O Oratório de Natal, de J. S. Bach | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
Mais Recentes
>>> Santo Antonio das Grimpas de Marietta Telles Machado pela Atual (1987)
>>> Allan Kardec: o Grande Codificador de Martin Claret pela Martin Claret (1995)
>>> Letras 2 Lingüistica Aplicada de Ufsm pela Ufsm (1991)
>>> Dicionário do Inexplicado - Edições Planeta Nº 131 de Eduardo Araia Ed. pela Três
>>> Luz, Câmera, Gestão - a Arte do Cinema na Arte de Gerir Pessoas de Myrna Silveira Brandão pela Qualitymark (2006)
>>> Habeas Data de José Eduardo Nobre Matta pela Lumens Juris (2005)
>>> Fale Tudo Em Inglês nos Negócios - Com Cd de José Roberto A. Igreja pela Disal (2011)
>>> Como Llegar a Ser un Maestro de La Negociacion de Pierre Louis Criqui, Eric Matarasso pela Granica (1991)
>>> Biologia 6 - Ecologia, Origem da Vida e Evolução de Cqc - Sistema de Ensino pela Do Autor
>>> Curriculum Vitae e Memorial - Normas para Apresentação de Documentos de Universidade Federal do Paraná pela Ufpr (2001)
>>> Net Force Hidden Agendas de Tom Clancys pela Berkley Books (1999)
>>> Apostila de Direito Administrativo para Técnico do Mpu de Diversos Autores pela Do Autor
>>> Cândido Portinari a Vida dos Grandes Brasileiros de Marcos Moreira Afonso Arinos de Mello Franco pela Três (2003)
>>> A Fúria dos Reis - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2019)
>>> Memórias de Vida de D Tinoca Emerentina Amorim da Silva pela Lunardelli (2001)
>>> Mercador de Versos de Lêda Mirowinski pela Da Autora (1995)
>>> Enquanto Estamos Crescendo de Valéria Piassa Polizzi pela Ática (2006)
>>> Quando Tudo Falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1987)
>>> Topografia Usual de E Liger pela Gg Barcelona
>>> Stupid White Men uma Nação de Idiotas de Michael Moore pela Francis (2003)
>>> Minha Vida Daria um Filme de Simona Toma pela Fundamento (2014)
>>> Entre Parênteses de Tonho França pela Komedi (2002)
>>> Amor Conjugal de Seicho Taniguchi pela Seicho-no-ie (1991)
>>> Presença Nº 1 de Vários pela Caetés (1983)
>>> Como Vencer na Vida Sendo Professor de Hamilton Werneck pela Vozes (1998)
COLUNAS >>> Especial Festas 2002

Quinta-feira, 26/12/2002
O Oratório de Natal, de J. S. Bach
Ricardo de Mattos

+ de 15100 Acessos

Johann Sebastian Bach - 1.685/1.750 - encerrou a composição do seu Oratório de Natal no mês de outubro de 1.734, ocorrendo sua primeira execução nas comemorações natalinas do mesmo ano. A evidente finalidade d'esta obra era celebrar o nascimento de Jesus Cristo, e esta homenagem ao facto máximo do cristianismo verifica-se no decorrer e alternância de 31 recitativos, catorze corais, dez árias, oito coros, dois ariosos, um quarteto, um terceto, um dueto e uma sinfonia.

Bach foi um homem de entranhada e madura religiosidade. Uma crença fervorosa e sincera transparece em suas obras sacras, e diante d'isso podemos calcular seu senso de responsabilidade ao compor um oratório pelo advento d'Aquele que tanto amou. O compositor era luterano, mas esta peça é tão bonita e possui nobreza tal que já comovia, e ainda comove, pessoas de credo diverso. Ao romper esta barreira, já mostra uma primeira face de sua excelência.

O texto-base do Oratório de Natal é formado por trechos dos Evangelhos segundo São Lucas e São Mateus, complementado com versos de Christian Friedrich Henrici, dito "Picander". Este poeta é autor do texto de várias cantatas e da Paixão Segundo São Mateus. Muitas foram, contudo, as intervenções de Bach. Não há como acompanhar o Oratório sem ler o texto, e quem, como eu, não fala alemão, deve procurar uma versão acompanhada da tradução. Não é difícil ouvir a música em alemão, ler o trecho e sua tradução ao mesmo tempo.

Oratório e cantata, nos séculos XVII e XVIII, são géneros musicais a apresentar certa confusão, e a peça de Natal ora comentada pode trazer ainda mais dúvidas. O oratório irmana-se à ópera por descender dos mistérios medievais, dela diferindo apenas pela temática, pois inicialmente era acompanhado até de acção, cenário e costume. A cantata nada mais é além de uma peça profana para ser cantada e tem sua origem nos madrigais, ainda da Idade Média. Tínhamos então peças para serem cantadas - cantatas - e peças para serem tocadas - toccatas. Até aqui tudo simples e claro. Introduzindo na cantata o coro, levando-a para a igreja e no oratório substituindo-se a encenação pela narração - ficando esta a cargo do narrador ou historicus - confundiram-se os géneros. Talvez a única diferenciação restante seja a extensão, sendo maior a do oratório. Além disso, uma cantata pode ser religiosa ou profana - a Cantata do Café, do próprio Bach - mas um oratório será sempre religioso ou, no mínimo, de orientação religiosa, como As Estações, de Haydn. Este Oratório de Natal mostra bem a referida mistura, porém é um caso proposital. Na igreja de São Tomás, em Leipzig, para a qual foi composto, as celebrações natalinas estendiam-se por seis dias: 25, 26 e 27 de dezembro, primeiro e seis de janeiro e o primeiro domingo do ano. Assim, ou para não fraccionar uma peça única, ou para não repetir a mesma durante esses seis dias, Bach dividiu-o em seis partes, ou seis cantatas, reunidas de forma mais ou menos uniforme. Recebeu algumas críticas não só pela indefinição do género - nada tão indefinido assim, convenha-se - como pelo aproveitamento da música e texto de outras cantatas. O novo aproveitamento não era hábito exclusivo de Bach, mas a ocupação de alguns compositores levava a tal proceder. Vivaldi utilizou na ária Dell'aura al sussurrar o conhecido tema do allegro da Primavera.

O carácter geral do Oratório é glorificar, exaltar o espírito pelo nascimento do Messias, sendo assim oposto ao das Paixões, nas quais predominam a consternação e o drama. Com este objectivo de alegrar as almas, a primeira peça é um retumbante coro, ao qual os trompetes e tímpanos conferem um carácter de intrata:

Regozija-vos, cantai de alegria! Louvai estes dias!
Abandonai vossos temores, cessai vossos prantos,
Entoai hinos de regozijo e alegria!
Uni vossas vozes para cantar a glória do Altíssimo,
Adoremos o nome do Todo Poderoso!

Após o coro, inicia-se a narrativa, com a viagem de José e Maria de Nazareth à Belém. O parto ocorre e a contralto, primeiro em recitativo, depois em ária, admoesta Sião a bem receber o Salvador dos judeus, já padecentes do jugo romano. Cristo nasceu sob Augusto e foi crucificado na era de Tibério. Dando-se o parto no presépio, um coro de sopranos acompanhado do baixo - não ainda no papel de Herodes - acentua a humildade do facto ("Pobre veio à terra/Quem saberá honrar como merece/ O Amor que nos oferece nosso Salvador?"). O mesmo baixo, na ária seguinte, lembra a pouca importância do meio escolhido para nascer por aquele que reina sobre o mundo. Além d'isso, percebemos em vários momentos um capricho de ternura bem próprio de Bach, que curiosamente lembra-nos os escritos de Santa Terezinha do Menino Jesus e São Pedro Julião Eymard. Repare-se no coral Ach mein herzliebes Jesulein - Ah, meu bem amado Jesusinho! Aqui Bach demonstra o amor mencionado, referindo-se ao Menino como se pudesse estar pessoalmente com ele.

A segunda parte inicia-se com uma sinfonia pastoral substituindo um previsível coro, e melhor escolha Bach não poderia ter feito. Pastoral é uma obra vocal ou instrumental que pela melodia e emprego de certos instrumentos (flauta, oboé) pretende reproduzir um ideal de vida simples e pacífica, tal como imaginou-se sempre, nas Artes, ser a dos pastores. Pesquisando este ideal, chegamos em Virgílio. Ulisses desejou, em certa altura da Odisseia, ter nascido um mero pastor. Portanto, a escolha da sinfonia pastoral para iniciar a segunda parte, ou segunda cantata, é perfeita para retractar o ambiente rústico do nascimento de Jesus. Pode-se afirmar que toda esta cantata é pastoral, pois o tema da sinfonia repete-se no último coral, só retornando no coro de abertura da quarta parte.

Segundo a mensagem da segunda parte, os simples serão os primeiros a encontrar Jesus Cristo, e nos Evangelhos encontramos o desenvolvimento doutrinário desta assertiva. Basta ler o Sermão da Montanha. A última ária de contralto é uma canção para embalar o Recém Nascido. Esta parte foi apresentada pela primeira vez há exactos 268 anos.

Se na segunda cantata os pastores são avisados por um anjo - soprano - do nascimento de Jesus, na terceira eles efectivamente visitam-no. O mesmo coro do início é o do final (da capo), responsável pela volta do clima de júbilo. Deve-se reparar no duo de soprano e baixo Herr dein Mitled, dein Erbarmen - Senhor, Tua piedade, Tua Misericórdia.

A quarta parte, segundo o plano de comemorações da igreja de São Tomás, foi executada em primeiro de janeiro de 1.735. Por isso a primeira menção que o Evangelista faz em seu recitativo é à circuncisão e baptismo de Jesus, factos celebrados no dia. Após um arioso emoldurado por dois recitativos, segue-se a curiosa ária Flösst, mein Heiland, flösst dein Namen - Poderia, meu Salvador, poderia seu Nome. Nela temos duas sopranos, a segunda servindo de eco para a primeira. Eco mesmo: a primeira termina um verso e a segunda repete a última palavra apenas, de preferencia com o inte'rprete fora de cena. E um oboé ecoa esta segunda soprano. Este efeito do eco pode ser percebido também no concerto Audi , coelum do orato'rio Vésperas da Virgem Maria de Cláudio Monteverdi (1.567/1.643) e mais recentemente, na ária de Violetta Follie! Delírio vano é questo! na famosa ópera La Traviata de Giuseppe Verdi (1.831/1.901) Bach dedicou toda esta parte à relação entre o homem e Jesus, bem como a Sua palavra.

Um mui alegre coro complementado por vozes infantis inaugura a quinta cantata, dedicada à chegada dos Magos e à reacção de Herodes ao receber a notícia. Muita atenção para a ária Erleucht' auch meine finstre Sinnen - Ilumina também meus escuros sentidos, na qual o baixo é acompanhado pelo órgão e pelo oboé.

Um coro épico abre a sexta e última cantata, apresentada na Epifania de 1.735. Por este motivo Bach destacou a visita dos Reis Magos ao Menino, embora também se discorra sobre a ordem de Herodes e à fuga de José e Maria. Esta a cantata mais dramática de todo o conjunto, transpirando tensão e aflição. O alívio pela salvação do Menino recompõe, no quarteto e coral finais, a sobreexcitação e alegria dominantes em todo o Oratório. Nada adianta eu tagarelar sobre esta excelente obra. Ela deve ser apreciada e sua contribuição para um Natal melhor será inafastável.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 26/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


Mais Especial Festas 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mensagens para a Vida Diária
Norman Vincent Peale
cultrix
(1955)



Rainhas da Antiguidade
Dirce Lorimier Fernandes
Letraselvagem
(2014)



Livro - While My Eyes Were Closed - Dare You Close Your Eyes For Even a Few
Linda Green
Quercus
(2016)



Intercambio. Coisas Que Todo Jovem Precisa Saber
Joao Marcelo de Melo Teles
Melhoramentos
(2001)



O Rato da Sacristia
Cláudio Martins; Lêdo Ivo
Global
(2000)



Amor é Prosa Sexo é Poesia - Crônicas Afetivas
Arnaldo Jabor
objetiva
(2004)



O Livro dos Espíritos
Allan Kardec
Ide
(2009)



Don Quijote de La Mancha - Clasicos a Medida
Miguel de Cervantes Saavedra
Anaya
(2008)



Representação e Complexidade
Org Cândido Mendes
garamond
(2003)



Um Caldeirão Chamado 1964 - Depoimento de um Revolucionário
Aristóteles Drummond
Resistência Cultural
(2012)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês