A clepsidra e os livros de areia | Daniela Kahn | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2009: intolerância e arte
>>> A Marafa Carioca, de Marques Rebelo
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
Mais Recentes
>>> Boneco de Pano de Daniel Cole pela Arqueiro (2017)
>>> Hereges de Leonardo Padura Fuentes pela Boitempo (2015)
>>> Nix de Nathan Hill pela Intrinseca (2018)
>>> Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler pela Record (2010)
>>> Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler pela Record (2010)
>>> Código da Vida de Saulo Ramos pela Planeta (2007)
>>> Caras Animalescas de Renato Moriconi; Ilan Brenman pela Cia das Letrinhas (2013)
>>> Jujubalândia de Mariana Caltabiano pela Brinque Book (1997)
>>> O Pequeno Dragão - 2ª Nova Ortografia de Pedro Bandeira; Carlos Edgard Herrero pela Moderna (2009)
>>> O Coiso Estranho de Blandina Franco pela Companhia das Letras (2014)
>>> Rupi! o Menino das Cavernas de Timothy Bush; Gilda de Aquino pela Brinque-book (1997)
>>> Casa-grande Senzala - Dois Volumes de Gilberto Freyre pela Jose Olympio (1950)
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
COLUNAS

Quinta-feira, 30/12/2010
A clepsidra e os livros de areia
Daniela Kahn

+ de 4900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O final de ano se aproxima. E esta é uma época em que o fluir do tempo se torna mais presente.

Isso me faz lembrar o relógio de areia, que torna a sua passagem próxima e palpável. Constituído por dois cones unidos pelo ápice, a clepsidra permite que visualizemos a migração continua dos grãos de areia do funil superior para o inferior. Quando este último está repleto a posição do dispositivo é invertida e inicia-se nova contagem.

Em 1975 Jorge Luis Borges publicou um volume de contos denominado O livro de areia. O conto título trata de um misterioso livro, cujas páginas proliferam desordenadamente, jamais repetindo o mesmo conteúdo. Ele é conhecido como o Livro de Areia, porque, como esta, é infinito. Depois de adquirir a obra, o protagonista do conto torna-se prisioneiro do fascínio algo sinistro de suas páginas mutantes. Até que um dia, num gesto de libertação, o descarta num canto esquecido da Biblioteca Nacional de Buenos Aires.

Borges faleceu em 1986, quando a internet começava a se internacionalizar. Provavelmente não chegou a saber que seu livro imaginário abandonara o seu obscuro esconderijo para invadir o quotidiano das pessoas do mundo inteiro. Em sua nova versão digital, a capacidade de sedução do livro se multiplicou pela imensa quantidade dos leitores que diariamente sucumbiam e ainda sucumbem a ela.

Quanto a suas faculdades ocultas, essas se tornaram mais evidentes e mais poderosas do que antes, como provam, entre tantos outros, os incidentes recentes protagonizados pelo polêmico site WikiLeaks. A diferença é que a fantasmagoria agora é tecnológica. Os seus agentes secretos invisíveis são os hackers; suas armas de combate os vírus e os cavalos de tróia; seus dossiês confidenciais os cadastros completos sobre cada um de nós. Talvez o mais assustador de seus poderes seja o de devassar redutos antes inexpugnáveis, abolindo privacidades, rompendo lacres de segurança, expondo a todos e a tudo, desde o mais humilde cidadão de alguma aldeia esquecida até a maior potência internacional.

A internet é o arauto e a mídia preferencial de um mundo em vertiginosa transformação. Como se sabe, ela eliminou fronteiras, agilizou e democratizou a distribuição de conteúdos, multiplicou formatos, pluralizou modos de comunicação e interação, padronizou meios de expressão, criou, enfim, modernos estilos de vida e novos modos de convivência. Com relação a estes últimos, o seu espaço se converteu no imenso quintal da vizinhança (evoco aqui outro conto precursor, o belo "O pátio da vizinhança", de Miguel Delibes) onde cada um mitiga a sua solidão.

À sua imensa capacidade de expansão e mobilidade se contrapõe a natureza epidérmica e volátil dos seus conteúdos. Se antes o jornal de hoje embrulhava o peixe de amanhã, nos tempos atuais as notícias se atropelam.

Voltada intensamente para o aqui e agora, a rede traduz a fragilidade do viver contemporâneo. O homem atual é, antes de tudo, um equilibrista que busca sobreviver dentro da precariedade de um presente que se alimenta sofregamente dos entulhos de um passado mal resolvido.

Neste século, que ainda engatinha, tudo, absolutamente tudo, é reciclável. A sua alma é o espetáculo e, seu porta voz, a publicidade. Sua resistência está paradoxalmente na celebração rumorosa da sua própria fugacidade. A ele não mais interessa a vida (e nem a morte) como ela é, apenas enquanto conteúdo do show da mídia que não pode parar.

Nesse contexto, em que todas as delimitações convencionais estão borradas e em que a distância entre o real e sua representação se encurtou perigosamente, cabe a pergunta: qual é o espaço reservado à obra de arte? E, dentro dele, ao livro e à literatura (que, afinal das contas, são o ponto de partida dessa reflexão)? Num mundo em que, seguindo o modelo da internet e do velho Livro de Areia, tudo tende ao efêmero, quais são os critérios de valor que ultrapassam os quinze minutos de fama proporcionados pelos meios de comunicação social?

É bom lembrar que cada obra de arte autêntica, não só a literária, é uma síntese visceral da época e da sociedade que a produziu. Dessa forma, ela traduz a sua contemporaneidade em profundidade não só aos que participam dela, mas, principalmente, à posteridade. Mais que isso, ela atrai apreciadores de épocas distintas, estabelece diálogos com outras obras e diferentes linguagens, constituindo-se eventualmente numa referência para as gerações vindouras.

Nesse sentido, por menos oportuno que seja falar em permanência numa época tão instável, um dos parâmetros para avaliar a perenidade de um livro seria o critério irônico do próprio Borges: uma obra literária aspirante à imortalidade teria que sobreviver ao seu autor, por, pelo menos, 50 anos.

Enquanto 2010 se despede de nós, gostaria de encerrar esse texto fazendo uma referência àquele outro livro que cada um de nós escreve involuntariamente e ao qual cada dia que vivemos se incorpora como uma nova página: o livro das nossas vidas.

Mais uma vez invoco Borges, que via não apenas nos livros, mas, sobretudo, nos leitores, uma fonte de infinitas transformações.

Somos todos atores e decodificadores do mundo que nos cerca e autores dos nossos próprios livros de areia. Na medida em que a nossa vida avança, nossa leitura do universo não só se torna mais depurada, como também reinterpretamos as nossas próprias vivências. Nisso somos auxiliados por um editor bastante infiel, ainda que decisivo: trata-se da nossa memória, que formata, do seu modo, os "textos" que compõem a nossa experiência diária, registrando, alterando, deletando, agregando, condensando, corrigindo, deformando e, ás vezes, até mesmo copiando conteúdos de fontes alheias.

Mas, questões de edição à parte, desejo que, no escoar dos últimos momentos de 2010, todos tenhamos um ano novo repleto de momentos enriquecedores que acrescentem belas páginas ao livro da vida de cada um de nós.


Daniela Kahn
São Paulo, 30/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Isto é para quando você vier de Renato Alessandro dos Santos
02. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo
03. Agora o mundo perde cotidianamente os seus ídolos de Guilherme Carvalhal
04. O regresso, a última viagem de Rimbaud de Eugenia Zerbini
05. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro


Mais Daniela Kahn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/1/2011
09h07min
Cara Daniela, se encontramos conteúdos nossos em textos alheios saiba que devorei teu texto como se cada partícula me fosse íntima. Vivemos um tempo ímpar, e é preciso digeri-lo em perspectiva, sob pena de nos perdermos de nós mesmos. É sempre um norte ler um texto lúcido e diagnóstico. Abraço e um feliz 2011.
[Leia outros Comentários de Melinda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Watergate: les Fous Du President
Carl Bernstein e Bob Woodward
Robert Laffont
(1974)



Brida - Coleção Paulo Coelho
Paulo Coelho
Isto é



Ratinho: Coisa de Louco!
Beto Junqueira
Lpm
(1998)



Bichinhos do Brasil
Douglas Reis
Autodidata
(2008)



Mídia Eletrônica - Seu Controle nos Eua e no Brasil
André Mendes de Almeida
Forense
(2006)



Welcome Aboard: a Servicemanual For the Naval Officers Wife
Florece Ridgely Johnson (capa Dura)
United States Naval Institute
(1960)



La Mémoire de Lâme
Launier / Mcebius
Stardom
(2001)



Imortal
Anderson Santos
21
(2009)



Geracao T. E. E. N. Transei e Esqueci o Nome
Marty Beckerman
Ediouro
(2005)



Guilhermino Cunha: Vida e Obra
Cid Pereira Caldas e Nilson de Oliveira
Edições Catedral (rj)
(2013)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês