Os feriados estão acabando com o meu fim de semana | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/5/2005
Os feriados estão acabando com o meu fim de semana
Julio Daio Borges

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não me lembro de quando me tornei um viajante regulamentar de feriados (expressão estranha, eu concordo). Lembro que, em algumas datas, principalmente nos tempos da faculdade, eu me enfiava num carro (ou num ônibus) com os amigos e partia para destinos improváveis, geralmente na Bahia (durante o verão e as férias de julho) e Minas Gerais (durante o Carnaval). Antes, claro, com meus pais, visitava regularmente a família (em Minas, de novo, e, às vezes, na Bolívia) e embarcava, de quando em quando, para destinos internacionais (meu pai nunca viu muita graça em viajar pelo Brasil). Enfim, acho que foram minhas namoradas que me puxaram para fora da toca, arrastando-me para algum lugar, nesses feriados que costumamos emendar, de tal sorte que se transformou numa rotina, ou num hábito (já que afirmar que os feriados se tornaram "rotina" no Brasil pode se revelar um pouco antipático neste primeiro parágrafo).

Lembro, agora, de um amigo da faculdade que reclamava de ouvir sua namorada insistindo pra eles viajarem sempre mais; justificando que eles viajavam pouco, mesmo quando viajavam, etc. e tal. E, de fato, é uma constante nas namoradas (opa, meninas, não fiquem bravas). Hoje, eu e a Carol somos viajantes viciados. Ela me incutiu o vício, é claro. Eles dizem (they say) que a tendência das mulheres é se assentar em algum lugar; e que a dos homens é procurar aventuras aqui e acolá. Posso dizer que, no quesito viagens, estão redondamente enganados. Os homens, em geral, têm uma forte tendência para se enraizar em casa, durante feriados e fins de semana, e as mulheres, para meter a cabeça pra fora, buscando novos horizontes e quase exigindo respirar novos ares. Talvez, na época do namoro, a mulher queira simular uma "casa" que ainda não tem (digo, não na casa dos pais). A Carol sempre fala, quando abandonamos um chalé charmoso, às vezes até um quarto de hotel, uma cabine espremida de navio, ou mesmo uma frisa ou "camarote" em espetáculos: "Adorei essa casinha. Vou ficar com saudade..." Outra hipótese que se me ocorre, para o caso dos casados, é a de que as mulheres ficam muito fechadas (nos casamentos de antes e, às vezes, até nos atuais) em casa, em seu (primeiro ou segundo) "trabalho", de modo que precisam de uma renovação no cenário. Transporto o exemplo, obviamente, para a minha mãe, que queria sempre sair na sexta-feira à noite, enquanto que meu pai, naturalmente chegando do trabalho, queria ficar em casa ("Você quer que eu venha com banda de música?"). No meu caso e da Carol, isso provavelmente se reflete no fato de que ela trabalha (falo de uma profissão regulamentar) em casa.

Resumindo a ópera, homens são de Marte e mulheres são de Vênus (ou seria o contrário?). Virei um viajante regular porque a Carol começou a me instigar com destinos ainda mais improváveis do que aqueles dos meus amigos de anos atrás, e saímos pelo Brasil afora (ou pelo exterior afora, quando dava; agora não dá mais). Hoje, além das aventuras todas, dos lugares inusitados, das pessoas mais ainda, eu encaro como uma forma de conhecimento (não vou fizer de "autoconhecimento" porque é brega e não é verdade). Viajar é necessário. Nem que seja para ir ali na esquina e olhar de volta, ou se hospedar na casa dos amigos que agora moram fora de São Paulo (aliás, esses são os melhores guias e os melhores cicerones que se poderia encontrar - além de sair mais barato). Sou um viajante porque sou e acabou. Hoje está no meu DNA.

Feita essa ressalva, queria aqui abordar a forma perversa como alguns feriados podem se comportar (se é que feriados "se comportam"), quando, por causa deles, nós nos vemos espremidos entre ondas de trabalho que inevitavelmente transbordam pro fim de semana. Porque não dá; façam a conta comigo: se você vem trabalhando 5 dias por semana, descansando outros 2, durante um mês, de repente, vem um feriado e obriga você a se espremer em 3 dias, ou menos, 4, vá lá - em algum lugar essas horas extras vão desembocar, já que a quantidade de trabalho a ser realizado é igual (não diminui apenas porque o calendário sinaliza com um feriado). Exemplo prático: aqui, o Digestivo não pára - não sei se você já reparou. Segunda, terça, quarta, quinta e sexta. Sempre. Incluindo feriados e festas, como as de Natal e Ano Novo. Assim, se vem uma semana prolongada, ou um day off, continuamos tendo de publicar - não temos trégua e, mesmo que tivéssemos, isso não aliviaria em nada, apenas tornaria a publicação inviável. O que quero dizer é que, se você tem aquela quantidade de trabalho para entregar, se pretende aproveitar o feriado (e viajar ou simplesmente não fazer nada), alguma hora vai ter de pagar a conta dos dias não-trabalhados.

Aí entra o título desta crônica. Volta e meia, eu me pergunto (e a Carol nunca concorda comigo) se vale à pena correr, sei lá, segunda, terça e quarta-feira (às vezes, quinta), para deixar tudo pronto para quinta, sexta e segunda-feira da outra semana, se jogar no feriado, depois de jornadas extensas nesses dias suados, e, passada a bonança, aterrizar, de novo, no escritório, com centenas de e-mails atrasados (a vida continua no feriado e no fim de semana), pilhas de correspondência sem resposta, pendências que - por mais que se trabalhe - sempre sobram e pepinos os mais variados (para redundar em novas jornadas extensas, em novos dias suados...).

Quando avento a hipótese de que existe um excesso de feriados no Brasil, quase sou crucificado, morto e sepultado (descendo à mansão dos mortos, sem direito a ressurreição no terceiro dia e nem subida aos céus), para fechar a boca e nunca mais balbuciar nada similar, mas é o que eu acho. Pois, como acabamos de demonstrar, de que adianta viajar no feriado e trabalhar durante o fim de semana, antes ou depois do próprio (matando sábados e/ou domingos, e qualquer descanso proveniente do famigerado)?

E o problema, para a economia, não é nem só os dias perdidos (o que, em si, já é grave). O problema é - defendo esta tese quando querem me crucificar - a descontinuidade da programação, do cronograma, dos projetos. Porque não adianta: as pessoas (digo, os trabalhadores) não funcionam direito nem em véspera nem em dia útil depois do feriado. São, portanto, mais dois dias ou, no mínimo, uma tarde (antes) e uma manhã (depois), sacrificados no altar do deus-feriado. Eu, por exemplo, me proponho a escrever um "Digestivo" inteiro, mais um ou dois textos longos (às vezes, "Colunas") toda semana - mas, quando sou atropelado por um feriado (ou por uma ameaça de), eu me vejo tendo de encaixar esses e outros afazeres (sagrados, quando não pecuniários) entre os intervalos que sobram, pois sei que as obrigações diárias (5 dias em 3, ou em 4, lembra?) vão sugar energia (e tempo) além do normal.

Se você é empregado, é tudo muito bom, uma beleza, na verdade, porque - digo, normalmente - trabalhando mais ou menos horas, você recebe o salário igual, integral. Mas se você é empresário (esqueça a Fiesp e o Mario Amato, pense nos microempresários em geral), é uma desgraça. Os meses são menores, são menos dias trabalhados, e as contas, reguladas pelos tais 30 dias (não importa se menos de 20 foram aproveitados), chegam igual: IPTU, taxa de lixo, condomínio, tarifas de banco, seguro disso, seguro daquilo, cobranças, contador... Ninguém se importa se você faturou menos; todo mundo vai descontar igual. O governo, também, claro. (E vale inclusive para os profissionais liberais ou freelancers, que recebem de acordo com o que produzem: se trabalham menos, recebem menos; é proporcional).

No fundo, a terceirização forçada que, de uns tempos pra cá, se impõe - por motivos assim -, talvez obrigue as pessoas a reconsiderarem algumas características do nosso Estado paternalista, que incutiu na cabeça dos trabalhadores essa noção muito apurada de direitos, mas muito vaga de deveres. O tiro está saindo pela culatra. Por obra e graça da constituição de 1988, o brasileiro se acha na posição aparentemente confortável de funcionário público (nem sempre é porque quer), tornando-se inviável para as empresas que não têm como pagar os encargos, e que se vêem na desconfortável situação de ter de subcontratar, jogar o sujeito na informalidade ou então terceirizar. Óbvio que o "empresariado" (essa entidade vaga, à qual habitualmente se recorre) abusa, mas a realidade, muito mais prosaica, é de pessoas jurídicas minúsculas, que lutam para sobreviver e que empregam, no Brasil, o maior contingente populacional.

Isto aqui não era para ser um discurso, nem estou me candidatando a qualquer coisa. Acontece que essas questões me afetam há anos (desde que decidi abandonar a tranqüilidade do holerite, e me atirei na incerteza do recibo e da nota fiscal). Não estou pedindo para as pessoas pararem de viajar nos feriados (eu, quando puder, também vou viajar). Apenas sugiro que se revejam certas posturas, diante (nem digo do emprego, mas...) de suas obrigações profissionais, porque, em meio a benesses de curto prazo, pode-se estar roendo a corda da estabilidade e da solidez, em matéria de renda. Quem sou eu para chamar a atenção e para tentar mudar os hábitos do brasileiro médio, mas, com o achatamento da classe-média, e das empresas de médio porte, estamos, cada vez mais, no mesmo barco: gastando hoje o que vamos ter de pagar amanhã. É inevitável. Por isso, quando alguém levantar a bola sobre a freqüência excessiva de feriados no calendário, em vez de praguejar contra quem supostamente sabota o seu sábado de sol, dê ouvidos e considere que, bem lá no fundo, ele pode ter razão. Ou você quer trabalhar no fim de semana antes e depois do feriado?


Julio Daio Borges
São Paulo, 13/5/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O cientista boêmio de Guilherme Conte
02. Sobre o Digestivo, minhas colunas e nossa história de Lucas Rodrigues Pires
03. Voto fulo de Guga Schultze
04. Radiação de Fundo de Guga Schultze
05. A vez dos veteranos de Jonas Lopes


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. Melhores Blogs - 20/5/2005
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005
05. A volta das revistas eletrônicas - 17/6/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2005
03h16min
Julio, algumas alternativas:
(1) Fazer o que se ama. Se as pessoas pudessem descobrir e fazer o que gostam, iriam trabalhar sem problemas até durante feriados. Pelo menos é como eu acabo fazendo minhas coisas. Mas esta opção é rara, dado o problema das contas elevadas para a maioria da população. Se bem que quando fazemos o que gostamos, vivemos com muito menos.
(2) o famigerado bônus. Até hoje nunca vi nada funcionar melhor no Brasil do que instaurar o bônus semestral, estilo banco de investimento. Lembro que no que eu trabalhei, tinha gente disposta até a varar noite em feriado, baseado na promessa de que poderia ganhar "x" mil reais. Obviamente poucos ganhavam, mas todos ralavam. Sei lá, um ambiente não muito saudável.
(3) essa é mais radical, e foi proposta por um alemão muito inteligente. Disse que a empresa deveria pagar uns indivíduos para trabalhar, e outros que não querem ou não gostam, pagar para nem vir. Pois quem ama ficar sem fazer o que tem que ser feito, acaba atrapalhando... O melhor projeto que fizemos por lá, foi um em que implementamos quase isso...
Até hoje tenho amigos no Brasil que dizem que sou maluco porque me divirto no trabalho ou nas cadeiras aqui da pós... Melhor do que ganhar bem, é receber por prazer.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês