Relativismos literários | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dias 06,13, 20 e 27 de março terão apresentações circenses virtuais da Arca de Vandé
>>> Obra clássica sobre a economia política de Marx é lançada no Brasil
>>> Estreia de Pantanal A Boa Inocência de Nossas Origens
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o quarto episódio do Desafinados Entrevista
>>> Unil oferece curso sobre preparação e revisão de texto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que mata o prazer de ler?
>>> Ex-míope ou ficção científica?
>>> Cidades do Algarve
>>> Tralha
>>> Cameron Frye: o rapaz que se cansou de sentir medo
>>> Mighty Good Leader
>>> Réquiem
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Blogs, livros e blooks
>>> 8 de março: não aos tapas, sim aos beijos
Mais Recentes
>>> Indisciplina na Escola – Alternativas Teóricas e Práticas de Julio Groppa Aquino (Org.) pela Summus (1996)
>>> Big rock de Lauren Blakely pela Faro Editorial (2017)
>>> A Ética na Educação Infantil – O Ambiente Sócio-Moral na Escola de Rheta DeVries & Betty Zan pela Artmed (1998)
>>> Avaliação Da Excelência à Regulação das Aprendizagens – Entre Duas Lógicas de Philippe Perrenoud pela Artmed (1999)
>>> Encontros Com o Professor – Cultura Brasileira em Entrevista – Volume 1 de Cristiane Ostermann, Karen Mendes Santos & Ruy Carlos Ostermann (Org.) pela Tomo (2006)
>>> A Pesquisa e a Construção do Conhecimento Científico – Do Planejamento aos Textos, da Escola à Academia de Maria Luci de Mesquita Prestes pela Respel (2007)
>>> Uma Tranquila Transição de Dr. Bruce Goldberg pela Pensamento (2004)
>>> Este Barco é Nosso de D. Michael Abrashoff pela Cultrix - Amana Key (2013)
>>> Educação Inclusiva – Caderno de Estudos – Educação a Distância de Tatiana dos Santos da Silveira & Luciana Monteiro do Nascimento pela Uniasselvi (2013)
>>> Para Sempre (Os Imortais #1) de Alyson Noël pela Intrínseca (2011)
>>> Jesus, o Profeta do Oriente. de Michael Amaladoss pela Pensamento (2017)
>>> L'Histoire sans les femmes est-elle possible? de Anne-Marie Sohn; Françoise Thélamon (Orgs.) pela Perrin (1997)
>>> Les femmes, actrices de l'Histoire: France, 1789-1945 de Yannick Ripa pela Armand Colin (2002)
>>> Linguistique de Olivier Soutet pela Puf (1995)
>>> Gestão Escolar – Caderno de Estudos – Educação a Distância de Rosinete Bloemer Pickel Buss pela Uniasselvi (2013)
>>> Langues et écritures de la république et de la guerre: études sur Machiavel de Alessandro Fontana; Jean-Louis Fournel; Xavier Tabet; Jean-Claude Zancarini (Dir.) pela Name (2004)
>>> La guerre des identités: grammmaire de l'émancipation de Ernesto Laclau pela la Découverte Mauss (2000)
>>> Millennium 2 - A Menina que Brincava com Fogo de Stieg Larsson pela Companhia da Letras (2009)
>>> Psicomotricidade – Caderno de Estudos - Educação a Distância de Viviane Pessoa Padilha Patel, Scheila Krenkel & Eduardo Cartier Laranjeira pela Uniasselvi (2012)
>>> L'Insulte (en) politique: Europe et Amérique latine du XIXº siècle à nos jours de Th. Bouchet; M. Leggett; J. Vigreux; G. Verdo (Dir.) pela Editions Universitaires De Dijon (2005)
>>> A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Globo (1971)
>>> Pragmatics de Stephen C. Levinson pela Cambridge University Press (1997)
>>> La danse des signes de Vários autores pela Hatier (1999)
>>> Le discours politique: les masques du pouvoir de Patrick Charaudeau pela Viubert (2005)
>>> A Quinta Disciplina - Arte e Prática da Organização Que Aprende de Peter M. Senge pela Best Seller (2012)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Sexta-feira, 9/6/2006
Relativismos literários
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Lendo o que um amigco escreveu sobre um poeta desses aí, me toquei de que vivemos dias pouco exuberantes em matéria de literatura. Não é novidade, é claro. Mas esta constatação óbvia me fez perceber que talvez nossa percepção do que é bom ou ruim seja afetada por esta produção medíocre. A pergunta que me faço é: será que o romance bom de hoje é mesmo bom ou ele só é bom porque seus semelhantes são ruins?

Esta pergunta põe em dúvida muitas de minhas leituras recentes. Não estou querendo, aqui, desdizer o que disse. Estou apenas duvidando de mim mesmo, o que é um exercício intelectualmente saudável. Pergunto-me se não baixei meu padrão de qualidade em nome de uma espécie de bem-estar coletivo, isto é, em nome de uma sensação de que não vivo tempos medíocres. É como se, inconsciente, eu achasse que um só livro (ou dois ou três) fosse capaz de absolver toda uma geração.

E aqui já vislumbro outro problema: é justo ter parâmetros absolutamente altos, canônicos? À primeira vista, me parece que sim. Mas, na prática, isso se mostra muito, mas muito difícil mesmo. Ter como parâmetro os livros canônicos põe praticamente toda a produção contemporânea em xeque. Para não citar Shakespeare e Cervantes, nem tampouco Machado de Assis, digo que nada do que se escreve hoje em dia se compara a Guimarães Rosa e Graciliano Ramos, na prosa, e João Cabral e Bandeira em poesia.

E agora? A solução me parece ser a de diminuir as expectativas e, conseqüentemente, analisar a produção contemporânea por parâmetros menores. Mas daí me deparo com dois problemas secundários, um de ordem moral e outro de ordem prática. Ora, será honesto recomendar um livro para um leitor dizendo que, bem, se tanto o escritor como o leitores não fossem azarados o suficiente para nascer nesta época, o livro seria uma porcaria e o leitor não teria de lê-lo? Ou, invertendo o raciocínio mas mantendo o produto: o livro é bom porque tanto o escritor quanto o leitor têm a "sorte" de terem nascido numa época mais rasteira, superficial.

Não me sinto muito bem com nenhuma das duas opções, mas me parece ser impossível fugir delas. Novamente aqui exponho a dúvida: será justo analisar qualquer (qualquer!) livro dos muitos que abarrotam as vitrines das livrarias tendo em vista o que já foi publicado e é reconhecidamente considerado obra-prima? Isto é: perto de um Marques Rebelo ou mesmo um Lima Barreto (para nos atermos às referências nacionais), que valor tem um Rubem Fonseca ou um Dalton Trevisan? E perto deles, que valor terá Daniel Galera ou André Sant'Anna, só para citar dois autores jovens bastante elogiados hoje em dia?

Estas perguntas se tornam ainda mais complexas quando me deparo com uma verdade assustadora, mas que não pode ser omitida: os romances ingleses e norte-americanos vivem uma fase absolutamente exuberante, se comparada com a produção nacional. Recentemente, tenho feito muito isso: no meio de um livro de um autor americano ou inglês, falo para mim mesmo: não há nada comparável a isso sendo escrito no Brasil. E não há mesmo!

O resultado desta investigação toda é um enorme e enfeitado ponto de interrogação. Então temos dois pesos e duas medidas, um para a literatura nacional e outro para a estrangeira? Um para a literatura contemporânea e outro para a literatura canônica? Estamos sendo indulgentes demais com nossos autores ou nosso gosto literário se tornou superficial?

Não sei. Não sei mesmo. Só sei que sinto um gosto ruim na boca ao constatar que muitos dos livros que li e para os quais reservei um cantinho especial na minha estante, se lidos à luz dos Grandes, não passam de historietas primárias. O que me assusta é perceber que, em muitos casos, nem é preciso recorrer aos Grandes para reduzir a produção contemporânea ao que ela é: nada. Às vezes basta que recorramos aos Médios.

Este texto já está cheio de perguntas, mas não resisto a mais uma: então será que tudo é relativo? Shakespeare só se discutem em termos do próprio Shakespeare, Chaucer, Cervantes e Montaigne e Luis Vilela só se discute em termos de Rubem Fonseca, Dalton Trevisan, Autran Dourado e Moacyr Scliar? O que aconteceria se misturássemos estes dois grupos e discutíssemos Rubem Fonseca à luz de Cervantes - ou mesmo de Balzac ou Voltaire?

Para ser sincero, eu tenho muito medo do relativismo, mas também tenho medo da verdade nua e crua, que é a de que a segunda metade do século XX, bem como este início de século XXI, não produziu praticamente nada que possa ser comparado com as obras de Faulkner ou Céline ou Joyce ou Borges ou Hemingway ou. Sinto-me tentado a, daqui para frente, ser mais cruel e - por que não?! - mais justo e menos indulgente, e jamais considerar um livro bom só porque ele o é se comparado ao companheiro de geração. Eis aqui novamente o meu temor: o de ser incapaz de reconhecer entre os meus qualquer coisa de aceitável.

Isso sem falar nas comparações com o que está sendo feito nos Estados Unidos e na Inglaterra. Já disse e repito: não há nenhum livro de um escritor brasileiro contemporâneo que tenha qualidades remotamente parecidas com as de um Reparação, de Ian McEwan. Como é que se sai, afinal, deste beco sem saída?

Tendo sempre para o lado da justiça, por mais cruel que ela seja. Indulgência, sinceramente, não faz parte da minha personalidade. Sinto que é preciso aumentar os parâmetros ou, daqui a pouco, estaremos dando certificado de qualidade a carne precocemente estragada. O que não me deixaria dormir tranqüilo. De jeito nenhum.

Nota do Editor
Texto publicado originalmente no site do autor em 19 de maio de 2006.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 9/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Tecnologias e borboletas de Ana Elisa Ribeiro
03. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
04. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
05. Na hora do batismo de Marta Barcellos


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2006
01. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
02. As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues - 14/12/2006
03. Não existem autores novos - 8/5/2006
04. Orkut: terra de ninguém - 9/2/2006
05. Relativismos literários - 9/6/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/6/2006
00h57min
É complicado comparar os contemporâneos com os nomes já consolidados, de sucesso. A crítica já errou no passado, comete erros no presente, e certamente cometerá no futuro. O escritor que hoje não tem valor, pode ser o clássico de amanhã, vai saber! Tantos casos de reconhecimento póstumo... E só pra botar lenha na fogueira: o penúltimo romance do Rubem Fonseca, "Diário de um fescenino", perde de longe para o "Mãos de cavalo" do Daniel Galera, ein?
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
15/6/2006
01h36min
A questão é pertinente. Harold Bloom, que lê exaustivamente, aconselha aos críticos a mesma pergunta, sempre: "melhor que, pior que, igual a quê?" Para se responder a uma pergunta dessas é preciso ter acúmulo, sedimento, conhecimento. Nada muito fácil. Tudo é relativo. Essa frase, sempre mal interpretada, significa exatamente isso: tudo tem relação com outra coisa e essa relação pode ser expressa quase que matemáticamente: menos que, maior que, igual a que, etc. A maioria das pessoas usa a frase querendo dizer exatamente o contrário: nada é relativo e essa obra (no caso de estar em questão alguma discussão sobre algum livro) deve ser tomada pelo seu valor absoluto ou seja, sem comparações. Isso não existe. A medida de valor é a medida da comparação. Jovens autores tendem a esquecer que literatura é também tempo acumulado. Grandes autores, no geral, pensaram muito e gastaram tempo nisso. Muito tempo pensando. É diferente de muito tempo sonhando. Melhor não escrever.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
30/1/2009
11h52min
Ué, hoje em dia se lê muito menos do que antes, então é óbvio que a produção cai, por inúmeros fatores, inclusive o de não se preocupar com escrever corretamente. E avante! - já que ninguém vai ler... O próprio escritor não lê. A configuração atual é essa, há mais escritores que leitores no Brasil. E tu há de concordar comigo que quem não lê é menos capaz de escrever decentemente. Isso é lógica.
[Leia outros Comentários de Gabriel Pardal]
30/1/2009
13h56min
Convivo com a literatura desde meus tempos de infância, mas até hoje nenhum autor me tocou tanto como o Eduardo Martínez que escreveu o impagável "Despido de Ilusões", o meu romance preferido. A maneira que ele escreve me faz lembrar da minha velha avó, tão boa cozinheira e sábia com as palavras.
[Leia outros Comentários de Larissa]
31/1/2009
19h22min
Ler é um exercício pessoal, único, endógeno; cuja dinâmica começa num texto qualquer e reverbera em todo o nosso patrimônio pessoal. Alguns transcendem ao valor primal do próprio texto e absorvem algumas camadas a mais de informações contidas no ritmo e nas referências que ali se encontram as vezes à revelia. Diferente de se conter com os olhos, um texto é colhido pela sensibilidade, pela razão, pelo emocional. Logo, lemos com todas as nossas instâncias de prospecção. Representações de pausas e silêncios não cabem em nenhuma sintaxe, mas isto também é som. A crítica, diferente de ler, é ler-se. Um ato de coragem misturado com uma mitomania que deixou alguns escritores maiores que seus escritos. A crítica é feita para uma platéia que analisa conjuntamente e equivocadamente autor, obra e crítico. Há que se ter um talento e uma pontaria muito fina para atingir estes alvos móveis. Comparações são falácias, contextualizações e torcida, não resistem a uma análise desapaixonada.
[Leia outros Comentários de Carlos E.F. Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Rainha do Inverno
Boris Akunin
Objetiva
(2003)
R$ 10,00



Poesia de Bicicleta
Sérgio Capparelli
L&pm
(2013)
R$ 7,00



Mutações O Jardim da Vida
Itaci
Mcs
(2003)
R$ 30,00



50 Técnicas Essenciais da Administração
Michael Ward
Nobel
(1998)
R$ 35,00



Gula: um Romance
John Lanchester
Companhia das Letras
(1996)
R$ 13,00



O Papel Político da Igreja
R. Lemieux e outros
Vozes
(1982)
R$ 15,00



Nosso Amiguinho English. Years.
Vários
Casa
(2013)
R$ 21,25
+ frete grátis



O que é ideologia
Marilena Chauí
Brasiliense
(1980)
R$ 7,00



Zapp! O Poder da Energização
William Byham; J. Cox
Elsevier
(2004)
R$ 25,00



Foro Extrajudicial - Normas Federais
Emilio Sabatovski
Juruá
(2015)
R$ 39,00





busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês