Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/2/2006
Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe
Adriana Baggio

+ de 14900 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Os cruzeiros marítimos sempre foram ícones de um estilo de vida luxuoso, reservado a poucos privilegiados. Uma viagem longa, durando vários dias, deixa de ser uma desvantagem quando se passa a bordo de um belo navio, repleto de mordomias. O praxe é que essas mordomias incluam uma comida de primeira, bebidas da melhor qualidade e opções de lazer de alto nível. A gente logo lembra dos ambientes luxuosos e da toilette caprichada das passageiras de Titanic. Com todos esses atrativos, viajar em um transatlântico é um verdadeiro espetáculo. Mas fazer um cruzeiro nos dias de hoje, talvez, não passe de espetacularização.

A popularização dos cruzeiros na costa brasileira permitiu que a classe média tivesse acesso a uma opção de turismo antes muito exclusiva. O dólar em baixa e a economia establizada também facilitam que cada vez mais pessoas possam desfrutar de alguns dias de mordomia em alto mar. Os preços, no total, podem ser equivalentes aos de uma viagem aérea com hotel. Qual a vantagem, então?

Para mim, é a possibilidade de viajar pelo mar, de estar em um navio - meio de transporte que, assim como o trem, tem uma aura de romantismo. Para outras pessoas, talvez seja a oportunidade de experimentar, por alguns dias, uma vida de luxo e muito conforto. É aí que entra a espetacularização: o luxo e o conforto estão muito mais na aparência do que na essência dos serviços e das opções disponíveis em um navio de cruzeiro.

As opiniões meio mal-humoradas sobre este tipo de viagem são baseadas em experiência própria. Há muito tempo desejava fazer uma viagem de navio. Realizei este sonho no começo de fevereiro, em um cruzeiro a bordo do Island Star, com saída e chegada em Santos, passando por Buenos Aires, Punta del Este e Florianópolis. Sonho? Bem, uma viagem de sonho, que custa valores em dólar na casa do milhar, não combina com filas e café fraco.

O Island Star é um belo e imponente navio. Antes se chamava Horizon, mas foi reformado, recebeu o novo nome e juntou-se ao Island Escape na frota da Island Cruises. O grande diferencial dos cruzeiros desta companhia é a "informalidade": você não precisa se preocupar caso não possua muitos vestidos de gala, porque eles não serão necessários nas atividades do navio. O atributo "informalidade" acabou sendo uma boa justificativa para cruzeiros com valores um pouco menores do que os de outras companhias e para um serviço às vezes deficiente. Como esta foi minha primeira experiência, não sei se em outros navios acontece o mesmo ou se é uma característica apenas da Island Cruises.

Quando você compra uma viagem como esta, espera não precisar gastar com certas coisas dentro do navio, porque "tudo" já está incluído no valor pago antes: a acomodação, as refeições, as opções de lazer. O problema é que se você fica apenas com este pacote básico, passa longe do "luxo". O que tem mais qualidade e proporciona mais conforto é por fora. No entanto, para não decepcionar as pessoas que preferem não pagar a mais, o pacote "básico" é revestido de um luxo fake, como uma bijuteria folheada: quando o ouro descasca, aparece apenas metal ordinário.

E o ouro acaba descascando em vários momentos. Por exemplo: as descidas nos portos previstos obedecem a uma hierarquia relacionada a valores. Quem comprou lugar nas excursões em terra, desce antes. Quem vai por conta, desce depois. Em Punta del Este, isso significa esperar mais de três horas pela sua vez de sair do navio. A não ser que você, nas suas férias tão aguardadas, disponha-se a levantar cedo para ficar na fila para pegar senha para poder embarcar nos primeiros barcos que deixam o navio rumo ao píer do Yatch Club do balneário. Peraí, isso é um cruzeiro ou uma visita ao INSS?

O mesmo acontece com a comida. Este navio tem quatro restaurantes e uma lanchonete. Dois dos restaurantes estão incluídos, o Island e o Beachcomber, sendo que o último funciona 24 horas. Se você aguentar o tempero, pode comer o dia inteiro. A lanchonete serve fritas, cachorro-quente e um hambúrguer gorduroso à vontade. Os outros dois exigem "reservas". Dentro do glossário de eufemismos vigente na linguagem no navio, isso significa que você tem que pagar a mais para comer neles. Nesses, o serviço é a la carte. Nos "liberados", é bufê.

Não que a comida seja ruim. No começo, você consegue aproveitar. Mas depois de alguns dias, o estilo "culinária internacional de fachada" começa a enjoar. No anseio de dar uma cara sofisticada a uma refeição preparada com ingredientes mais simples, os pratos acabam ficando muito gordurosos, ou muito empapados, ou com um sabor padrão de açafrão.

Eu não esperava muito da comida, porque algumas comunidades que falam do Island Star no Orkut estavam repletas de reclamações sobre esse aspecto. Mas acredito que, se eles se preocupassem em fazer o melhor com a "verba" disponível, ao invés de oferecer uma comida sofisticada fajuta para combinar com a pretensa imagem de luxo do cruzeiro, as refeições seriam muito mais saborosas.

Por exemplo: entre as opções de sobremesa, sempre tinha alguma coisa parecida com mousse. Os nomes e os sabores mudavam de um dia para o outro, mas o gosto permanecia o mesmo. Cheguei a conclusão de que eles utilizavam alguma espécie de base já pronta, extremamente gordurosa, e só trocavam a essência. Dessa forma, conseguiam com que mousse de chocolate, soufflé de laranja e cheesecake de framboesa parecessem tudo a mesma coisa. Que tal, ao invés de oferecer essas sobremesas "chiques", preparar um simples, mas porém autêntico, honesto e saboroso sagu com creme?

Para encerrar o quesito "alimentação", é preciso reclamar com veemência da qualidade do café do navio. Foi o pior que já provei na minha vida! Imagine um café solúvel (que já não é lá essas coisas) e fraco. No restaurante Island, além de fraco, é velho e requentado. Quem gosta de café sabe que a bebida requentada tem até cheiro ruim. Ah! Esqueci de dizer que tinha um quiosque da Casa do Pão de Queijo no navio, que servia café expresso. Adivinha? Pago à parte, claro, ao custo em dólar equivalente a uns 5 reais.

Pode parecer que eu odiei o cruzeiro, mas não é verdade. A frustração maior é que eles prometem algo que não é entregue. O verdadeiro conforto e a verdadeira mordomia têm um custo a mais. O resto continua sendo muito bom, mas aquém das expectativas criadas em torno de uma viagem como esta. A única coisa que realmente valeu o que custou é a cabine. Por falta de vagas em opções mais em conta (que eram o meu objetivo), acabei ficando em um deck alto, com direito a varanda e tudo. O banheiro é ótimo, o chuveiro é maravilhoso, a cama é uma delícia. Mas o melhor mesmo é poder admirar, da sua própria cabine, o sol se pondo na água muito azul do alto-mar. Só por isso, já vale a viagem! Ano que vem, pretendo fazer mais uma. Porém, acho que vou experimentar outra companhia.

Wave

Em novembro de 2004, o Projeto Pixinguinha trouxe para Curitiba um show fantástico com grandes nomes da música brasileira, como Alaíde Costa, Escurinho, Guilherme Vergueiro e Filó Machado. Nunca tinha ouvido falar neste último. Antes dele entrar no palco, fiquei imaginando como poderia ser. Em primeiro lugar, achei que fosse uma mulher, talvez por associar o nome ao tecido ou àquela personagem de programa humorístico. Uma mulher baixinha e magrinha, vestida de chita e apresentando um repertório "regional". Quando Filó Machado entrou no palco, foi uma surpresa. Um homem alto e negro, vestido de branco e com uma voz e um sorriso estrondosos. Ri um pouco de mim mesma e passei a curtir o show.

Naquela noite, o músico fez maravilhas com a voz e o violão. Hoje posso relembrar da apresentação através do CD Tom Brasileiro (da Lua Music, gravado em 2005), em que o violonista e Cibele Codonho cantam Tom Jobim. A semelhança entre o show e o CD não é o repertório, mas a maneira como Filó utiliza o violão. Às vezes, o instrumento é responsável pela melodia, em outras, pela percussão.

Como em "Wave", por exemplo. A versão da dupla lembra os arranjos de música eletrônica que têm sido feitos para clássicos da MPB, ao estilo Fernanda Porto. A diferença é que as "batidas" vêm das cordas do violão, e não de instrumentos tradicionais de percussão. Particularmente, não é minha preferida, talvez pelo estranhamento causado. No entanto, é preciso reconhecer o virtuosismo de Filó e a maneira inovadora com que ele e Cibele conseguiram interpretar uma das músicas mais belas - e manjadas - do compositor.

As outras faixas do CD seguem o estilo padrão, mas nem por isso deixam de ser melhores. Os maiores sucessos de Tom, como "Desafinado", "Por causa de você", "Insensatez" e "Anos dourados", ganharam belas interpretações na simplicidade da voz e violão. Só me incomodam os vibratos de Cibele, mas isso é muito pessoal.

A associação de Filó Machado com elementos regionais, que tive antes de conhecê-lo, desapareceu quase por completo. Só voltou um pouquinho quando vi a capa de Tom Brasileiro. Ele e Cibele estão na varanda de uma casa antiga de madeira, dessas bem comuns no interior. É que as fotos do encarte foram feitas em Paranapiacaba, vila histórica próxima a São Paulo. Cenário inovador para um CD cujas canções exaltam o sol e o mar e são verdadeiros ícones da cultura carioca.


Adriana Baggio
Curitiba, 23/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A fotografia é um produto ou um serviço? de Fabio Gomes
02. Na hora do batismo de Marta Barcellos
03. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
04. A melhor Flip de Marta Barcellos
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/12/2006
22h43min
Bacana... Um dia quero curtir um passeio assim.
[Leia outros Comentários de Marcelo Graciano]
30/10/2010
18h24min
Você fez as definições mais reais sobre um cruzeiro no Brasil. Também me aventurei em fevereiro deste ano por Punta, Buenos Aires e Montevidéo, só que pela MSC, no Música. Realmente o navio é um luxo, mas os serviços ruins, principalmente a comida. Em Punta, não fiz o pacote de passeios do navio porque queria conhecer o restaurante La Huella. Demoramos tanto para descer que não deu tempo. Foi frustrante, mas procurei me divertir e até que valeu a pena. Beijos.
[Leia outros Comentários de Rose Sarri]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês