Mudernidade muderninha | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/7/2002
Mudernidade muderninha
Evandro Ferreira

+ de 1700 Acessos




Há muito que estou com vontade de ir assistir a uma apresentação de video-arte ou arte eletrônica, só para escrever um artigo sobre como são pobres e imbecis 99% das obras de arte dessas categorias. O texto então ficaria mais convincente se eu usasse um exemplo concreto de uma obra recém-vista.

Mas vou confessar. Não tenho paciência. Quarta-feira passada quase fui ao Itaú Cultural assistir a um video-artista húngaro. Na última hora desisti e fui ver o episódio II de Star Wars. Mentalizei os dois programas na minha cabeça e pimba: não ia ser dessa vez! Então resolvi apresentar a minha aversão ao que se chama de "arte muderna" (diferente de arte "moderna", é importante lembrar) como uma simples, digamos, opinião irônica. Já que quatro anos de um curso de comunicação social na universidade me puseram a nocaute. Eu simplesmente não consigo escrever mais nada sobre formas "muderninhas" de arte. Sinceramente, acho que elas são matéria para uma charge (como a de Umberto Ego e Gilberto Gideleuze, na Bravo!) e não para análises profundas.

Entetanto continuo lutando com meu "eu", e talvez algum dia eu consiga criticar mais consistentemente coisas como manifestos hipermidiáticos, guerrilha virtual, apropriação de espaços urbanos e todas essas coisas. Afinal, it's a dirty work, but someone's gotta do it. Por hora, cito um trecho da sinopse de um vídeo, que tirei de um folder da já citada instituição, que financia a exibição de muitas das obrinhas intelectualizadas que encantam os estudantes e professores universitários aqui da terra do sabiá: "O protagonista invade armazéns abandonados, escalando os telhados para transmitir sua alucinatória performance-manifesto, fazendo do próprio corpo um dispositivo de telecomunicação e uma arma. É um corpo conectado no ritual da união sexual do homem, da máquina e da eletricidade. O húngaro Istvan Kantor, também conhecido pelo codinome Monty Cantsin, traz no polêmico "Broadcast" corpos mecânicos e artifícios digitais para contestar a estrutura da comunicação e o lugar do indivíduo na sociedade tecnológica."

Não vou comentar o trecho, mas apenas enfatizar que deve ser mesmo muito "chic" ter um codinome. Tamanha "ousadia" artística deve fazer Fernando Pessoa tremer de inveja em sua sepultura.

Passo a outro trecho, de uma instalação organizada por outra instituição: "A performance-instalação desenha inscrições do corpo e da matéria em metamorfose, suporta-se nas questões subjetivas das poéticas da alteridade e da instauração de campo de imanência. Propõe uma reflexão dos elementos simbólicos do sadomasoquismo. As indagações surgem no campo da sexualidade, do erotismo e da presença ancestral e real, a pele é dada como interface nas trocas de energia do corpo com os elementos externos."

Esse eu posso comentar: "hum... legal, véi!! Esse troço de campo de imanência é a maior viagem!".


De campos e campos


Diante do que acima foi dito, gostaria de escrever aqui algumas linhas contra os "campos de imanência" e a favor dos "campos de força"!

O que seria de nossas infâncias sem os campos de força? Como iríamos escapar daquele coleguinha chato que nos dava um tiro de espoleta com seu revólver prateado? O único truque que existe para escapar da morte inevitável é afirmar com todas as forças: "eu liguei o campo de força antes de você dar o tiro"! Então nosso coleguinha, ainda que revoltado, vir-se-ia na obrigação de aceitar. O que se poderia fazer? Afinal de contas era possível que fosse verdade, já que os campos de força são invisíveis.

Mas o que diríamos se o nosso coleguinha viesse com a afirmação de que o campo de imanência da bala de seu revólver é mais forte que nosso campo de força? E se ele dissesse que esse negócio de campo de força é uma imposição da indústria cultural norte-americana e que Adorno e Horkheimer já sabiam disso na década de quarenta?

Bem, posso dizer que eu ficaria sem argumentos e seria obrigado a "morrer". Mas ficaria com aquela sensação inevitável de que ele jogou sujo. E, além disso, mais cedo ou mais tarde eu descobriria que não morri e que, portanto, seu campo de imanência valia tão pouco quanto meu campo de força e, no fim das contas, o meu ao menos era mais divertido.


Brincando de teorias


As explicacões que leio nesses folders e releases de "arte muderna" sempre me pareceram como as brincadeirinhas de criança. "Campos de imanência", "a pele como interface", "trocas de energia", "qualidades sensoriais", "potencialidade existencial", a lista é interminável. E todas essas expressões poderiam fazer parte de uma brincadeira infantil em que um guri "combate" o outro com todas as forças da sua imaginação, sem se preocupar com a realidade, mas apenas se sua "potencialidade existencial" não vai ser destruída pelas "qualidades sensoriais" do outro, após uma "troca de energia".

Isso me entristece muito. Posso estar errado, mas estou vendo todos os guris nas cadeiras de nossas faculdades de comunicação e nos "espaços" culturais espalhados pelo país. Tudo bem, os meninos têm o direito de brincar e se divertir (não é para isso que serve a arte muderna?). O problema é que os meninos querem vencer aquilo que eles acham que é uma batalha, uma guerra. Então os meninos começam a publicar livros que dizem que a vida é um caos, que a pele é uma interface como a tela do computador e que o exército zapatista é uma maravilha, por ser um exemplo de combate às formas "neoliberais" de mediação da informação na América Latina. Tudo isso tem um fim? Não sei se tem fim, mas sei que tem uma finalidade, e que ela é política.

Quanto ao fim, o que vejo é um oba-oba de pseudo-intelectuais auto enxertados com microchips, fazendo sexo muderninho com seus PCs de trigésima geração e hiper-mega-contentes de não estarem sendo manipulados pelas malignas forças neoliberais do distante século XXI, pois fazem parte do líquen (ops!) proletariado desalienado, formado de indivíduos conscientes de sua condição de seres-pele-interfásicos pós-libertados, discípulos do Grande Betto, cuja teoria, reinterpretada, passou a aceitar a inclusão digital e as novas comunidades blog-pensantes.

Em tempo, esse fim que "vi" não foi inventado por mim, mas apenas desenvolvido a partir de uma bricolagem - essa sim de minha autoria - de todas as teorias que passeiam pela minha cabeça de ex-universitário parcialmente imunizado. Também não sei onde o senhor Fidel Castro pode ser encaixado nesse futuro promissor, mas tenho certeza de que encontrarão um lugarzinho para ele e para o "Che".



Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 16/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
02. Imagina se fosse o contrário de Julio Daio Borges
03. A odisseia do homem tecnomediado de Guilherme Mendes Pereira
04. Bosnian Rainbows - Bosnian Rainbows (2013) de Guilherme Carvalhal
05. Só uma descrição de Eugenia Zerbini


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOTÂNICA - MORFOLOGIA EXTERNA DAS PLANTAS - ORGANOGRAFIA
MÁRIO GUIMARÃES FERRI
MELHORAMENTOS
(1959)
R$ 14,00



LITERATURA COMENTADA VINÍCIUS DE MORAES
VINÍCIUS DE MORAES
ABRIL EDUCAÇÃO
(1980)
R$ 4,00



SORTES DE VILLAMOR
NILMA LACERDA
SCIPIONE
(2013)
R$ 13,80



INFORME POLÍTICO DO COMITÉ CENTRAL DO PCUS...
MIJAIL GORBACHOV
N/D
(1986)
R$ 10,00



O CORAÇÃO DO LEÃO
JEAN PLAIDY
RECORD
(1995)
R$ 6,20



GUIA DE CONVERSAÇÃO EM ESPANHOL COMPLETO E FÁCIL DE CONSULTAR
TEXTO EDITORA
TEXTO
(1999)
R$ 17,77



PREÇO DE VENDA NA PEQUENA EMPRESA
SÉRGIO FERNANDES PRIETO
STS
(1992)
R$ 7,90



CONTROLANDO A OSTEOPOROSE
DR. KENNETE COOPER
NORDICA
(1991)
R$ 15,00



CADERNOS DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS 27
DIVERSOS
UNICAMP
(1994)
R$ 14,00



PENSE MAGRO -TREINE SEU CÉREBRO A PENSAR COMO UMA PESSOA MAGRA
JUDITH S. BECK
ARTMED
(2009)
R$ 49,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês