Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
20721 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Livros na ponta da língua
>>> Livros na ponta da língua
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> O engano do homem que matou Lennon
Mais Recentes
>>> Ninho de Anjo de Lia- Rosa Reuse pela Cbve (2007)
>>> Para uma Linda Mulher de Tito Alencar pela Maceió Alagoas (2002)
>>> Falsa Impressão - a Rainha do Supra- Sumo - Temporada de Caça - ... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> Cilada - Rosie - Duas Lindas Meninas de Azul - Órbita de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O último Jurado - Noites de Chuva e Estrelas - o Vôo da Liberdade .... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O Pensamento Vivo de Jorge Luis Borges 16 de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Família Trabalho Política de Ireneu Martim Organizador pela Universidade Champagnat (1992)
>>> Flashes de Manoel Ramos e Neide Ramos pela Editoração (2002)
>>> A Biblioteca de Ciências Sociais a Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Ed. Zahar (1971)
>>> Princípios de Sociologia Geral de Salim Sedeh pela Edicel
>>> Medidas Educacionais de Richard H. Lindeman pela Ed. Globo/ Mec (1976)
>>> Lima Barreto Crônicas Escolhidas de Folha de S. Paulo pela Ed. ática (1995)
>>> O Cão Amarelo de Georges Simenon pela Ed. Globo
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record
>>> O Herói da Torre de Hans Hellmut Kirst pela Publicações Europa- América
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1999)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1997)
>>> Fogo Morto 10 de José Lins do Rego pela Estadão/ Kilck
>>> Romance Edição 16 ao Abrigo de Seus Braços de Jackie Braun pela Harlequin Books (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Clássicos da Literatura Senhora de José de Alencar pela Ed. Sol90 (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Machado de Assis 31 de Marcelo Whately Paiva Organização pela Martins Claret (1992)
>>> Barão de Paranapiacaba Vida e Obra de Camilo Abrantes pela Santos (1978)
>>> Guia 2002 Comer e Beber de Veja São Paulo pela Abril (2002)
>>> Redenção a Continuação do Best Seller Trindade de Leon Uris pela Ed. Record (1996)
>>> Relações Perigosas de Laclos pela Ed. Globo (1987)
>>> Raul de Leôni Trechos Escolhidos de Luiz Santa Cruz pela Agir (1961)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Riográfica
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Ed. Record
>>> Petróleo o Preço da Dependência o Brasil na Crise Mundial de Alberto Tamer pela Ed. Nova Fronteira (1980)
>>> Platão por Mitos e Hipóteses de Lygia Araujo Watanabe pela Ed. Moderna (1995)
>>> O Arquivo de Chancellor de Robert Ludlum pela Ed. Record
>>> Maria Madalena e o Santo Graal de Margaret Starbird pela Sextante (2004)
>>> Tocaia Grande- a Face Obscura de Jorge Amado pela Record (1984)
>>> A Herança Scarlatti de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Visita do Casal Osterman de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Agenda Icarus de Robert Ludlum pela Ed, Guanabara (1989)
>>> O Júri de John Grisham pela Rocco (1998)
>>> O Senhor Embaixador de Erico Verissino pela Ed. Globo
>>> O Falcão Maltês de Dashiell Hammett pela Nova Cultural
>>> O Pecado de Liza de Somerst Maugham pela Riográfica
>>> Lembranças de um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural
>>> Tira- Dúvidas Ortografia de Douglas Tufano pela Ed. Mordena (2001)
>>> Os Estupradores de Harold Robbins pela Record (1996)
>>> A Intimação de John Grisham pela Ed. Rocco (2002)
>>> Comunicação as Funções da Propaganda de Alfredo Carmo e Outros pela Publinform
>>> Novas Lições de Amor de Eguinaldo Helio de Souza pela Família Com Deus
>>> Special Noite Quentes no Deserto Edição 02 o Príncipe do Desejo de Lucy Monroe pela Harlequin Books (2008)
>>> Paixão Edição 150 Coração Descoberto Grávida! de Trish Morey pela Harlequin Books (2009)
>>> Com a Cabeça Eo Coração de Marcos Antonio Gonçalves pela áurea (2005)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/10/2002
Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier
Ricardo de Mattos

+ de 16200 Acessos

No ano de 1.648 é assinado o Tratado de Westfalia, o qual além de encerrar a Guerra dos Trinta Anos, faz a Espanha reconhecer formalmente a independência holandesa. Até esta data a Holanda, juntamente com a Bélgica e outros Estados, era domínio espanhol: reinava a casa de Habsburgo. Independente, tratou de desenvolver-se e hoje todos sabemos de seu poderio comercial no século XVII, bem como de seus avanços marítimos que lhe permitiram, dentro de seu plano de expansão, pretender o Nordeste brasileiro - cabendo ao Pe. António Vieira defendê-lo diplomaticamente por Portugal - e a fundar colónias na América do Norte, entre as quais a de Nova Amsterdam - actual Nova York.

Rechaçando elos com os antigos dominadores, a Holanda mostrou-se aberta ao protestantismo, acolhendo porém uma versão mais próxima do puritano inglês que do luterano germânico. A consequência disto para as Artes é a fria recepção ao Barroco, uma das principais armas da Contra Reforma (pensamos aqui em Rubens - 1.577/1640 - , mas ele nasceu em Westfalia, sua família era de origem belga e católica e foi em Antuérpia onde ele estabeleceu-se). Das Artes em geral para a Pintura em particular, verificamos a diminuição do apelo à temática religiosa e o desenvolvimento da retractística, da paisagística e das cenas interiores ou familiares, estas últimas já típicas daquela região.

O gosto holandês pela Pintura foi imenso. Na verdade, o número de pintores no século XVII ultrapassa o milhar. Decorre disto que muitos dedicavam-se a esta arte como actividade paralela a uma principal de subsistência, e quem vivia do ofício precisou especializar-se. Aquele que se destacasse pintando marinhas deveria dedicar-se a este ramo, pois por ele seria procurado pelo público.

Na retractística é desenvolvido um novo estilo. Até então os nobres e altos dignatários da Igreja monopolizavam a atenção dos pintores, incumbidos de deixar transparecer o antigo sangue e poder de seus clientes. Os pintores holandeses, a começar por Franz Hals -1.580/1.666 -, encontraram seu público entre uma burguesia rica e ascendente que parecia rejeitar de bom grado o formalismo em vigor. Quando até mesmo a informalidade das poses era planejada, conforme demonstra Rubens em seus quadros familiares ou no Os Quatro Filósofos, a nova vertente usava seu talento no cotidiano, flagrando os melhores e mais espontâneos momentos de seus clientes.

A especialização acabou levando ao aperfeiçoamento. Geração após geração, os pintores elaboravam quadros cada vez mais refinados em seu ramo. A própria temática foi sendo levada para um segundo plano, pois os artistas passam a tirar muito de poucos objectos. Uso aqui o exemplo do historiador da Arte E. H. Gombrich: "Assim como palavras triviais podem fornecer o texto para uma bela canção, também objetos triviais podem fazer um quadro perfeito". Na paisagística inicia-se com Jan van Goyen e posteriormente com seu genro Jan Steen a tradição herdada do francês Lorrain de captação do pitoresco na paisagem e das cenas populares.

Este o cenário no qual nasceu o pintor Johannes Vermeer no ano de 1.632 em Delft, cidade da qual não deve ter saído até sua morte em 1.675. Sabe-se muito pouco sobre sua vida, sendo controverso até mesmo o número de suas telas. Os especialistas divergem entre 21 e 40. Pintou tão pouco pois provavelmente deveria possuir uma actividade principal e essas telas atendessem apenas clientes particulares.

Apesar de ter pintado alguma paisagem, o reino de Vermeer encontra-se nas cenas interiores, domésticas. Espaço, Luz e Cor foram combinados de forma a criar cenas de impressionante precisão. A exactidão de moedas e mapas já foi constatada por numismatas e cartógrafos. Provavelmente o pintor possuía intimidade prática com os instrumentos incluídos em alguns quadros. Não basta pintar a mão posicionada para a execução, necessário poder imaginar a emissão dos sons.

As pessoas e coisas ao redor parecem conservadas em âmbar. Criou verdadeiras "Naturezas Mortas com Seres Humanos". Todas parecem absorvidas em algum pensamento ou fazer uma pausa. Em sua maioria temos figuras femininas e o Silêncio pode ser considerado o elemento unificador da obra de Vermeer. Ele buscou captar o exacto momento em que elas param. Assim o quadro Dama Sentada À Espineta, no qual a moça interrompe a execução para ver quem chega - no caso nós, os espectadores - e assim também o quadro A Carta, no qual a mulher pára de tocar a viola de gamba para receber o envelope. Apesar da presença de instrumentos musicais é a quietude quem predomina, seja interna, seja externa, como no Vista de Delft pintado às 7h10 - horário de menor movimento, portanto - como pode-se perceber com algum esforço no relógio da Igreja. Toda a obra de Johannes Vermeer pode ser apreciada no excelente sítio www.abcgallery.com.

Apesar de esquecido durante um longo período, tão longo que levou àquela confusão referente ao número de suas obras, Vermeer é um dos grandes nomes da Arte universal. As atenções tornaram a ele no século XIX e quem quiser procurar poderá encontrar referências neste período de redescoberta no Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust (1.871/1.922). Nos últimos anos verifica-se o lançamento de um ou outro livro sobre sua vida escrito de forma romanceada, como O Quadro da Menina de Azul, de Susan Vreenland, e Moça com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier, escritora norte-americana residente na Inglaterra. Este último é um livro bonitinho, mas deve ser lido com atenção para o meio, para a época, e com alguma noção de História da Arte, sob pena de transformar-se n'um simples relato das desventuras de uma empregadinha, por mais "poética" que a autora tenha tentado ser.

É narrada a história de Griet, jovem protestante de dezasseis anos contratada para trabalhar na casa do pintor, com quem acaba envolvendo-se ainda que de forma "platónica" - tal como entendido isso hoje. Temos sua chegada à casa, suas desavenças com as crianças, primeiras impressões no estúdio de Vermeer, a origem e desenvolvimento de sua inclinação por ele, até chegar no ponto culminante: servir-lhe de modelo para um de seus quadros mais famosos, o Moça com Brinco de Pérola, também conhecido por Mulher de Turbante Azul. A falta de registro indicando quem a verdadeira retractada permitiu à autora elaborar este retracto provável. Tracy Chevalier é uma grande admiradora da obra de Vermeer, e este apego levou-a a bem reconstruir a época, os cenários e os costumes. Os detalhes mostram uma dedicação estendida no tempo, percebendo-se não ser um entusiasmo momentâneo. Os poucos dados exactos sobre a vida de Vermeer, porém, permitiram-lhe especular bastante.

E nesta especulação acolhe uma tese bem antipática: a do uso pelo pintor de uma câmara escura (com "a" mesmo) para a execução de suas obras. Foi coetâneo do artista o biólogo Van Leeuwnhoek, também personagem do livro, responsável pelo aperfeiçoamento das lentes de aumento. Suscita-se actualmente a possibilidade de ele ter emprestado a Vermeer um aparelho semelhante às antigas máquinas fotográficas, daquelas de tripé, para que este pudesse enxergar melhor aquilo que pintava. Há meses atrás o Estadão trouxe uma reportagem sobre isso, mas achei-a tão esdrúxula que nem guardei o caderno. As "provas" para esta tese são buscadas directamente nas telas, não se deu notícia da existência de uma dessas câmaras, de uma réplica, de desenhos, ou de cartas: nada. Pouco sabe-se da vida pessoal e profissional do pintor, mas dão como certo o uso do aparelho. Esta tese é questionável ao ponto da descrição do uso da câmara escura demonstrar sua pouco, ou mesmo nenhuma, utilidade na pintura dos quadros: montando o cenário e posicionando os modelos, o pintor espiaria por ela para só então iniciar o trabalho. Parece que alguém não se conforma por Vermeer ter pintado tão bem e desenvolve este tipo de argumento só para dizer: "com auxílio de aparelhos, até eu sei pintar".

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 24/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
02. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait
03. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira
04. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem de Eugenia Zerbini
05. As Aventuras de Pi de Duanne Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
20721 visitas/dia
890 mil/mês