Sobre o hábito de cutucar o nariz | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
38289 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/11/2006
Sobre o hábito de cutucar o nariz
Adriana Baggio

+ de 8300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A dinâmica da nossa sociedade é pautada pelo consumo. Muitos valores e instituições se estabelecem em função do processo de compra e venda, do "ter" para "ser". Conseqüentemente, o papel das empresas é preponderante neste cenário.

Talvez o mundo corporativo represente uma nova aristocracia. É um regime mais aberto e permeável que as cortes medievais ou absolutistas, mas, de alguma forma, também possui sistemas de hierarquia e códigos de conduta que prevêem uma certa "iniciação" por parte de quem deseja integrá-la. Tanto é que, muitas vezes, o bom desempenho na corte corporativa deve-se muito mais ao comportamento, ao "marketing pessoal", do que à competência em si mesma.

Com base nesse cenário, pode-se dizer que as empresas são sociedades sujeitas a padrões de conduta muito rígidos. Como existe uma forte interdependência entre seus membros, o controle das atitudes de cada um é permanente. Uma situação que o historiador Norbert Elias descreve em O processo civilizador - Volume 1: Uma história dos costumes (Jorge Zahar Editor, 1994, 280 págs.). Nessa obra, o escritor aborda o controle em relação ao processo de construção da auto-imagem do ocidente como um mundo "civilizado".

O conteúdo do livro ajuda a compreender a origem de alguns dos nossos hábitos mais arraigados. Por conta disso, também me ajudou a entender melhor um determinado incidente "corporativo". Antes de abordar as idéias do historiador, vamos ao fato, que aconteceu em uma editora de publicações de negócios.

Cutucando o nariz no trabalho
Apesar de ser um local de produção de idéias, o que sugere um ambiente corporativo mais maleável, o tratamento é o que se chama de "estilo chão de fábrica", duro e controlador. Certa vez, começaram a aparecer algumas substâncias na parte interna da porta do banheiro feminino. Após a limpeza, elas voltavam. Depois de alguns dias, as usuárias do toalete não podiam mais negar: aquilo era meleca de nariz. Mesmo com papel higiênico e lixo bem à mão, tinha uma pessoa que preferia depositar a "caca" em lugar visível.

Protestos de nojo e indignação correram a empresa. A diretoria resolveu colocar um aviso na porta, pedindo para que o resultado da limpeza das narinas fosse depositado no lixo. É claro que, na primeira oportunidade, apareceu uma nova meleca. Dessa vez, colada exatamente sobre o cartaz.

Não acredito que essa atitude fosse falta de higiene. Acho que era uma tentativa de protesto, uma vingança ou uma provocação. O que esta pessoa queria, na verdade, era demonstrar liberdade, independência, talvez reação ao controle exercido pela empresa. E ela fez isso retomando um hábito que era natural há alguns séculos, mas que a progressiva mudança no conceito de boas maneiras tornou nojento, asqueroso e condenável.

Mudança de hábito
A adoção geral desses valores de comportamento que caracterizam o conceito ocidental de civilização faz parte de um processo cujo início é difícil de determinar. Por questões metodológicas, o autor estabelece a Idade Média como ponto de partida para seu estudo. A preocupação com as boas maneiras não teria surgido apenas nesse momento da história. Porém, os acontecimentos que vêm desde então possibilitam, em 1530, a publicação de um tratado de boas maneiras, escrito por Erasmo de Roterdã: De civilitate morum puerilium (Da civilidade em crianças).

A obra é fruto de uma fase de transição, em que há um afrouxamento da hierarquia social medieval, mas ainda não havia se consolidado a aristocracia absolutista. Com a solidificação da nova aristocracia, a partir do século XVII, o controle social sobre os indivíduos da corte aumenta. As boas maneiras, que representam o caráter de diferenciação, são cada vez mais exigidas. Torna-se importante observar, reparar como as pessoas agem e, ao mesmo tempo, policiar as próprias atitudes. Há uma crescente compulsão pelo auto-controle e um aumento do patamar de embaraço e vergonha, sob a forma de "refinamento" ou "civilização". O reflexo pode ser percebido pela mudança na forma como as regras de boas maneiras são abordadas nos livros de diferentes épocas.

Norbert Elias cita vários deles, analisando as diferenças de conteúdo de acordo com o momento em que surgem. Os trechos selecionados pelo autor abordam desde o comportamento à mesa até o ato de dormir. Para exemplificar o processo de aumento da vergonha, e para ir voltando ao assunto do início do texto, reproduzo aqui as normas que se referem, obviamente, à limpeza do nariz. São extratos retirados de obras publicadas em diversos períodos e países:

a) Século XIII - De la zinquanta cortesie da tavola (Cinqüenta cortesias à mesa), de Bonvesin de la Riva.
"Quando assoar o nariz ou tossir, vire-se de modo que nada caia em cima da mesa."

b) Século XV - Ein spruch der zé tische kêrt
"É indelicado assoar o nariz na toalha da mesa."

c) Século XVI - e civilitate morum puerilium, de Erasmo de Roterdã
"Se alguma coisa cai no chão enquanto se assoa o nariz, deve-se imediatamente pisá-la com o pé."
"Assoar o nariz no chapéu ou na roupa é grosseiro, e fazê-lo com o braço ou cotovelo é coisa de mercador. Tampouco é muito mais educado usar a mão, se imediatamente limpa a meleca na roupa."

d) 1558 - Galateo, Della Casa
"Tampouco é correto, após assoar o nariz, abrir o lenço e olhar dentro dele como se pérolas e rubis pudessem ter caído da sua cabeça."

e) 1672 - Nouveau traité de civilité, de Courtin
"Evite bocejar, assoar o nariz e escarrar. Se for obrigado a proceder assim em lugares mantidos limpos, use o lenço, ao mesmo tempo virando o rosto e ocultando-se com a mão esquerda, e não olhe para o lenço depois."

f) 1714 - de uma Civilité francesa anônima
"Tenha todo o cuidado de não assoar o nariz nos dedos ou na manga, como criança. Use o lenço e não olhe para ele depois."

g) 1729 - de La Salle, Les règles de la bienséance et de la civilité chrétienne
"É muito indelicado esgaravatar as narinas com os dedos e ainda mais insuportável pôr na boca o que se tirou do nariz..."

h) Edição de 1774
"Todos os movimentos voluntários com o nariz, sejam feitos pela mão ou por outra maneira, são indelicados e infantis."

Da toalha ao lenço
Pode-se perceber uma progressão da norma de comportamento, que vai de um conselho sobre como realizar o ato, na Idade Média, até a proibição do ato e a utilização de eufemismos para se referir a ele, no final do século XVIII, quando o conceito de civilização é pleno.

É interessante observar que, na obra do século XIII, a sugestão para que a pessoa se vire ao assoar o nariz, de forma a não cair nada em cima da mesa, indica que, normalmente, caem coisas sobre a mesa. Depois, há uma mudança de comportamento (nas classes altas, é claro). O condenável passa a ser assoar o nariz na toalha, procedimento comum antes. Em seguida, na obra de Erasmo de Roterdã, as regras já são mais sofisticadas. Não se deve usar a roupa para limpar o nariz. O uso das mãos é permitido, desde que estas, por sua vez, não sejam esfregadas na roupas.

Erasmo não se preocupa em poupar o leitor de imaginar cenas que, hoje, nos causam nojo. A franqueza com que aborda as situações, porém, já não está tão presente nas seguintes. As versões desses códigos de conduta vão se tornando menos espaçadas, mostrando que as regras também estavam mudando com maior velocidade. No último exemplo apresentado, a substância que se tira do nariz ou os verbos específicos (assoar, esgaravatar, escarrar) nem são mencionados explicitamente, sendo substituídos pelo eufemístico "movimentos voluntários com o nariz".

Similarmente, os nossos atuais sentimentos de nojo e vergonha, por mais que possam estar relacionados à prevenção de doenças e à higiene, têm uma origem comportamental. Eles são fruto de uma dependência social, de um aspecto das relações humanas que tem a ver com diferenciação. Os hábitos de uma criança, se não forem corrigidos pelos pais ou espelhados nos gestos deles, serão muito parecidos com o que se considera incivilizado. Elas ainda não adquiriram o auto-controle necessário para a vida em uma sociedade civilizada como a que vivemos.

Com base nestas considerações, fica mais fácil compreender a atitude da moça que deixava suas melecas na porta do banheiro feminino da empresa. Ela nunca faria isso na frente dos outros pelas conseqüências que esse gesto acarretaria à sua posição. Afinal, ela é socialmente dependente dos colegas e dos patrões.

Porém, ao fazer escondido algo que há alguns séculos era perfeitamente natural, ao quebrar uma das normas de controle social, ela também estava se posicionando contra o controle exercido pela empresa ao seu trabalho ou ao seu modo de vida. Ao provocar nojo e repugnância nas pessoas, ela cutucou algo que está muito escondido dentro de cada um de nós (sem trocadilhos) e que, pelo bem de nossa vida em uma sociedade civilizada, é melhor que fique por lá.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 2/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
04. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
05. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2006
15h46min
A Adriana é sempre agradável, talvez porque faça um jornalismo que fala do presente, com base no conhecimento do passado. Informação e conhecimento não se excluem nos seus textos, sempre cheios de luzes. Parabéns!
[Leia outros Comentários de daniel santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAULA
ISABEL ALLENDE
BERTRAND BRASIL
(2013)
R$ 18,00



A VOLTA DO FRADIM
HENFIL
GERAÇÃO
(1992)
R$ 15,00



EMPRESA JÚNIOR ESPAÇO DE APRENDIZAGEM
LUÍS MORETTO NETO E OUTROS
EMPRESA JÚNIOR ESPAÇO
(2004)
R$ 19,90



PSICOLOGIA USP - VOLUME 16 - NÚMERO 3
CARL GUSTAV
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
(2005)
R$ 6,50



REVISTA CAPITAL CURITIBA - 2 EDIÇÕES
VÁRIOS AUTORES
CIA DE REVISTAS
(2005)
R$ 7,90



BICICLETAS DE MONTREAL
CARLOS DALA STELLA
IMPRENSA OFICIAL (CURITIBA)
(2002)
R$ 23,28



AS CORES DA REVOLUÇÃO - A LITERATURA DE JORGE AMADO NOS ANOS 30
LUIZ GUSTAVO FREITAS ROSSI
UNICAMP
(2009)
R$ 25,00



GESTAO DE CARREIRA - SETE PRINCIPIOS BIBLICOS DA
CRISTIANO STEFENONI
CPB DIDATICOS
(2011)
R$ 35,90



O MÉDICO E O MONSTRO - COLEÇÃO REENCONTRO INFANTIL
ROBERT LOUIS STEVENSON
SCIPIONE
(2006)
R$ 15,00



LOCKE - COLEÇÃO GRANDES FILÓSOFOS
MICHAEL AYERS
UNESP
(2013)
R$ 13,90





busca | avançada
38289 visitas/dia
1,4 milhão/mês