E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Série Terapia - Edição Especial de Tom Mcgrath pela Planeta (1997)
>>> Nosso Lar de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1944)
>>> Metafísica 4 em 1 de Conny Mendez pela Lusoimpress (2008)
>>> Uma Voz na Escuridão de Sandra Brown pela Rocco (2006)
>>> Vegetais A Natureza em Nossa Vida de Gonçalves Ribeiro e Outros pela Sugestões Literárias (1976)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 2 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Iniciação Junto ao Nilo de Mona Rolfe pela Pensamento (1999)
>>> Como Montar e Administrar Bares e Restaurantes de Percival Maricato pela Senac São Paulo (2001)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Feesp (1992)
>>> Sonhando - Santos Dumont de Sylvia Orthof pela Salamandra (1997)
>>> A Lista de Bergoglio de Nello Scavo pela Paulinas (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/12/2015
E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos)
Gian Danton

+ de 7100 Acessos

Escrito em 1939, "O caso dos dez negrinhos" está, sem sombra de dúvida, entre o melhor de Agatha Christie. Uma história tão boa que acabou sendo adaptada ou simplesmente imitada dezenas de vezes, de filmes a episódios de "Uma família da pesada". Publicado dezenas de vezes, teve seu título mudado para "E não sobrou nenhum" para atender ao politicamente correto, mas continua fazendo enorme sucesso e sendo a demonstração cabal da habilidade de sua autora em construir tramas policiais.

Nascida em 1891, Ann Miller (seu nome verdadeiro) não parecia destinada à literatura. Queria ser cantora, foi enfermeira na I Guerra Mundial. Quando terminou a guerra, discutiu com a irmã, que afirmava que ela seria incapaz de escrever um romance policial. O resultado dessa disputada foi "O misterioso caso de Styles", o primeiro livro de Hércule Poirot, seu personagem mais famoso. Foi rejeitado por seis editoras. Quando a sétima aceitou publicá-la, foi um sucesso mediano. O sucesso real só veio em 1926, com "O assassinato de Roger Ackroyd". Agatha escreveu dezenas romances e inúmeros contos. Seu estilo seguia fielmente o lema de Edgar Alan Poe: primeiro pensava no final, e só depois começava a escrever. Segundo o Guiness, é a romancista mais bem sucedida da história da literatura popular mundial considerando-se o número total de livros vendidos: quatro bilhões de cópias.

O caso dos dez negrinhos conta a história de dez pessoas reunidas em uma ilha (a ilha do negro, devido a uma rocha que se parece com a cabeça de um negro) e que vão sendo mortas uma a uma. Sim, você já viu algo assim. A ideia é tão genial que já em 1945 foi transposta para o cinema, sob a competente direção do francês René Clair, então exilado nos EUA. O título foi modificado para "O vingador invisível", provavelmente para fugir das acusações de racismo que pesavam sobre o título original. Aliás, nos Estados Unidos o livro foi publicado sob o título de "O caso dos dez indiozinhos", como se o novo título não fosse igualmente racista, ou até mais, já que não tem relação nenhuma com a canção infantil inglesa, que deu origem ao romance:

Dez negrinhos vão jantar enquanto não chove;

Um deles se engasgou e então ficaram nove.

Nove negrinhos sem dormir: não é biscoito!

Um deles cai no sono, e então ficaram oito.

Oito negrinhos vão a Devon de charrete;

Um não quis mais voltar, e então ficaram sete.

Sete negrinhos vão rachar lenha, mas eis

Que um deles se corta, e então ficaram seis.

Seis negrinhos de uma colmeia fazem brinco;

A um pica uma abelha, e então ficaram cinco.

Cinco negrinhos no foro, a tomar os ares;

Um ali foi julgado, e então ficaram dois pares.

Quatro negrinhos no mar; a um tragou de vez

O arenque defumado, e então ficaram três.

Três negrinhos passeando no Zoo. E depois?

O urso abraçou um, e então ficaram dois.

Dois negrinhos brincando ao sol, sem medo algum;

Um deles se queimou, e então ficou só um.

Um negrinho aqui está a sós, apenas um;

Ele então se enforcou, e não ficou nenhum.

A genialidade da autora na elaboração do livro é impressionante - e difícil dizer qual aspecto é o mais relevante.

Primeiro, claro, por construir uma história em que os assassinatos ocorrem em um local relativamente pequeno, fechado e ainda assim manter o suspense até o último momento, jogando com as suspeitas do leitor e dos próprios personagens (essa situação foi levada ao extremo numa sátira da MAD sobre histórias policiais em que um escritor prometia escrever a respeito de "assassinatos numa prancha de surf").

Segundo, por construir toda a história a partir da canção infantil, de modo que os assassinatos vão seguindo, rigidamente, a ordem e a contextualização dos versos. Há o jantar, a chuva, a primeira morte com um suposto engasgo, a segunda morte enquanto a pessoa dorme e assim por diante. Aí não se trata só da habilidade de construir a trama a partir de algo anterior, mas de fazer isso de modo que o leitor, embora conheça os versos, não consiga adivinhar o rumo dos acontecimentos.

E, finalmente, pela fina construção dos personagens. Aliás, o romance inicia exatamente pela apresentação dos mesmos. Cada um está a caminho da ilha e são mostrados com seus pensamentos, suas histórias, suas angústias e defeitos.

Temos um severo juiz, que talvez tenha ajudado a condenar um homem inocente, uma velha e antipática solteirona, que pode ter sido responsável pelo suicídio de uma moça, um médico, que, ao operar alcoolizado, teria provocado a morte de uma paciente, um homem irrefreável que, ao abandonar um grupo de africanos, teria os condenado à morte, um general que enviou para a morte o amante de sua esposa, um detetive da polícia que, com seu falso testemunho, condenou um homem à cadeia, um playboy que atropelou dois garotos, mas escapou impune, dois criados que, por omissão provocaram a morte de uma senhora idosa... e, provavelmente, a mais complexa personagem de toda a história, a bonita professora Vera Claythorne. Ela é de longe o personagem mais interessante de toda a trama - tanto Agatha gasta páginas e páginas desenvolvendo-a. Se alguns são caracterizados logo de cara (o playboy inconsequente, por exemplo, ou a solteirona amarga), a jovem vai sendo descoberta aos poucos para o leitor, que inicialmente a vê como inocente - talvez a única ali, mas vai aos poucos descobrindo seu outro lado.

Essas pessoas são reunidas numa ilha, sob diversos pretextos por um tal senhor Owen e, logo na primeira noite, são surpreendidos por uma voz que os acusa de terem sido responsáveis pelos crimes descritos acima, todos eles casos que não há como se provar e, portanto, impossíveis de serem levados a julgamento.

Esse juiz secreto vai matando um a um e, a cada um que morre, um dos negrinhos sobre a mesa central da sala desaparece. Logo fica claro que o assassino só pode ser um deles. E, quando todas as provas parecem apontar para determinada pessoa, ela morre.

Agatha transforma todos os seus personagens em detetives e, ao mesmo tempo, em supostos assassinos. Manejar algo assim é algo que só um autor extremamente habilidoso conseguiria. Em suma: o melhor do romance policial.


Gian Danton
Goiânia, 18/12/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
02. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
03. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
04. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
05. Uma entrevista literária de Marta Barcellos


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2015
01. Sexo e luxúria na antiguidade - 19/6/2015
02. Ivanhoé - 2/3/2015
03. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) - 18/12/2015
04. Intervenção militar constitucional - 27/3/2015
05. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo - 31/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dr. Bactéria um Guia para Passar Sua Vida a Limpo
Roberto Martins Figueiredo
Globo
(2007)



Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Poesia Sempre Ano 2 Nº 4 (1994)
Fundação Biblioteca Nacional
Fbn (rj)
(1994)



Frei Bolinha. Companheiro de São Francisco
Sérgio Lapstina
Mercuryo
(2003)



Sucessoes e Direito Sucessorio - Volume I
Doutor Jose Tavares
Cia Ed Americana



Os lençóis e os sonhos
Orlando Senna
Record
(2009)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Herivelto Como Conheci - Autografado
Yaçanâ Martins e Cacau Hygino
Espassum
(2010)



Die Wehrmacht: Eine Bilanz
Guido Knopp (capa Dura)
C Bertelsmann
(2007)



Robin dos Bosques - as Aventuras Que Eu Gosto de Ler
Ulisseia Infantil
Ulisseia Infantil
(1995)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês