Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
>>> Ferreira Gullar em dose única
>>> MPB: raízes e antenas conectadas
>>> Bernstein: 5ª de Shostakovich
Mais Recentes
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
>>> Autobiografia De Malcolm X de Malcom X e Alex Haley pela Record (1992)
>>> Uma verdade inconveniente: O que devemos saber (e fazer) sobre o aquecimento global de Al Gore pela Manole (2021)
>>> Estatística Aplicada Às Ciências Sociais de Pedro Alberto Barbetta pela Ufsc (2006)
>>> Asas de Sandra Lya pela All Print (2000)
>>> Pedro A. Morettin; Wilton Oliveira Bussab de Estatística Básica pela Saraiva (2005)
>>> Estórias para contar de William Netto Candido pela Própria (2002)
>>> Matemática financeira e suas aplicações de Alexandre assaf Neto pela Atlas (2021)
>>> Ameaçada pelo Amor de Joanna Maitland pela Harlequin (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/10/2002
Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier
Ricardo de Mattos

+ de 17600 Acessos

No ano de 1.648 é assinado o Tratado de Westfalia, o qual além de encerrar a Guerra dos Trinta Anos, faz a Espanha reconhecer formalmente a independência holandesa. Até esta data a Holanda, juntamente com a Bélgica e outros Estados, era domínio espanhol: reinava a casa de Habsburgo. Independente, tratou de desenvolver-se e hoje todos sabemos de seu poderio comercial no século XVII, bem como de seus avanços marítimos que lhe permitiram, dentro de seu plano de expansão, pretender o Nordeste brasileiro - cabendo ao Pe. António Vieira defendê-lo diplomaticamente por Portugal - e a fundar colónias na América do Norte, entre as quais a de Nova Amsterdam - actual Nova York.

Rechaçando elos com os antigos dominadores, a Holanda mostrou-se aberta ao protestantismo, acolhendo porém uma versão mais próxima do puritano inglês que do luterano germânico. A consequência disto para as Artes é a fria recepção ao Barroco, uma das principais armas da Contra Reforma (pensamos aqui em Rubens - 1.577/1640 - , mas ele nasceu em Westfalia, sua família era de origem belga e católica e foi em Antuérpia onde ele estabeleceu-se). Das Artes em geral para a Pintura em particular, verificamos a diminuição do apelo à temática religiosa e o desenvolvimento da retractística, da paisagística e das cenas interiores ou familiares, estas últimas já típicas daquela região.

O gosto holandês pela Pintura foi imenso. Na verdade, o número de pintores no século XVII ultrapassa o milhar. Decorre disto que muitos dedicavam-se a esta arte como actividade paralela a uma principal de subsistência, e quem vivia do ofício precisou especializar-se. Aquele que se destacasse pintando marinhas deveria dedicar-se a este ramo, pois por ele seria procurado pelo público.

Na retractística é desenvolvido um novo estilo. Até então os nobres e altos dignatários da Igreja monopolizavam a atenção dos pintores, incumbidos de deixar transparecer o antigo sangue e poder de seus clientes. Os pintores holandeses, a começar por Franz Hals -1.580/1.666 -, encontraram seu público entre uma burguesia rica e ascendente que parecia rejeitar de bom grado o formalismo em vigor. Quando até mesmo a informalidade das poses era planejada, conforme demonstra Rubens em seus quadros familiares ou no Os Quatro Filósofos, a nova vertente usava seu talento no cotidiano, flagrando os melhores e mais espontâneos momentos de seus clientes.

A especialização acabou levando ao aperfeiçoamento. Geração após geração, os pintores elaboravam quadros cada vez mais refinados em seu ramo. A própria temática foi sendo levada para um segundo plano, pois os artistas passam a tirar muito de poucos objectos. Uso aqui o exemplo do historiador da Arte E. H. Gombrich: "Assim como palavras triviais podem fornecer o texto para uma bela canção, também objetos triviais podem fazer um quadro perfeito". Na paisagística inicia-se com Jan van Goyen e posteriormente com seu genro Jan Steen a tradição herdada do francês Lorrain de captação do pitoresco na paisagem e das cenas populares.

Este o cenário no qual nasceu o pintor Johannes Vermeer no ano de 1.632 em Delft, cidade da qual não deve ter saído até sua morte em 1.675. Sabe-se muito pouco sobre sua vida, sendo controverso até mesmo o número de suas telas. Os especialistas divergem entre 21 e 40. Pintou tão pouco pois provavelmente deveria possuir uma actividade principal e essas telas atendessem apenas clientes particulares.

Apesar de ter pintado alguma paisagem, o reino de Vermeer encontra-se nas cenas interiores, domésticas. Espaço, Luz e Cor foram combinados de forma a criar cenas de impressionante precisão. A exactidão de moedas e mapas já foi constatada por numismatas e cartógrafos. Provavelmente o pintor possuía intimidade prática com os instrumentos incluídos em alguns quadros. Não basta pintar a mão posicionada para a execução, necessário poder imaginar a emissão dos sons.

As pessoas e coisas ao redor parecem conservadas em âmbar. Criou verdadeiras "Naturezas Mortas com Seres Humanos". Todas parecem absorvidas em algum pensamento ou fazer uma pausa. Em sua maioria temos figuras femininas e o Silêncio pode ser considerado o elemento unificador da obra de Vermeer. Ele buscou captar o exacto momento em que elas param. Assim o quadro Dama Sentada À Espineta, no qual a moça interrompe a execução para ver quem chega - no caso nós, os espectadores - e assim também o quadro A Carta, no qual a mulher pára de tocar a viola de gamba para receber o envelope. Apesar da presença de instrumentos musicais é a quietude quem predomina, seja interna, seja externa, como no Vista de Delft pintado às 7h10 - horário de menor movimento, portanto - como pode-se perceber com algum esforço no relógio da Igreja. Toda a obra de Johannes Vermeer pode ser apreciada no excelente sítio www.abcgallery.com.

Apesar de esquecido durante um longo período, tão longo que levou àquela confusão referente ao número de suas obras, Vermeer é um dos grandes nomes da Arte universal. As atenções tornaram a ele no século XIX e quem quiser procurar poderá encontrar referências neste período de redescoberta no Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust (1.871/1.922). Nos últimos anos verifica-se o lançamento de um ou outro livro sobre sua vida escrito de forma romanceada, como O Quadro da Menina de Azul, de Susan Vreenland, e Moça com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier, escritora norte-americana residente na Inglaterra. Este último é um livro bonitinho, mas deve ser lido com atenção para o meio, para a época, e com alguma noção de História da Arte, sob pena de transformar-se n'um simples relato das desventuras de uma empregadinha, por mais "poética" que a autora tenha tentado ser.

É narrada a história de Griet, jovem protestante de dezasseis anos contratada para trabalhar na casa do pintor, com quem acaba envolvendo-se ainda que de forma "platónica" - tal como entendido isso hoje. Temos sua chegada à casa, suas desavenças com as crianças, primeiras impressões no estúdio de Vermeer, a origem e desenvolvimento de sua inclinação por ele, até chegar no ponto culminante: servir-lhe de modelo para um de seus quadros mais famosos, o Moça com Brinco de Pérola, também conhecido por Mulher de Turbante Azul. A falta de registro indicando quem a verdadeira retractada permitiu à autora elaborar este retracto provável. Tracy Chevalier é uma grande admiradora da obra de Vermeer, e este apego levou-a a bem reconstruir a época, os cenários e os costumes. Os detalhes mostram uma dedicação estendida no tempo, percebendo-se não ser um entusiasmo momentâneo. Os poucos dados exactos sobre a vida de Vermeer, porém, permitiram-lhe especular bastante.

E nesta especulação acolhe uma tese bem antipática: a do uso pelo pintor de uma câmara escura (com "a" mesmo) para a execução de suas obras. Foi coetâneo do artista o biólogo Van Leeuwnhoek, também personagem do livro, responsável pelo aperfeiçoamento das lentes de aumento. Suscita-se actualmente a possibilidade de ele ter emprestado a Vermeer um aparelho semelhante às antigas máquinas fotográficas, daquelas de tripé, para que este pudesse enxergar melhor aquilo que pintava. Há meses atrás o Estadão trouxe uma reportagem sobre isso, mas achei-a tão esdrúxula que nem guardei o caderno. As "provas" para esta tese são buscadas directamente nas telas, não se deu notícia da existência de uma dessas câmaras, de uma réplica, de desenhos, ou de cartas: nada. Pouco sabe-se da vida pessoal e profissional do pintor, mas dão como certo o uso do aparelho. Esta tese é questionável ao ponto da descrição do uso da câmara escura demonstrar sua pouco, ou mesmo nenhuma, utilidade na pintura dos quadros: montando o cenário e posicionando os modelos, o pintor espiaria por ela para só então iniciar o trabalho. Parece que alguém não se conforma por Vermeer ter pintado tão bem e desenvolve este tipo de argumento só para dizer: "com auxílio de aparelhos, até eu sei pintar".

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 24/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) de Ana Elisa Ribeiro
02. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
03. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
04. Nunca fomos tão vulgares de Julio Daio Borges
05. Viagem através da estepe de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




José Resende Entrevista a Lúcia Carneiro
José Resende
Lacerda
(1999)



Máscaras Reveladas
M. L. Pontes
Modo
(2014)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Histoire de La Civilisation Antique
Th Zielinski
Payot
(1931)



Os Fornecedores de Cana e o Estado Intervencionista
Delma Pessanha Neves
Uff
(1997)



Etat et Société En Allemagne Sous Iii Reich
Gilbert Krebs e Gérard Schneilin
Presses Sorbonne Nouvelle
(1997)



La Roja Lampara del Incesto
Robin Fox
Fondo de Cultura Economica
(1990)



Histórico dos Logradouros de Carazinho
Lio Guerra Bocorny
Fundescar
(1995)



Reforma Essencial, A
Roberto Nogueira Ferreira
Geração
(2002)



Juventude, Realidade de Hoje, Perspectivas para o Amanhã
Associação Cultural Arquidiocese de S S do Rj
Acassrj
(2000)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês