Suicídio, parte 2 | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra - Os Documentos perdidos de Sun Tzu II pela Record (1996)
>>> Competindo pelo Futuro de Gary Hamel e C K Prahald pela Campus (1995)
>>> 80 Mágicas com cartas de 80 Mágicas com cartas pela COPAg (1985)
>>> Idade do Zero de Zeh Gustavo pela Escrituras (2005)
>>> Os Três Ratos Cegos e Outras Histórias de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1979)
>>> Outra Independência o Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Evaldo Cabral de Mello pela 34 (2004)
>>> A Décima Profecia de James Redfield pela Objetiva (1996)
>>> Condutas no Paciente Grave Nº 1 e 2 de Elias Knobel pela Atheneu (1998)
>>> Na Palma da Minha Mão de Leilah Assumpção pela Globo (1998)
>>> Missão no Oriente de Luiz Puntel pela Atica (1999)
>>> Previsão e controle das fundações de Urbano Rodriguez Alonso pela Edgard Blucher (1995)
>>> A Riqueza das Nações 1 e 2 de Adam Smith pela Nova Cultural (1985)
>>> Moreninha de Joaquim Manuel de Machado pela Moderna (1993)
>>> Diário de um cucaracha de Henfil pela Record (1984)
>>> Sinais de Esperança: uma Leitura Surpreendente dos Acontecimentos Atua de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora (2008)
>>> Manual de Bioquimica de Conn Stumpf pela Edgar Blucher (1972)
>>> O Senhor March de Geraldine Brooks; Marcos Malvezzi Leal pela Ediouro (2009)
>>> Devezenquandario de Leita Rosa Cangucu de Lourenço Cazarre pela Lge (2003)
>>> Clássicos Literatura Juvenil 12 - Aventuras de Huck de Mark Twain pela Abril (1972)
>>> Naruto 58 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> Super Seek and Find Students Book & Digital Pack (volume 2) de Lucy Crichton pela Macmilian Education (2018)
>>> O jovem Torless de Robert Musil pela O globo (2009)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma - Série Bom Livro de Lima Barreto pela Ática (1989)
>>> Naruto 57 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> O Veneno da Madrugada de Gabriel García Márquez pela Sabiá (1970)
COLUNAS

Sexta-feira, 15/3/2013
Suicídio, parte 2
Marta Barcellos

+ de 4300 Acessos

(Parte 1)

O problema do suicídio é não ter parte 2 - pelo menos é nisso que acredito. Então o escritor David Foster Wallace, o ator Walmor Chagas e o programador Aaron Swartz não nos darão explicações para suas decisões. Como o suicídio é um tabu dentro de outro maior ainda, que é a morte (há quem defenda que a morte tomou o lugar do sexo no ranking de tabus da modernidade), simplesmente temos dificuldades em pensar nele. No mínimo, não estamos acostumados.

Por muito tempo o suicídio sequer era noticiado na imprensa brasileira, e o primeiro a falar disso, se não me engano, foi o jornalista Arthur Dapieve, que escreveu o livro Morreu na contramão - o suicídio como notícia. Eu mesma, em redação de jornal, lembro de ter ouvido: não "damos" suicídios. Tabus são assim, e quem os estuda sabe como essas frases lacônicas silenciam tudo.

Mas os tempos já são outros, são os tempos da internet, e o fato é que os três suicídios foram considerados notícia, receberam ampla cobertura, e, para mim, de certa forma coincidiram: soube das mortes de Walmor e de Aaron na época em que estava lendo Wallace. Ou melhor, enquanto estava descobrindo o escritor americano e percebendo em sua escrita uma espécie de compromisso com o futuro, uma pregação sobre a importância de se estar atento a tudo - principalmente a si próprio - para poder fazer escolhas verdadeiras.

Tradutor do primeiro romance de Wallace que será lançado no Brasil, Caetano Galindo reconheceu que pode ser "inescapável" entender o escritor a partir de sua depressão e seu suicídio. (Ah, sim: como tantos suicídios, o de Wallace costuma ser "explicado" pela convivência com a depressão e pelas dificuldades com a medicação.) Em entrevista a Francisco Quinteiro Pires, Galindo parece lamentar: "Ficou a sombra de que a morte dele representava uma confissão do fracasso da missão enorme que tinha se imposto".

Ao se matar, Wallace não teve oportunidade, por exemplo, de escrever algo sobre o fenômeno Facebook - embora parecesse bastante visionário sobre os impactos das tecnologias no comportamento humano. Depois de ler seus ensaios, me flagrei tentando reproduzir o seu olhar para pensar as redes sociais. Ou melhor, em como 'nós' agimos nas redes sociais (e ele colocaria a palavra 'nós' em destaque). Por que andamos tão pouco questionadores sobre tanta coisa? Será que os leitores de Wallace, após a sua morte, consideraram a missão pesada demais?

Impossível não relacionar isso tudo, também, ao suicídio de Aaron Swartz, um dos criadores do RSS e fundadores do Reddit. Como Wallace, o programador americano tinha uma mente privilegiada, talento de sobra e a mania de questionar tudo sobre todos. Seu questionamento incessante o levou a ser um ativista na internet e usar a própria genialidade como hacker, em prol do livre acesso ao conhecimento. Parecia ter uma missão, uma missão que talvez tenha pesado demais - estava sendo pressionado e processado. Enforcou-se, aos 26 anos.

Um diagnóstico de depressão também acompanhava Aaron, e realmente seria muito confortável para todos nós que suicídios sempre tivessem como "explicação" uma patologia. De preferência uma patologia com cura possível: fulano se matou porque não tomou o remédio.

Como diria Wallace, individualmente somos serzinhos egoístas, que transpomos para nosso universo pessoal toda e qualquer experiência alheia. É o nosso ponto de vista e são os nossos interesses que imperam, porque não conseguimos de fato 'estar' no lugar do outro. E, para nosso conforto pessoal, buscar explicações fáceis para as mortes dos outros nos desobriga a pensar em nossa própria morte. Ou, mais provavelmente, nos desobriga a pensar em nossa própria existência.

E foi por esse motivo que, numa manhã de sábado, uma semana depois do suicídio de Aaron, quando eu estava lendo Wallace e soube da morte de Walmor Chagas, parei tudo para buscar uma explicação. Walmor era um ator genial. O obituário exaltava isso, e mesmo quem não teve oportunidade de constatá-lo pessoalmente podia percebê-lo por sua postura e conduta (vale a pena rever sua entrevista ao programa Starte, da Globo News). Sabe qual foi o nome da última peça que ele encenou, em 2005? Um homem indignado, de sua autoria.

Se pensar na morte como opção é difícil porque também temos que pensar na vida como uma opção, e no que devemos fazer com toda uma existência sem sentido, naturalmente a explicação fácil nos conforta. Walmor, eu leria, estava deprimido. Isolado há anos em um sítio, reclamava das limitações físicas da velhice. A pior delas, a dificuldade para ler - uma de suas últimas paixões - teria sido a gota d'água. Então era isso: Walmor Chagas se matara com um tiro de revólver calibre 38 na cabeça porque estava cego. E ainda dava para subtrair uma mensagem edificante de seu ato final: é mesmo terrível não poder ler, e viva a literatura.

Mas não era possível ignorar que havia, já em 2005, um homem indignado com a mediocridade reinante, um homem que não estava cego e tinha sete anos a menos que os 82 com que se mataria. Como já deve ter ficado claro, eu resistia em pensar que pessoas admiráveis só se mataram por uma contingência física ou um desequilíbrio químico no cérebro. Só que, ao rejeitar a justificativa da depressão para os suicídios, eu acabava caindo numa outra tentativa de "explicar a morte": eram pessoas geniais, e com uma consciência exacerbada, que queriam mas não conseguiam mudar o mundo.

No fundo, tratava-se apenas de uma hipótese formulada por um serzinho egoísta, ávido por justificar as inquietações de sua própria existência... Pelo menos o suicídio está deixando de ser tabu, e estamos falando e pensando nele ele aqui, agora.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 15/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
03. Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? de Adriana Baggio
04. Um erro emocional, de Cristovão Tezza de Daniel Lopes
05. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Câmera do Sumiço
Laura Bergallo
Dcl
(2007)



Administração Pública - Séries Provas e Concursos
Augustinho Paludo
Elsevier
(2012)



Votorantim 90 anos - Uma historia de trabalho e superação
Jorge Caldeira
Mameluco
(2007)



Roberto Civita. o Dono da Banca
Carlos Maranhão
Companhia das Letras
(2016)



La Conjugaíson 1200 Verbes 1
Bescherelle
Hatier
(1990)



As Dez Lições Indispensáveis para Começar Sua Vida
Maria Shriver
Thomas Nelson Brasil
(2009)



Espiritualidade para Corajosos
Luiz Felipe Pondé
Planeta
(2018)



Novos Rumos do Marketing
Alexandre Luzzi
Atlas
(2001)



A Rua é Meu Quintal
Tânia Alexandre Martinelli
Atual
(2009)



Catador de Papel ii
Fernando Carraro
Ftd
(2001)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês