Um gadget de veludo | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Pelos Caminhos de Versos de Nilton Soares pela Líttera Maciel
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Círculo do Livro (1986)
>>> Retrato do Artista quando Jovem de James Joyce pela Abril Cultural (1971)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Cultura de consumo & pós-modernismo de Mike Featherstone pela Studio Nobel (1995)
>>> Lucíola de José de Alencar pela FTD (1999)
>>> Verlaine et les poètes symbolistes de Paul Verlaine pela Classiques Larousse (1943)
>>> Lucio Costa - Um Modo de ser moderno de Ana Luiza Nobre e outros pela Cosac Naify (2004)
>>> A Idade Média - Nascimento do ocidente de Hilário Franco Júnior pela Brasiliense (1988)
>>> Lexil et Le Royaume de Albert Camus pela Folio (2006)
>>> Vik Muniz Obra Completa 1987-2009 de Vik Muniz pela Capivara (2009)
>>> Bob Esponja - um guia completo sobre o desenho animado mais irado da TV de David Lewman pela Delphys (2005)
>>> Amor de salvação de Camilo Castelo Branco pela Ática (1998)
>>> Dessine-moi un parisien de Olivier Magny pela 10-18 (2010)
>>> Caetano Veloso - literatura comentada de Paulo Franchetti e Alcyr Pécora pela Nova Cultural (1988)
>>> River Angel de A. Manette Ansay pela Bard (1998)
>>> Inconfidência Mineira de Cândida Vilares Gancho e Vera Vilhena de Toledo pela Ática (1991)
>>> De Menina para Menina com os conselhos de Mari de Inês Stanisiere pela Leitura (2005)
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Moderna (1992)
>>> l`étranger de Albert Camus pela Folio (2005)
>>> Mapa Iconográfico Digital de Heloisa Alves pela Arco (2010)
>>> Poésies de Paul Valéry pela Gallimard (2012)
>>> A Revolução Francesa 1789-1799 de Carlos Guilherme Mota pela Editora Ática (1989)
>>> O Cinema, arte e indústria de Carlos Barbáchano pela Salvat (1979)
>>> Capitão América nº 133 de Mark Gruenwald. Paul Neary. Allan Zelenetz e William Johnson pela Abril (1990)
COLUNAS >>> Especial iPad

Quinta-feira, 20/5/2010
Um gadget de veludo
Vicente Escudero
+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Não consigo imaginar a discussão sobre a influência de um gadget como o iPad no mercado de tecnologia sem pensar na reserva de mercado imposta pelo Brasil ao ramo da informática na década de 80. Enquanto falsificávamos softwares e hardwares para garantir o funcionamento da indústria, fingindo dar de ombros para a importância das importações desse setor na economia, o mundo todo se preparava para o salto que seria dado na década seguinte, com o surgimento da internet. E nós ficamos para trás, naturalmente. Vinte anos depois, continuamos copiando, desta vez, modelos de negócio na internet, com a mesma voracidade e cara de pau da década de 80. Um hábito peculiar, não?

É impossível imaginar a internet brasileira sem a quebra da reserva de mercado. E é impossível imaginar a quebra da reserva de mercado através da condição atual da internet brasileira. Parece uma ideia complicada, mas é tão simples como nosso tapa olho de pirata, que vestimos na época em que tivemos a pachorra de clonar até mesmo o Billy Idol. E ele é tão ruim quanto os blogs da imprensa marrom, dos caçadores de publicidade e dos alpinistas de buscas no Google. A resposta desta charada de mau gosto é que a internet brasileira é tão improdutiva quanto um poço de petróleo perfurado no meio do estado de São Paulo: enquanto o mundo se prepara para mudar gradativamente para utilização de energias renováveis, continuamos procurando petróleo, de forma incessante, e justamente onde ele não existe.

Discute-se no Brasil a interiorização da rede de banda larga através do renascimento de uma estatal falida. Nos EUA, inesgotável fonte criadora da internet, a discussão sobre a expansão da internet não passa mais pelos cabos, mas pela consolidação das redes Wi-Fi e 3G e pela implementação das redes 4G, que suportariam a transmissão de até 150 Mbps. Existem divergências sobre a eficiência da rede de banda larga por cabo nos EUA, a maioria delas versando sobre a obsolescência da rede, construída de forma prematura e que não suportaria uma mudança em curto prazo, mas que poderia ser suprida pela utilização dessas tecnologias wireless. Ninguém duvida na escolha dessa solução.

A prevalência do sistema de transmissão do sinal wireless, nos EUA, está ligada não apenas à dificuldade na reestruturação da rede de cabos, mas à própria forma como a internet é acessada. Computadores desktops são substituídos por notebooks. Celulares acessam sites e enviam e-mails. Tablets são utilizados como ferramentas produtivas. O iPad nasce prometendo revolucionar toda a ideia de mobilidade no acesso, sendo o primeiro computador pessoal capaz de unir a produtividade de um desktop e a mobilidade de um celular. Alguém poderia procurar o paradeiro daqueles cabos?

Mas o cabo-de-guerra continua abaixo do Equador. Nosso atraso na determinação de políticas públicas transparentes e lógicas na área de tecnologia e telecomunicações impede até mesmo o lançamento do iPad por aqui. A Apple cogita produzir seus produtos no Brasil, para reduzir os custos com a nossa carga tributária, mas não faz ideia do imbróglio jurídico que a espera na construção das fábricas, na contratação de pessoal e na distribuição de seus produtos. Estas questões constituem gargalos tão estreitos que não permitem a passagem de um iPod nano.

Desta forma, a discussão sobre a influência de um gadget como o iPad passa distante de nosso cotidiano. Considerando esta barreira geográfica intransponível, causada pela nossa incompetência histórica, minhas considerações sobre o aparelho que pretende salvar Clark Kents e Peter Parkers não passam de impressões e, admito, bastante tacanhas. Aí vão:

Design: é um iPhone grande. Bonito, mas não passa de um iPhone grande. Não inova em absolutamente nada.

Hardware: é extremamente limitado. Digitar na tela é algo que só funciona para fãs xiitas da Apple ou para quem nunca passou do 140 caracteres em um texto.

Software: não é multitarefa e, mesmo com a atualização do sistema, prometida pela Apple, a navegação entre um programa e outro não é simultânea. Desculpe, Steve Jobs, mas eu sou um sujeito bagunçado e quero meu Twitter ao lado do editor de texto e do meu navegador, todos funcionando ao mesmo tempo, na mesma tela. Também não suporta Flash, fato que ninguém conseguiu explicar de forma convincente, nem mesmo Steve Jobs.

Preço: caro, pois não tem a funcionalidade que promete ter.

O iPad é um artigo de luxo. Serve para agradar aos fãs de gadgets que vestem a camisa da Apple, navegam sem se preocupar com os buracos em branco deixados na tela pela ausência da reprodução de extensões em Flash e que são viciados em aplicativos inúteis. Ele não vai salvar os jornais e revistas porque seu mercado consumidor é formado basicamente por pessoas que querem assistir ao Keyboard Cat limando celebridades no YouTube e que nunca pagaram por conteúdo nenhum. Ainda que eles adquiram milhões de apps no iTunes, não estão dispostos a se comprometer a pagar caro ― o equivalente ao preço da assinatura do sinal da rede 3G, ressalte-se ―, todo mês, para acessar informações que estão disponíveis de graça.

Agora, posso retornar para a minha caverna e terminar minha declaração de imposto de renda em paz, senão também ficarei preso no gargalo. E sem um iPad.


Vicente Escudero
Campinas, 20/5/2010

Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
04. Ausência do mal? - 15/4/2010
05. Dentes usados, dentes guardados - 7/10/2010


Mais Especial iPad
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/5/2010
10h02min
Ótimas observações. Realmente, também me sinto escrevendo de uma caverna, por aqui. No Brasil, pagamos o dobro para ter a metade, no que diz respeito à tecnologia. Nossa tnternet engatinha, cada dia mais dominada pelas mesmas forças hegemônicas que controlam a comunicação "tradicional". E o iPad? Tenho impressão que não serve para absolutamente nada, especialmente aqui, na caverna.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Capa Dura História Geral Memórias do Século XX Tempos Modernos 1970 a 1999
Seleções Readers Digest
Seleções Readers Digest
(2004)



O Atiçador de Wittgenstein
David Edmondes, John Eidinow
Difel
(2003)



Fluxo de Caixa uma Decisao de Planejamento
Jose Eduardo Zdanowicz
Sagra Luzzatto
(2004)



Livro Infanto Juvenis Viagens de Gulliver Série Reencontro
Jonathan Swift
Scipione
(1998)



Os Portões do Inferno
Andre Gordirro
Fabrica 231
(2015)



Saúde, Corpo e Sociedade
Org. Alicia Navarro de Souza, Janqueline Pitangui
Ufrj
(2006)



Paixão Índia
Javier Moro
Planeta
(2012)



Livro Saúde Minha Profissão é Andar
João Carlos Pecci
Summus
(1980)



Como Trabalhar para um Idiota
John Hoover
Futura
(2007)



Livro Economia A Economia Solidária Como Política Pública uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil
Rosangela Nair de Carvalho Barbosa
Cortez
(2007)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês