Um gadget de veludo | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Aí vem o sonhador de Ronald S. Wallace pela Vida (2014)
>>> Cantando ao Senhor de D. Martyn lloyd- Jones pela Pes (2013)
>>> A vida crucificada de A.w. tozer pela Vida (2013)
>>> Relógio de Pandora de John J. Nance pela Record
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
COLUNAS >>> Especial iPad

Quinta-feira, 20/5/2010
Um gadget de veludo
Vicente Escudero

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Não consigo imaginar a discussão sobre a influência de um gadget como o iPad no mercado de tecnologia sem pensar na reserva de mercado imposta pelo Brasil ao ramo da informática na década de 80. Enquanto falsificávamos softwares e hardwares para garantir o funcionamento da indústria, fingindo dar de ombros para a importância das importações desse setor na economia, o mundo todo se preparava para o salto que seria dado na década seguinte, com o surgimento da internet. E nós ficamos para trás, naturalmente. Vinte anos depois, continuamos copiando, desta vez, modelos de negócio na internet, com a mesma voracidade e cara de pau da década de 80. Um hábito peculiar, não?

É impossível imaginar a internet brasileira sem a quebra da reserva de mercado. E é impossível imaginar a quebra da reserva de mercado através da condição atual da internet brasileira. Parece uma ideia complicada, mas é tão simples como nosso tapa olho de pirata, que vestimos na época em que tivemos a pachorra de clonar até mesmo o Billy Idol. E ele é tão ruim quanto os blogs da imprensa marrom, dos caçadores de publicidade e dos alpinistas de buscas no Google. A resposta desta charada de mau gosto é que a internet brasileira é tão improdutiva quanto um poço de petróleo perfurado no meio do estado de São Paulo: enquanto o mundo se prepara para mudar gradativamente para utilização de energias renováveis, continuamos procurando petróleo, de forma incessante, e justamente onde ele não existe.

Discute-se no Brasil a interiorização da rede de banda larga através do renascimento de uma estatal falida. Nos EUA, inesgotável fonte criadora da internet, a discussão sobre a expansão da internet não passa mais pelos cabos, mas pela consolidação das redes Wi-Fi e 3G e pela implementação das redes 4G, que suportariam a transmissão de até 150 Mbps. Existem divergências sobre a eficiência da rede de banda larga por cabo nos EUA, a maioria delas versando sobre a obsolescência da rede, construída de forma prematura e que não suportaria uma mudança em curto prazo, mas que poderia ser suprida pela utilização dessas tecnologias wireless. Ninguém duvida na escolha dessa solução.

A prevalência do sistema de transmissão do sinal wireless, nos EUA, está ligada não apenas à dificuldade na reestruturação da rede de cabos, mas à própria forma como a internet é acessada. Computadores desktops são substituídos por notebooks. Celulares acessam sites e enviam e-mails. Tablets são utilizados como ferramentas produtivas. O iPad nasce prometendo revolucionar toda a ideia de mobilidade no acesso, sendo o primeiro computador pessoal capaz de unir a produtividade de um desktop e a mobilidade de um celular. Alguém poderia procurar o paradeiro daqueles cabos?

Mas o cabo-de-guerra continua abaixo do Equador. Nosso atraso na determinação de políticas públicas transparentes e lógicas na área de tecnologia e telecomunicações impede até mesmo o lançamento do iPad por aqui. A Apple cogita produzir seus produtos no Brasil, para reduzir os custos com a nossa carga tributária, mas não faz ideia do imbróglio jurídico que a espera na construção das fábricas, na contratação de pessoal e na distribuição de seus produtos. Estas questões constituem gargalos tão estreitos que não permitem a passagem de um iPod nano.

Desta forma, a discussão sobre a influência de um gadget como o iPad passa distante de nosso cotidiano. Considerando esta barreira geográfica intransponível, causada pela nossa incompetência histórica, minhas considerações sobre o aparelho que pretende salvar Clark Kents e Peter Parkers não passam de impressões e, admito, bastante tacanhas. Aí vão:

Design: é um iPhone grande. Bonito, mas não passa de um iPhone grande. Não inova em absolutamente nada.

Hardware: é extremamente limitado. Digitar na tela é algo que só funciona para fãs xiitas da Apple ou para quem nunca passou do 140 caracteres em um texto.

Software: não é multitarefa e, mesmo com a atualização do sistema, prometida pela Apple, a navegação entre um programa e outro não é simultânea. Desculpe, Steve Jobs, mas eu sou um sujeito bagunçado e quero meu Twitter ao lado do editor de texto e do meu navegador, todos funcionando ao mesmo tempo, na mesma tela. Também não suporta Flash, fato que ninguém conseguiu explicar de forma convincente, nem mesmo Steve Jobs.

Preço: caro, pois não tem a funcionalidade que promete ter.

O iPad é um artigo de luxo. Serve para agradar aos fãs de gadgets que vestem a camisa da Apple, navegam sem se preocupar com os buracos em branco deixados na tela pela ausência da reprodução de extensões em Flash e que são viciados em aplicativos inúteis. Ele não vai salvar os jornais e revistas porque seu mercado consumidor é formado basicamente por pessoas que querem assistir ao Keyboard Cat limando celebridades no YouTube e que nunca pagaram por conteúdo nenhum. Ainda que eles adquiram milhões de apps no iTunes, não estão dispostos a se comprometer a pagar caro ― o equivalente ao preço da assinatura do sinal da rede 3G, ressalte-se ―, todo mês, para acessar informações que estão disponíveis de graça.

Agora, posso retornar para a minha caverna e terminar minha declaração de imposto de renda em paz, senão também ficarei preso no gargalo. E sem um iPad.


Vicente Escudero
Campinas, 20/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
02. Excessos de Marta Barcellos
03. Outono antecipado de seus anos de Maurício Dias
04. Parodiando a autoajuda de Carla Ceres
05. 10 grandes de Gian Danton


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. Ausência do mal? - 15/4/2010
04. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
05. Cultura do livro digital? - 11/2/2010


Mais Especial iPad
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/5/2010
10h02min
Ótimas observações. Realmente, também me sinto escrevendo de uma caverna, por aqui. No Brasil, pagamos o dobro para ter a metade, no que diz respeito à tecnologia. Nossa tnternet engatinha, cada dia mais dominada pelas mesmas forças hegemônicas que controlam a comunicação "tradicional". E o iPad? Tenho impressão que não serve para absolutamente nada, especialmente aqui, na caverna.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FORMAÇÃO CONTINUADA DE ALFABETIZADORAS
CRISTIANGREY QUINDERÉ GOMES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



IMPACTO DE UMA INTERVENÇÃO EDUCATIVA SOBRE FRUTOS DO CERRADO
BÁRBARA VERÔNICA CARDOSO DE SOUZA, RAYSSA G. L. P. LUZ UND REGILDA S. R. MOREIRA-ARAÚJO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



EXTRAÇÃO DE ARGILA
ELVIS PANTALEÃO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



DANIEL BERG ENVIADO POR DEUS VERSÃO AMPLIADA
DAVID BERG
CPAD
(1995)
R$ 60,00



EVANGELHO PARA VIVER
WALTER MIRANDA
PAULINAS
(1971)
R$ 15,00



SINAIS DE ESPERANÇA
ALEJANDRO BULLON
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2008)
R$ 8,00



RUA DO MEDO A VIDENTE
R. L. STINE
ROCCO
(1999)
R$ 7,00



DICAS DE BELEZA DA BARBIE
FABIANE ARIELLO
FUNDAMENTO EDUCACIONAL
(2008)
R$ 10,00



PSICOLOGIA EDUCACIONAL
MARLENE RODRIGUES
MCGRAW-HILL
(1976)
R$ 10,00



PODERES EXTRAORDINÁRIOS
JOSEPH FINDER
ROCCO
(2000)
R$ 6,50





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês