Intervenção militar constitucional | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trilogia Evil Dead
>>> Joaquim Roriz
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
Mais Recentes
>>> Turismo. Princípios, práticas e filosofias. de Charles R. Goeldner, J.R. Brent Ritchie e Robert W. McIntosh pela Bookman (2002)
>>> Brasil : uma história. Cinco séculos de um País em contrução. de Eduardo Bueno pela Leya (2010)
>>> Historia da aeronáutica de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/3/2015
Intervenção militar constitucional
Gian Danton

+ de 5100 Acessos

Nos protestos contra Dilma e PT se tornam cada vez mais constantes cartazes pedindo intervenção militar. Nas redes sociais, cada vez mais pessoas aderem à ideia, com páginas que contam com milhares de curtidas e são amplamente divulgadas. No Youtube, dezenas de vídeos, com milhares de visualizações cada, clamam ajuda aos militares. Alguns até explicam o que seria a tal intervenção militar constitucional, "amparada" nos artigos 142 e 144 da Constituição. Segundo esses, se houver anseio popular, as forças armadas podem depor o presidente e todos os demais ocupantes de cargos políticos e prendê-los, convocando uma nova eleição. A constituição preveria até um prazo para os militares devolverem o poder ao povo: 60 dias. Nem um dia a mais, nem um dia a menos. A proposta é tão interessante, um verdadeiro paraíso político em que todos os corruptos iriam para a cadeia e os militares devolveriam docilmente o poder ao povo, agora nas mãos de pessoas honestas, que num dos vídeos duas mulheres prometem acampar na frente de um quartel general até que os militares ouçam seus anseios. Mas, afinal, existe realmente intervenção militar constitucional?

Pra começar, algo só é constitucional se está na Constituição. Os defensores da intervenção costumam citar os artigos 142 e 144 para defender, inclusive o prazo de devolução do poder aos civis. Ocorre que brasileiro não lê. E, mais ainda, não lê leis. Se alguém disser que a constituição manda o Papai Noel dar presente para todos no dia do Natal, muita gente vai colocar a meia colorida debaixo da janela.

Então, vamos conferir o que dizem os tais artigos:

"Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem".

Olhem só: as forças armadas são instituições baseadas na hierarquia e disciplina e cujo chefe maior é o presidente da república e sua função é a garantia dos poderes constitucionais, que são o executivo, o legislativo e o judiciário. Ou seja, o artigo 142 diz que quem manda nas forças armadas é o Presidente e que a função das mesmas é exatamente defender o Executivo, o congresso e o judiciário. Em nenhum momento o texto diz que essas mesmas forças podem se voltar contra os poderes que juraram defender.

Já o artigo 144 diz:

"A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: I - polícia federal; II - polícia rodoviária federal; III - polícia ferroviária federal; IV - polícias civis; V - polícias militares e corpos de bombeiros militares".

O mesmo artigo, no inciso 5 explica:

"Às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública; aos corpos de bombeiros militares, além das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de atividades de defesa civil".

Surpreso? Nada sobre intervenção militar. E, principalmente, nada sobre data para devolver o poder os civis.

Entendam: uma intervenção militar é uma quebra de hierarquia, já que o Presidente é o chefe das forças armadas. Seria o mesmo que o capitão depor o general.

Mas vamos imaginar que isso acontecesse: que o povo em peso pedisse por uma intervenção militar e as forças armadas resolvessem atender, o que garante que eles devolveriam o poder em 60 dias? Não existe nenhum botão que faça os militares desaparecerem caso não convoquem eleições em em 60 dias. Nem mesmo a cara de Gatinho de Botas dos que pediram a tal intervenção militar vai servir para convencê-los a convocar eleições se eles decidirem ficar.

Em 1964, os militares tomaram o poder amparados por passeatas, como a Marcha da família (que pediam a intervenção miltar) prometendo convocar eleições diretas o mais breve possível (não sei se eram exatamente 60 dias, mas devia ser algo próximo disso). Um dos maiores entusiastas do golpe foi o jornalista Carlos Lacerda, que sonhava um dia tornar-se presidente e via no golpe a chance de conseguir aquilo que ele não conseguira nas urnas. Lacerda chegou a fazer um tour pela Europa, defendendo os militares. No entanto, quando ficou claro que os milicos não devolveriam os poderes aos civis, ele passou a criticar o regime. Resultado: foi duramente perseguido, teve seus direitos cassados e morreu em circunstâncias misteriosas (alguns acreditam que ele tenha sido envenenado).

Os defensores da intervenção militar citam o caso do Egito como suposto exemplo de militares bonzinhos que retiram o governo corrupto do poder e entregaram-no nas mãos do povo após 60 dias. Na verdade, o que aconteceu, foi que o povo egípcio ao perceber que as eleições não seriam convocadas, foi para a rua exigir a eleições. Os militares reprimiram duramente as manifestações. Dezenas de pessoas foram mortas. Mulheres e idosos foram duramente agredidos, houve censura, inclusive com quebra de câmeras de TV dos jornalistas que cobriam os protestos. Os militares só devolveram o poder quando quiseram.

Outro exemplo dado pelos defensores da "intervenção militar constitucional" é a Tailândia. A intervenção era tão "constitucional" que uma das primeiras coisas que a junta militar fez foi suspender a Constituição, impor toque de recolher, censurar a imprensa, as mídias sociais e prender jornalistas. Recentemente, a junta militar divulgou que condenará à morte jornalistas que não digam a "verdade" sobre a junta militar.

Portanto, não existe intervenção militar constitucional. O que existe é golpe militar. E, no golpe militar, as forças armadas convocam eleições se quiserem. Aliás, num golpe, os militares ficam desobrigados de obedecer a constituição, até porque não há ninguém que os fiscalize. Nem mesmo a imprensa, que acaba sendo censurada e não pode dar notícias contra o regime. Portanto, intervenção militar e constituição são expressões que não cabem na mesma frase.


Gian Danton
Goiânia, 27/3/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A suprema nostalgia de Marta Barcellos
02. We the Media, de Dan Gillmor de Julio Daio Borges
03. O escritor pode de Ana Elisa Ribeiro
04. Minha formatura de Eduardo Carvalho
05. Crônicas de solidão urbana de Guilherme Conte


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2015
01. Sexo e luxúria na antiguidade - 19/6/2015
02. Ivanhoé - 2/3/2015
03. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) - 18/12/2015
04. Intervenção militar constitucional - 27/3/2015
05. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo - 31/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Paul Volcker: the Making of a Financial Legend
Joseph B. Treaster
Wiley
(2004)



Drogas - Qual é o Barato
Paloma Klisys
Publisher Brasil
(1999)



Attack Warning Red: the Royal Observer Corps and the Defence
Derek Wood (capa Dura)
Macdonald and Janes
(1976)



Trois Millions Dannees-quatre Vingts Milliards de Destins
Chaunu Pierre
Robert Laffont
(1990)



Os Subterrâneos do Vaticano
André Gide
Difusão Européia do Livro
(1971)



Da Nacionalidade: Brasileiros Natos e Naturalizados
Wilba Lúcia Maia Bernardes
Del Rey (bh)
(1996)



Guide Du Musée et Domaine National de Versailles et de Trianon
Pierre Lemoine
Reunions Musées Nationaux
(1990)



Profanação
Ruy Fabiano
A Girafa
(2005)



O Projeto Dragão
Rubens Teixeira Scavone
Scipione
(1988)



Discriminação na Relação de Emprego e Proteção Contra Dispensa
Cristina Paranhos Olmos
Ltr
(2008)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês