Rotina, por que não? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 15/7/2011
Rotina, por que não?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Um perigo grande repetir ideias e discursos que vêm de algum lugar muito genérico. Não sabemos de onde partem, por que existem, mas é certo que estão cheios de pequenas malícias. Por que não pensar nas coisas antes? Pensar antes de dizer? Pensar antes de propagar qualquer porcaria, invencionice meio pública?

Por diversas razões, eu me peguei pensando muito na rotina. Talvez porque ela seja reconfortante, além de repetitiva. Ou porque ela seja inexorável, ao longo da vida, e porque não se pode fugir dela, em alguma medida. Talvez porque haja uma música do Chico Buarque na minha cabeça, incessante, pregnante. Aquela canção que diz que "todo dia ela faz tudo sempre igual/me sacode às seis horas da manhã/me sorri um sorriso pontual/e me beija com a boca de hortelã". A música, intitulada "Cotidiano", não me parece menos do que a narrativa das delícias de uma rotina de cuidados e paixão. Há quem a leia com tristeza; há quem, como eu, não se furte aos prazeres de certa rotina e da intimidade, fundamental num mundo de efemeridades e fast-food (valendo para o sexo).

Que mal há na rotina? Qual é o tamanho do medo que se tem dela? Por que razão, em certas declarações, a rotina surge sob uma aura negativa? Onde é que não há rotina nesta vida? O que será tão flexível que possa oferecer uma experiência nova por minuto? E por que razão alguém passaria pela vida fugindo dos protocolos?

Que alguém me acordasse às nove da manhã (às seis é demais para mim, confesso) e, carinhosamente, me chamasse para o café com um beijo sabor menta; que alguém tivesse o cuidado de me esperar sair de carro pelo portão, nestes tempos de assaltos a mão armada na porta de casa; que alguém me jurasse amor à meia noite, todos os dias (ou quase todos); que alguém viesse me contar das tempestades e das bonanças do dia, da semana, do mês, do ano; que alguém pudesse ser alguém ao meu lado. Isso não pode ser totalmente ruim.

Essa rotina do toque, do acerto, dos horários, das responsabilidades e da companhia (verdadeira) me lembra também uma canção de Frejat, Guto Goffi e Mauro Santa Cecília, "Por você", que também me parece uma declaração desbragada de amor, especialmente quando se declara que alguém "desejaria todo dia a mesma mulher". Missão impossível, neste mundo de inoperâncias do compromisso e do engajamento afetivo. Missão impossível, neste mundo das vitrines onde se expõem moças que nunca seremos nós. Isso não pode ser rotina ruim: desejar todo dia a mesma pessoa, porque, por definição, desejar não passa por sentir-se obrigado, mal-aventurado, infeliz, forçado. Desejar é propulsão. Desejo move. Desejo altera. Desejo promove. Desejo impulsiona. Desejo faz mirar adiante. E isso não pode ser má rotina.

Os pés frios embaixo do edredon, a pipoca com filme, a chuva lá fora e o banho quente aqui dentro, as roupas trocadas no armário, o colorido do varal a dois, os pratos sujos na pia, os copos com manchas de vinho barato (ou as gordas taças caras), os chinelos embaixo da cama, os respingos fora da pia ou do vaso sanitário. Nada disso escapa à descrição de uma rotina, que, no entanto, não precisa ser vivida como se fora condenação. Não é. Não deveria ser. Deveria ser desejo, carinho e cuidado. Deveria ser repetida não à maneira do castigo de Sísifo, mas à moda das compulsões de desejo, à toda, com gosto, o famoso "gosto de quero mais".

Rotina desgasta. Rotina enjoa. Rotina enoja. Rotina caleja. Rotina esgota. Rotina faz perder a noção do gosto. Essa é a rotina cárcere, alienada, alienante. Essa ninguém quer, de fato, mas mesmo ela pode viciar. Perdida, pode trazer lembranças que só se tornam saudade quando se avalia o prazer que poderia estar ali, embrulhado nos dias de tédio e nas noites de sonhar com outras rotinas. São todos rotinas. Não há quem viva sem elas, mesmo quando se adere a uma vida de descompromisso e pequenas febres. É preciso ter competência e fôlego longo para as rotinas. É preciso saber amar. É preciso amadurecer.

É na rotina que acontece o contraste com o inesperado. É na rotina que os gostos e os desgostos emergem. É na rotina que as pessoas se conhecem. Quem é alguém sem saber sua própria rotina? Estou para dizer que meu dia a dia verte horários, medos, desapegos, pequenos estilhaços e uma coleção de relógios de pulso. Em minha rotina cabem pessoas, comida, carro, segredos, anseios, trajetos, cumprimentos, tarefas, arremedos, quases e medidas exatas. Minha rotina me dá a medida do meu conforto, mas também do meu incômodo. Se algo escapa à minha rotina, eu me mordo. E se algo escapa também pode ser que eu experimente e goste. E pode ser que isso se torne parte da minha rotina, dali em diante. Ou que se transforme em um acidente, memória ruim, lembrança escura. Mas é na minha rotina que sei de mim e dos outros. É nela que seleciono o que sai e o que fica. Sem ela não sei para onde me movo porque não tenho referencial. Se não conheço as reações das partes do seu corpo, sua rotina, seu protocolo de afetos e calores, eu não sei o que fazer com você, quando está comigo. E por que não convidá-lo para minha rotina? Troquemos o hálito de hortelã pelo Halls cereja e estaremos combinados.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um antigo romance de inverno de Elisa Andrade Buzzo
02. Paulo Leminski, o Paulo Coelho da Poesia de Luis Dolhnikoff
03. A Fantasia Verossímil, ou: Thor de Duanne Ribeiro
04. Millôr Fernandes, o gênio do caos de Diogo Salles
05. Jornalismo literário no SindJor de Tais Laporta


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. À primeira estrela que eu vejo - 7/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/7/2011
12h07min
Mulher apaixonada está sempre em dúvida de querer mudar e ficar no mesmo. Não sabe se a primeira escolha da paixão é a melhor, mas quando parte para a segunda, fica com medo e retorna. E assim, também, é rotina (em espaços de tempos maiores). Tudo é rotina. Até escrever sobre ela. Mas que é ótima relembrar a rotina dos bons momentos, não resta dúvida. Salve a rotina. Parabéns, "Aninha". Viu só, uma novidade. Quanta intimidade?! Beijão estalado, quente, carinhoso e de muitos afagos!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aprendiz do Futuro Cidadania Hoje e Amanha
Gilberto Dimenstein
Ática
(1997)



Sonata ao Luar
Álvaro Cardoso Gomes
Quinteto
(1995)



Liberte-se das Velhas Ideias
Patrick Lencioni
Elsevier
(2010)



O Vento e a tempestade - Volume I
Francisco Dirceu Barros
Consullex
(2021)
+ frete grátis



A Questão Nacional em Porto Rico: o Partido Nacionalista 1922-1954
Kátia Gerab Baggio
Anna Blume
(1998)



Não Existe Vitória sem Sacrifício
Diego Hypolito
Benvirá
(2019)



Português e Literatura
Aires da Mata Machado Filho
Santa Maria S/a
(1955)



Francisco de Asís (em Espanhol) - 3 Ex.
João Nunes Maia / pelo Espírito Miramez
Fonte Viva
(1998)



Tenho Diabetes Tipo 1, E Agora
Mark Barone
All Print
(2010)



Conexões: de George Washington a Compadre Washington
George Washington a Compadre / Superinteressante
Abril
(2016)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês