerando somente o que autor esboça a respeito da insignificância do personagem, é possível encarar certo trecho de seu romance como desenvolvimento do conto Bontzye, o silencioso, escrito por outro judeu, o polonês Isaac Löb Peretz (1851-1915). O indivíduo comum também pode vivenciar determinadas situações sem que antes seu corpo deixe de ser visto. Comprova-o nossa mestiça Bahiana, dormindo ao nosso lado de barriga para cima, de tanto esperar em vão por uma coçada no umbigo ― exatamente no umbigo. Oportuno lembrar que um cão percebe a presença do personagem, pois se ele escapa da visão humana, não contou com o olfato canino. E este mesmo cão é mais uma pista do patronato de Lewis Carroll.

Vivendo situações para as quais a invisibilidade não era uma condição, também prestou favores que não a exigem para serem realizados. E realmente, num primeiro instante, a aproximação do personagem transformou a vida das pessoas para melhor. Todavia, uma coisa é ajudar a pessoa a alcançar determinado lugar, outra é querer assumir-lha vontade. A esta altura, a invisibilidade é encarada como uma missão, mas como alguém que mal se deu conta da atual situação pode achar-se em condições de fazer algo pelo outro? Quando um cego guia o outro, ambos caem no precipício, como foi ensinado por Cristo e magnificamente retratado pelo pintor belga Pieter Bruegel, o Velho. O personagem põe-se efetivamente a trabalho e assume pacientes, sendo recebido por eles como o próprio Deus ou um de seus enviados. Trata-se da "função Deus" que ele acredita ter descoberto.

Então reformulamos a pergunta acima: como alguém sequer restabelecido de um transe profundo pode arrogar-se a condição de julgador de seus pares e dispensar a participação de um poder superior? É típico de certos neófitos: abraçam uma nova fé ou doutrina e no seu entusiasmo querem passar à reforma humana. Esta suprema e recorrente arrogância do ser humano de pretender alçar-se a uma condição que lhe não compete, e ainda, de acreditando-se na posse dela, julgar desnecessário acompanhamento do Poder Superior ― como se dissesse: "doravante sigo sozinho" ― é que pode ter dado origem ao mito genésico de Adão e Eva, que encontra certa correspondência na filosofia neo-platônica de Plotino: "toda a sua reverência e admiração foi dirigida às coisas que lhes eram exteriores e, apegando-se a tais coisas, romperam seus laços originais, tanto quanto isso é possível a uma Alma". Si em seus primórdios a arbitrariedade humana tentou considerar a Deus como uma hipótese dispensável, evidente que o desenlace está fadado à tragédia. Mais tarde, ao rever o seu assistencialismo confuso, considerá-lo-á sua "indesculpável prepotência".

O homem invisível revela ter referências religiosas da infância, mas atém-se ao exotérico, isto é, ao conhecimento que se divulga a respeito de um credo, em oposição ao conhecimento esotérico, o dos iniciados. Após o extraordinário fenômeno, tudo se confunde e expõe a falta de base mais sólida. Constata Carl Jung: "de modo geral, constitui algo de extraordinário o fato de um indivíduo, em tais circunstâncias, voltar à religião de sua infância, na esperança de nela encontrar alguma ajuda para seus problemas".


adeusavida.blogspot.com

Questão fundamental no livro e que explica muitas das interferências do homem invisível na vida de terceiros é a do livre arbítrio. Tudo já está decidido ― fatalismo ― ou temos alguma chance de alterar o rumo dos fatos? Há no Universo algum evento que exemplifique a inexistência de regras fixas e dê margem ao arbítrio, ou temos que nos conformar com o caminhar imutável da vida? Nós realizamos ou nós cumprimos? O questionamento acompanha o personagem desde pequeno, porém tornou-se insuportável após certo drama familiar, e a busca da solução significa sua libertação do sentimento de culpa. Várias vezes são feitas menções a um quarto, talvez um símbolo ― e como proliferam os símbolos! - daquilo que está feito, não se pode desfazer e nem se deseja lembrar.

O livre arbítrio é uma conquista gradual. Até deixar de exercê-lo para que a Vida siga seu curso é uma conquista. Si acreditamos que há um plano a ser cumprido, a forma de executá-lo nós resolvemos no dia a dia. Aqui entra o poder de decisão cabendo ao indivíduo a escolha entre o sim e o não. Que há influências diversas na escolha, isso não se contesta. Por outro lado, quanto mais ele reflete acerca de si mesmo e do papel que exerce, mais desenvoltura adquire. É justamente por não pensar sobre sua atuação no mundo que o ser humano angustia-se geração após geração e deprime-se. Si pudéssemos prever com clareza a conseqüência além da que foi visada na prática de um ato, avançaríamos ou recuaríamos conforme nosso caráter. Leva-nos a pensar sobre nossos atos, de preferência antes de cometê-los, contudo sem tolher a ação.

Em torno de maio deste ano, nosso professor de Filosofia precisou resolver assuntos pessoais. Tomou um ônibus com a namorada e, ao descer no seu ponto de destino, foi atropelado por uma bicicleta que passava entre o veículo e a calçada. O ciclista fugiu sem prestar socorros. Levado ao hospital, diagnosticou-se traumatismo craniano. Passado o tempo, verificou-se que a memória e a visão do professor foram afetadas de tal maneira, que ele precisará ser aposentado por invalidez. Terá hoje o ciclista ― ou bicicleteiro, como prefere chamar nosso colega, o Pastor Marcos - noção da amplitude do dano causado a um desconhecido? Custar-lhe-ia muito aguardar o ônibus sair, ou contornar o veículo, sabendo que, si ele está encostado é porque pessoas estão subindo e descendo? O exercício do livre arbítrio é uma responsabilidade que nos vincula ao imprevisível.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 15/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. Orwell na pior em Paris e Londres de Gian Danton
03. Minha primeira vez - parte II de Rafael Rodrigues
04. Flip 2006: um balanço tardio de Julio Daio Borges
05. A Copa de 1982 de Gian Danton


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2010
01. Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim - 30/8/2010
02. O cérebro espiritual, de Mario Beauregard - 27/12/2010
03. Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk - 15/11/2010
04. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza - 7/6/2010
05. Duas escritoras contemporâneas - 26/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISICA VOAZ BOX COMPLETO
ANTONIO MAXIMO BEATRIZ ALVARENGA
SCIPIONE
(2012)
R$ 39,90



HISTÓRIA ORAL: COMO FAZER, COMO PENSAR
JOSÉ CARLOS S. B. MEIHY E FABÍOLA HOLANDA
CONTEXTO
(2007)
R$ 30,00



TEORIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO
NORBERTO BOBBIO
UNB
(1999)
R$ 26,00



OS TRABALHADORES DO MAR (LITERATURA FRANCESA)
VICTOR HUGO
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 30,00



ANIMAIS PRÉ- HISTÓRICOS - SÉRIE PRISMA
BARRY COX
MELHORAMENTOS
(1975)
R$ 6,90



AETHER
EMBLA RHODES
FUNALFA
(2007)
R$ 12,00



HISTÓRIAS DE HOMENS CASADOS
MARCELO BIRMAJER
PLANETA
(2006)
R$ 28,00



INTRODUCTION TO INSTRUMENTATION IN SPEECH AND HEARING
EDWARD CUDAHY (CAPA DURA)
WILLIAMS & WILKINS
(1988)
R$ 48,28



SEXUALIDADE DIVINA DESCOBRINDO A ALEGRIA DO TANTRA
MAHASATVAA MA E ANANDA SARITA/ PH. D.
MADRAS
(2012)
R$ 74,11



BENTO QUE BENTO É O FRADE
ANA MARIA MACHADO
SALAMANDRA
(2006)
R$ 21,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês