Sobre o hábito de cutucar o nariz | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Codependencia Nunca Mais de Melody Beattie pela Best Seller (2024)
>>> Manual de Proteçao Respiratoria de Maurício Torlon/ Antonio Vladimir Vieira pela Abho (2003)
>>> 21 Lições Para O Século 21 de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
>>> O Reino De Moruk de Dimára Guastapaglia pela Do autor (2020)
>>> Como Alimentar Seu Bebê de Sara Lewis pela Marco Zero (1996)
>>> Introduçao A Engenharia Ambiental de Benedito Braga, Ivanildo Hespanhol, João G. Lotufo Conejo, Mário Thadeu L. De Barros, Milton Spencer Veras Junior, Monica F. Do Amaral Porto, Nelson L. R. Nucci, Neusa Monteiro De A. Juliano, Sergio Eiger pela Prentice Hall (2003)
>>> Os Remedios Florais Do Dr. Bach de Dr Edward Bach pela Pensamento (1995)
>>> Poemas Escolhidos De Gregório De Matos de Gregorio De Matos pela Companhia Das Letras - Grupo Cia Das Letras (2024)
>>> A Bruxa Nao Vai Para A Fogueira Neste Livro de Amanda Lovelace pela Leya (2018)
>>> Gandhi - Sua Vida E Mensagem Para O Mundo de Louis Fischer pela Martin Claret (1992)
>>> Tuik - O Amigo Imaginário de Marina Pechlivanis - Mateus Rios pela Formato (2014)
>>> O Hobbit de John Ronald Reuel Tolkien pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Uyra - O Defensor Do Planeta de Carraro Fernando pela Ftd (2010)
>>> Gestão de Resíduos Sólidos - o Que Diz a Lei de Carlos Roberto Vieira da Silva Filho pela Trevisan (2015)
>>> Química Geral e Reações Químicas - Volume 1 de John C. Kotz - Paul M. Treichel pela Ltc (2002)
>>> Sétimo de Andre Vianco pela Novo Seculo (2009)
>>> O Clube Do Trico de Kate Jacobs - Carolina Mesquita pela Amarilys (2010)
>>> Filhos Do Imperador de Claire Messud pela Nova Fronteira (2008)
>>> Os Acidentes Do Trabalho Na Nova Nr-12 de Valmir Inácio Vieira pela Ltr (2013)
>>> A Batalha Do Labirinto - Percy Jackson E Os Olimpianos Livro 4 de Rick Riordan pela Intrinseca (2010)
>>> Um Buldogue Frances de Ana Paula De Abreu pela Pequeno Viajante (2020)
>>> Avaliação Em Educação Infantil 3 de Mara Krechevsky pela Artmed (2001)
>>> O Trem Contra O Tubarão de Chris Barton pela Paz E Terra (2013)
>>> A Rainha Do Norte de Joana Estrela pela Sesi-sp Editora (2018)
>>> Vygotsky Em Foco de Harry Daniels pela Papirus (1994)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/11/2006
Sobre o hábito de cutucar o nariz
Adriana Baggio
+ de 10000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A dinâmica da nossa sociedade é pautada pelo consumo. Muitos valores e instituições se estabelecem em função do processo de compra e venda, do "ter" para "ser". Conseqüentemente, o papel das empresas é preponderante neste cenário.

Talvez o mundo corporativo represente uma nova aristocracia. É um regime mais aberto e permeável que as cortes medievais ou absolutistas, mas, de alguma forma, também possui sistemas de hierarquia e códigos de conduta que prevêem uma certa "iniciação" por parte de quem deseja integrá-la. Tanto é que, muitas vezes, o bom desempenho na corte corporativa deve-se muito mais ao comportamento, ao "marketing pessoal", do que à competência em si mesma.

Com base nesse cenário, pode-se dizer que as empresas são sociedades sujeitas a padrões de conduta muito rígidos. Como existe uma forte interdependência entre seus membros, o controle das atitudes de cada um é permanente. Uma situação que o historiador Norbert Elias descreve em O processo civilizador - Volume 1: Uma história dos costumes (Jorge Zahar Editor, 1994, 280 págs.). Nessa obra, o escritor aborda o controle em relação ao processo de construção da auto-imagem do ocidente como um mundo "civilizado".

O conteúdo do livro ajuda a compreender a origem de alguns dos nossos hábitos mais arraigados. Por conta disso, também me ajudou a entender melhor um determinado incidente "corporativo". Antes de abordar as idéias do historiador, vamos ao fato, que aconteceu em uma editora de publicações de negócios.

Cutucando o nariz no trabalho
Apesar de ser um local de produção de idéias, o que sugere um ambiente corporativo mais maleável, o tratamento é o que se chama de "estilo chão de fábrica", duro e controlador. Certa vez, começaram a aparecer algumas substâncias na parte interna da porta do banheiro feminino. Após a limpeza, elas voltavam. Depois de alguns dias, as usuárias do toalete não podiam mais negar: aquilo era meleca de nariz. Mesmo com papel higiênico e lixo bem à mão, tinha uma pessoa que preferia depositar a "caca" em lugar visível.

Protestos de nojo e indignação correram a empresa. A diretoria resolveu colocar um aviso na porta, pedindo para que o resultado da limpeza das narinas fosse depositado no lixo. É claro que, na primeira oportunidade, apareceu uma nova meleca. Dessa vez, colada exatamente sobre o cartaz.

Não acredito que essa atitude fosse falta de higiene. Acho que era uma tentativa de protesto, uma vingança ou uma provocação. O que esta pessoa queria, na verdade, era demonstrar liberdade, independência, talvez reação ao controle exercido pela empresa. E ela fez isso retomando um hábito que era natural há alguns séculos, mas que a progressiva mudança no conceito de boas maneiras tornou nojento, asqueroso e condenável.

Mudança de hábito
A adoção geral desses valores de comportamento que caracterizam o conceito ocidental de civilização faz parte de um processo cujo início é difícil de determinar. Por questões metodológicas, o autor estabelece a Idade Média como ponto de partida para seu estudo. A preocupação com as boas maneiras não teria surgido apenas nesse momento da história. Porém, os acontecimentos que vêm desde então possibilitam, em 1530, a publicação de um tratado de boas maneiras, escrito por Erasmo de Roterdã: De civilitate morum puerilium (Da civilidade em crianças).

A obra é fruto de uma fase de transição, em que há um afrouxamento da hierarquia social medieval, mas ainda não havia se consolidado a aristocracia absolutista. Com a solidificação da nova aristocracia, a partir do século XVII, o controle social sobre os indivíduos da corte aumenta. As boas maneiras, que representam o caráter de diferenciação, são cada vez mais exigidas. Torna-se importante observar, reparar como as pessoas agem e, ao mesmo tempo, policiar as próprias atitudes. Há uma crescente compulsão pelo auto-controle e um aumento do patamar de embaraço e vergonha, sob a forma de "refinamento" ou "civilização". O reflexo pode ser percebido pela mudança na forma como as regras de boas maneiras são abordadas nos livros de diferentes épocas.

Norbert Elias cita vários deles, analisando as diferenças de conteúdo de acordo com o momento em que surgem. Os trechos selecionados pelo autor abordam desde o comportamento à mesa até o ato de dormir. Para exemplificar o processo de aumento da vergonha, e para ir voltando ao assunto do início do texto, reproduzo aqui as normas que se referem, obviamente, à limpeza do nariz. São extratos retirados de obras publicadas em diversos períodos e países:

a) Século XIII - De la zinquanta cortesie da tavola (Cinqüenta cortesias à mesa), de Bonvesin de la Riva.
"Quando assoar o nariz ou tossir, vire-se de modo que nada caia em cima da mesa."

b) Século XV - Ein spruch der zé tische kêrt
"É indelicado assoar o nariz na toalha da mesa."

c) Século XVI - e civilitate morum puerilium, de Erasmo de Roterdã
"Se alguma coisa cai no chão enquanto se assoa o nariz, deve-se imediatamente pisá-la com o pé."
"Assoar o nariz no chapéu ou na roupa é grosseiro, e fazê-lo com o braço ou cotovelo é coisa de mercador. Tampouco é muito mais educado usar a mão, se imediatamente limpa a meleca na roupa."

d) 1558 - Galateo, Della Casa
"Tampouco é correto, após assoar o nariz, abrir o lenço e olhar dentro dele como se pérolas e rubis pudessem ter caído da sua cabeça."

e) 1672 - Nouveau traité de civilité, de Courtin
"Evite bocejar, assoar o nariz e escarrar. Se for obrigado a proceder assim em lugares mantidos limpos, use o lenço, ao mesmo tempo virando o rosto e ocultando-se com a mão esquerda, e não olhe para o lenço depois."

f) 1714 - de uma Civilité francesa anônima
"Tenha todo o cuidado de não assoar o nariz nos dedos ou na manga, como criança. Use o lenço e não olhe para ele depois."

g) 1729 - de La Salle, Les règles de la bienséance et de la civilité chrétienne
"É muito indelicado esgaravatar as narinas com os dedos e ainda mais insuportável pôr na boca o que se tirou do nariz..."

h) Edição de 1774
"Todos os movimentos voluntários com o nariz, sejam feitos pela mão ou por outra maneira, são indelicados e infantis."

Da toalha ao lenço
Pode-se perceber uma progressão da norma de comportamento, que vai de um conselho sobre como realizar o ato, na Idade Média, até a proibição do ato e a utilização de eufemismos para se referir a ele, no final do século XVIII, quando o conceito de civilização é pleno.

É interessante observar que, na obra do século XIII, a sugestão para que a pessoa se vire ao assoar o nariz, de forma a não cair nada em cima da mesa, indica que, normalmente, caem coisas sobre a mesa. Depois, há uma mudança de comportamento (nas classes altas, é claro). O condenável passa a ser assoar o nariz na toalha, procedimento comum antes. Em seguida, na obra de Erasmo de Roterdã, as regras já são mais sofisticadas. Não se deve usar a roupa para limpar o nariz. O uso das mãos é permitido, desde que estas, por sua vez, não sejam esfregadas na roupas.

Erasmo não se preocupa em poupar o leitor de imaginar cenas que, hoje, nos causam nojo. A franqueza com que aborda as situações, porém, já não está tão presente nas seguintes. As versões desses códigos de conduta vão se tornando menos espaçadas, mostrando que as regras também estavam mudando com maior velocidade. No último exemplo apresentado, a substância que se tira do nariz ou os verbos específicos (assoar, esgaravatar, escarrar) nem são mencionados explicitamente, sendo substituídos pelo eufemístico "movimentos voluntários com o nariz".

Similarmente, os nossos atuais sentimentos de nojo e vergonha, por mais que possam estar relacionados à prevenção de doenças e à higiene, têm uma origem comportamental. Eles são fruto de uma dependência social, de um aspecto das relações humanas que tem a ver com diferenciação. Os hábitos de uma criança, se não forem corrigidos pelos pais ou espelhados nos gestos deles, serão muito parecidos com o que se considera incivilizado. Elas ainda não adquiriram o auto-controle necessário para a vida em uma sociedade civilizada como a que vivemos.

Com base nestas considerações, fica mais fácil compreender a atitude da moça que deixava suas melecas na porta do banheiro feminino da empresa. Ela nunca faria isso na frente dos outros pelas conseqüências que esse gesto acarretaria à sua posição. Afinal, ela é socialmente dependente dos colegas e dos patrões.

Porém, ao fazer escondido algo que há alguns séculos era perfeitamente natural, ao quebrar uma das normas de controle social, ela também estava se posicionando contra o controle exercido pela empresa ao seu trabalho ou ao seu modo de vida. Ao provocar nojo e repugnância nas pessoas, ela cutucou algo que está muito escondido dentro de cada um de nós (sem trocadilhos) e que, pelo bem de nossa vida em uma sociedade civilizada, é melhor que fique por lá.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 2/11/2006

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
02. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
03. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol
04. Pra que ler jornal de papel? de Duanne Ribeiro
05. 2009 e os meus álbuns de Rafael Fernandes


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2006
15h46min
A Adriana é sempre agradável, talvez porque faça um jornalismo que fala do presente, com base no conhecimento do passado. Informação e conhecimento não se excluem nos seus textos, sempre cheios de luzes. Parabéns!
[Leia outros Comentários de daniel santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Adormecida
Anna Sheehan
Leya
(2012)



Castro Alves Em São Paulo e Em Sua Faculdade de Direito
R. Limongi França
Oliveira Mendes
(1997)



Understanding Women - The Definitive Guide to Meeting, Dating and Dumping, If Necessary
Romy Miller
The Book Factory
(2004)



De frente com a verdade
Mônica de Castro
Vida & Consciência
(2011)



Dilema Mortal
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2012)



Livro Literatura Estrangeira As Vinhas da Ira Volume 1
John Steinbeck
Abril Cultural
(1982)



Desenvolvimento gerencial na administração pública do Estado de São Paulo
Organizadoras Lais Macedo de Oliveira, Maria Cristina Costa Pinto Galvão; autores Alberto Brito...[et al.].
Fundap
(2009)



A Essência Da Meditação
Martin Claret
Martin Claret
(1998)



Agaguk - Vol. 26
Yves Theriault
Delprado
(2015)



Livro Religião Para o Dia Nascer Feliz
José Carlos de Lucca
Petit
(2003)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês