Os feriados estão acabando com o meu fim de semana | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> War is peace; freedom is slavery; ignorance is strength
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Infeliz Dia dos Namorados
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nota Bene
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Comer é viver
>>> Sugerido para adultos?
>>> Ação e Romance
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Hibisco Roxo de Chimamanda Ngozi Adichie pela Companhia das Letras (2011)
>>> Liberte a Intuição! de Roy H. Williams pela Futura (2003)
>>> O anjo azul de Josef von Sternberg ( um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Jules e Jim uma mulher para dois de François Trufaut (um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Dinâmicas de Leitura Para Sala de Aula de Mary Rangel pela Vozes (1990)
>>> Força Interior - Ensinamentos práticos para uma vida melhor de Carlos França pela Circulo do Livro (1988)
>>> Castas, estamentos e clases sociais de Sedi Hirano pela Alfa-Omega (1974)
>>> Word Perfect vocabulary for fluency de Mark Harison pela Nelson (1990)
>>> Plotinus Ennead III de Plotinus; A.H.Armstrong pela Loeb (1967)
>>> Volar Sobre El Pantano - novela de valores para superar la adversidad y triunfar de Carlos Cuauhtémoc Sánchez pela Selectas Diamante (1995)
>>> 200 Sonetos de Luis Vaz de Camões pela Lepm (2001)
>>> Academia Goiana de Letras - História e Antologia de Coelho Vaz pela Kelps (2008)
>>> O Poder Infinito da Oração - Descoberta da força capaz de produzir milagre de Lauro Tevisan pela Mente
>>> Não Mato por Prazer de John Godey pela Nova Época (1974)
>>> A Outra América: Pobreza nos Estados Unidos de Michael Harrington pela Civilização Brasileira (1964)
>>> O Vôo da Borboleta de Morah Lofts pela Melhoramentos (1987)
>>> Encontros Com Homens Notáveis de G. I. Gurdjieff pela Pensamento (1980)
>>> A Morte no Japão de Ian Fleming pela Globo (1965)
>>> Um de Richard Bach pela Record (1988)
>>> Os Grandes Clássicos da Literatura: Elogio da Loucura - O Livre Arbítrio de Erasmo de Roterdã – Artur Schopenhauer pela Novo Brasil (1982)
>>> Esconde-Esconde de James Patterson pela Best Seller / Círculo do Livro (1997)
>>> Sherlock Holmes: O Ritual Musgrave e Outras Aventuras de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2006)
>>> Platero e Eu de Juan Ramón Jimenez pela Rio Gráfica (1987)
>>> O Original de Jean-Jacques Fiechter pela Record (1996)
>>> Aura de Carlos Fuentes pela L&PM (1981)
>>> As Ninfas do Vale de Gibran Khalil Gibran pela Catavento (1978)
>>> A Brincadeira de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Rainha de Provence de Jean Plaidy pela Record (1993)
>>> Esfinge de Robin Cook pela Círculo do Livro (1987)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Círculo do Livro (1997)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1985)
>>> Nada Dura Para Sempre de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1998)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1987)
>>> O Outro Lado da Meia-Noite de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1989)
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1964)
>>> Sebastiana Quebra Galho Guia Prático das donas de casa 16ªed. de Nenzinha Machado Salles pela Civilização Brasileira (1994)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquez pela Sabiá (1971)
>>> Melhor que comprar sapatos de Cristiane Cardoso pela Unipro (2015)
>>> Imposto sobre a propriedade territorial rural de Dejalma de Campos pela Atlas (1993)
>>> Archi de soleil de Patrick Bardou e Varoujan Arzoumanian pela Parenthèses (1978)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/5/2005
Os feriados estão acabando com o meu fim de semana
Julio Daio Borges

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não me lembro de quando me tornei um viajante regulamentar de feriados (expressão estranha, eu concordo). Lembro que, em algumas datas, principalmente nos tempos da faculdade, eu me enfiava num carro (ou num ônibus) com os amigos e partia para destinos improváveis, geralmente na Bahia (durante o verão e as férias de julho) e Minas Gerais (durante o Carnaval). Antes, claro, com meus pais, visitava regularmente a família (em Minas, de novo, e, às vezes, na Bolívia) e embarcava, de quando em quando, para destinos internacionais (meu pai nunca viu muita graça em viajar pelo Brasil). Enfim, acho que foram minhas namoradas que me puxaram para fora da toca, arrastando-me para algum lugar, nesses feriados que costumamos emendar, de tal sorte que se transformou numa rotina, ou num hábito (já que afirmar que os feriados se tornaram "rotina" no Brasil pode se revelar um pouco antipático neste primeiro parágrafo).

Lembro, agora, de um amigo da faculdade que reclamava de ouvir sua namorada insistindo pra eles viajarem sempre mais; justificando que eles viajavam pouco, mesmo quando viajavam, etc. e tal. E, de fato, é uma constante nas namoradas (opa, meninas, não fiquem bravas). Hoje, eu e a Carol somos viajantes viciados. Ela me incutiu o vício, é claro. Eles dizem (they say) que a tendência das mulheres é se assentar em algum lugar; e que a dos homens é procurar aventuras aqui e acolá. Posso dizer que, no quesito viagens, estão redondamente enganados. Os homens, em geral, têm uma forte tendência para se enraizar em casa, durante feriados e fins de semana, e as mulheres, para meter a cabeça pra fora, buscando novos horizontes e quase exigindo respirar novos ares. Talvez, na época do namoro, a mulher queira simular uma "casa" que ainda não tem (digo, não na casa dos pais). A Carol sempre fala, quando abandonamos um chalé charmoso, às vezes até um quarto de hotel, uma cabine espremida de navio, ou mesmo uma frisa ou "camarote" em espetáculos: "Adorei essa casinha. Vou ficar com saudade..." Outra hipótese que se me ocorre, para o caso dos casados, é a de que as mulheres ficam muito fechadas (nos casamentos de antes e, às vezes, até nos atuais) em casa, em seu (primeiro ou segundo) "trabalho", de modo que precisam de uma renovação no cenário. Transporto o exemplo, obviamente, para a minha mãe, que queria sempre sair na sexta-feira à noite, enquanto que meu pai, naturalmente chegando do trabalho, queria ficar em casa ("Você quer que eu venha com banda de música?"). No meu caso e da Carol, isso provavelmente se reflete no fato de que ela trabalha (falo de uma profissão regulamentar) em casa.

Resumindo a ópera, homens são de Marte e mulheres são de Vênus (ou seria o contrário?). Virei um viajante regular porque a Carol começou a me instigar com destinos ainda mais improváveis do que aqueles dos meus amigos de anos atrás, e saímos pelo Brasil afora (ou pelo exterior afora, quando dava; agora não dá mais). Hoje, além das aventuras todas, dos lugares inusitados, das pessoas mais ainda, eu encaro como uma forma de conhecimento (não vou fizer de "autoconhecimento" porque é brega e não é verdade). Viajar é necessário. Nem que seja para ir ali na esquina e olhar de volta, ou se hospedar na casa dos amigos que agora moram fora de São Paulo (aliás, esses são os melhores guias e os melhores cicerones que se poderia encontrar - além de sair mais barato). Sou um viajante porque sou e acabou. Hoje está no meu DNA.

Feita essa ressalva, queria aqui abordar a forma perversa como alguns feriados podem se comportar (se é que feriados "se comportam"), quando, por causa deles, nós nos vemos espremidos entre ondas de trabalho que inevitavelmente transbordam pro fim de semana. Porque não dá; façam a conta comigo: se você vem trabalhando 5 dias por semana, descansando outros 2, durante um mês, de repente, vem um feriado e obriga você a se espremer em 3 dias, ou menos, 4, vá lá - em algum lugar essas horas extras vão desembocar, já que a quantidade de trabalho a ser realizado é igual (não diminui apenas porque o calendário sinaliza com um feriado). Exemplo prático: aqui, o Digestivo não pára - não sei se você já reparou. Segunda, terça, quarta, quinta e sexta. Sempre. Incluindo feriados e festas, como as de Natal e Ano Novo. Assim, se vem uma semana prolongada, ou um day off, continuamos tendo de publicar - não temos trégua e, mesmo que tivéssemos, isso não aliviaria em nada, apenas tornaria a publicação inviável. O que quero dizer é que, se você tem aquela quantidade de trabalho para entregar, se pretende aproveitar o feriado (e viajar ou simplesmente não fazer nada), alguma hora vai ter de pagar a conta dos dias não-trabalhados.

Aí entra o título desta crônica. Volta e meia, eu me pergunto (e a Carol nunca concorda comigo) se vale à pena correr, sei lá, segunda, terça e quarta-feira (às vezes, quinta), para deixar tudo pronto para quinta, sexta e segunda-feira da outra semana, se jogar no feriado, depois de jornadas extensas nesses dias suados, e, passada a bonança, aterrizar, de novo, no escritório, com centenas de e-mails atrasados (a vida continua no feriado e no fim de semana), pilhas de correspondência sem resposta, pendências que - por mais que se trabalhe - sempre sobram e pepinos os mais variados (para redundar em novas jornadas extensas, em novos dias suados...).

Quando avento a hipótese de que existe um excesso de feriados no Brasil, quase sou crucificado, morto e sepultado (descendo à mansão dos mortos, sem direito a ressurreição no terceiro dia e nem subida aos céus), para fechar a boca e nunca mais balbuciar nada similar, mas é o que eu acho. Pois, como acabamos de demonstrar, de que adianta viajar no feriado e trabalhar durante o fim de semana, antes ou depois do próprio (matando sábados e/ou domingos, e qualquer descanso proveniente do famigerado)?

E o problema, para a economia, não é nem só os dias perdidos (o que, em si, já é grave). O problema é - defendo esta tese quando querem me crucificar - a descontinuidade da programação, do cronograma, dos projetos. Porque não adianta: as pessoas (digo, os trabalhadores) não funcionam direito nem em véspera nem em dia útil depois do feriado. São, portanto, mais dois dias ou, no mínimo, uma tarde (antes) e uma manhã (depois), sacrificados no altar do deus-feriado. Eu, por exemplo, me proponho a escrever um "Digestivo" inteiro, mais um ou dois textos longos (às vezes, "Colunas") toda semana - mas, quando sou atropelado por um feriado (ou por uma ameaça de), eu me vejo tendo de encaixar esses e outros afazeres (sagrados, quando não pecuniários) entre os intervalos que sobram, pois sei que as obrigações diárias (5 dias em 3, ou em 4, lembra?) vão sugar energia (e tempo) além do normal.

Se você é empregado, é tudo muito bom, uma beleza, na verdade, porque - digo, normalmente - trabalhando mais ou menos horas, você recebe o salário igual, integral. Mas se você é empresário (esqueça a Fiesp e o Mario Amato, pense nos microempresários em geral), é uma desgraça. Os meses são menores, são menos dias trabalhados, e as contas, reguladas pelos tais 30 dias (não importa se menos de 20 foram aproveitados), chegam igual: IPTU, taxa de lixo, condomínio, tarifas de banco, seguro disso, seguro daquilo, cobranças, contador... Ninguém se importa se você faturou menos; todo mundo vai descontar igual. O governo, também, claro. (E vale inclusive para os profissionais liberais ou freelancers, que recebem de acordo com o que produzem: se trabalham menos, recebem menos; é proporcional).

No fundo, a terceirização forçada que, de uns tempos pra cá, se impõe - por motivos assim -, talvez obrigue as pessoas a reconsiderarem algumas características do nosso Estado paternalista, que incutiu na cabeça dos trabalhadores essa noção muito apurada de direitos, mas muito vaga de deveres. O tiro está saindo pela culatra. Por obra e graça da constituição de 1988, o brasileiro se acha na posição aparentemente confortável de funcionário público (nem sempre é porque quer), tornando-se inviável para as empresas que não têm como pagar os encargos, e que se vêem na desconfortável situação de ter de subcontratar, jogar o sujeito na informalidade ou então terceirizar. Óbvio que o "empresariado" (essa entidade vaga, à qual habitualmente se recorre) abusa, mas a realidade, muito mais prosaica, é de pessoas jurídicas minúsculas, que lutam para sobreviver e que empregam, no Brasil, o maior contingente populacional.

Isto aqui não era para ser um discurso, nem estou me candidatando a qualquer coisa. Acontece que essas questões me afetam há anos (desde que decidi abandonar a tranqüilidade do holerite, e me atirei na incerteza do recibo e da nota fiscal). Não estou pedindo para as pessoas pararem de viajar nos feriados (eu, quando puder, também vou viajar). Apenas sugiro que se revejam certas posturas, diante (nem digo do emprego, mas...) de suas obrigações profissionais, porque, em meio a benesses de curto prazo, pode-se estar roendo a corda da estabilidade e da solidez, em matéria de renda. Quem sou eu para chamar a atenção e para tentar mudar os hábitos do brasileiro médio, mas, com o achatamento da classe-média, e das empresas de médio porte, estamos, cada vez mais, no mesmo barco: gastando hoje o que vamos ter de pagar amanhã. É inevitável. Por isso, quando alguém levantar a bola sobre a freqüência excessiva de feriados no calendário, em vez de praguejar contra quem supostamente sabota o seu sábado de sol, dê ouvidos e considere que, bem lá no fundo, ele pode ter razão. Ou você quer trabalhar no fim de semana antes e depois do feriado?


Julio Daio Borges
São Paulo, 13/5/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A medida do sucesso de Fabio Gomes
02. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
03. O Hobbit - A Desolação de Smaug de Duanne Ribeiro
04. Pieguice ou hipocrisia? de Rosângela Vieira Rocha
05. Arte versus Escola de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
04. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2005
03h16min
Julio, algumas alternativas:
(1) Fazer o que se ama. Se as pessoas pudessem descobrir e fazer o que gostam, iriam trabalhar sem problemas até durante feriados. Pelo menos é como eu acabo fazendo minhas coisas. Mas esta opção é rara, dado o problema das contas elevadas para a maioria da população. Se bem que quando fazemos o que gostamos, vivemos com muito menos.
(2) o famigerado bônus. Até hoje nunca vi nada funcionar melhor no Brasil do que instaurar o bônus semestral, estilo banco de investimento. Lembro que no que eu trabalhei, tinha gente disposta até a varar noite em feriado, baseado na promessa de que poderia ganhar "x" mil reais. Obviamente poucos ganhavam, mas todos ralavam. Sei lá, um ambiente não muito saudável.
(3) essa é mais radical, e foi proposta por um alemão muito inteligente. Disse que a empresa deveria pagar uns indivíduos para trabalhar, e outros que não querem ou não gostam, pagar para nem vir. Pois quem ama ficar sem fazer o que tem que ser feito, acaba atrapalhando... O melhor projeto que fizemos por lá, foi um em que implementamos quase isso...
Até hoje tenho amigos no Brasil que dizem que sou maluco porque me divirto no trabalho ou nas cadeiras aqui da pós... Melhor do que ganhar bem, é receber por prazer.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRÉCIS DE PATHOLOGIE EXTERNE - TOME I PATHOLOGIE CHIRURGICALE GENER...
E. FORGUE
GASTON DOIN
(1928)
R$ 52,53



A FILOSOFIA AMERICANA
GIOVANNA BORRADORI
UNESP
(2013)
R$ 27,00



SAINT AUGUSTIN ET LES DOGMES DU PÉCHÉ ORIGINEL ET DE LA GRACE
NICOLAS MERLIN
LETOUZIEY ET ANÉ
(1931)
R$ 80,55



CANDIDO PORTINARI
NEREIDE SCHILARO SANTA ROSA
MODERNA
(1999)
R$ 20,00



RECENT ADVANCES IN NEUROLOGY
W. RUSSELL BRAIN
J & A CHURCHILL
(1940)
R$ 88,84



NOÇÕES DO GREGO BÍBLICO
LOURENÇO STELIO REGA E JOHANNES BERGMANN
VIDA NOVA
(2014)
R$ 75,00



GOTAS DE AMOR PARA A ALMA
HERNANDES DIAS LOPES
HAGNOS
(2015)
R$ 19,50
+ frete grátis



JOSÉ DE TODOS OS AMIGOS
VÁRIOS AUTORES
TAVARES E TRISTÃO
R$ 6,90



50 ANOS DE HISTÓRIA DO MUNDO 1900 -1950 - VOL. 1
EDITORIAL SÉCULO
SECULO
R$ 8,90



SAGUAIRU
JÚLIO EMÍLIO BRAZ
ATUAL
(1988)
R$ 5,00





busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês