Relativismos literários | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Sexta-feira, 9/6/2006
Relativismos literários
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Lendo o que um amigco escreveu sobre um poeta desses aí, me toquei de que vivemos dias pouco exuberantes em matéria de literatura. Não é novidade, é claro. Mas esta constatação óbvia me fez perceber que talvez nossa percepção do que é bom ou ruim seja afetada por esta produção medíocre. A pergunta que me faço é: será que o romance bom de hoje é mesmo bom ou ele só é bom porque seus semelhantes são ruins?

Esta pergunta põe em dúvida muitas de minhas leituras recentes. Não estou querendo, aqui, desdizer o que disse. Estou apenas duvidando de mim mesmo, o que é um exercício intelectualmente saudável. Pergunto-me se não baixei meu padrão de qualidade em nome de uma espécie de bem-estar coletivo, isto é, em nome de uma sensação de que não vivo tempos medíocres. É como se, inconsciente, eu achasse que um só livro (ou dois ou três) fosse capaz de absolver toda uma geração.

E aqui já vislumbro outro problema: é justo ter parâmetros absolutamente altos, canônicos? À primeira vista, me parece que sim. Mas, na prática, isso se mostra muito, mas muito difícil mesmo. Ter como parâmetro os livros canônicos põe praticamente toda a produção contemporânea em xeque. Para não citar Shakespeare e Cervantes, nem tampouco Machado de Assis, digo que nada do que se escreve hoje em dia se compara a Guimarães Rosa e Graciliano Ramos, na prosa, e João Cabral e Bandeira em poesia.

E agora? A solução me parece ser a de diminuir as expectativas e, conseqüentemente, analisar a produção contemporânea por parâmetros menores. Mas daí me deparo com dois problemas secundários, um de ordem moral e outro de ordem prática. Ora, será honesto recomendar um livro para um leitor dizendo que, bem, se tanto o escritor como o leitores não fossem azarados o suficiente para nascer nesta época, o livro seria uma porcaria e o leitor não teria de lê-lo? Ou, invertendo o raciocínio mas mantendo o produto: o livro é bom porque tanto o escritor quanto o leitor têm a "sorte" de terem nascido numa época mais rasteira, superficial.

Não me sinto muito bem com nenhuma das duas opções, mas me parece ser impossível fugir delas. Novamente aqui exponho a dúvida: será justo analisar qualquer (qualquer!) livro dos muitos que abarrotam as vitrines das livrarias tendo em vista o que já foi publicado e é reconhecidamente considerado obra-prima? Isto é: perto de um Marques Rebelo ou mesmo um Lima Barreto (para nos atermos às referências nacionais), que valor tem um Rubem Fonseca ou um Dalton Trevisan? E perto deles, que valor terá Daniel Galera ou André Sant'Anna, só para citar dois autores jovens bastante elogiados hoje em dia?

Estas perguntas se tornam ainda mais complexas quando me deparo com uma verdade assustadora, mas que não pode ser omitida: os romances ingleses e norte-americanos vivem uma fase absolutamente exuberante, se comparada com a produção nacional. Recentemente, tenho feito muito isso: no meio de um livro de um autor americano ou inglês, falo para mim mesmo: não há nada comparável a isso sendo escrito no Brasil. E não há mesmo!

O resultado desta investigação toda é um enorme e enfeitado ponto de interrogação. Então temos dois pesos e duas medidas, um para a literatura nacional e outro para a estrangeira? Um para a literatura contemporânea e outro para a literatura canônica? Estamos sendo indulgentes demais com nossos autores ou nosso gosto literário se tornou superficial?

Não sei. Não sei mesmo. Só sei que sinto um gosto ruim na boca ao constatar que muitos dos livros que li e para os quais reservei um cantinho especial na minha estante, se lidos à luz dos Grandes, não passam de historietas primárias. O que me assusta é perceber que, em muitos casos, nem é preciso recorrer aos Grandes para reduzir a produção contemporânea ao que ela é: nada. Às vezes basta que recorramos aos Médios.

Este texto já está cheio de perguntas, mas não resisto a mais uma: então será que tudo é relativo? Shakespeare só se discutem em termos do próprio Shakespeare, Chaucer, Cervantes e Montaigne e Luis Vilela só se discute em termos de Rubem Fonseca, Dalton Trevisan, Autran Dourado e Moacyr Scliar? O que aconteceria se misturássemos estes dois grupos e discutíssemos Rubem Fonseca à luz de Cervantes - ou mesmo de Balzac ou Voltaire?

Para ser sincero, eu tenho muito medo do relativismo, mas também tenho medo da verdade nua e crua, que é a de que a segunda metade do século XX, bem como este início de século XXI, não produziu praticamente nada que possa ser comparado com as obras de Faulkner ou Céline ou Joyce ou Borges ou Hemingway ou. Sinto-me tentado a, daqui para frente, ser mais cruel e - por que não?! - mais justo e menos indulgente, e jamais considerar um livro bom só porque ele o é se comparado ao companheiro de geração. Eis aqui novamente o meu temor: o de ser incapaz de reconhecer entre os meus qualquer coisa de aceitável.

Isso sem falar nas comparações com o que está sendo feito nos Estados Unidos e na Inglaterra. Já disse e repito: não há nenhum livro de um escritor brasileiro contemporâneo que tenha qualidades remotamente parecidas com as de um Reparação, de Ian McEwan. Como é que se sai, afinal, deste beco sem saída?

Tendo sempre para o lado da justiça, por mais cruel que ela seja. Indulgência, sinceramente, não faz parte da minha personalidade. Sinto que é preciso aumentar os parâmetros ou, daqui a pouco, estaremos dando certificado de qualidade a carne precocemente estragada. O que não me deixaria dormir tranqüilo. De jeito nenhum.

Nota do Editor
Texto publicado originalmente no site do autor em 19 de maio de 2006.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 9/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
02. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
03. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
04. Ação Social de Ricardo de Mattos
05. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2006
01. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
02. As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues - 14/12/2006
03. Não existem autores novos - 8/5/2006
04. Orkut: terra de ninguém - 9/2/2006
05. Relativismos literários - 9/6/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/6/2006
00h57min
É complicado comparar os contemporâneos com os nomes já consolidados, de sucesso. A crítica já errou no passado, comete erros no presente, e certamente cometerá no futuro. O escritor que hoje não tem valor, pode ser o clássico de amanhã, vai saber! Tantos casos de reconhecimento póstumo... E só pra botar lenha na fogueira: o penúltimo romance do Rubem Fonseca, "Diário de um fescenino", perde de longe para o "Mãos de cavalo" do Daniel Galera, ein?
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
15/6/2006
01h36min
A questão é pertinente. Harold Bloom, que lê exaustivamente, aconselha aos críticos a mesma pergunta, sempre: "melhor que, pior que, igual a quê?" Para se responder a uma pergunta dessas é preciso ter acúmulo, sedimento, conhecimento. Nada muito fácil. Tudo é relativo. Essa frase, sempre mal interpretada, significa exatamente isso: tudo tem relação com outra coisa e essa relação pode ser expressa quase que matemáticamente: menos que, maior que, igual a que, etc. A maioria das pessoas usa a frase querendo dizer exatamente o contrário: nada é relativo e essa obra (no caso de estar em questão alguma discussão sobre algum livro) deve ser tomada pelo seu valor absoluto ou seja, sem comparações. Isso não existe. A medida de valor é a medida da comparação. Jovens autores tendem a esquecer que literatura é também tempo acumulado. Grandes autores, no geral, pensaram muito e gastaram tempo nisso. Muito tempo pensando. É diferente de muito tempo sonhando. Melhor não escrever.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
30/1/2009
11h52min
Ué, hoje em dia se lê muito menos do que antes, então é óbvio que a produção cai, por inúmeros fatores, inclusive o de não se preocupar com escrever corretamente. E avante! - já que ninguém vai ler... O próprio escritor não lê. A configuração atual é essa, há mais escritores que leitores no Brasil. E tu há de concordar comigo que quem não lê é menos capaz de escrever decentemente. Isso é lógica.
[Leia outros Comentários de Gabriel Pardal]
30/1/2009
13h56min
Convivo com a literatura desde meus tempos de infância, mas até hoje nenhum autor me tocou tanto como o Eduardo Martínez que escreveu o impagável "Despido de Ilusões", o meu romance preferido. A maneira que ele escreve me faz lembrar da minha velha avó, tão boa cozinheira e sábia com as palavras.
[Leia outros Comentários de Larissa]
31/1/2009
19h22min
Ler é um exercício pessoal, único, endógeno; cuja dinâmica começa num texto qualquer e reverbera em todo o nosso patrimônio pessoal. Alguns transcendem ao valor primal do próprio texto e absorvem algumas camadas a mais de informações contidas no ritmo e nas referências que ali se encontram as vezes à revelia. Diferente de se conter com os olhos, um texto é colhido pela sensibilidade, pela razão, pelo emocional. Logo, lemos com todas as nossas instâncias de prospecção. Representações de pausas e silêncios não cabem em nenhuma sintaxe, mas isto também é som. A crítica, diferente de ler, é ler-se. Um ato de coragem misturado com uma mitomania que deixou alguns escritores maiores que seus escritos. A crítica é feita para uma platéia que analisa conjuntamente e equivocadamente autor, obra e crítico. Há que se ter um talento e uma pontaria muito fina para atingir estes alvos móveis. Comparações são falácias, contextualizações e torcida, não resistem a uma análise desapaixonada.
[Leia outros Comentários de Carlos E.F. Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINQUEMOS COM O CORPO E A IMAGINAÇÃO
LIDIA VAZQUEZ
PAULUS
(2000)
R$ 8,28



LEIS 8.112/90 E 8.666/93 COLEÇÃO CONCURSOS PÚBLICOS O PASSO DECISIVO PARA SUA APROVAÇÃO
ISABEL MORAES (COORD)
GOLD
(2008)
R$ 10,00



A FERA NA SELVA
HENRY JAMES
ROCCO
(1985)
R$ 18,00



REALISTIC ILLUSTRATIONS IN JAPAN 2
G. SHA
BOOKS NIPPAN
(1987)
R$ 85,00



UM CASAMENTO SEM AMOR
DORIS LESSING
RECORD
(1964)
R$ 7,00
+ frete grátis



DA RECONVENÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO
OSÍRIS ROCHA
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1965)
R$ 19,28



OS DOZE MANDAMENTOS
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2011)
R$ 3,00



ISRAEL DO SONHO À REALIDADE
CHAIM WEIZMANN
IBRASA
(1969)
R$ 5,00



THE ADVENTURES OF HUCKLEBERRY FINN - COM CD
MARK TWAIN
PEARSON
R$ 25,00



SEXO E DESTINO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER & WALDO VIEIRA
FEB
(1972)
R$ 20,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês