Mudernidade muderninha | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
62861 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Saudosismo
>>> Lei de Deus?
>>> Remorsos, devaneios, cor do tempo
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Eleições na quinta série
>>> O que aconteceu com a Folha de S. Paulo?
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> Eleições 2014: intrigas, infâmias, alucinações
>>> Toda poesia de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Confidências de um Inconfidente de Marilusa Moreira Vasconcello pela Edicel (1983)
>>> Anotações de um taxista ocasional de Edison Pietrobelli pela Global (1999)
>>> O Mundo Negro. Relações Raciais E A Constituiçao de Amilcar Araujo Pereira pela Pallas (2022)
>>> O que faz Sammy Correr? de Budd Schulberg pela Record
>>> Ensino Renovado de Biografias - 3º Vol. L - P de Vários Autores pela Formar
>>> Ensino De História E Cultura Afro-Brasileira de Amilcar Araujo Pereira pela Pallas (2022)
>>> Caminhos de Odu de Agenor Miranda Rocha pela Pallas (2022)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Circulo do Livro (1985)
>>> Igbadu: a Cabaça da Existência: Mitos Nagôs de Adilson de Oxalá pela Pallas (2000)
>>> Igbadu: a Cabaça da Existência: Mitos Nagôs de Adilson de Oxalá pela Pallas (2000)
>>> O livro de Judas de Assis Brasil pela Clube do Livro (1970)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Circulo do Livro
>>> A Coluna Prestes - Análises e depoimentos de Nelson Werneck Sodré pela Circulo do Livro (1983)
>>> Breve Sexta - Feira de Isaac Bashevis Singer pela Clube do Livro
>>> Para Viver a Grande Mensagem de Richard Simonetti pela Feb (1987)
>>> HQ V de Vingança de Alan Moore e David Lloyd pela Panini Comics (2007)
>>> HQ Pecador Originais 001 - Os Segredos do Universo Marvel! de Marvel comics pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Authority Vol. 1 de Warren Ellis; Hitch; Neary pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Superman Condenado V.1 Apocalypse: O Retorno de DC Comics pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 7 Dollar Bill & Moloch de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 6 Ozymandias de Len Wein - Jae Lee pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 4 DR. Manhattan de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 1 Coruja de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ - Crise Infinita Batalha pelo Multiverso vol.1 de Dan Abnett pela Panini Comics (2015)
>>> HQ - Crise Infinita Batalha pelo Multiverso vol.2 de Dan Abnett pela Panini Comics (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 16/7/2002
Mudernidade muderninha
Evandro Ferreira

+ de 1900 Acessos




Há muito que estou com vontade de ir assistir a uma apresentação de video-arte ou arte eletrônica, só para escrever um artigo sobre como são pobres e imbecis 99% das obras de arte dessas categorias. O texto então ficaria mais convincente se eu usasse um exemplo concreto de uma obra recém-vista.

Mas vou confessar. Não tenho paciência. Quarta-feira passada quase fui ao Itaú Cultural assistir a um video-artista húngaro. Na última hora desisti e fui ver o episódio II de Star Wars. Mentalizei os dois programas na minha cabeça e pimba: não ia ser dessa vez! Então resolvi apresentar a minha aversão ao que se chama de "arte muderna" (diferente de arte "moderna", é importante lembrar) como uma simples, digamos, opinião irônica. Já que quatro anos de um curso de comunicação social na universidade me puseram a nocaute. Eu simplesmente não consigo escrever mais nada sobre formas "muderninhas" de arte. Sinceramente, acho que elas são matéria para uma charge (como a de Umberto Ego e Gilberto Gideleuze, na Bravo!) e não para análises profundas.

Entetanto continuo lutando com meu "eu", e talvez algum dia eu consiga criticar mais consistentemente coisas como manifestos hipermidiáticos, guerrilha virtual, apropriação de espaços urbanos e todas essas coisas. Afinal, it's a dirty work, but someone's gotta do it. Por hora, cito um trecho da sinopse de um vídeo, que tirei de um folder da já citada instituição, que financia a exibição de muitas das obrinhas intelectualizadas que encantam os estudantes e professores universitários aqui da terra do sabiá: "O protagonista invade armazéns abandonados, escalando os telhados para transmitir sua alucinatória performance-manifesto, fazendo do próprio corpo um dispositivo de telecomunicação e uma arma. É um corpo conectado no ritual da união sexual do homem, da máquina e da eletricidade. O húngaro Istvan Kantor, também conhecido pelo codinome Monty Cantsin, traz no polêmico "Broadcast" corpos mecânicos e artifícios digitais para contestar a estrutura da comunicação e o lugar do indivíduo na sociedade tecnológica."

Não vou comentar o trecho, mas apenas enfatizar que deve ser mesmo muito "chic" ter um codinome. Tamanha "ousadia" artística deve fazer Fernando Pessoa tremer de inveja em sua sepultura.

Passo a outro trecho, de uma instalação organizada por outra instituição: "A performance-instalação desenha inscrições do corpo e da matéria em metamorfose, suporta-se nas questões subjetivas das poéticas da alteridade e da instauração de campo de imanência. Propõe uma reflexão dos elementos simbólicos do sadomasoquismo. As indagações surgem no campo da sexualidade, do erotismo e da presença ancestral e real, a pele é dada como interface nas trocas de energia do corpo com os elementos externos."

Esse eu posso comentar: "hum... legal, véi!! Esse troço de campo de imanência é a maior viagem!".


De campos e campos


Diante do que acima foi dito, gostaria de escrever aqui algumas linhas contra os "campos de imanência" e a favor dos "campos de força"!

O que seria de nossas infâncias sem os campos de força? Como iríamos escapar daquele coleguinha chato que nos dava um tiro de espoleta com seu revólver prateado? O único truque que existe para escapar da morte inevitável é afirmar com todas as forças: "eu liguei o campo de força antes de você dar o tiro"! Então nosso coleguinha, ainda que revoltado, vir-se-ia na obrigação de aceitar. O que se poderia fazer? Afinal de contas era possível que fosse verdade, já que os campos de força são invisíveis.

Mas o que diríamos se o nosso coleguinha viesse com a afirmação de que o campo de imanência da bala de seu revólver é mais forte que nosso campo de força? E se ele dissesse que esse negócio de campo de força é uma imposição da indústria cultural norte-americana e que Adorno e Horkheimer já sabiam disso na década de quarenta?

Bem, posso dizer que eu ficaria sem argumentos e seria obrigado a "morrer". Mas ficaria com aquela sensação inevitável de que ele jogou sujo. E, além disso, mais cedo ou mais tarde eu descobriria que não morri e que, portanto, seu campo de imanência valia tão pouco quanto meu campo de força e, no fim das contas, o meu ao menos era mais divertido.


Brincando de teorias


As explicacões que leio nesses folders e releases de "arte muderna" sempre me pareceram como as brincadeirinhas de criança. "Campos de imanência", "a pele como interface", "trocas de energia", "qualidades sensoriais", "potencialidade existencial", a lista é interminável. E todas essas expressões poderiam fazer parte de uma brincadeira infantil em que um guri "combate" o outro com todas as forças da sua imaginação, sem se preocupar com a realidade, mas apenas se sua "potencialidade existencial" não vai ser destruída pelas "qualidades sensoriais" do outro, após uma "troca de energia".

Isso me entristece muito. Posso estar errado, mas estou vendo todos os guris nas cadeiras de nossas faculdades de comunicação e nos "espaços" culturais espalhados pelo país. Tudo bem, os meninos têm o direito de brincar e se divertir (não é para isso que serve a arte muderna?). O problema é que os meninos querem vencer aquilo que eles acham que é uma batalha, uma guerra. Então os meninos começam a publicar livros que dizem que a vida é um caos, que a pele é uma interface como a tela do computador e que o exército zapatista é uma maravilha, por ser um exemplo de combate às formas "neoliberais" de mediação da informação na América Latina. Tudo isso tem um fim? Não sei se tem fim, mas sei que tem uma finalidade, e que ela é política.

Quanto ao fim, o que vejo é um oba-oba de pseudo-intelectuais auto enxertados com microchips, fazendo sexo muderninho com seus PCs de trigésima geração e hiper-mega-contentes de não estarem sendo manipulados pelas malignas forças neoliberais do distante século XXI, pois fazem parte do líquen (ops!) proletariado desalienado, formado de indivíduos conscientes de sua condição de seres-pele-interfásicos pós-libertados, discípulos do Grande Betto, cuja teoria, reinterpretada, passou a aceitar a inclusão digital e as novas comunidades blog-pensantes.

Em tempo, esse fim que "vi" não foi inventado por mim, mas apenas desenvolvido a partir de uma bricolagem - essa sim de minha autoria - de todas as teorias que passeiam pela minha cabeça de ex-universitário parcialmente imunizado. Também não sei onde o senhor Fidel Castro pode ser encaixado nesse futuro promissor, mas tenho certeza de que encontrarão um lugarzinho para ele e para o "Che".



Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 16/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brutalidade Urbana de Carlos Benites


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sangue na Raia
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1984)



Águas da Fonte: Máximas Extraídas dos Valores Universais
Francisco do Espírito Santo Neto, Hammed
Boa Nova
(2005)



Belle é Preciso Coragem para Perder a Inocência
Lesley Pearse
Novo Conceito
(2012)



Dantes Peak - 2
Dewey Gram
Penguin Books



Teorema Katherine
John Green
Intrinseca
(2013)



Mirita e o Ladrão
Afonso Shmidt
Clube do Livro
(1960)



Who Shot Ya? Three Decades of Hiphop Photography
Ernie Paniccioli / Kevin Powell
Harper Usa
(2002)



Guia de Lentes e Acessórios
Biblioteca Fotografe
Europa



Creative Wedding Florals You Can Make
Terry L. Rye
Better Way Books
(2000)



A Inteligência Económica
Bruno Martinet
Instituto Piaget
(2000)





busca | avançada
62861 visitas/dia
1,9 milhão/mês