Viciados em Internet? | Carlos Cardoso

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
ENSAIOS

Segunda-feira, 23/6/2008
Viciados em Internet?
Carlos Cardoso

+ de 9000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

As pessoas não estão ficando mais doentes, os médicos é que estão aumentando seu vocabulário. Antigamente, você era uma criança arteira. Hoje, tem Asperger. Se você era distraído, hoje tem Transtorno de Déficit de Atenção. Ficou triste por perder a namorada? Ah, depressão. Prozac nele. Entrou em modo sabático para entregar um projeto, está entusiasmado e só pensa naquilo? Com certeza é bipolar e em fase maníaca.

Uma das melhores características da humanidade, nossa capacidade de vivenciar todo um espectro de emoções, agora virou mera fonte de sintomas. Há uma estrita área de "normalidade" de onde ninguém pode sair, sob pena de ser diagnosticado com uma psicopatologia qualquer.

Agora o prestigiado American Journal of Psychiatry publicou um artigo de um tal de Jerald Block (não chamo de "Dr.", "Dr." só uso para supervilões, como Dr. Doom ou Dr. Encolhedor) que propõe incluir Vício em Internet no Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, o manual de referência oficial dos psiquiatras americanos.

Ele cita trabalhos na Coréia do Sul que dizem estimar 168 mil crianças precisando de tratamento químico para combater seu vício em internet, e a China alega ter 10 milhões de adolescentes cujo uso de internet é considerado patológico.

Entre os efeitos causados por longa exposição à Web temos compulsão, síndrome de abstinência, perda de orientação temporal e repercussões sociais negativas.

Pára! Desde que me entendo por "iGente", com os antigos BBS, o que mais o mundo on-line serviu foi para aumentar a socialização. Até os mais esquisitos se beneficiam disso. Quem vai aos PalmChopps no Rio conhece o Gollum e sabe do que estou falando.

Existe gente que é comprador compulsivo, existe gente que é viciada em jogos, on-line ou não. Já virei a noite jogando Age of Empires, nos computadores da empresa de uns amigos; tínhamos sessões duas ou três vezes por semana, até a madrugada. Éramos psicóticos? Não; estávamos nos divertindo. Existe gente que só consegue se relacionar pelo computador? Sim, a graça é que com o tempo a maioria desses acaba comparecendo a eventos ao vivo, acaba conhecendo gente que já é familiar. Jamais fariam isso sem o computador.

O nerd desajustado social é muito mais sacrificado ao vivo do que on-line. A maioria se descobre na internet, e ganha suas "pernas" graças a ela.

Quando o sujeito faz tudo errado, quando ele só sabe ser um troll socialmente desajustado mesmo on-line, a culpa não é da internet. Quando o sujeito joga World of Warcraft até morrer, como um daqueles coreanos, a culpa é do jogo, da internet ou de um problema que se manifestaria jogando dominó até morrer, se a internet não existisse?

Será que essas crianças não estariam mais felizes sendo crianças, sem culpa ou diagnóstico, em vez de ter que tomar Ritalina por... agirem como crianças? Será que em vez de achar mil culpas (agora é a internet) não seria melhor aceitar que o problema está nos indivíduos? "Eu sou bonzinho, a internet que me fez assim". Não, meu amigo. Se você deixa de comer e ir ao banheiro para ficar jogando, você tem problemas, não a internet.

Não estou trivializando as psicopatologias. Pelo contrário. Elas existem, são sérias, e não devem virar lugar-comum. Por outro lado não podem ser usadas como desculpa para tudo. É quase a versão moderna da possessão demoníaca. Você não fez nada, foi a doença, causada pela internet. Não é assim que a banda toca. Não é a doença que vai determinar quem você é, não vai determinar sua essência. Você não é bom ou mau por ter depressão crônica, ou ser borderline. Como disse uma pessoa muito querida, que conhece cérebros por dentro e por fora, "Também existe bipolar mau-caráter". É verdade. De verdade ou de mentirinha, não dá para usar a doença como justificativa para tudo. Infelizmente, em vez de perceber isso, o que os médicos estão fazendo é criar novas doenças. É cômodo; paga as contas; mas como fica o direito inalienável da criança de ser uma peste, mas uma peste absolutamente saudável?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de Carlos Cardoso.


Carlos Cardoso
São Paulo, 23/6/2008

Mais Carlos Cardoso
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/6/2008
00h57min
Interessante, Carlos, na época dos hippies, a culpa das frustrações era do "Sistema" (um monstro sem cara)! Hoje, a culpa continua sendo do "Sistema", que cai, que erra dados, e, pior, que cria psicopatas, psicóticos e desajustados, como se eles só tivessem começado a existir com a Internet... O homem, na sua prepotência infantil, costuma transferir suas incompetências e patologias para sistemas complexos e máquinas assustadoras sem identidade, isso o redime do inexorável dever de enfrentar a própria incapacidade e ser derrotado. Culpar a Internet por distúrbios e medicá-los com drogas, como você descreve o seu artigo, é tão simplista quanto creditar à metralhadora os traumas pós-guerra. Os críticos dos avanços da Internet sentenciaram: "O homem nasce bom, a Internet os deturpa!" E assim, caminha a desumanidade...
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
29/6/2008
13h26min
Estava me sentindo culpado. Mas, finalmente, aparece um psiquiatra americano sensato e diz que o problema está nos computadores. Após ler seu sensível e refinado estudo, injetei na veia duas semanas ininterruptas, sem comer ou ir ao banheiro, de World of Warcraft, Age of Empire, Death and Destruction, Targeting The Twin Towers, Killing Your Brothers, Shooting The Pope, The Nazis Strakes Back, Hasta la Vista, Dady. E agora vem um estraga prazeres e diz que o problema é meu! Assim, não dá. Será que um cidadão saudável - que paga seus impostos, com carteira de trabalho, do Rotary Club, com título de eleitor, porte de arma - não pode mais se divertir?
[Leia outros Comentários de mauro judice]
2/7/2008
10h32min
Importante essa reflexão, porque no momento em que se preocupa em encontrar o "culpado", esquece-se de procurar a solução do problema e conseqüentemente a "raiz" dos males que assolam o homem desde a sua existência. Em política, alguém diz que a corrupção está relacionada ao fato de o povo não saber votar. Outros, de que a política em si já é fadada à corrupção. Com relação às drogas, a culpa é do tráfico, da família, da falta de políticas voltadas para o problema, a falta de força de vontade e assim por diante. E então, só meios para se encontrar os culpados, nunca os reais motivos que levam a determinadas situações! Aí, surgem as instituições que procuram suprir a lacuna deixada por aqueles que supostamente são os culpados, e descamba numa rede infindável, de problemas tais como: desperdício de dinheiro público, enriquecimento de poucos e o empobrecimento de muitos e muitos. Não seria assim, a hora de apontar culpados e buscarmos soluções?
[Leia outros Comentários de Antonio Alves]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês