Biblioteca básica latino-americana | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A escola está acabando
>>> Co-opting creative revolution
>>> Gigantes de Tecnologia na Bolsa dos EUA
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Quem é o abutre
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O computador de antigamente
>>> Privacidade
>>> A nova Casa da MPB em São Paulo
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
Mais Recentes
>>> Revista hot--36--frances sarado. de Sisal pela Sisal
>>> Revista hot--22--picape corsa--opala x opala. de Sisal pela Sisal
>>> Revista carstereo tuning--70--maremoto de Crazy turkey pela Crazy turkey
>>> Carros antigos--02--40 modelos de Escala pela Escala
>>> Revista opala & cia--10--ss caravan--discreto street rod. de On line pela On line
>>> Revista transporte mundial--6--catalogo de onibus e microonibus 2005 de Motor press brasil pela Motor press brasil (2005)
>>> Office 2007 Excel 2007 Básico de Gilberto Carniatto dos Santos pela Senac (2008)
>>> Info Profissional EXCEL de Vários pela Abril (2021)
>>> Venda Mais Nº79 - 2000 GAY de Vários pela Quantum (2000)
>>> Você s/a Exame. As melhores empresas para você trabalhar (edição de 15 anos) de Vários pela Abril (2011)
>>> Nova escola Nº271/2014 (avaliação processual) de Vários pela Abril (2014)
>>> Carta Fundamental Nº44 Era uma vez de Vários pela Carta capital (2013)
>>> Brasil Almanaque Cultura Popular. (edição de aniversário) Nº144 de Vários pela Andreato (2011)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Pro Teste nº31/nov/2004 - nº34/Mar/2005 - nº22/Fev/2004 de Vários pela Proteste (2004)
>>> Pro Teste Nº129/2013 (Sabões em pó e líquido) de Vários pela Proteste (2013)
>>> Em busca do tempo perdido Vol 3. Dic Porto Fr-Pt-Pt-Fr c/ CD. O Escafandro e a Borboleta de Marcel Proust / Porto / Jean-Dominique Bauby pela Globo
>>> Pro Teste nº67/2008 - nº48/2006 de Vários pela Proteste (2008)
>>> Pro Teste nº122/mar/2013 - nº49/Jul/2006 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Pro Teste nº127 - nº123 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Password English Dictionary For Speakers of Portuguese de Martins Fontes pela Martins Fontes (1998)
>>> Vidas Secas de Graciliano Ramos pela Record
>>> New Framework 4a de Richmond pela Richmond
>>> New Framework Student Book 2A de Rich pela Richmond
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Quarta-feira, 22/10/2003
Biblioteca básica latino-americana
Marcelo Barbão

+ de 9400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

É difícil escolher a minha biblioteca básica, mesmo porque não acredito que exista algo assim. Toda boa biblioteca nunca pode ser básica. Ainda mais tentar resumir tudo em apenas dez livros. Por ser quase impossível, eu decidi diminuir ao máximo o escopo da minha escolha. Não sei se isso ajudou ou complicou.

Também estou me preparando para ter o meu pé puxado pelos fantasmas dos escritores esquecidos. Mas, são riscos que é preciso correr (será que é preciso mesmo?).

Bom, comecemos com o meu livro favorito na atualidade, Farabeuf, de Salvador Elizondo. O escritor mexicano é a minha mais nova paixão e Farabeuf, um dos livros mais revolucionários que já caíram em minhas mãos. A começar pelo tema que mostra as correlações entre o coito e a tortura. Além disso, a narrativa de Elizondo é voltada para si mesma, fechada, uma narrativa que sempre exige do leitor um desbravamento. A criação dos personagens em Farabeuf é um processo complexo. Nenhum personagem é concreto, com características evidentes. Todos caminham no limite entre existência e não-existência. As vozes são truncadas, nunca se sabe quem está falando, nem para quem. Elizondo só deixa algumas pistas do que está acontecendo e é isso que torna o leitor parte integrante da trama. Farabeuf é, com certeza, um dos livros mais instigantes de todos os tempos.

Um outro livro que não pode ficar de fora é Rayuela (O jogo da amarelinha) do excepcional Julio Cortázar. O escritor argentino marcou época com sua prosa experimentalista, criando um hipertexto. Um livro que pode ser lido de várias maneiras, pulando de um lado para o outro. Além dessa experiência, a história de Oliveira e a Maga é muito linda, com grandes momentos líricos. Na primeira parte, a genialidade de Cortázar consegue construir Paris como mais um personagem. Há dois capítulos, o 28 e o 41, que marcaram profundamente minha vida.

Há um escritor argentino, bastante pouco conhecido até mesmo no seu próprio país, mas que pode ser considerado o pai (tudo bem, um dos pais) do realismo fantástico que, anos depois, catapultou o continente para o estrelato literário. Estou falando de Macedonio Fernández e seu livro Museo de la Novela de la Eterna. O livro impressiona por vários motivos: seguindo a idéia joyceana de work in progress, ele demorou mais de 30 anos para ficar pronto. Bom, na verdade, ele não ficou pronto, mas o autor faleceu. Depois, segundo uma contagem que eu fiz, o livro tem mais de 50 prefácios, prólogos e introduções. Todos escritos pelo próprio Fernandez. É de uma ironia fina e com uma metalinguagem que impressiona. A Eterna (que é a própria obra) participa como personagem do livro. É a novela sendo personagem da própria novela.

Entre os neobarrocos, termo que marcou a literatura do continente nos anos 60 e 70, talvez o cubano Severo Sarduy seja um dos nomes mais conhecidos. No livro Maitreya, ele une barroquismo, filosofia ocidental e misticismo oriental. Essa obra é parte de uma trilogia não-oficial com Cobra e Colibri. Um dos aspectos fortes é a eroticidade da obra. Uma vez, Gabriel García Márquez falou para Sarduy que ele era o melhor escritor latino-americano e o menos lido. Aliás, isso é um caso comum.

Para os contistas, é difícil escolher um livro ou conto em especial, por isso vamos homenagear o conjunto da obra. O primeiro, que não pode deixar de estar em nenhuma biblioteca é Jorge Luís Borges. O velho bruxo criou uma das obras mais consistentes de toda a América Latina. Influenciou quase todo mundo que vale a pena ser lido e deve ter sido um dos primeiros escritores do continente a ter sua obra reconhecida em todo o mundo. O negócio é economizar uns 200 reais e aproveitar que a Obra Completa foi lançada em português, apesar de ser um crime não ler no original.

Outra escritora que eu conheci recentemente mas que me marcou com profundidade foi a Silvina Ocampo. Contista vigorosa e criativa, ela fez parte da "turma" do realismo fantástico mas seus contos são cheios de uma melancolia que a torna única no gênero. Qualquer livro dela vale a pena. Além de contos, ela foi uma poetisa de mão cheia, algo que lhe rendeu diversos prêmios.

Conversa na Catedral, Vargas Llosa. Essa foi uma obra fenomenal em termos de experimentalismos, os diálogos esquizofrênicos, misturados, retorcidos dentro da narrativa, criam uma sensação estranha. Esse livro ficou marcado na minha memória porque foi um dos meus primeiros contatos com estruturas não-lineares de narrativa. Aliás, preciso reler a obra. Já faz muito tempo.

Em termos de saga, um gênero que não teve muitos representantes nem no Brasil, nem na América Latina, Cem anos de solidão, é um dos livros mais impressionantes de todos os tempos. A saga dos Buendia é marcante, com sua confusão de nomes, sua fantástica Macondo e, o mais genial, é descobrir que García Márquez tirou tudo isso da sua própria vida. Assim, a leitura da autobiografia do autor também é obrigatória.

Se é difícil falar de um único livro quando estamos avaliando contistas, imaginem, então, os poetas. Há dois poetas que são simplesmente insubstituíveis e, coincidentemente (ou não), são chilenos: Vicente Huidobro e Pablo Neruda.

Com trabalhos bastante diferenciados, os dois chilenos criaram obras bastante significativas e de fôlego. Huidobro, do começo do século, rompeu com Modernismo de Rubén Darío e partiu para o Creacionismo, uma ruptura com o realismo e um pré-surrealismo. É difícil não ver na poesia de Huidobro, o início do furacão latino-americano que dominou o século XX.

Por outro lado, Neruda criou uma obra importante, com poemas com um fundo social e amoroso que ainda comovem gerações. Ganhador do prêmio Nobel de literatura (além dele, ganharam, no nosso continente, Octavio Paz, Gabriel García Márquez, Miguel Angel Astúrias e a Gabriela Mistral), Neruda também virou um símbolo da luta pela democracia no continente, tendo falecido (entre outros motivos, por desgosto) doze dias depois do golpe que derrubou o governo de Salvador Allende e instaurou a ditadura mais sangrenta do continente latino-americano.

E, finalmente, para romper com as estruturas, vou colocar meu décimo-primeiro livro: Dos veces junio, do escritor argentino Martín Kohan. Ninguém ouviu falar dele? Claro, esse é apenas o segundo livro do autor que tem exatamente a minha idade e, junto com a carreira de escritor, também dá aulas de Teoria Literária na Universidade de Buenos Aires. Kohan retrata, neste livro, os pesadelos da ditadura argentina, através dos olhos de um soldado conscrito. Mas Kohan não cai no realismo simplista, trabalhando (com elementos neobarrocos) a história. Seu domínio das técnicas narrativas e do espanhol é impressionante, tornando-o um dos escritores mais interessantes da nova geração latina. Além de tudo, é uma pessoa acessível e um bom amigo.

Bom, aqui está minha biblioteca básica. Oh, meu Deus, na porta do quarto já estão Lezama Lima, Cabrera Infante, Octavio Paz, Gabriela Mistral, Rubén Darío, Bioy Casares, Roberto Arlt, Horacio Quiroga, Ernesto Sábato, entre outros, só esperando eu fechar os olhos.


Marcelo Barbão
São Paulo, 22/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
02. Repensando a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
03. Baudelaire, um pária genial (parte III) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Marina Silva (a terceira via?) de Rafael Rodrigues
05. 2009 e minhas leituras de Rafael Fernandes


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2003
01. Literatura e cinema na obra de Skármeta - 13/5/2003
02. Biblioteca básica latino-americana - 22/10/2003
03. Outro fim de mundo é possível - 11/2/2003
04. Marcos Rey e a Idade de Ouro - 15/7/2003
05. Os cyberpunks e o futuro - 9/9/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/2/2008
10h16min
Cinco anos depois de publicado o texto do Barbão, vem um advogado-fantasma (eu) fazer a defesa de Juan Carlos Onetti... "A Vida Breve" é magnífico.
[Leia outros Comentários de Montana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pais e Filhos Vivendo a Missa
Bernardo Cansi
Paulinas
(1979)
R$ 8,00



Através dos Olhos do Outro -um Guia para Revisar Sua Vida
Karen Noe
Magnitudde
(2013)
R$ 21,83



Como ensinar crianças a conviver
Manuel Segura
Vozes
(2009)
R$ 10,00



A Nau dos Insensatos
Katherine Anne Porter
Abril Cultural
(1974)
R$ 5,00



A atitude muda tudo
Jeronimo Mendes
Literare Books International
(2018)
R$ 39,90



Gentlemen
Klas Ostergren
Record
(2010)
R$ 24,00



Semiótica & literatura
Décio Pignatari
Ateliê Editorial
(2004)
R$ 22,00



Os Grandes Líderes - Khomeini
Nova Cultural
Nova Cultural
(1988)
R$ 5,00



O Ourives Sapador do Pólo Norte
Ana Cecília Carvalho
Formato
(1995)
R$ 5,00



Maiores de 40 -guia de Viagem para a Vida
Maria Tereza Maldonado
Saraiva
(1995)
R$ 5,00





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês