Queridos amigos | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Quarta-feira, 24/12/2008
Queridos amigos
Luiz Rebinski Junior

+ de 2500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Há muito tempo que a televisão aberta, para mim, se resume a jogos de futebol e programas jornalísticos. E isso nada tem a ver com preconceito ou postura blasé. A televisão brasileira é suficientemente ruim e conhecida para dispensar, de minha parte, explicações sobre a qualidade de seus programas.

Mas em 2008 foi justamente um produto de nossa tão contestada, amada e odiada teledramaturgia que me fez esquecer que a TV brasileira é ruim e ― o que é mais bacana ― que ela pode ser boa, mesmo com um jeitão de cinema. Estou falando de Queridos amigos, minissérie da Rede Globo baseada no livro Aos meus amigos, da escritora e roteirista Maria Adelaide Amaral.

A minissérie me chamou a atenção, basicamente, por duas razões: primeiro, porque fugiu, tematicamente, dos anos 60/70, período perseguido com verdadeira obsessão por escritores e roteiristas. As quatro décadas de 1968, este ano, monopolizaram as atenções, e não encontrá-las na televisão aberta foi um alento para os telespectadores e um ponto positivo para quem as deixou de fora; segundo, porque Maria Adelaide conseguiu achar, dentro da história, pontos de convergência entre tipos tão distintos e caricatos (a hippie esotérica, o gay elitista, o professor de literatura romântico e sem dinheiro, o escritor fracassado) sem que isso soasse forçado ou inverossímil.

O êxito se deve, também, à total fuga do esquema maniqueísta tão utilizado nas telenovelas que os mesmos atores de Queridos amigos estão tão acostumados. O ótimo resultado final da minissérie ― com destaque, principalmente, para as boas atuações dos atores ― serve, também, como um bom exemplo do caráter limitante e reducionista da telenovela, que, aos poucos, atrofia o talento de atores e atrizes que nela estacionam suas carreiras em troca de uma possível estabilidade financeira. Sim, porque o grosso do elenco de Queridos amigos pode ser visto nas piores novelas da Rede Globo.

Por outro lado, a escalação dos atores mesclou, de maneira bastante pertinente, nomes mais conhecidos do horário nobre (Débora Bloch e Dan Stulbach) a outros menos óbvios (Guilherme Weber, Mayana Neiva, Emílio de Mello e Joelson Medeiros). A esses, juntaram-se medalhões como Fernanda Montenegro e Juca de Oliveira.

O destaque, entre todos, ficou por conta da atuação cheia de trejeitos e afetações de Guilherme Weber, que, na pele de Benny, cria uma espécie de Andy Warhol de humor ferino e cáustico. Rico, hedonista e sem paciência nenhuma para pieguices, o personagem não poupa nada nem ninguém. Diz tudo que pensa de uma maneira muito particular e, por isso mesmo, engraçada. É contra qualquer tipo de reaproximação com o passado e não dá a mínima para a ideologia que transformou, tempos atrás, aquele grupo de pessoas em uma turma. No fundo, Benny age como todo mundo deveria agir: sem fazer concessões à idiotice, à moralidade e à falta de educação.

Além das atuações individuais, quase todas bastante convincentes, a minissérie utiliza de forma inteligente acontecimentos reais, do Brasil e do mundo, como pano de fundo para a trama. Assim, a queda do Muro de Berlim vira drama na vida do jornalista e militante Tito (Matheus Nachtergaele), um típico marxista retrógrado.

Apesar da história se passar no fim da década de 1980, ela fala muito mais, nas entrelinhas, dos anos 1990 e do que o começo da nova década representou para os brasileiros. Isso porque, ainda que trate de assuntos tão identificados com o período oitentista, como a proliferação da Aids e a redemocratização do país, no fundo a história de Maria Adelaide não é sobre o fim de uma década, mas sobre o recomeço de trajetórias interrompidas.

E é aí que a autora encontra pontos de convergência entre seus personagens e a recente história do país que corre ao fundo da trama. É só a partir da reunião dos velhos amigos que feridas começam a cicatrizar e histórias mal resolvidas são encerradas, nem sempre com o final esperado pelo telespectador, o que é outro ponto positivo. Tudo isso sob a aurora dos anos 1990, que, aos trancos e barrancos, também representaram, para o Brasil, um recomeço. É só com as eleições diretas para presidente que o país começa a redefinir sua rota e seus objetivos, depois de um longo período de trevas. Bem como fazem os personagens de Queridos amigos depois do suicídio de Léo: Tito, o jornalista esquerdista resolve amolecer o coração e se deixa levar por um amor; Bia (Denise Fraga) ganha coragem para acertar as contas com o torturador que a estuprou na época dos anos de chumbo; e Pedro (Bruno Garcia), depois de um período de bloqueio criativo, sai do limbo para escrever a história da turma.

Mas mesmo que a política, em suas mais diversas formas, tenha grande presença na história, não há em Queridos amigos o tom pedagógico, professoral, que costuma povoar as produções que se debruçam sobre, por exemplo, a época do golpe militar brasileiro. Nessas produções (seja em livros ou filmes), parece haver uma preocupação excessiva em deixar claro para o público o quanto as pessoas que viveram os anos 1970 eram politizadas, patriotas e inteligentes.

O que não acontece em Queridos amigos. Na história de Maria Adelaide nem todo mundo é politizado ou militante (ainda que alguns personagens tenham ligação direta com a luta armada). Pelo contrário, o personagem mais politizado da trama (Tito) é visto como atrasado e tacanho. O que não quer dizer que a minissérie também não suscite certa dose de nostalgia no telespectador. É claro que sim, mas se o faz é muito mais por conta da história em si, calcada nos prazeres e vicissitudes da amizade, do que por uma suposta nostalgia pré-fabricada. Os dramas pessoais e conflitos existenciais dos personagens é que tomam conta da história. A proximidade do período retratado também funciona a favor. Afinal, os anos 1990 mal dobraram a esquina, ainda estão muito vivos na memória de todos para que virem objeto de veneração, como já acontece hoje com a horrorosa década de 1980.

Longe de apenas retratar um período ainda não digerido de nossa recente história (e dar ênfase apenas aos fatos históricos), Queridos amigos conseguiu lograr êxito em cima de um tema ― a amizade ― ao mesmo tempo emocionante e bastante propício à pieguice. Mas sua maior contribuição, certamente, foi tirar, pelo menos momentaneamente, a televisão brasileira do seu permanente estado de paralisia criativa. E isso não é pouco.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 24/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
02. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
03. Omissão de Ricardo de Mattos
04. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos
05. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/1/2009
10h24min
A minissérie foi um dos piores programas de 2008. Piegas e caricata retrata um grupo de amigos alienados, que citam passagens de Fernando Pessoa com se estivessem descobrindo a roda... A revolução é permanente e ininterrupta, como diz Trotsky. É fundamental vivermos a nossa revolução.
[Leia outros Comentários de Maiakoviski]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MULHER DE TRINTA ANOS
BALZAC
NOVA CULTURA
(1995)
R$ 9,00



VINHOS - UMA FESTA DOS SENTIDOS
ROGERIO DARDEAU
MAUAD
(2002)
R$ 10,51



UMA BREVE HISTÓRIA DO CRISTIANISMO
GEOFFREY BLAINEY
FUNDAMENTO
(2012)
R$ 20,00



ARREBENTAÇÃO
CLAUDIE GALLAY
OBJETIVA
(2010)
R$ 20,00



MACAPACARANA
GISELDA NICOLELIS
ATUAL
R$ 9,36



QUE FIM LEVOU BRODIE ?
ANTONIO F. BORGES
RECORD
(1996)
R$ 20,00



SINAIS DE VIDA NO PLANETA MINAS
FERNANDO GABEIRA
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 6,00



O ASSASSINATO E OUTRAS HISTÓRIAS
ANTON PAVLOVICH TCHEKHOV
COSACNAIFY
(2003)
R$ 5,00



A HISTÓRIA DA GALINHA
NINA AMARANTE
GLOBAL
(2009)
R$ 33,00



O ESPIÃO QUE SAIU DO FRIO
JOHN LE CARRÉ
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 6,28





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês