Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
Mais Recentes
>>> O Grande Conflito 379 de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
>>> Livro - Os Músicos de Bremen de Flavio de Souza pela Ftd (2010)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2019)
>>> Livro - A Sutil Arte de Ligar o F*da-se de Manson Mark pela Intrínseca (2017)
>>> Livro - O Texto: Leitura & Escrita de D. Coste pela Pontes (2002)
>>> O Monte Cinco 379 de Paulo Coelho pela Objetiva
>>> Inteligência Emocional- A Teoria Revolucionária Que Redefine o Que é Ser Inteligente de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Livro - O Menino de Calça Curta de Flavio de Souza pela Ftd (2018)
>>> Constituição da República Portuguesa Anotada - 1º Volume de J. J. Gomes Canotilho; Vital Moreira pela Coimbra (1984)
>>> Quando o passado não passa 379 de Elisa Masselli pela Vida & Consciência (2001)
>>> Livro - A Educação Física e o Esporte na Escola - Cotidiano, saberes e formação de Silvia Christina Madrid Finck pela Ibpex (2011)
>>> Livro - Caça ao tesouro de A. J. Wood pela Brinque Book (1998)
>>> Cálculo diferencial e integral 379 de Frank Ayres Jr pela Mcgraw Hill (1981)
>>> Livro - A Viagem de Virginia Woolf pela Novo Século (2008)
>>> Livro - Livro de Histórias de Georgie Adams / Outros pela Companhia das Letrinhas (1996)
>>> Livro - Tanatos no Limiar da Loucura de Andre Charak pela Geracao (1995)
>>> Greta 379 de Mônica de Castro pela Vida & Consciência (2005)
>>> Livro - Fazendo Meu Filme 2 Em Quadrinhos - Azar no Jogo, Sorte no Amor? de Paula Pimenta pela Nemo (2015)
>>> Niketche de Paulina Chiziane pela Companhia de Bolso (2021)
>>> Livro - Listas, Guapas, Limpias de Anna Pacheco pela Caballo de Troya (2019)
>>> Michaelis minidicionário Alemão Alemão Português Português Alemão 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> Política y Estado de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2009)
>>> Livro - A Cinderela das Bonecas de Ruth Rocha; Mariana Massarani pela Salamandra (2011)
>>> Michaelis minidicionário Francês Francês Português Português Francês 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental - Implantação Objetiva e Econômica de Mari Elizabete Bernardini Seiffert pela Atlas (2011)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/2/2006
Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe
Adriana Baggio
+ de 16100 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Os cruzeiros marítimos sempre foram ícones de um estilo de vida luxuoso, reservado a poucos privilegiados. Uma viagem longa, durando vários dias, deixa de ser uma desvantagem quando se passa a bordo de um belo navio, repleto de mordomias. O praxe é que essas mordomias incluam uma comida de primeira, bebidas da melhor qualidade e opções de lazer de alto nível. A gente logo lembra dos ambientes luxuosos e da toilette caprichada das passageiras de Titanic. Com todos esses atrativos, viajar em um transatlântico é um verdadeiro espetáculo. Mas fazer um cruzeiro nos dias de hoje, talvez, não passe de espetacularização.

A popularização dos cruzeiros na costa brasileira permitiu que a classe média tivesse acesso a uma opção de turismo antes muito exclusiva. O dólar em baixa e a economia establizada também facilitam que cada vez mais pessoas possam desfrutar de alguns dias de mordomia em alto mar. Os preços, no total, podem ser equivalentes aos de uma viagem aérea com hotel. Qual a vantagem, então?

Para mim, é a possibilidade de viajar pelo mar, de estar em um navio - meio de transporte que, assim como o trem, tem uma aura de romantismo. Para outras pessoas, talvez seja a oportunidade de experimentar, por alguns dias, uma vida de luxo e muito conforto. É aí que entra a espetacularização: o luxo e o conforto estão muito mais na aparência do que na essência dos serviços e das opções disponíveis em um navio de cruzeiro.

As opiniões meio mal-humoradas sobre este tipo de viagem são baseadas em experiência própria. Há muito tempo desejava fazer uma viagem de navio. Realizei este sonho no começo de fevereiro, em um cruzeiro a bordo do Island Star, com saída e chegada em Santos, passando por Buenos Aires, Punta del Este e Florianópolis. Sonho? Bem, uma viagem de sonho, que custa valores em dólar na casa do milhar, não combina com filas e café fraco.

O Island Star é um belo e imponente navio. Antes se chamava Horizon, mas foi reformado, recebeu o novo nome e juntou-se ao Island Escape na frota da Island Cruises. O grande diferencial dos cruzeiros desta companhia é a "informalidade": você não precisa se preocupar caso não possua muitos vestidos de gala, porque eles não serão necessários nas atividades do navio. O atributo "informalidade" acabou sendo uma boa justificativa para cruzeiros com valores um pouco menores do que os de outras companhias e para um serviço às vezes deficiente. Como esta foi minha primeira experiência, não sei se em outros navios acontece o mesmo ou se é uma característica apenas da Island Cruises.

Quando você compra uma viagem como esta, espera não precisar gastar com certas coisas dentro do navio, porque "tudo" já está incluído no valor pago antes: a acomodação, as refeições, as opções de lazer. O problema é que se você fica apenas com este pacote básico, passa longe do "luxo". O que tem mais qualidade e proporciona mais conforto é por fora. No entanto, para não decepcionar as pessoas que preferem não pagar a mais, o pacote "básico" é revestido de um luxo fake, como uma bijuteria folheada: quando o ouro descasca, aparece apenas metal ordinário.

E o ouro acaba descascando em vários momentos. Por exemplo: as descidas nos portos previstos obedecem a uma hierarquia relacionada a valores. Quem comprou lugar nas excursões em terra, desce antes. Quem vai por conta, desce depois. Em Punta del Este, isso significa esperar mais de três horas pela sua vez de sair do navio. A não ser que você, nas suas férias tão aguardadas, disponha-se a levantar cedo para ficar na fila para pegar senha para poder embarcar nos primeiros barcos que deixam o navio rumo ao píer do Yatch Club do balneário. Peraí, isso é um cruzeiro ou uma visita ao INSS?

O mesmo acontece com a comida. Este navio tem quatro restaurantes e uma lanchonete. Dois dos restaurantes estão incluídos, o Island e o Beachcomber, sendo que o último funciona 24 horas. Se você aguentar o tempero, pode comer o dia inteiro. A lanchonete serve fritas, cachorro-quente e um hambúrguer gorduroso à vontade. Os outros dois exigem "reservas". Dentro do glossário de eufemismos vigente na linguagem no navio, isso significa que você tem que pagar a mais para comer neles. Nesses, o serviço é a la carte. Nos "liberados", é bufê.

Não que a comida seja ruim. No começo, você consegue aproveitar. Mas depois de alguns dias, o estilo "culinária internacional de fachada" começa a enjoar. No anseio de dar uma cara sofisticada a uma refeição preparada com ingredientes mais simples, os pratos acabam ficando muito gordurosos, ou muito empapados, ou com um sabor padrão de açafrão.

Eu não esperava muito da comida, porque algumas comunidades que falam do Island Star no Orkut estavam repletas de reclamações sobre esse aspecto. Mas acredito que, se eles se preocupassem em fazer o melhor com a "verba" disponível, ao invés de oferecer uma comida sofisticada fajuta para combinar com a pretensa imagem de luxo do cruzeiro, as refeições seriam muito mais saborosas.

Por exemplo: entre as opções de sobremesa, sempre tinha alguma coisa parecida com mousse. Os nomes e os sabores mudavam de um dia para o outro, mas o gosto permanecia o mesmo. Cheguei a conclusão de que eles utilizavam alguma espécie de base já pronta, extremamente gordurosa, e só trocavam a essência. Dessa forma, conseguiam com que mousse de chocolate, soufflé de laranja e cheesecake de framboesa parecessem tudo a mesma coisa. Que tal, ao invés de oferecer essas sobremesas "chiques", preparar um simples, mas porém autêntico, honesto e saboroso sagu com creme?

Para encerrar o quesito "alimentação", é preciso reclamar com veemência da qualidade do café do navio. Foi o pior que já provei na minha vida! Imagine um café solúvel (que já não é lá essas coisas) e fraco. No restaurante Island, além de fraco, é velho e requentado. Quem gosta de café sabe que a bebida requentada tem até cheiro ruim. Ah! Esqueci de dizer que tinha um quiosque da Casa do Pão de Queijo no navio, que servia café expresso. Adivinha? Pago à parte, claro, ao custo em dólar equivalente a uns 5 reais.

Pode parecer que eu odiei o cruzeiro, mas não é verdade. A frustração maior é que eles prometem algo que não é entregue. O verdadeiro conforto e a verdadeira mordomia têm um custo a mais. O resto continua sendo muito bom, mas aquém das expectativas criadas em torno de uma viagem como esta. A única coisa que realmente valeu o que custou é a cabine. Por falta de vagas em opções mais em conta (que eram o meu objetivo), acabei ficando em um deck alto, com direito a varanda e tudo. O banheiro é ótimo, o chuveiro é maravilhoso, a cama é uma delícia. Mas o melhor mesmo é poder admirar, da sua própria cabine, o sol se pondo na água muito azul do alto-mar. Só por isso, já vale a viagem! Ano que vem, pretendo fazer mais uma. Porém, acho que vou experimentar outra companhia.

Wave

Em novembro de 2004, o Projeto Pixinguinha trouxe para Curitiba um show fantástico com grandes nomes da música brasileira, como Alaíde Costa, Escurinho, Guilherme Vergueiro e Filó Machado. Nunca tinha ouvido falar neste último. Antes dele entrar no palco, fiquei imaginando como poderia ser. Em primeiro lugar, achei que fosse uma mulher, talvez por associar o nome ao tecido ou àquela personagem de programa humorístico. Uma mulher baixinha e magrinha, vestida de chita e apresentando um repertório "regional". Quando Filó Machado entrou no palco, foi uma surpresa. Um homem alto e negro, vestido de branco e com uma voz e um sorriso estrondosos. Ri um pouco de mim mesma e passei a curtir o show.

Naquela noite, o músico fez maravilhas com a voz e o violão. Hoje posso relembrar da apresentação através do CD Tom Brasileiro (da Lua Music, gravado em 2005), em que o violonista e Cibele Codonho cantam Tom Jobim. A semelhança entre o show e o CD não é o repertório, mas a maneira como Filó utiliza o violão. Às vezes, o instrumento é responsável pela melodia, em outras, pela percussão.

Como em "Wave", por exemplo. A versão da dupla lembra os arranjos de música eletrônica que têm sido feitos para clássicos da MPB, ao estilo Fernanda Porto. A diferença é que as "batidas" vêm das cordas do violão, e não de instrumentos tradicionais de percussão. Particularmente, não é minha preferida, talvez pelo estranhamento causado. No entanto, é preciso reconhecer o virtuosismo de Filó e a maneira inovadora com que ele e Cibele conseguiram interpretar uma das músicas mais belas - e manjadas - do compositor.

As outras faixas do CD seguem o estilo padrão, mas nem por isso deixam de ser melhores. Os maiores sucessos de Tom, como "Desafinado", "Por causa de você", "Insensatez" e "Anos dourados", ganharam belas interpretações na simplicidade da voz e violão. Só me incomodam os vibratos de Cibele, mas isso é muito pessoal.

A associação de Filó Machado com elementos regionais, que tive antes de conhecê-lo, desapareceu quase por completo. Só voltou um pouquinho quando vi a capa de Tom Brasileiro. Ele e Cibele estão na varanda de uma casa antiga de madeira, dessas bem comuns no interior. É que as fotos do encarte foram feitas em Paranapiacaba, vila histórica próxima a São Paulo. Cenário inovador para um CD cujas canções exaltam o sol e o mar e são verdadeiros ícones da cultura carioca.


Adriana Baggio
Curitiba, 23/2/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
02. Adeus, Belas Artes de Elisa Andrade Buzzo
03. Livros que aproximam de Ivan Bilheiro
04. A suprema nostalgia de Marta Barcellos
05. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores de Marta Barcellos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/12/2006
22h43min
Bacana... Um dia quero curtir um passeio assim.
[Leia outros Comentários de Marcelo Graciano]
30/10/2010
18h24min
Você fez as definições mais reais sobre um cruzeiro no Brasil. Também me aventurei em fevereiro deste ano por Punta, Buenos Aires e Montevidéo, só que pela MSC, no Música. Realmente o navio é um luxo, mas os serviços ruins, principalmente a comida. Em Punta, não fiz o pacote de passeios do navio porque queria conhecer o restaurante La Huella. Demoramos tanto para descer que não deu tempo. Foi frustrante, mas procurei me divertir e até que valeu a pena. Beijos.
[Leia outros Comentários de Rose Sarri]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Livros da Fuvest Unicamp I (veja os Titulos na Relação) Vestib
Varios
Objetivo
(2009)



Cresça e Apareça
Luiz Alberto Alves dos Santos
Semente
(1996)



Coleção Frajola e Piu-piu - a Maldição do Nilo. Looney Tunes
Sid Jacobson
Babel
(2011)



Moderna Plus Literatura Tempos, Leitores e Leituras Unico Aluno
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Primeiro Mataram Meu Pai / 1ª Ed - Condira !!!
Loung Ung
Harper Collins
(2017)



The "early Times" Book of Unsolved Mysteries
Keith Brumpton(illustrator)
Puffin Books
(1993)



Abc de Castro Alves
Jorge Amado
Martins



Mangá Blade 26
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Asas Brancas
Carlos Queiroz Telles
Moderna
(1997)



A Linguagem do Bebê
Lynne Murray e Liz Andrews
Publifolha
(2004)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês