A internet e o fim do no. | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/5/2002
A internet e o fim do no.
Julio Daio Borges

+ de 10100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

O no. acabou. É o que se noticia, à boca pequena, no universo da internet brasileira (mais humilde e menos pujante do que em outros tempos: a notícia não deu nem manchete, apenas insuficientes "notinhas"). O fim do no. encerra - com atraso, como sempre acontece no Brasil - a era dos sites regidos pela benevolência dos "investidores"; gente empenhada em "injetar capital", é bom que se diga, a fundo perdido. Isso já acabou há muito tempo nos Estados Unidos; mas aqui ainda persistia, por isso, a notícia estampada na "capa" do próprio site: "Por decisão de seus investidores, a partir de hoje no. deixa de ser renovada".

Como tudo começou - Embora a maioria não achasse (e o discurso geral sempre fosse esse mesmo, ou seja: de que a internet estava aí para todo mundo), os jornalistas sempre tiveram a nítida impressão de que a internet fora feita para eles. E só para eles. Professores de HTML, depois de passagens pelos "centros de treinamento" da Folha e da Abril, afirmavam para quem quisesse ouvir: "A internet veio para substituir o jornal. No começo não se sabia; hoje já se sabe: o jornal." Os alunos - interessados em coisas como e-commerce, tecnologia wap, troca de arquivos via Napster e sites de entretenimento - de repente, sentiam-se órfãos (muitos pensavam em ir para casa), quando descobriam que a internet simplesmente não fora feita para eles.

E, de fato, para os jornalistas, era just too good to be true: a internet oferecia a única possibilidade de dar furos em tempo real; a capacidade de armazenar dados, beirando o infinito; a fluidez e flexibilidade para redesenhar e redefinir conteúdos, da noite para o dia; a chance de interação real ou virtual com a audiência (milhares, dezenas de milhares, centenas de milhares de leitores); a oportunidade de lançar-se numa empreitada solo, mandando banana para a chefia, a um custo baixíssimo; o fim da burocracia, dada a falta de legislação específica, permitindo a reprodução indiscriminada de imagens e de textos; era, enfim, o sonho de recriar o mundo, sem regras e sem limites, ganhando, de lambuja, rios de dinheiro em Nasdaq (a equivalente internética de Wall Street).

Não foi bem assim, no entanto, que aconteceu. Ou talvez tenha sido; mas o certo é que o final não foi feliz.

Administradores do pior tipo - Os jornalistas, embora capazes de gerar o melhor conteúdo, como mostrou o próprio no. (e seu modelo supremo, a Salon.com), revelaram-se administradores do pior tipo. (Uma constatação já feita e refeita, no Brasil, em décadas de experiências fracassadas na mídia impressa.) O modelo da internet - aqui e no mundo todo (diga-se) - contemplava geralmente um "modelo de despesas" perfeito, mas nunca (ou muito superficialmente) um "modelo de receitas" efetivo. Trocando em miúdos: linhas editoriais eram definidas; equipes eram contratadas; escritórios eram montados; gastos eram previstos - mas sempre apostando em esquemas frágeis de faturamento. Pensava-se, por exemplo, em publicidade via banner [1]; em parcerias com grandes portais [2]; em venda de conteúdo [3]; em comércio eletrônico [4]; e, numa perspectiva mais ambiciosa (à la iG), em abrir capital na bolsa de valores tupiniquim [5].

A publicidade internética [1] teve de dividir verba com a mídia tradicional (televisão, rádio, jornais e revistas). Resultado: uma campanha difamatória resolveu provar por "a+b" que a internet era um fiasco (uma vez que apenas 3% do total de internautas clicava nos anúncios exibidos). Já as ditas parcerias [2], quando o parâmetro era a visitação e o número de pageviews, funcionaram às mil maravilhas, rendendo fama e fortuna a pequenos sites (de repente, catapultados por uma ZipNet da vida). Resultado: os portais terminaram endividados; muitos quebraram, muitos voltaram a seus países de origem, muitos permanecem afundados em resultados operacionais negativos. A venda de conteúdo [3] parecia um filão, mas só decolou em sites de grandes corporações, interessadas em notícias específicas sobre produtos e serviços (não em conteúdo mais abrangente e rico). O comércio eletrônico [4] permanece como mistério insolúvel. Já foi desacreditado (quando do quase-fim da Amazon), hoje engatinha (tendo tirado o Submarino, em 2001, do prejuízo). Já a abertura de capital [5] é um sonho impossível, principalmente depois do baque da Nasdaq, da explosão da "bolha" (ainda mais na meca da mídia eletrônica, os Estados Unidos).

Torre de Babel - O no. ("notícia e opinião", para quem não sabia) tinha, portanto, todos esses defeitos e mais um: o da experiência (a mesma que não se transfere de uma mídia para outra mídia). Começou escalando a nata dos colunistas dos jornais do Rio (leia-se JB e O Globo): Arthur Dapieve, Flávio Pinheiro, Mario Sergio Conti, Sérgio Abranches, Tutty Vasques, Villas-Bôas Corrêa, Walter Fontoura e Zuenir Ventura. Depois, incorporou uma gama infindável de colaboradores [para ler todos os nomes, é preciso um fôlego incrível]: Aldir Blanc, André Corrêa do Lago, Andrea Kauffmann-Zeh, Arnaldo Cohen, Beatriz Horta, Beatriz Resende, Cacá Diegues, Carlos Alberto Mattos, Claudio de Moura Castro, Drauzio Varella, Elena Landau, Francisco de Oliveira, Frédéric Pagès, Heloísa Buarque de Hollanda, Hermano Vianna, Inês Pedrosa, Jesus Paula Assis, João Gordo, João Moreira Salles, Joaquim Ferreira dos Santos, Jonathan Kandell, José Augusto Pádua, Jurandir Freire Costa, Kenneth Maxwell, Leandro Piquet Carneiro, Luiz Felipe de Alencastro, Marcos Augusto Gonçalves, Marcos Ribas de Faria, Maria Rita Kehl, Paulo Lins, Renato Lessa, Ricardo Prado, Roberto Muggiati, Sérgio Alcides, Sérgio Bermudes, Sérgio Miceli, Suzy Capó e Silvio Meira.

Em que pesem as qualidades individuais de cada um (no seu ramo ou setor), uma redação desse tamanho - sem contar o diretor, os editores, os conselheiros, os redatores e os repórteres (estão todos lá listados, na homepage do no.com.br) - seria simplesmente inexeqüível (já no "mundo real", que dirá no "mundo virtual"...). Conclusão: o "modelo de despesas" estava, seguindo a fórmula, mais-que-perfeito - mas e o "modelo de receitas"? O visitante mais assíduo enxergava um banner lá no topo, periodicamente renovado, e, na página principal, às vezes, um outro banner à direita, em posição vertical. Mas será que isso era suficiente para sustentar todo esse cast [supracitado]? Mais as atualizações diárias e as reportagens de grosso calibre, rivalizando com os grandes jornais do Rio e de São Paulo? Claro que não. A "injeção de capital" vinha, então, dos investidores [os tais, como queríamos demonstrar]: Opportunity, GP Investimentos e La Fonte. O último, um belo dia, resolveu abandonar o barco; a equação - na hora - se desequilibrou; deixaram de ser pagos os salários; em poucos meses, o no. expirou.

Mocinhos e bandidos - O que tudo isso significa? Que a inteligência deve tirar o time? Que a única chance de sobrevivência é produzir um mix entre o besteirol e a pornografia? Que internet, assim como a televisão, é um caso perdido? Que neste país ninguém valoriza a cultura, a educação e as artes assim constituídas? Não, não, não e não.

O fim do no. deixa muitas lições, todavia. Primeira: como na "economia real", não se pode implementar um "projeto virtual" sem um "modelo de receitas" consistente e firme. Segunda: em qualquer organização que se preze, o número de remadores deve ser maior que o de comandantes (e de vips), caso contrário, a empresa afunda como o Titanic. Terceira: a "mídia eletrônica" não pode ser encarada com uma simples derivação da "mídia impressa" (embora influências sejam detectáveis aqui e ali). Quarta: jornalistas, escritores e artistas devem abrir mão de seu idealismo - e encarar a internet como um meio que precisa ser comercialmente viável, para, como todos os outros, poder existir. Quinta: a História da internet mal começou a ser escrita, há ainda muitos lugares nesse panteão de mocinhos e bandidos.


Julio Daio Borges
São Paulo, 10/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff de Jardel Dias Cavalcanti
02. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
03. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
04. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
05. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2002
01. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
02. Minha pátria é a língua portuguesa - 8/11/2002
03. A internet e os blogs - 4/10/2002
04. Lula: sem condições nenhuma* - 25/10/2002
05. Do Manhattan Connection ao Saia Justa - 17/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/5/2002
18h22min
Primoroso texto. O mais fácil seria fazer todas as afirmações do penúltimo parágrafo, todas elas falsas. O brasileiro precisa aprender a ser empreendedor e essa é uma difícil tarefa, ainda mais na Internet. Mas acredito que a web tem futuro. Mas, se tiver, não será como um prolongamento da mídia impressa, como a TV não foi um prolongamento do cinema, o qual, por sua vez, não foi um prolongamento do teatro. Mas também não serão aulinhas de "hipertexto" na faculdade que vão ensinar aos jornalistas o que é a rede. Acredito que o futuro da web passa pelas opiniões e teorias contrárias às de nossa intelectualidade reinante, só para começar. Tem muita gente competente por aí, querendo dizer coisas que não são "encaixáveis" nas publicações impressas. Além disso, muitas dessas pessoas não têm diploma de jornalista e nem os doutorados e mestrados pré-requeridos para se escrever nos maravilhosos cadernos especializados dos jornais. Mas têm competência para dar e vender, são muito mais eruditos e profundos e suas opiniões não são apenas o reflexo daquilo que os leitores supostamente esperam ler (coisa que os marketeiros tanto gostam de "adivinhar"). E os próprios leitores agradecem, com seus comentários, felizes que ficam com o fato de os colunistas não os menosprezarem. Deposito grandes esperanças neste site e em muitos outros que, tomara, virão. "Talvez um dia possamos fazer algum dinheiro com isso", como já diria Bukowski. Enquanto esse dia não chega, é preciso viver cada dia e fazer cada coisa da forma mais simples e sensata possível.
[Leia outros Comentários de Evandro Ferreira]
11/5/2002
06h14min
Não concordo com uma coisa no texto: a conhecida dificuldade dos jornalistas em administrar qualquer coisa que não seja palavras nos textos não foi a responsável pela derrocada de sites incríveis como o no. O que aconteceu foi uma euforia generalizada, tanto do pessoal criativo quanto daqueles que lidam com números (esperemos, também criativamente). Agora, concordo com todo o resto, principalmente o último parágrafo: "Que a única chance de sobrevivência é produzir um mix entre o besteirol e a pornografia?". É triste, mas tenho a impressão que é isso mesmo. Minha experiência de trabalho em um site grande foi exatamente essa. Tínhamos um time de primeiríssima linha, só gente competente, fazendo um conteúdo ótimo e, no entanto, os leitores pediam mais e mais sexo - uma pesquisa comprovou isso. Fotos de atrizes e atores nus (ou quase) eram mais importantes do que a cobertura em tempo real. Acho que a discussão aqui é essa mesma, exposta no último parágrafo: "Que neste país ninguém valoriza a cultura, a educação e as artes assim constituídas?". Minha resposta é: não.
[Leia outros Comentários de Maria Fabriani]
13/5/2002
00h35min
O povo tem interesse pela cultura, provavelmente o que ocorre é que os navegadores são na sua maioria jovens, é interessante saber que muitas mulheres com faixa etária mais ou menos 30/40 anos não se interessam por informática, ou quando demonstram algum, é pelo e_mail ou o editor de textos o word do office. Em relação a homens é mais abrangente mas também acredito que a maioria dos navegantes sejam jovens, é raro ver algum adolescente se interessar por sites de notícias. A Globo.com que tinha em seu conteúdo somente matérias, atualmente já podemos ver em suas páginas paparazzos e garotas em pop-ups. A internet é conhecida entre os pais por pedofilia e pornografia, seria hora de mudar este quadro. Muito boa sua matéria, parabéns, vi lá no blog da Meg. Abraços Suely A Blogueira dos 'enta'
[Leia outros Comentários de Suely]
29/5/2002
22h14min
Li com interesse o texto do Julio Borges. É certo que ele identificou bem o problema dos sites de jornalismo - muita despesa e pouca receita - mas faltou perguntar o porquê dessa pouca receita. E a resposta passa, necessariamente, pelas condições sociais e econômicas do nosso país. Tomemos o exemplo da TV a cabo. No início de suas operações no Brasil, as operadoras faturavam milhões e o número de assinantes crescia de forma exponencial. Hoje, elas parecem ter atingido seu limite de crescimento: cerca de 8% da população. A Globocabo, para sobreviver, precisou de um suborno eleitoral do governo federal, via injeção de capital do BNDES. E a Internet? Gostamos de buscar inspiração no mercado norte-americano, onde metade da população está conectada. No Brasil, a maioria das pessoas sequer tem acesso a telefones fixos, quanto mais computadores. Esse é o problema inicial: o público da Internet é escasso. Há uma segunda questão, igualmente séria, que é a qualificação desse público. Os níveis de escolaridade do Brasil são aterradores: apenas 5% da população chega à universidade, pelos dados do último censo. O que essa massa de pessoas com pouca instrução irá querer ler na Rede? Discussões sobre problemas complexos, como globalização e desenvolvimento? Ou o horóscopo e as fotos sensuais com a celebridade televisiva do momento? Não creio, no entanto, que seja impossível vida inteligente na Internet brasileira. Mesmo 1% da população brasileira já são quase dois milhões de pessoas: é mais do que a Veja, a revista de maior circulação nacional, vende por semana. Mas esse hipotético site de alta qualidade terá que saber que fala a um público muito específico, e terá que adaptar seu orçamento a isso. Não é um sonho impossível, mas exige cautela. No mais, repito as palavras de Manuel Bonfim, há quase 100 anos: "Sejamos utopistas, contanto que trabalhemos". Abraços, Maurício
[Leia outros Comentários de Mauricio Santoro]
6/12/2002
10h45min
Antes tarde do que nunca: Evandro (#1), a internet não decola pela falta de competência jornalística, mas pela falta de patrocínio e de empresas que acreditem ($). Maria (#2), os jornalistas são administradores incompetentes sim, e não é de hoje: a história das publicações no Brasil está aí para comprovar. E a pornografia light imperando sempre... Suely (#3), para que a imagem da internet mude, é preciso que se invista em projetos alternativos onde o conteúdo seja mais importante que a forma. Mauricio (#4), você fez o Comentário mais sóbrio até agora e eu não tenho nada a acrescentar. Nossas ambições são de primeiro mundo, mas nosso país, de terceiro ou quarto. Abraços a todos e muito obrigado, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês