E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TDEZESSEIS
>>> Curso de direção de palco é gratuito nos dias 16 e 17/12
>>> Ultima apresentação da peça (A) Dor (A)
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> TV Made in Brazil
>>> A novela América e o sensacionalismo de Oprah
>>> 1992 e hoje
>>> Píramo e Tisbe
>>> Pela estrada afora
>>> Jorge Amado universal
>>> Aquele que por via de regra se sai mal
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> Samba Meu, o show de Maria Rita
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> Mcdonalds: A Verdadeira História do Sucesso de John F. Love pela Bertrand Brasil (1987)
>>> Dicionário Judaico de Lendas e Tradições de Alan Unterman pela Jorge Zahar (1992)
>>> Era Uma Vez Um Dragão - Abc... Meus primeiros passos de Malgorzata Strzalkowska pela Salvat (2008)
>>> C de Cigarra - Abc... Meus primeiros passos de Malgorzata Strzalkowska pela Salvat (2008)
>>> A de Anaconda - Abc... Meus primeiros passos de Malgorzata Strzalkowska pela Salvat (2008)
>>> Viagem ao Brasil - 2 Volumes de Alexandre Rodrigues Ferreira pela Kapa (2002)
>>> D de Dinossauro - Abc... Meus primeiros passos de Malgorzata Strzalkowska pela Salvat (2008)
>>> Física um curso universitário: VOl. 1 Mecânica de Alonso & Finn pela Edgard Blucher (1972)
>>> Tesouros do Nirvana de Gillian G. Gaar pela Lafonte (2012)
>>> Noções e Fundamentos de Geometria Descritiva de H. Lacourt pela Gen Lct (2015)
>>> A Passagem de Justin Cronin pela Sextante (2010)
>>> Fundamentos teóricos e metodológicos da educação especial e inclusiva de Bertha de Borja Reis do Valle e outros pela Iesde (2018)
>>> Escola e Sociedade de Odilon Roble pela Iesde (2016)
>>> Histórias Paralelas: 50 Anos de Música Brasileira de Hugo Sukman pela Casa da Palavra (2011)
>>> Formação Docente para a Diversidade de Margarete Terezinha de Andrade Costa pela Iesde (2018)
>>> Glossário Técnico Manutenção e Engenharia Industrial de Ricardo Policarpo de Oliveria pela Puc/MG (2003)
>>> Crime e Castigo (capa dura) de Fiódor Dostoiévski pela Nova Fronteira (2016)
>>> Amilcar Cabral: A Arma da Teoria de Carlos Comitini pela Codebri (1980)
>>> O Poema de Anchieta Sobre a Virgem Maria Mãe de Deus de Pe. José de Anchieta pela Paulinas (1996)
>>> Glimmerglass - O encontro de dois mundos de Jenna Black pela Universo dos Livros (2011)
>>> Fundamentos de fisica volume 2 gravitação ondas e termodinamica de Halliday/resnick pela Gen ltc (2012)
>>> Mecanica dos materiais de James m gere/barry j goodno pela Cengage learning (2014)
>>> Introdução a mecanica dos fluidos de Fox/mcdonald/pritchard pela Gen ltc (2015)
>>> Resistencia dos materiais de R c hibbeler pela Pearson (2010)
>>> Proficiency for updated exam with answers com 2 cds de Cambridge pela Cambridge (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/12/2015
E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos)
Gian Danton

+ de 9000 Acessos

Escrito em 1939, "O caso dos dez negrinhos" está, sem sombra de dúvida, entre o melhor de Agatha Christie. Uma história tão boa que acabou sendo adaptada ou simplesmente imitada dezenas de vezes, de filmes a episódios de "Uma família da pesada". Publicado dezenas de vezes, teve seu título mudado para "E não sobrou nenhum" para atender ao politicamente correto, mas continua fazendo enorme sucesso e sendo a demonstração cabal da habilidade de sua autora em construir tramas policiais.

Nascida em 1891, Ann Miller (seu nome verdadeiro) não parecia destinada à literatura. Queria ser cantora, foi enfermeira na I Guerra Mundial. Quando terminou a guerra, discutiu com a irmã, que afirmava que ela seria incapaz de escrever um romance policial. O resultado dessa disputada foi "O misterioso caso de Styles", o primeiro livro de Hércule Poirot, seu personagem mais famoso. Foi rejeitado por seis editoras. Quando a sétima aceitou publicá-la, foi um sucesso mediano. O sucesso real só veio em 1926, com "O assassinato de Roger Ackroyd". Agatha escreveu dezenas romances e inúmeros contos. Seu estilo seguia fielmente o lema de Edgar Alan Poe: primeiro pensava no final, e só depois começava a escrever. Segundo o Guiness, é a romancista mais bem sucedida da história da literatura popular mundial considerando-se o número total de livros vendidos: quatro bilhões de cópias.

O caso dos dez negrinhos conta a história de dez pessoas reunidas em uma ilha (a ilha do negro, devido a uma rocha que se parece com a cabeça de um negro) e que vão sendo mortas uma a uma. Sim, você já viu algo assim. A ideia é tão genial que já em 1945 foi transposta para o cinema, sob a competente direção do francês René Clair, então exilado nos EUA. O título foi modificado para "O vingador invisível", provavelmente para fugir das acusações de racismo que pesavam sobre o título original. Aliás, nos Estados Unidos o livro foi publicado sob o título de "O caso dos dez indiozinhos", como se o novo título não fosse igualmente racista, ou até mais, já que não tem relação nenhuma com a canção infantil inglesa, que deu origem ao romance:

Dez negrinhos vão jantar enquanto não chove;

Um deles se engasgou e então ficaram nove.

Nove negrinhos sem dormir: não é biscoito!

Um deles cai no sono, e então ficaram oito.

Oito negrinhos vão a Devon de charrete;

Um não quis mais voltar, e então ficaram sete.

Sete negrinhos vão rachar lenha, mas eis

Que um deles se corta, e então ficaram seis.

Seis negrinhos de uma colmeia fazem brinco;

A um pica uma abelha, e então ficaram cinco.

Cinco negrinhos no foro, a tomar os ares;

Um ali foi julgado, e então ficaram dois pares.

Quatro negrinhos no mar; a um tragou de vez

O arenque defumado, e então ficaram três.

Três negrinhos passeando no Zoo. E depois?

O urso abraçou um, e então ficaram dois.

Dois negrinhos brincando ao sol, sem medo algum;

Um deles se queimou, e então ficou só um.

Um negrinho aqui está a sós, apenas um;

Ele então se enforcou, e não ficou nenhum.

A genialidade da autora na elaboração do livro é impressionante - e difícil dizer qual aspecto é o mais relevante.

Primeiro, claro, por construir uma história em que os assassinatos ocorrem em um local relativamente pequeno, fechado e ainda assim manter o suspense até o último momento, jogando com as suspeitas do leitor e dos próprios personagens (essa situação foi levada ao extremo numa sátira da MAD sobre histórias policiais em que um escritor prometia escrever a respeito de "assassinatos numa prancha de surf").

Segundo, por construir toda a história a partir da canção infantil, de modo que os assassinatos vão seguindo, rigidamente, a ordem e a contextualização dos versos. Há o jantar, a chuva, a primeira morte com um suposto engasgo, a segunda morte enquanto a pessoa dorme e assim por diante. Aí não se trata só da habilidade de construir a trama a partir de algo anterior, mas de fazer isso de modo que o leitor, embora conheça os versos, não consiga adivinhar o rumo dos acontecimentos.

E, finalmente, pela fina construção dos personagens. Aliás, o romance inicia exatamente pela apresentação dos mesmos. Cada um está a caminho da ilha e são mostrados com seus pensamentos, suas histórias, suas angústias e defeitos.

Temos um severo juiz, que talvez tenha ajudado a condenar um homem inocente, uma velha e antipática solteirona, que pode ter sido responsável pelo suicídio de uma moça, um médico, que, ao operar alcoolizado, teria provocado a morte de uma paciente, um homem irrefreável que, ao abandonar um grupo de africanos, teria os condenado à morte, um general que enviou para a morte o amante de sua esposa, um detetive da polícia que, com seu falso testemunho, condenou um homem à cadeia, um playboy que atropelou dois garotos, mas escapou impune, dois criados que, por omissão provocaram a morte de uma senhora idosa... e, provavelmente, a mais complexa personagem de toda a história, a bonita professora Vera Claythorne. Ela é de longe o personagem mais interessante de toda a trama - tanto Agatha gasta páginas e páginas desenvolvendo-a. Se alguns são caracterizados logo de cara (o playboy inconsequente, por exemplo, ou a solteirona amarga), a jovem vai sendo descoberta aos poucos para o leitor, que inicialmente a vê como inocente - talvez a única ali, mas vai aos poucos descobrindo seu outro lado.

Essas pessoas são reunidas numa ilha, sob diversos pretextos por um tal senhor Owen e, logo na primeira noite, são surpreendidos por uma voz que os acusa de terem sido responsáveis pelos crimes descritos acima, todos eles casos que não há como se provar e, portanto, impossíveis de serem levados a julgamento.

Esse juiz secreto vai matando um a um e, a cada um que morre, um dos negrinhos sobre a mesa central da sala desaparece. Logo fica claro que o assassino só pode ser um deles. E, quando todas as provas parecem apontar para determinada pessoa, ela morre.

Agatha transforma todos os seus personagens em detetives e, ao mesmo tempo, em supostos assassinos. Manejar algo assim é algo que só um autor extremamente habilidoso conseguiria. Em suma: o melhor do romance policial.


Gian Danton
Goiânia, 18/12/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pouca gente sabe de Rafael Lima


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2015
01. Sexo e luxúria na antiguidade - 19/6/2015
02. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) - 18/12/2015
03. Ivanhoé - 2/3/2015
04. Intervenção militar constitucional - 27/3/2015
05. A margem negra - 4/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Prazer da Ginástica
Diagran Gruup
Ediouro
(1976)



Nem só de Pão vive o Homem: Criação e Funcionamento do Serviço
Angela Brêtas
apicuri
(2010)



Livro - Lucro Acumulação e Crise
Luiz Bresser Pereira
Brasiliense
(1986)



Livro - Contra Natura - Ensaios de Psicanálise e Antropologia Surreal
Oscar Cesarotto
Iluminuras
(1999)



Presente a Dádiva Que Abençoa a Quem o Dá
R. R. Soares
Graça Editorial
(2000)



Você já Abraçou seu Filho Hoje?
Gilberto Barros
gente
(2002)



Viagens por Terra - Aventuras do Conhecimento
Nicola Baxter
Stampley
(1997)



Livro - Trago Seu Amor de Volta sem Pedir Nada Em Troca
Ique Carvalho
Sextante
(2017)



Jesus para presidente
Roland Merullo
sextante
(2008)



4 Anos para Mudar o Mundo
Marc Ullmann
Difel
(1977)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês