Até eu caí nessa | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
>>> Campanhas Inesquecíveis - Propaganda Que Fez História no Brasil de Meio & Mensagem pela Meio & Mensagem
>>> História da Civilização de Will e Ariel Durant pela Companhia Editorial Nacional
>>> Vetor de Robin Cook pela Record
>>> Os Maias de Eça de Queiros pela L&pm
>>> Abc de las Naciones Unidas de Naciones Unidas pela Naciones Unidas
COLUNAS

Sexta-feira, 8/11/2013
Até eu caí nessa
Marta Barcellos

+ de 4000 Acessos

Setembro de 2013: O milionário e playboy Chiquinho Scarpa anuncia que, a exemplo dos faraós, que enterravam fortunas para chegarem ricos ao reino dos céus, iria colocar sob a terra um de seus bens mais preciosos, um Bentley avaliado em R$ 1,5 milhão. Absurdo, claro, mas se tratando de uma celebridade excêntrica e meio esquecida, a história convenceu. A imprensa que cobre celebridades dispostas a qualquer coisa para aparecer divulgou e foi cobrir o tal enterro.

A pegadinha de Scarpa, pelo menos, era por um bom motivo, e a mídia espontânea foi gerada sem maiores constrangimentos. Um publicitário havia bolado toda a ação para divulgar uma campanha de doação de órgãos. Assim, no dia do enterro, fotógrafos e cinegrafistas a postos, Chiquinho anunciou, ao lado do carro e do trator que havia cavado uma cova em seu jardim, ter desistido da ideia. E lançou o tema da campanha, já impresso em farto material guardado dentro da casa: "Absurdo é enterrar algo muito mais valioso que um Bentley: seus órgãos."

Outubro de 2013: No dia do Enem, o estudante Flávio Queiroz, de 20 anos, chega atrasado a um dos maiores locais de aplicação da prova. Pendura-se nas grades do portão fechado, é fotografado pela imprensa que costuma ficar no local atrás desse "personagem", e dá as declarações esperadas: "Meu pai vai ficar muito bravo". E ainda: "Agora é estudar para as próximas." Só não conseguiu, nas matérias que se espalharam pela internet, muito destaque para o desabafo "Não queria fazer Mackenzie, que é minha segunda opção!". A encenação do estudante de ciências contábeis da USP era para zoar o Mackenzie, tradicional rival da sua faculdade numa competição universitária, e só foi descoberta dois dias depois. A foto de Flávio, empoleirado nas grades, saiu até na primeira página da Folha de São Paulo.

Novembro de 2013: A Veja São Paulo coloca em sua capa o "rei do camarote" Alexander de Almeida, que gasta R$ 50 mil em uma balada na cidade e aceita gravar um vídeo para a revista com os "dez mandamentos" de quem quer ostentar riqueza e status. Na internet, segue-se uma onda de indignação, outra de desconfiança e por fim Alexander sugere que tudo poderia ser uma pegadinha. O suspense se instala, à espera do próximo capítulo: Alexander poderia dizer que não é Alexander; ou, pressionado pela repercussão negativa, alegar que tudo se tratava de uma campanha de doação de órgãos ou de uma aposta feita com os amigos da USP. À revista, já beneficiada pela audiência, caberia provar que o personagem era "verdadeiro".

Daqui a um mês, mal vamos lembrar do rei do camarote. Mas ficará registrada, em algum lugar de nossos cérebros, uma experiência que se repete: acreditar, se indignar (ou se emocionar), descobrir que foi enganado por uma pegadinha (ou jurar que desconfiou desde o início), e até mesmo não concluir se era pegadinha ou não, antes de o assunto encher a paciência. Aos mais atentos, talvez restará a lembrança da versão "definitiva" do rei do camarote oferecida por alguma emissora de TV ou blogueiro bem informado.

A intenção aqui, ao destacar as três histórias, não é fazer uma crítica ao trabalho da imprensa, cada dia mais misturado à própria internet. É até curioso que não seja mais possível culpar a mediação da imprensa por tudo que se reflete nela, como fazíamos antigamente. Não faz sentido, por exemplo, uma pessoa reclamar do sensacionalismo da imprensa enquanto ela própria clica em links suspeitos, que infectam seu computador, por não resistir à promessa de sensacionalismo. Com a mediação pulverizada pela internet, e a sua concorrência, nem sei se ainda cabe a antiga discussão sobre o papel social da imprensa, que deveria de abrir mão da audiência fácil em nome da sua responsabilidade na construção dos valores de uma sociedade.

Pode-se, assim, afirmar que a história tola sobre o carro de Chiquinho Scarpa atraiu a imprensa porque ela avaliou - corretamente - que a notícia fabricada atrairia o seu público. Era "notícia" e pronto. Da mesma forma, o estudante pendurado na grade e o sujeito que queima dinheiro na balada também são "notícias". Para completar, as táticas do marketing de guerrilha, que existem há décadas, tentam se aproveitar dessa simplificação sobre o que é relevante ou interessante para as muitas mídias, com as brechas potencializadas pela velocidade da internet - que impede e nem valoriza as checagens da informação.

Até os mais experientes e espertos na internet já foram enganados alguma vez, se não com um falso personagem ou uma falsa notícia, com uma falsa corrente, uma fotomontagem ou (nos primórdios) uma falsa crônica de Luis Fernando Veríssimo. Na medida em que apuramos o nosso faro, as táticas para nos enganar também se aperfeiçoam.

Onde isso vai parar? Não resta mais dúvida que a tecnologia e a internet - hoje, especialmente, as redes sociais - têm a capacidade de mudar comportamentos, moldar valores, criar novos vínculos sociais. A questão é se vamos nos acostumar a um mundo de muitas versões e incertezas - até porque estamos nos divertindo com paródias e ironias - ou se de alguma forma a credibilidade e a autoridade continuarão a ser relevantes.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 8/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As luzes se apagam de Cassionei Niches Petry
02. Meu beijo gay de Paulo Polzonoff Jr
03. De Siegfried a São Jorge de Celso A. Uequed Pitol


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉtait un Temps Déraisonnable: les Premiers Résistants Racontent
Georges Marc Benamou
Robert Laffont (paris)
(1999)



João Lobo 15
Thales Trigo Simonetta Persichetti
Senac Sp
(2008)



A Madrasta
Nancy Thayer
Círculo do Livro
(1987)



Parque Górki
Martin Cruz Smith
Círculo do Livro
(1984)



O Brasil na França
Ruy Pacheco de Azevedo Amaral
Fund Alexandre de Gusmão
(2008)



Recurso de Apelação e Novas Aplicações de Seu Efeito Devolutivo
Mauro Pedroso Gonçalves
Juruá
(2009)



Revista Brasileira de Filosofia Vol. Lvi Fasc 231
Fundação Nuce e Miguel Reale
Instituto Brasileiro Filosofia
(2008)



Preços de Produção, Métodos de Longo Prazo e Equilíbrio Geral: uma Crí
Marcos de Barros Lisboa
Bndes (rj)
(1993)



Ilha da Trindade: a Ocupação Britânica e o Reconhecimento da Sobe
Martin Normann Kämpf
Fundação Alexandre de Gusmão
(2016)



Estudos Jurídicos Criminais
Luciano Nascimento Silva
Juruá
(2008)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês